Artigos

O dia em que visitei Hipólito da Costa

Luis Guilherme Pontes Tavares*

Neste 01 de junho de 2022, quando comemoramos o 214ª aniversário da estreia do Correio Braziliense, jornal fundado em Londres pelo gaúcho Hipólito José da Costa Furtado de Mendonça (1774-1823), recordo a visita que fiz a Colônia do Sacramento, no Uruguai, em maio de 2013, com o propósito, também, de conhecer a terra natal deste brasileiro nascido na então Colônia Cisplatina, entregue por Portugal a Espanha em 1828.

Hipólito da Costa manteve o Correio Braziliense ou Armazém Literário em circulação durante 14 anos, entre 01 de junho de 1808 e 01 de dezembro de 1822, e esse periódico mensal teve 175 edições tão fartas de páginas que mais se assemelhavam a revista. Hipólito da Costa embarcava exemplares para Portugal e para o Brasil, pois tratava de ambos em artigos com que propunha reformas e dias melhores.  

1ª página do Correio Braziliense de junho de 1808, cujo editorial fala sobre o primeiro dever do homem em sociedade | Fonte: Wikipedia
Rua de los Suspiros, um dos logradouros mais antigos de Colônia do Sacramento

Esclareço as informações anteriores: Hipólito da Costa nasceu em Colônia do Sacramento quando essa povoação fazia parte do território nacional. “A família de Hipólito mudou-se, juntamente com outros retirantes, para a região de Pelotas, no Rio Grande do Sul. Mais tarde, ele viveria também em Porto Alegre. Aos 19 anos, Hipólito matriculou-se na Universidade de Coimbra, em Portugal, vindo a graduar-se em Direito, Filosofia e Matemática, em 1798”, conforme nos informa a edição de 05 de junho de 2018 do Portal Press. Acrescento: ele tornou-se funcionário da Corte, foi preso em Lisboa e coube à maçonaria inglesa o seu resgate e embarque para Londres. Jamais retornou ao Brasil e, portanto, viveu quase 2/3 dos seus dias na Europa.

O Brasil distinguiu Hipólito da Costa como Patrono da Imprensa Brasileira e, por iniciativa do empresário das comunicações e político Assis Chateaubriand (1892-1968), os restos mortais do criador do Correio Braziliense, depois de dezenas de anos de negociação, foram transladados da Inglaterra para o Brasil. Repousam, desde 1991, num monumento edificado no Museu da Imprensa Nacional, em Brasília (veja no final o link a esse respeito). Somam-se duas outras homenagens, a última delas a inscrição do nome de Hipólito da Costa no Livro de Heróis da Pátria, conforme determinou a Lei Federal 12.283, de 06 de julho de 2010.

Placas alusivas a Hipólito da Costa em Colônia do Sacramento, 2013

A maior homenagem, todavia, foi a mudança do Dia Nacional da Imprensa para a data inaugural da publicação do Correio Braziliense: 01 de junho. Antes, essa comemoração era em 10 de setembro, data em que a Gazeta do Rio de Janeiro, periódico respaldado pela Corte, começou a circular em 1808. A mudança foi formalizada pela Lei Federal 9.831, de 13 de setembro de 1999, sancionada pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso.

O reconhecimento de Hipólito da Costa como Patrono da Imprensa Brasileira é aceitável e não se reclamaria jamais a reversão do que foi decidido, ainda que o Correio Braziliense não tenha sido impresso em território brasileiro. Importa mais o fato de que o autor era brasileiro e o periódico debatia questões afins com o futuro daquele jovem país sul-americano que deixaria de ser colônia portuguesa em 1822, por coincidência, ano do falecimento dele. Polêmica, porém, é a decisão do Estado brasileiro de mudar a data do Dia Nacional de Imprensa de 10 de Setembro para 1º de Junho.

A mudança obtida foi, sem dúvida, êxito da coesão gaúcha na defesa de sua história e de sua cultura e da competência dos políticos daquele Estado. Até 1974, os gaúchos acatavam o 10 de setembro como Dia da Imprensa, tanto que naquele ano e nesse dia, Porto Alegre ganhou o Museu de Comunicação Hipólito José da Costa, ao qual ainda não tive oportunidade de visitar (abaixo, link a respeito desse equipamento cultural do RS). Surpreende, todavia, a postura indiferente dos cariocas, que tanto poderiam reclamar a permanência da data porque o Gazeta do Rio de Janeiro, respaldado pela Corte liderada pelo príncipe regente Dom João, foi, de fato, o primeiro jornal, ademais impresso em território brasileiro.

Tudo o que foi escrito até agora me remete ao jornalista baiano Cipriano José Barata de Almeida (1762-1838), que poderia figurar ao lado de Hipólito da Costa como um dos patronos da Imprensa (combativa) brasileira. Há semelhanças na biografia de um e de outro. Como Hipólito, Cipriano também estudou em Coimbra e retornou a Portugal como deputado provincial para auxiliar no debate e redação da nova constituição. Seu compromisso, apaixonado, era a soberania brasileira e a inobservância disso o levou a abandonar a Corte e retornar ao seu país natal.

Retrato de Cipriano Barata, pintura de Henrique Passos, 2001

Cipriano Barata formou-se em Medicina (cirurgião); foi dono de pequeno engenho no Recôncavo baiano e participou da Sedição Intentada na Bahia em 1798. O professor doutor Luis Henrique Dias Tavares (1926-2020), estudioso desse movimento do século XVIII, o admirava e foi por isso que influenciou à Academia de Letras da Bahia (ALB) a coeditar com a Assembleia Legislativa o livro do professor carioca Marco Morel: Cipriano Barata na Sentinela da Liberdade foi publicado em 2001. Em breve, o autor publicará nova edição, revista e ampliada, da obra.

Colaborei, como produtor editorial, da coedição da ALB com a Assembleia e, na ocasião, para ilustrar a capa da obra, se encomendou ao artista plástico baiano Henrique Passos o retrato de Cipriano. Essa obra se distingue, na modesta iconografia sobre o criador e redator do Sentinela da Liberdade, porque agrega elementos de brasilidade – ramo de café, chapéu de palha e paletó de algodão cru – ao personagem. Distinguir Cipriano seria ato de reconhecimento e gratidão, ele que, de modo destemido, manteve seu jornal circulando até mesmo quanto estava atrás das grades de prisões da Bahia, do Rio de Janeiro e de Pernambuco.

Creio que políticos, autoridades e intelectuais baianos jamais se movimentaram para transladar os restos mortais de Cipriano Barata – ele foi sepultado em Natal, no RN, em 07 de junho de 1878. Alcançara, apesar das imensas adversidades, extraordinários 75 anos de idade! Encerro com o registro de que a ABI, em 19 de dezembro de 2012, após entendimentos com o então presidente do Legislativo baiano, deputado Marcelo Nilo, recebeu e fixou numa das paredes do 2º andar do Edifício Ranulpho Oliveira o retrato de Cipriano Barata que Henrique Passos pintou para a capa do livro de Marco Morel.

Viva, pois, o Dia Nacional da Imprensa!

https://www.in.gov.br/web/dicionario-eletronico/-/herma-hipolito-jose-da-costa

https://cultura.rs.gov.br/musecom

__

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Luis-Guilherme-150x150c.jpg

*Jornalista, produtor editorial e professor universitário. É 1º vice-presidente da ABI. [email protected]

Nossas colunas contam com diferentes autores e colaboradores. As opiniões expostas nos textos não necessariamente refletem o posicionamento da Associação Bahiana de Imprensa (ABI).