ABI BAHIANA

Morre o jornalista baiano Pancho Gomes

Foto: Reproduçção/Facebook
Foto: Reprodução/Facebook

A Associação Bahiana de Imprensa (ABI) lamenta a morte do jornalista e publicitário baiano Pancho Gomes, na noite desta quarta-feira (16), de causas ainda não divulgadas. Pancho trabalhou no Jornal do Brasil como repórter, na década de 1970, quando a sucursal do matutino carioca funcionava no Edificio Bráulio Xavier, na Rua Chile, em Salvador. Atuou também em agências de publicidade e diferentes órgãos públicos, como a Secretaria dos Transportes da Bahia, na gestão do governador Nilo Coelho, em 1989, e a Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical, Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) localizada em Cruz das Almas.

Ele deixa dois filhos, Gabriel Gomes e Catarina Guedes, ambos jornalistas. O corpo será cremado nesta quinta-feira, 17, às 16h30, no cemitério Jardim da Saudade, em Salvador. Na reunião ordinária realizada hoje (17) na sede da ABI, a diretoria da entidade aprovou uma moção de pesar pelo falecimento de Pancho.

Duas outras importantes moções foram aprovadas pela ABI. A primeira, à família do crítico de cinema André Setaro, falecido do último dia 10. A outra, endereçada à família do jornalista  Luiz Eugênio Teixeira Tarquínio, falecido no dia 13 de junho deste ano.  Em sua atuação no jornalismo esportivo da Bahia, Luiz Eugênio criou em 1965 o Esporte Jornal, verdadeira escola por onde passaram nomes respeitáveis da profissão. Ele também atuou no jornal Tribuna da Bahia, onde escreveu crônicas que foram além das fronteiras do esporte.

Textos relacionados: