Geral

“Idade Mídia” é a nova série do Canal Futura sobre educação midiática

A série audiovisual será lançada pela plataforma streaming Futura Play, com acesso gratuito, e terá por escopo apresentar as relações entre os campos da educação e da mídia, mostrando as oportunidades e riscos de uma sociedade hiperconectada.

Dia 13 de julho, às 21h30, será lançada a série audiovisual “Idade Mídia” pela Futura Play, plataforma streaming do Canal Futura. A série audiovisual, de acesso gratuito, terá por escopo apresentar as relações entre os campos da educação e da mídia, mostrando as oportunidades e riscos de uma sociedade hiperconectada. O programa aposta em assuntos como consumo e conteúdo de informação, credibilidade, ética digital, e que atingem todos os aspectos da nossa vida: participação política, economia, acesso à cultura. Serão 13 episódios dirigidos por Leonardo Brant e apresentados pelo jornalista Alexandre Sayad. A produção é da Deusdará Filmes.

Idade Mídia terá como cenário uma sala de aula virtual tendo a função de identificar as fake news presentes, à exaustão, nas pautas científicas, políticas, econômicas, culturais e nas plataformas digitais. O uso dos games como recursos pedagógicos e a inserção da educação e mídia no currículo escolar terão a Base Nacional Comum Curricular como referência e serão alguns dos  temas nos 13 capítulos da série. A participação de alunos do LAB.ME,  o Laboratório de Mídias Aplicadas à Educação do Cento Universitário Belas Artes de S. Paulo, propiciará mostrar experiências práticas e inovadoras.

A estrutura formal de cada episódio é pensada a partir de casos concretos e de convidados  especiais em várias áreas. O primeiro vídeo, por exemplo, examinará o projeto Imprensa Jovem, que há mais de 15 anos desenvolve educação mediática nas escolas municipais de S. Paulo. A convidada é a psicanalista Vera Iaconelli, que discorre sobre as formas possíveis de como a família lida com a mídia em casa. O programa vai mostrar ainda iniciativas como o Projeto Âncora, que aposta na diversidade para aprendizagem; a Escola Avenues, com o uso inovador da tecnologia em sala de aula; a plataforma digital Colab; e o curso Singularidades, que traz uma abordagem diferente para a formação de professores.

“De alguns anos para cá, as instituições mais ortodoxas, como as escolas, a mídia tradicional, os partidos políticos, estão ‘transbordando’, já não cabem mais nos formatos tradicionais”, diz o jornalista Alexandre Sayad. “Mais que um tema, a educação midiática é um olhar sobre o mundo, uma forma de desenvolver o pensamento crítico, que é o objetivo maior da escola”. Para o apresentador, o conteúdo transversal a várias disciplinas – da iniciação científica à área de Linguagens, passando por História, Geografia, entre outras – permite uma ampla utilização da série nas escolas, especialmente em ações de formações de professores, estimulando a apropriação de seu conteúdo.