Notícias

Missa no Terreiro de Jesus celebra recuperação da saúde de Clarindo Silva

A Igreja de São Pedro dos Clérigos, que fica ao lado da popular Cantina da Lua, no Terreiro de Jesus, celebrou nesta sexta-feira (05) uma missa de ação de graças pela recuperação da saúde de Clarindo Silva, anfitrião não apenas do restaurante, mas também do Pelourinho. A celebração foi presidida pelo padre Lázaro Muniz. Clarindo se recuperou recentemente de uma úlcera arterial que o afastou das atividades no Centro Histórico.

“Hoje é um dia de agradecimento, de benção, de reconhecimento, porque eu passei momentos extremamente difíceis, mas eu acho que a força da oração, a fé em Deus e a benção de todos os santos – nós estamos na Bahia de todos os santos, de todas as forças da natureza e de todos os orixás –, permitiram que eu pudesse continuar nessa luta individual, que é a luta pela preservação do Centro Histórico”, declarou Clarindo, pela manhã, à repórter Lara Linhares (Tv Aratu), para quem revelou que comemora diariamente seu nascimento, completando hoje 81 anos e 279 dias.

De acordo com o site da jornalista Doris Pinheiro, a organização da celebração está a cargo do produtor cultural e amigo pessoal de Clarindo, Geraldo Badá. Ele articulou uma mensagem de Gilberto Gil, exibida para Clarindo.

Agitador do Pelourinho
Associado da ABI, Clarindo é jornalista, escritor, poeta, compositor e agitador cultural. Ele trabalhou como repórter policial nos jornais A Tarde, Jornal da Bahia e Tribuna da Bahia. Foi do jornalismo para as atividades literárias, sem deixar de lado a trajetória de resistência. Recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Université Libre des Sciences de L’Homme de Paris e a Comenda da Cultura e das Artes pela Universidade das Américas. Também foi laureado com outras honrarias: a Medalha Tomé de Souza, a Comenda Maria Quitéria e a Comenda Zumbi dos Palmares. É autor de “Memórias da Cantina da Lua” e “Conversa de Buzú”. Tem biografia escrita por Vander Prata para a Coleção Gente da Bahia, com edição da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia.

publicidade
publicidade
Notícias

Clarindo Silva comemora 81 anos com show no Pelourinho

Ele é presença certa nos eventos culturais que movimentam o Centro Histórico de Salvador. Figura central da luta pela preservação do Pelourinho, Clarindo Silva completa hoje, 16 de março, 81 anos. O jornalista, escritor, poeta, compositor e agitador cultural vai reunir amigos para comemorar seu aniversário com um show, a partir das 19h, no bar e restaurante Cantina da Lua.

No Terreiro de Jesus há quase sete décadas, Mestre Calá é proprietário da Cantina, ponto de referência quando se trata da vida cultural e boêmia da região.

Toti Gira e Banda, Armandinho, Zéu Lobo, Claudia Costa, Gal do Beco, Neto Bala e Dody Só são alguns nomes já divulgados para a festa.

Clarindo Silva prestigia as atividades culturais da ABI | Foto: Fábio Marconi

Trajetória – Clarindo trabalhou como repórter policial nos jornais A Tarde, Jornal da Bahia e Tribuna da Bahia. Foi do jornalismo para as atividades literárias, sem deixar de lado a sua trajetória de resistência. Recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Université Libre des Sciences de L’Homme de Paris e a Comenda da Cultura e das Artes pela Universidade das Américas. Também foi laureado com outras honrarias: a Medalha Tomé de Souza, a Comenda Maria Quitéria e a Comenda Zumbi dos Palmares.

É autor de “Memórias da Cantina da Lua” e “Conversa de Buzú”. Sua biografia foi escrita por Vander Prata para a Coleção Gente da Bahia, com edição da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia.

Como chegar?

Cantina da Lua – Centro Histórico – Praça Quinze de Novembro, 2 – Pelourinho, Salvador | @cantinadalua

publicidade
publicidade
Notícias

Guardião do Pelô, Clarindo Silva completa 80 anos

Hoje, 16 de março, a Bahia celebra o aniversário de Clarindo Silva, o ‘mestre Calá’. Há 80 anos nascia essa figura central da luta pela preservação do Centro Histórico de Salvador. Através da atuação em diversas áreas da cultura, o escritor, jornalista, poeta e agitador cultural tem denunciado as mazelas e contribuído para a escrita de uma nova história para a região.

Foto: Rita Dantas

Para comemorar, ele relançou ontem o livro ”Memórias da Cantina da Lua” (sexta edição), com noite de autógrafos no Espaço Metha Glauber Rocha, na Praça Castro Alves. E prepara agora o lançamento do livro “Conversa de Buzú”. O evento acontece no dia 29 de março, às 18h, na Livraria Escariz, no Shopping Barra.

Clarindo trabalhou como repórter policial nos jornais A Tarde, Jornal da Bahia e Tribuna da Bahia. Foi do jornalismo para as atividades literárias, sem deixar de lado a sua trajetória de resistência. Recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Université Libre des Sciences de L’Homme de Paris e a Comenda da Cultura e das Artes pela Universidade das Américas. Também foi laureado com outras honrarias: a Medalha Tomé de Souza, a Comenda Maria Quitéria e a Comenda Zumbi dos Palmares.

Resistência

No Terreiro de Jesus há quase sete décadas, ele é proprietário do Bar e Restaurante Cantina da Lua, ponto de referência quando se trata de articular a revitalização do Pelourinho. Clarindo é um dos principais responsáveis pela abordagem de temas como segurança, mobilidade na região, que é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e reconhecida pela Unesco como Patrimônio da Humanidade.

Clarindo em visita ao Museu de Imprensa da ABI | Foto: Fábio Marconi

Ele é voz sempre ativa na hora de reunir moradores, representantes de diversos movimentos sociais, órgãos da administração pública nos âmbitos estadual e municipal, e outras entidades comprometidas com a revitalização da área. Clarindo Silva enfatiza que os baianos não vêm ao Centro Histórico, exceto em grandes eventos. Para ele, a cidade precisa adotar o Pelourinho e encará-lo como uma joia rara a ser lapidada. “Preservar o Pelô é um gesto de amor”, repete, sempre que tem a oportunidade.

Todo o apoio a Clarindo nessa luta pela valorização do nascedouro da cidade de Salvador!

publicidade
publicidade
Notícias

Comunidade do Centro Histórico discute sustentabilidade social do Pelourinho

“Preservar o Pelô é um gesto de amor” foi a frase que estampou o tapete vermelho estendido da Cantina da Lua até a entrada do Museu Eugênio Teixeira Leal, onde o Projeto Cultural Cantina da Lua, a Associação dos Comerciantes do Centro Histórico de Salvador (Acopelô) e a Sociedade protetora dos Desvalidos e o Montepio dos Artistas promoveram uma reunião de urgência, para discutir a sustentabilidade social do Pelourinho. Na noite desta quarta-feira (30), o encontro, que abordou temas como segurança, mobilidade e combate ao uso de drogas, reuniu moradores, representantes de diversos movimentos sociais, órgãos da administração pública nos âmbitos estadual e municipal, além de outras entidades comprometidas com a revitalização da área.

Tapete estendido na rua da Cantina da Lua exorta comunidade a amar o Pelourinho - Foto: Joseanne Guedes/ABI
Tapete estendido na rua da Cantina da Lua exorta comunidade a amar o Pelourinho – Foto: Joseanne Guedes/ABI

O processo de expansão e ocupação territorial da cidade criou novos bairros, provocando o fenômeno de descentralização e perda de qualidade urbana no Centro Antigo, principalmente a degradação do Centro Histórico, que sofre com o encolhimento dos espaços econômicos. O resultado é um Pelourinho em estado de abandono e comerciantes locais com sérias dificuldades financeiras, moradores e visitantes com seu direito de ir e vir cassado pela insegurança. Apesar de se mostrar um ambiente com um fluxo razoável de pessoas nos períodos de alta estação, os efeitos das políticas públicas adotadas no local não se mostraram suficientes para manter um padrão mínimo de consumo e a consecutiva autossustentabilidade do “Pelô”.

A partir do debate dessas questões, será constituída uma comissão encarregada de elaborar um documento, para cobrar das instituições uma participação mais ativa nas ações sociais voltadas para a área. Segundo o coordenador do Projeto Cultural Cantina da Lua e dirigente do Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes, Clarindo Silva, é preciso implementar ações concretas para manter o Pelourinho vivo e ativo.

“Os problemas do Pelourinho vão muito além das obras de preservação, iluminação e requalificação de casarões e monumentos. Eu vou pessoalmente, de porta em porta, entregar os convites das reuniões e fiquei muito feliz com a representatividade desta, porque as pessoas estão descrentes com a revitalização do Centro Histórico. Elas não acreditam que as mudanças prometidas sejam possíveis, mas juntos podemos conseguir”, afirma Silva, que está no Terreiro de Jesus há mais de 60 anos lutando pela preservação do Pelourinho.

Leia também:

Drogas

Pelas ruas do Pelourinho e em seu entorno, é comum encontrar jovens com idade entre 7 a 14 anos envolvidos com o uso ou tráfico de drogas, furtos e prostituição. Um dos precursores das ações em redução de danos na capital baiana, o médico psicanalista Tarcísio de Andrade coordena o programa da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Para ele, um dos principais obstáculos é a falta de comprometimento da gestão pública com o atendimento eficaz ao usuário. “Não existe uma política do Estado nem do município para que haja um cuidado com os usuários de drogas. No CAPSad Gregório de Matos [Centro de Atendimento Psicossocial para Álcool e Drogas], tentamos fazer nosso papel, mas a descontinuidade administrativa prejudica o trabalho. Nesta gestão municipal, o número de profissionais para o atendimento dessas pessoas encolheu”.

Reunião teve expressiva participação de instituições comprometidas com a preservação do Pelourinho - Foto: Joseanne Guedes/ABI
Reunião teve expressiva participação de instituições comprometidas com a preservação do Pelourinho – Foto: Joseanne Guedes/ABI

“Frequento esse local desde a época colegial e, para mim, é dignificante participar de uma reunião para debater a área, mas eu fico triste em ver a situação difícil que encontramos aqui. Recolhi um jovem usuário de crack e depois de horas ele já estava nas ruas novamente. Essas crianças precisam de tratamento, porque não são criminosas, estão doentes. O policiamento nas ruas foi ampliado, mas o poder policial sozinho não pode muito”, afirma o comandante do 18º Batalhão da Polícia Militar da Bahia, tenente-coronel Valter Menezes.

Participaram da reunião representantes das Secretarias de Segurança Pública, Saúde, Cultura e Turismo, a Fundação Gregório de Matos, Ministério Público, Delegacia de Proteção ao Turista, Cedeca, Abrasel – Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, Sindicato dos Guias de Turistas, Associação dos Taxistas, Conselho de Segurança do Centro Histórico, CONDER, IPAC, Centro de Culturas Populares e Identitárias, as Associações dos Moradores do Centro Histórico e dos Barraqueiros do Pelourinho e do Terreiro de Jesus, Associação dos Vendedores Ambulantes e outras entidades preocupadas com o Centro Histórico.

publicidade
publicidade