ABI BAHIANA

IGHB manifesta solidariedade à ABI na luta pelo Museu Casa de Ruy Barbosa

Situação do Museu foi discutida no evento de abertura do ciclo “Juristas do Brasil”, primeira atividade presencial do Instituto em 2021

O Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB) promoveu ontem (25/01) a abertura do ciclo de palestras “Juristas do Brasil”, abordando o tema “A vida e a obra de Rui Barbosa”. A palestrante convidada para a primeira atividade presencial da entidade em 2021 foi a jornalista Letícia Dornelles, presidente da Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB), instituição sediada no imóvel em que viveram Ruy Barbosa e sua família por quase 30 anos, no Rio de Janeiro. O evento foi marcado por manifestações de apoio e solidariedade à Associação Bahiana de Imprensa (ABI) em sua luta pela reestruturação do Museu Casa de Ruy Barbosa, instituição que reúne um conjunto de documentos e obras importantes sobre o jurista baiano.

Com mediação do advogado e diretor suplente do IGHB, Ricardo Nogueira, a mesa contou com a participação do vice-presidente da ABI, Luis Guilherme Pontes Tavares. Coube a Luis Guilherme a fala inicial do evento, a convite da palestrante. O jornalista e pesquisador expôs o panorama do Museu Casa de Ruy Barbosa, a situação de seu acervo e os riscos que a ruína da Casa representa para a investigação e preservação da memória. Segundo ele, a sensação ao entrar no Museu durante visita técnica ocorrida na semana passada foi de choque, pois o tempo que permaneceu fechado causou danos tanto ao imóvel quanto às obras e mobiliário.

Solidariedade

A reestruturação do Imóvel onde nasceu Ruy Barbosa depende de acordo entre a ABI e o Grupo Yduqs, holding de educação superior que assumiu o UniRuy, instituição de ensino com a qual a ABI possui convênio de cooperação técnica para o funcionamento do Museu desde 1998. A ABI se prepara agora para a elaboração de proposta técnica para catalogação e planejamento do traslado do acervo para o seu edifício-sede, na Praça da Sé. Sob a gestão do Grupo Yduqs, a UniRuy* se propôs a custear as despesas com o acervo, desde a transposição e restauração do material até a recuperação do imóvel, começando pela reforma do telhado. “O que mais dói é ter que retirar essas peças e levar para a ABI antes que aconteça algo pior. Quero pedir aos baianos uma atenção especial nesta hora, não apenas pela casa, mas por Ruy Barbosa. A agressão que está acontecendo faz ruir a casa”, disse o diretor, em um apelo emocionado por apoio. (Confira o artigo “Ruy Barbosa despedaçado”)

O anfitrião Eduardo Morais de Castro, presidente do IGHB, manifestou respeito a Ruy Barbosa e solidariedade à ABI. Ele pediu o “apoio de toda a Bahia para que a casa volte ao funcionamento pleno como Museu Casa de Ruy Barbosa”. Por sua indicação, a sessão foi convertida em desagravo à ABI, devido à situação da Casa.

A palestra de Letícia Dornelles explorou aspectos pouco conhecidos sobre o jurista baiano, como questões religiosas, crenças, sua proveitosa atuação como jornalista e consequente defesa das liberdades de imprensa e de expressão. A jornalista também se solidarizou com a Casa de Ruy e informou que não possui verbas para ajudar o Museu, mas deixou o Centro de Memória e Informação da FCRB à disposição para receber e restaurar o acervo. A gestora apelou ao Governo do Estado da Bahia e à Prefeitura Municipal de Salvador para prestarem apoio à ABI.