Geral

Segurança na apuração: dicas de privacidade para jornalistas

O surto de coronavírus trouxe consigo um aumento nas teorias de desinformação e conspiração online, num cenário digital em constante mudança. Nunca houve melhor momento para aprimorar as habilidades de investigação digital. Confira informações e dicas da First Draft para implementar medidas de privacidade e segurança, e se manter seguro online durantes as apurações em meio online.

O surto de coronavírus trouxe consigo um aumento nas teorias de desinformação e conspiração online, num cenário digital em constante mudança. Nunca houve melhor momento para aprimorar as habilidades de investigação digital. Mas, esteja você procurando determinados grupos fechados ou entrando em contato com fontes confidenciais, é essencial implementar medidas de privacidade e segurança para se manter seguro online. A co-fundadora e diretora dos EUA da First Draft, Claire Wardle, conversou com Christopher Dufour para fornecer dicas de privacidade e segurança ao reportar sobre coronavírus, mas que podem ser aplicadas a outras apurações. Dufour é consultor de segurança nacional e pesquisador de desinformação.

Leia abaixo os principais tópicos da sessão realizada em maio. O seminário completo está disponível no Youtube (em inglês):

  1. ‘Endurecendo’ seu navegador

Como principal janela para o mundo online, é crucial pensar em como o seu navegador está configurado. Como Dufour destaca, “a maioria das medidas de segurança de identidade é invalidada por maus hábitos do navegador”. Embora a sessão de Dufour não tenha se concentrado em ferramentas ou software específicos, ele enfatiza que o Internet Explorer era um “absoluto impedimento”. [Também não é mais recomendado como navegador padrão pela Microsoft]

Reservar um tempo para analisar as configurações de privacidade e segurança do seu navegador é o primeiro passo para aumentar a segurança online. Para um guia para “proteger” um navegador, Dufour passou pela configuração de sua própria instalação do Firefox durante o webinar, que você pode seguir aqui. Medidas semelhantes também se aplicam a outros navegadores, incluindo Chrome e Safari.

Também central para qualquer investigação jornalística é um mecanismo de busca. Sobre isso, Dufour explica: “Nem todos os mecanismos de pesquisa são criados da mesma forma – quase todos existem de graça porque registram seus hábitos de pesquisa. “Eles querem entender as palavras-chave que você está usando para poder veicular anúncios relevantes ou vender esse comportamento em algum lugar”. Como tal, você pode optar por mecanismos de busca como o DuckDuckGo, que se autodenomina como “focado na privacidade”. Mas, mesmo assim, Dufour disse que não recomendaria um mecanismo de pesquisa específico. “Todos devem usar o que consideram ótimo e ter isso inserido no seu navegador”.

  1. Seus dados são o alvo 

A principal maneira de os jornalistas se tornarem vítimas de ataques online é através de vazamentos de dados, por isso é importante estar ciente de sua trilha digital. “Estamos vivendo um momento sem precedentes, em que o compartilhamento de informações e dados pessoais mudou tão rapidamente que é realmente difícil para nós pensar em todos os lugares onde vazamos informações”, disse Dufour.

Como tal, o melhor lugar para começar é tentando entender os dados que você deixa no seu rastro. Uma dica profissional da Dufour é “mapear sua pegada”. Ele incentiva os jornalistas a anotar todos os endereços de e-mail e números de telefone e os locais em que eles podem ter sido usados ​​para qualquer atividade online: aplicativos, mídias sociais, programas de fidelidade, etc. A partir daí, faça logon em cada local e execute uma auditoria de segurança. A autenticação de dois fatores está ativada? Existem dados antigos que podem ser excluídos? Todas as configurações são restritas? Se você não estiver mais usando o serviço, exclua a conta.

  1. Definindo sua identidade digital 

Esteja você usando o LinkedIn para abordar fontes especializadas da sua história, o Facebook para acompanhar seus amigos ou o Twitter para se conectar com outros jornalistas, você não será necessariamente a mesma pessoa em plataformas diferentes. “Como jornalistas, temos a responsabilidade de ter um perfil voltado para o público”, disse Dufour. “Precisamos estar associados à nossa organização de jornalismo, também precisamos que o público confie em nós e nos alcance de uma maneira pública. Pense em maneiras de reescrever sua identidade de uma maneira que seja útil para você de todas as maneiras que você quiser se representar online”, disse Dufour.

  1. Trade-offs

Um tema recorrente foi a ideia de “trade-offs”. Ter todas as configurações de privacidade e segurança ativadas em um navegador, por exemplo, significa que você pode não conseguir acessar determinados sites e páginas. Como tal, a ponderação dessas trocas é parte integrante dos relatórios online. Primeiro, se você trabalha em uma organização que possui essa equipe, “trabalhe com seu pessoal de TI, não contra ele”, aconselha Dufour.

“Se você trabalha para uma empresa que possui recursos, gerentes de segurança de TI dedicados, eles provavelmente já têm políticas envolvidas”, explicou. “Conheça quais são essas políticas. Um trade-off frequente é segurança e privacidade versus conveniência. Uma regra prática: “Se é menos conveniente, geralmente é mais seguro”.

  1. Melhores Práticas

A Dufour ofereceu alguns prós e contras nos hábitos de navegação, além de algumas dicas de segurança digital.

Tradução da tabela apresentada por Dufour durante a sessão do First Draft
  • Confira a íntegra da sessão realizada em maio pelo First Draft