Notícias

Curso ajuda jornalistas a desenvolver estratégias para lidar com assédio online

Capacitação, que é online e gratuita, começou na última segunda (16), mas ainda tem inscrições abertas

Por Teresa Mioli, do Knight Center

Setenta por cento das mulheres jornalistas foram assediadas, ameaçadas ou atacadas, de acordo com um relatório da International Women’s Media Foundation (IWMF) e TrollBusters. Uma pesquisa global realizada para o relatório constatou que um terço das jornalistas considerou deixar o jornalismo por causa de ataques e ameaças online.

Aprender quem são os trolls online e quem os está apoiando, além de reforçar sua segurança digital e encontrar maneiras de enfrentar o assédio online, são habilidades essenciais para jornalistas mulheres em todo o mundo.

O curso gratuito, “Assédio Online: Estratégias para a Defesa dos Jornalistas”, ensinará mulheres jornalistas e seus aliados como se proteger online, como lidar com assédio online e como encontrar redes de apoio.

Este curso do Centro Knight é realizado em parceria com a IWMF e será realizado de 16 de novembro a 13 de dezembro.

“A ideia é que construamos técnicas que os jornalistas possam usar e esses serão passos práticos que as pessoas podem tomar. Não é apenas um foco em segurança digital; isso soa como uma palavra grande e assustadora”, disse a instrutora principal Ela Stapley. “Esses são realmente apenas passos básicos que você pode tomar como jornalista para ajudar a gerenciar seu perfil online e ajudar a recuperar a quantidade de informações que está na internet sobre você.”

Stapley se juntará a co-instrutoras baseadas em todo o mundo, incluindo Arzu GeybullaCatherine Gicheru Myra Abdallah. Cada especialista será responsável por um módulo semanal e falará sobre as estratégias que elas usaram para lidar com o assédio online.

Os módulos abordarão os seguintes tópicos: 

  • A primeira semana, ministrada por Geybulla, é uma introdução ao assédio online em todo o mundo, com estratégias de enfrentamento para lidar com isso.
  • A segunda semana, ensinada por Gicheru, aborda a privacidade online como jornalista e como se proteger melhor nos ambientes digitais.
  • A terceira semana, liderada por Stapley, vai olhar para os tipos de trolls que você pode encontrar online, quem são suas redes de apoio e como você pode documentar abusos.
  • Quarta semana, ministrada por Abdallah, fala sobre proteção de contas online, navegação segura e comunicações e sistemas de suporte online e off-line para jornalistas sendo assediadas.

Stapley disse que seu trabalho ao redor do mundo mostrou que o assédio é “uma questão cada vez mais complicada e global”.

“As técnicas que os assediadores usam podem ser diferentes, mas o objetivo é o mesmo: retirar as mulheres jornalistas da esfera pública e restringir a liberdade de expressão”, disse ela.

Devido à natureza global do assédio online, as instrutoras foram escolhidas por causa de sua experiência internacional e seu conhecimento da intersecção entre jornalismo e segurança digital em diferentes contextos.

Trabalhos recentes de Geybulla, uma jornalista freelance do Azerbaijão que atualmente está sediada em Istambul, analisa o uso de controles de informação e tecnologia autoritária. Gicheru, fellow do International Center for Journalists Knight e diretora de projeto do African Women Journalism Project, foi a primeira chefe de gabinete feminina na África Oriental. Stapley trabalhou em todo o mundo ajudando mulheres com necessidades de segurança digital como consultora de segurança digital com a IWMF e outras organizações. E Abdallah é chefe do departamento de mídia da Fundação Árabe para a Liberdade e Igualdade e gerente de comunicações da região árabe para o Women in News.

“Estávamos procurando para obter uma grande amplitude de pessoas em todas as regiões”, disse Stapley. “Isso ocorre porque o assédio online varia em termos do tipo de assédio que acontece em diferentes áreas ao redor do mundo.”

Embora as jornalistas sejam mais propensas a se apresentar agora para falar sobre ser assediada online, ainda há muitas pessoas nas redações ou trabalhando como freelancer que estão lidando com isso sozinhas. Algumas mulheres, disse Stapley, presumem que faz parte do trabalho.

“Este não é o caso”, disse ela. “Pode haver estratégias e você pode fazer importantes redes de apoio.”

O curso é voltado para mulheres jornalistas, mas aberto a homens e mulheres que desejam desenvolver estratégias para lidar com possíveis casos de assédio online, que infelizmente estão se tornando mais frequentes em todo o mundo. Também é relevante para chefes de redação que desejam ajudar suas equipes a lidar com assédio e trollagem online.

As atividades do curso consistem em videoaulas, leituras e apostilas, participação em fóruns de discussão e testes semanais.

Os alunos que completarem os questionários semanais com sucesso e participarem dos fóruns de discussão podem ganhar um certificado de participação ao final do curso. A taxa administrativa para o certificado é de USD 30. É concedido pelo Knight Center for Journalism in the Americas e atesta a participação no curso. Nenhum crédito formal de curso de qualquer tipo está associado ao certificado.

Como todos os cursos do Knight Center, este MOOC é assíncrono, o que significa que você pode completar as atividades no seu próprio ritmo e nos horários que melhor se adequem à sua programação. Há prazos recomendados para que você não fique para trás.

“Temos o prazer de fazer parceria com a IWMF neste importante curso, que é liderado por uma equipe estelar de instrutores que trarão uma perspectiva global para seus ensinamentos”, disse Mallary Tenore, diretora associada do Knight Center for Journalism in the Americas. “Este curso oferecerá dicas valiosas para jornalistas que sofreram assédio online em primeira mão, aqueles que querem se proteger melhor online e aqueles que querem apoiar outros que estão lidando com essas questões. Nossa esperança é que os alunos deste curso saiam com estratégias práticas que possam implementar para se sentirem mais seguros no trabalho.”