Notícias

Guardião do Pelô, Clarindo Silva completa 80 anos

Hoje, 16 de março, a Bahia celebra o aniversário de Clarindo Silva, o ‘mestre Calá’. Há 80 anos nascia essa figura central da luta pela preservação do Centro Histórico de Salvador. Através da atuação em diversas áreas da cultura, o escritor, jornalista, poeta e agitador cultural tem denunciado as mazelas e contribuído para a escrita de uma nova história para a região.

Foto: Rita Dantas

Para comemorar, ele relançou ontem o livro ”Memórias da Cantina da Lua” (sexta edição), com noite de autógrafos no Espaço Metha Glauber Rocha, na Praça Castro Alves. E prepara agora o lançamento do livro “Conversa de Buzú”. O evento acontece no dia 29 de março, às 18h, na Livraria Escariz, no Shopping Barra.

Clarindo trabalhou como repórter policial nos jornais A Tarde, Jornal da Bahia e Tribuna da Bahia. Foi do jornalismo para as atividades literárias, sem deixar de lado a sua trajetória de resistência. Recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Université Libre des Sciences de L’Homme de Paris e a Comenda da Cultura e das Artes pela Universidade das Américas. Também foi laureado com outras honrarias: a Medalha Tomé de Souza, a Comenda Maria Quitéria e a Comenda Zumbi dos Palmares.

Resistência

No Terreiro de Jesus há quase sete décadas, ele é proprietário do Bar e Restaurante Cantina da Lua, ponto de referência quando se trata de articular a revitalização do Pelourinho. Clarindo é um dos principais responsáveis pela abordagem de temas como segurança, mobilidade na região, que é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e reconhecida pela Unesco como Patrimônio da Humanidade.

Clarindo em visita ao Museu de Imprensa da ABI | Foto: Fábio Marconi

Ele é voz sempre ativa na hora de reunir moradores, representantes de diversos movimentos sociais, órgãos da administração pública nos âmbitos estadual e municipal, e outras entidades comprometidas com a revitalização da área. Clarindo Silva enfatiza que os baianos não vêm ao Centro Histórico, exceto em grandes eventos. Para ele, a cidade precisa adotar o Pelourinho e encará-lo como uma joia rara a ser lapidada. “Preservar o Pelô é um gesto de amor”, repete, sempre que tem a oportunidade.

Todo o apoio a Clarindo nessa luta pela valorização do nascedouro da cidade de Salvador!

Textos relacionados: