ABI BAHIANA Notícias

ABI reitera defesa da liberdade de imprensa em Jeremoabo; em meio a ataques, profissionais criam o Dia Mundial do Jornalismo

Na última sexta-feira (25), a Associação Bahiana de Imprensa (ABI) repudiou a violência contra a imprensa no interior do estado através de uma matéria publicada no site. Nela, Jeremoabo, Ibicoara, e Luís Eduardo Magalhães foram municípios relatados onde ocorreram ataques verbais e o mais grave, violência física, durante a atuação de jornalistas nos últimos meses. Na manhã deste mesmo dia, ainda pela manhã, uma carta aberta foi endereçada à Associação Brasileira de Imprensa (ABI), emitida através do blog de Dedé Montalvão por um cidadão não identificado. A carta denuncia o cerceamento do jornalismo na cidade de Jeremoabo. (Veja aqui).

O portal “ChicoSabeTudo”, que reúne informações sobre todo interior da Bahia, oriundo de Paulo Afonso, também usou a Internet para denunciar o cerceamento de sua atuação no município de Jeremoabo. O texto publicado no site está acompanhado de áudio em que aponta o chefe do gabinete do atual prefeito da cidade, Deri Palma, como autor de uma série de discursos violentos acompanhado de ameaça de morte.

O autor da ameaça contra ChicoSabeTudo, Antonio Jadson do Nascimento, confirmou a autoria da ameaça à redação do Bahia Notícias e se desculpou. Ele afirma que estava sob “surto”. Ernesto Marques, presidente da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), reitera o inaceitável comportamento agressivo contra os profissionais da imprensa e se se posicionou contra o ocorrido. “Desejamos que o Dr. Jadson recupere seu equilíbrio, de maneira a não se retratar apenas pela repercussão negativa do fato para o prefeito e candidato à reeleição”, afirma. 

“É, ainda mais importante, que o prefeito exerça liderança positiva sobre sua equipe, pois tanto as ameaças grotescas do chefe de gabinete, quanto a agressão física praticada pelo secretário de Infraestrutura são igualmente inaceitáveis e merecedoras do tratamento devido pelas autoridades competentes”, alerta o presidente. 

World News Day – Dia Mundial do Jornalismo

O pedido de desculpas de Antonio Jadson de Nascimento, autor dos discursos de ódio proferidos contra o jornalista do portal ChicoSabeTudo foi realizado no mesmo dia em que 150 redações de todo o mundo e veículos brasileiros divulgaram a criação do World News Day (Dia Mundial do Jornalismo), em 28 de setembro. Segundo opinião do Grupo RBS, publicada no GaúchaZH (GZH), “sempre que se cria uma data do gênero,  é porque, de alguma forma, a sociedade se vê convidada a prestar atenção a um tema relevante e de interesse coletivo”.

O Grupo RBS afirma que há sempre algumas etapas no processo de ataque contra a imprensa. Primeiro, “procura-se neutralizar o mensageiro por meio de sórdidos e anônimos movimentos de difamação a partir das redes sociais. Em grande medida, o objetivo dos fabricantes de desinformação é desmerecer notícias, denúncias e investigações que, de alguma forma, possam prejudicar seus objetivos políticos”, aponta o site. Depois há um processo de “enfraquecimento ou desaparecimento de meios independentes os chamados ‘desertos de notícias’, alerta o veículo.

A iniciativa da criação é do The Canadian Journalism Foundation (CJF) e do World EditorsForum (WEF) com apoio do Google News Initiative. A Bahia está representada pelo Correio na lista de veículos apoiadores da iniciativa. Entidades brasileiras e veículos nacionais também fazem parte do projeto a exemplo do 100Fronteiras, Grupo RBS GZH, UOL, Nexo Jornal, e outros.

Veja a lista de entidades e veículos de todo o mundo que participam da criação do Dia Mundial da Imprensa.

*Com informações do Bahia Notícias, GZH e UOL

Notícias

“Nada sobre nós, sem nós!”: Povos indígenas buscam alternativas às mídias tradicionais

Por I’sis Almeida*

Era 25 de agosto, a assessoria da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), em sistema de home office em função da pandemia do coronavírus, recebeu um pedido de socorro através de um aplicativo de mensagens. A remetente Thyara Pataxó, graduanda em Agroecologia pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), jovem liderança da Aldeia Novos Guerreiros, localizada no extremo sul da Bahia, Ponta Grande, em Porto Seguro, desejava repercutir a ameaça de despejo que sua Aldeia sofria com uma ação da Justiça Federal de Eunápolis.

A notícia sobre a possibilidade de despejo de 40 famílias da Aldeia Novos Guerreiros mobilizou as comunidades indígenas da Bahia e do Brasil. A ação judicial em questão beneficiava a reintegração de posse de um Clube de Aviação, em meio à crise sanitária na estância de Porto Seguro. (Entenda aqui). 

A atitude tomada pelo juiz foi considerada contraditória à determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). Quaisquer reintegrações de posse, enquanto durar a pandemia em âmbito nacional, foram suspensas pelo Ministro Edson Fachin. A decisão foi tomada no dia 6 de maio, por meio do Recurso Extraordinário (RE) de número 1.017.365/SC. Após intensa mobilização da comunidade, imprensa nacional, e até mesmo internacional, a ação foi revertida, mas Thyara conta que seu povo não tem dormido tranquilo. “Ainda haverá um novo processo, votado pelo mesmo juiz. Ele terá tempo de analisar e  decidir se continuará persistindo na reintegração ou não. Por conta disso, a gente ainda não tem sossego”, relata. 

“Nosso povo não dorme tranquilo desde cedo. Nossas crianças já nascem na luta por conta disso. Hoje eu tô aqui com meus filhos em casa, mas amanhã pode haver uma reintegração e eu tenha que sair com eles correndo”, lamenta a liderança Pataxó. Embora o caso da Aldeia Novos Guerreiros tenha recebido decisão favorável da Desembargadora Federal Daniele Maranhão Costa, que suspendeu a liminar do juiz de Eunápolis, a comunidade segue apreensiva. “A gente vê muita coisa acontecendo com as minorias, nas comunidades indígenas, quilombolas, nos assentamentos e sendo pouco divulgado, principalmente nas grandes mídias, sofremos muito com essa invisibilidade”, alerta Thyara.

É em função da notória invisibilidade da população indígena nas mídias tradicionais, seja na televisão, rádio ou em veículos impressos, que hoje surgem veículos produzidos por e, principalmente, para populações indígenas. Quando se forma uma mídia indígena, as comunidades ribeirinhas e quilombolas aproximadas geograficamente dessa população também se beneficiam. 

Para entender a lógica de produção, distribuição e recepção desses veículos, o papel da imprensa no trato dos primeiros povos do Brasil, a Associação Bahiana de Imprensa (ABI) conversou com idealizadores e colaboradores de mídias feitas por ou para pessoas indígenas, e ainda com estudantes de comunicação, sobre a importância da representatividade e ocupação nesse setor.

Mídia Índia

Lançada em 2017, a Mídia Índia foi fundada por jovens Guajajaras no Acampamento Terra Livre, ocorrido em Brasília. Ali, dentro de uma mobilização anual dos povos indígenas, formou-se um grupo de 10 jovens. Essa rede de comunicação é fundada como uma plataforma de comunicação oficial do movimento indígena brasileiro. “Apresentamos o projeto dentro de um evento da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), que fazia parte da programação, e fomos abraçados pelas lideranças presentes”, conta Emerson Pataxó (21). 

De acordo com Emerson, na Mídia Índia, a maioria dos textos é feita por comunicadores indígenas de base. São geralmente pessoas que estão dentro de suas aldeias ou de alguma organização indígena e que contribuem com a Mídia Índia. “Eles encaminham suas pautas, textos, fotos e nós publicamos em nossas redes. Eu também faço alguns textos e quem edita somos nós. Depois, Priscila Tapajoara corrige”, explica o redator. O jovem comunicador é colaborador do veículo desde 2018. Nascido na cidade de Belmonte-Ba, hoje reside em Coroa Vermelha, em Santa Cruz Cabrália-Ba, de onde atua na redação do veículo.

O principal objetivo do veículo é produzir conteúdos das pautas indígenas e difundir informação. Para Emerson, a mídia tradicional nunca representou os povos indígenas. “Nem ontem, nem hoje e, provavelmente, amanhã não representará as pautas indígenas e das minorias de uma forma geral”, avalia.

“A Mídia Índia nasce justamente por causa disso. A gente não se vê representado. Sempre que falam de nós, fazem de modo pejorativo, a partir da exotização, não mostram a verdade”, reclama o jovem. Acreditamos no nosso protagonismo enquanto juventude indígena. A grande mídia nos coloca como vilões. Ela é encabeçada por grandes empresários ligados ao agronegócio, ao desmatamento na Amazônia e eles não querem nos dar espaço para falar dentro dessas grandes mídias”, explica Emerson. 

O papel de “vilão”, como observa Emerson Pataxó, também foi destinado à população indígena na semana passada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Em seu discurso na Assembleia Geral das Organização das Nações Unidas (ONU), na última terça (22), ele culpou populações tradicionais por incêndios. “Nossa floresta é úmida e não permite a propagação do fogo em seu interior. Os incêndios acontecem praticamente nos mesmos lugares, no entorno leste da floresta, onde o caboclo e o índio queimam seus roçados em busca de sua sobrevivência, em áreas já desmatadas”, declarou. Leia o discurso aqui. Bolsonaro afirmou ainda que o Brasil é “referência em preservação ambiental” e repetiu, em uma live no Facebook na noite de quinta-feira (24), que parte das queimadas florestais que atingem Amazônia e Pantanal partem de “índios e caboclos”.

Visibilidade Indígena

Visibilidade Indígena” foi uma página fundada no ano de 2017 pela Katú Mirim, rapper, compositora, ativista e atriz pertencente ao povo Boe Bororo. Katú sempre esteve envolvida no movimento indígena de São Paulo. Nascida e criada no ambiente urbano, somente aos 13 anos ela descobriu que descendia de pai biológico da etnia que hoje habita a região do planalto central de Mato Grosso. “Katú fundou o Visibilidade e convidou outros parentes”, conta Isa Santana, criadora de conteúdo, artista, atriz e poeta. Isa é co-fundadora e coordenadora do Visibilidade Indígena e também idealizadora do CineNativo, iniciativas que dividem com a Mídia Índia a insatisfação com a cobertura dispensada à questão indígena e o desejo de mudar essa realidade. 

Isa diz que na época da fundação do “Vi” – como se refere frequentemente ao Visibilidade Indígena – sua companheira de trabalho, Katú,  sentiu uma ausência de páginas que retratassem artistas, curiosidades e outros assuntos relacionados à população indígena no Brasil. No entanto, pela falta de cobertura representativa nas mídias tradicionais, o projeto passou a abordar também questões relacionadas à terra, a violência à qual a população indígena até os dias atuais é submetida. “Os grandes veículos de mídia, eles não nos representam no sentido de fazer uma cobertura completa e que abrange todas as comunidades que a gente tem hoje. São 308 povos e acontecem muitos ataques que ninguém sabe que tá acontecendo”, alerta a artista.

Atualmente, o principal objetivo do veículo é potencializar a visibilidade indígena através da divulgação da arte contemporânea, de projetos culturais e que buscam a autonomia comunitária. “A gente vê como uma estratégia falar da arte indígena contemporânea. Quando você divulga um artista indígena você também está falando de terra, você também está falando de um povo”, explica Isa. “Hoje a gente tem filmes que falam em línguas quase extintas, ou artistas que carregam a voz do seu povo por onde passa.  O “Vi” vem com esse objetivo. Comunicar e, de alguma forma, trazer visibilidade aos artistas e toda essa potência que existe na criação dos artistas indígenas, dos artistas nativos de Pindorama”.

  • De acordo com Theodoro Sampaio, o termo “Pindorama” (pindó-rama ou pindó-retama), da língua tupi, pode ser traduzido como “país das palmeiras”. A denominação continuou sendo usada pelos nativos, por muito tempo. (Fonte: Guia Geográfico História do Brasil)

Segundo ela, a triagem do que vai para o site acontece de forma bem intuitiva. “A gente sempre busca notícias que dialoguem com arte contemporânea, com visibilidade, o que saiu em uma capa de revista a exemplo”, detalha Isa. Hoje, ela e o colaborador Karkará Tunga, artista visual e realizador audiovisual, estão mais à frente do processo de publicação no site e nas redes sociais. Os textos, matérias e conteúdos publicados nas plataformas do Visibilidade, no entanto, são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente refletem a opinião de toda a equipe do VI.

Podcast Copiô, Parente?

Realizado pelo Instituto Socioambiental (ISA),  o podcast “Copiô, Parente?” é o primeiro realizado para povos indígenas e da floresta do Brasil, foi criado em 2017 e tem objetivo de levar a essas pessoas os destaques de Brasília à respeito de suas vidas. Desde sua criação, é apresentado por Letícia Leite, assessora de comunicação do Instituto. Letícia fez mestrado num curso chamado “Sustentabilidade Junto a Povos e Terras Tradicionais”, na Universidade de Brasília (UNB) e foi esse mestrado que lhe suscitou a ideia de fazer um produto de comunicação especificamente pensado para esse público. 

“É um mestrado pensado para povos indígenas, super precursor dentro das universidades públicas. Ele provoca um encontro entre indígenas, povos da florestas e pessoas que trabalham com essas populações”, conta Leite. “Eu tive o privilégio de estudar com geraizeiros, quilombolas, indígenas de diversas partes do Brasil, pessoas que atuam no judiciário, na antropologia e outras áreas”, completa. Na época, ela já atuava na assessoria do ISA.  

Inicialmente, o podcast era somente um boletim de áudio. “A gente não chamava podcast porque desconhecia a linguagem. Depois de produzir muitos boletins é que fomos reconhecer que o que a gente tava fazendo era podcast”, observa a assessora. Hoje o “Copiô, Parente?” alcança mais de 4 mil pessoas. Esse número é somente a quantidade de contatos via WhatsApp que recebem os arquivos de áudio do podcast em formato MP3. Os arquivos também são reproduzidos em rádios comunitárias onde estão localizadas comunidades indígenas. 

“A gente continua mandando ‘na unha’. Começamos enviando para 30 parceiros de várias regiões do Brasil e hoje a gente manda pra 4 mil pessoas em todos os estados. Não mando para grupo, mando individualmente. Isso fez o grande diferencial do Copiô, que é a sua distribuição”, destaca Letícia. 

Além de ser divulgado através do aplicativo de mensagens mais usado em todo o mundo, esse modelo de distribuição possui uma particularidade. Durante a especialização e ao longo de sua trajetória, e contato com populações indígenas, a comunicadora notou que em áreas remotas – onde o acesso à Internet é limitado -, jovens e lideranças indígenas baixam o Copiô quando se deslocam à cidade, retornam para suas terras e compartilham o material “offline”. O compartilhamento é feito via bluetooth ou através do aplicativo ShareIt, muito utilizado na região do Rio Negro, que entra no Brasil pela localidade de Cucuí, um distrito de São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas, onde o ISA possuí forte atuação. 

“Eu faço isso primeiro porque identifiquei que grande parte de indígenas que eu conversava acessa a Internet pelo celular mas não baixam muitos aplicativos. Percebi também que o WhatsApp é o aplicativo mais baixado, mais usado, então, o produto de comunicação deveria ser um produto feito também pelo mesmo sistema. A gente faz quase todas as entrevistas, todas intervenções pelo WhatsApp”, conta Leite. 

“Fazemos poucas entrevistas por telefone, a não ser quando os indígenas estão em Brasília. A gente tem um caso muito bonito para lembrar da cobertura das eleições de 2018, quando a gente fez o “Copiô, Candidato?” e aí os indígenas encaminharam perguntas para os presidenciáveis”, recorda. Foi o caso do seu Herculano, um extrativista da região da Terra do Meio que ficou sabendo do “Copiô, Candidato?” por radiofonia. “A central de rádio Altamira gravou e mandou a pergunta para nós pelo WhatsApp”, relembra Letícia, em tom de alegria. “Receber um de um extrativista, direto da Terra do Meio (PA), na época onde a região não tinha Internet, nem telefone, mostra o alcance que o Copiô tem e a responsabilidade disso”, ressalta. 

Uma novidade do ISA é que recentemente foram contratadas duas pessoas indígenas para atuar na equipe de comunicação. “Cristian Wariu, youtuber e estudante de organização comunicacional da UNB, e Gilmar Terena, cineasta indígena, comunicador da Associação Cultural de Realizadores Índigenas (ASCURI) e colega de mestrado de Letícia. A gente passou a contar com uma equipe indígena, o Copiô agora não é feito só para pessoas indígenas, é feito por pessoas indígenas”, relata Letícia. 

Representação e representatividade nos meios de comunicação

Apesar das incertezas diante das frequentes ameaças de reintegração de posse que pode afetar a vida de sua comunidade e família, Thyara Pataxó diz ter esperanças na comunicação como ferramenta de disseminação de informações. “A gente acredita e confia em vocês que trabalham com a mídia, a imprensa. Queremos que continuem, porque é um trabalho honrado, apesar de perseguido por grupos fascistas e ditadores. Sem informação, hoje em dia a gente não é nada. Sofremos muitas vezes calados”, aponta.

"Piloto de Avião", de Morais Mavi
“Piloto de Avião”, de Morais Mavi

Isa Santana, do Visibilidade Indígena, pontua seus principais desconfortos com a representação na grande mídia: A ausência de cobertura e a linguagem. “A cobertura é cheia de estereótipos, paradigmas e preconceitos. Há dois pontos fortes: O primeiro é que não produzem tantas notícias que nos deem visibilidade. E outro ponto é a linguagem. Geralmente vão falar de uma pessoa indígena, falam ‘índigena’, mas nunca falam o povo. Falar ‘índio’ é pior ainda. A própria palavra ‘indígena’ é uma invenção colonial. Não somos indígenas, somos povos”, alerta Isa. “Eu não sou indígena, eu sou Pataxó, entendeu?”, completa.

Rayhatã Pataxó cursa Comunicação Social com ênfase em Produção Cultural da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia (Facom/UFBA). Ele é vizinho da Aldeia Novos Guerreiros onde ocorreu toda mobilização em prol da permanência dos índios pataxós nas terras do extremo sul da Bahia. De acordo com o estudante, demarcar a sua presença e a presença de outros povos indígenas nas universidades, em especial nas universidades públicas, é importante. “Muita gente ainda olha para os indígenas como povos que vivem dentro do mato, ou que só vivem trajados, sem levar em consideração que houve um processo de colonização”, explica Rayhatã.

Beatriz Tuxá, cantora e colega graduanda do mesmo curso de Rayhatã, diz que a formação de estudantes indígenas na comunicação é de extrema relevância para as comunidades. “É diferente quando é um indígena trabalhando com comunicação, falo em comparação com um branco, assim como é ter um médico indígena trabalhando dentro de sua comunidade. A gente sente a diferença, o indígena conhece seu povo, sabe da realidade, sabe como  tratar. Acho que é o mesmo caso referente à comunicação, a gente sabe o que precisa ser mostrado, divulgado ao contrário do que realmente acontece, onde a imprensa só coloca que quer”, analisa.

Apesar dos desafios, Letícia Leite, assessora do Instituto Socioambiental (ISA) e apresentadora do podcast “Copiô, Parente?”, pondera os avanços. “A grande imprensa, os veículos tradicionais, profissionais, eles têm melhorado na cobertura das pautas indígenas. Eu trabalho no ISA como assessora de imprensa há 8 anos e percebo algumas melhoras”, avalia.

Segundo ela, um exemplo disso é que a Rede Globo passou a usar o termo “terras indígenas” no lugar de “reservas indígenas”. Letícia destaca que, “mesmo a constituição trazendo de forma clara a nomeação ‘terras indígenas’, a gente ainda encontrava dificuldade em fazer com que a principal emissora de televisão falasse “terras indígenas’ e não ‘reservas’, alegando que era o manual de redação”, disse. O jornalismo, neste momento de forte ataque aos povos indígenas, tem importância e vem desempenhado um papel bastante relevante”, reconhece a comunicadora.

*Sob a supervisão de Joseanne Guedes.

ABI BAHIANA

Violência contra profissionais da imprensa no interior da Bahia preocupa a ABI

Mais um caso de violência contra a imprensa no interior da Bahia vai parar na delegacia, evidenciando o clima de insegurança que ameaça profissionais do setor, em todo o estado. A cidade da vez é Jeremoabo. O repórter Davi Alves denuncia que foi vítima de agressão física enquanto realizava uma reportagem no município da Mesorregião do Nordeste Baiano, a 378 km de Salvador. Alves atua na Rádio Alvorada FM, em um programa da ONG Transparência Jeremoabo, conhecido na região por fiscalizar a administração municipal.

No último dia 16, ele filmava uma obra no bairro José Nolasco, em Jeremoabo, mas teve a cobertura interrompida. O repórter alega ter recebido denúncia de que recursos públicos estariam sendo empregados em obras particulares. Já no local, ele flagrou um funcionário da prefeitura levando materiais para dentro de um imóvel. No vídeo ao qual a reportagem da Associação Bahiana de Imprensa (ABI) teve acesso, Davi Alves pergunta à proprietária se poderia entrar e ela o convida. A partir daí a filmagem é cortada pela confusão.

Assista ao vídeo do momento em que o repórter é atingido | Reprodução

“Ao realizar a filmagem, fui surpreendido pela agressão sorrateira do secretário de Infraestrutura e Obras, João Batista dos Santos Andrade, popularmente conhecido por Tista Andrade. Levei um soco forte na parte lateral da nuca. Quase desmaiei”, denuncia. “Ele me agrediu com socos e pontapés, inclusive pelas costas, impossibilitando a minha defesa. Funcionários se juntaram a ele nas agressões. Eu tentei me defender como pude. Ele tem que respeitar nossa imprensa, estamos em uma democracia”, relata Alves.

Foto: Reprodução

Depois da confusão, o próprio secretário João Batista se dirigiu até a delegacia e registrou Boletim de Ocorrência. Um inquérito policial foi instaurado para apurar o caso. Tanto Davi quanto o gestor municipal passaram por avaliação médica, sendo constatadas lesões corporais leves. De acordo com o advogado Antenor Idalécio Lima, que representa Davi Alves, seu cliente e o secretário seriam ouvidos novamente na quarta-feira (23), mas a oitiva foi adiada e ainda não tem data para acontecer. Dentro de 30 dias, a ocorrência será finalizada. “Quem iniciou foi o secretário, incomodado com a atividade da imprensa, por causa da filmagem. Davi estava de costas quando foi atingido”, disse.

À ABI, João Batista Andrade negou as agressões contra o repórter e deu a sua versão sobre o vídeo do momento em que Davi é golpeado e o celular cai. “Eu não o atingi por trás, inclusive, ele me acertou primeiro. Eu estava acompanhando o trabalho da equipe na construção da praça do bairro José Nolasco, quando esse cidadão que se diz repórter chegou e começou a gravar um vídeo sensacionalista, buscando denegrir (sic) a imagem da gestão atual com palavras pejorativas”, argumentou. “Ora, se existia uma ‘denuncia’ como ele diz e o responsável estava presente no local, por que ele não buscou primeiro informações sobre o caso?”, indagou. Segundo ele, Davi abriu o vídeo classificando a gestão municipal como “desastrosa, incompetente”.

“O que sei é que quando fui procurá-lo para questionar sobre o vídeo, ele me afrontou, aparentemente alcoolizado e buscando problemas. Veio para cima de mim. Eu, como qualquer pessoa, apenas me defendi. Vale ressaltar que também fui agredido, tendo no boletim de corpo de delito (consulte aqui) ferimento no nariz, dedo anelar da mão direita e escoriações nos braços”.

Laudo do exame de Davi Alves | Foto: Reprodução

Questionado se teria provas de que o repórter estava sob o efeito de álcool, ele respondeu: “Está no laudo do médico que atendeu ele e várias testemunhas do hálito forte de álcool. Você sabe que, pela Lei Seca, não é necessário exame, apenas testemunhas da situação”, disse. O exame de Davi Alves, no entanto, não confirma essa informação. O secretário revelou ter acionado a justiça contra Davi Alves.

O caso provocou o repúdio da Associação Brasileira de Imprensa (ABI). A entidade publicou no dia seguinte à agressão uma nota na qual “condena, com veemência, a agressão sofrida pelo repórter”. A ABI enviou ofícios ao secretário da Segurança Pública da Bahia, Maurício Barbosa, e ao prefeito de Jeremoabo, Derisvaldo José dos Santos, cobrando a apuração da violência contra Davi Alves e a adoção de medidas para garantir a liberdade de expressão naquela cidade.

De ponta a ponta

Tradicionalmente, os estados localizados no Norte e no Nordeste do Brasil são os mais críticos no quesito violência contra jornalistas, que são expostos à insegurança, à presença do narcotráfico e a uma pressão política muito forte. Mais comuns que os assassinatos são os casos de intimidação, ameaças e agressões, que atingem o direito de informação e restringem a liberdade de expressão e de imprensa. O quadro intensifica os chamados “desertos de notícias”, que impactam principalmente cidades do interior.

Mais recentemente, uma jornalista foi hostilizada depois de escrever reportagem em Ibicoara. Assim que as fotos de um evento de inauguração começaram a circular nas redes sociais, moradores de Ibicoara, na Chapada Diamantina, dispararam protestos. Centro das atenções nas fotos, o prefeito Haroldo Aguiar resolveu comemorar suas realizações no distrito de Mundo Novo, descumprindo o próprio decreto no qual proíbe aglomerações, como medida de enfrentamento à Covid-19. A repórter que denunciou o fato teve o telefone pessoal divulgado pelo executivo municipal na internet e foi alvo de ataques virtuais após a publicação da matéria. Jornalistas se manifestaram em solidariedade à colega, através de mensagens em grupos online e nas redes sociais.

Outro caso foi o da jornalista Raquel Santana, produtora, editora e apresentadora do Direto ao Assunto, da Rádio Moderna FM. A profissional iniciou a apuração de uma pauta sobre gastos da Câmara Municipal de Luís Eduardo Magalhães, município separado de Salvador por mais de 13 horas. “Cometi um erro de cálculo na matéria. Pesquisei dados no Tribunal de Contas do Município e divulguei um gasto de R$ 9 milhões de publicidade, quando na verdade eram R$ 400 mil no período de 2017 a 2020. O presidente da Câmara, vereador Reinildo Nery, tentou me intimidar no whatsApp no dia 2, prometendo mostrar que eu estava errada e mandou no dia seguinte três advogados até a rádio, meia hora antes de o programa entrar no ar, com ameaças de processos judiciais”, relata a jornalista.

Áudio enviado por Reinildo Nery para a jornalista

De acordo com ela, a direção da rádio não permitiu a participação dos advogados porque eles não avisaram previamente e solicitou um pedido formal de direito de resposta. “No texto, eles dizem que os deixei 30 minutos esperando para me maquiar. Considero um ataque à minha condição de mulher. Outros dois colegas da imprensa divulgaram os mesmos números e foram poupados. Apenas eu, mulher, negra e jornalista profissional fui atacada”, conta. “Vou embora da cidade, pois não me sinto segura. Esse assunto está me dando crise de pânico”, disse.

Uma coletiva de imprensa foi realizada no dia 4 de setembro (assista aqui). Durante a sessão, funcionários da Casa explicam o erro cometido na matéria e o presidente afirmou que não ter feito ameaças à jornalista. “Eu só disse no áudio que tudo aquilo que ela estava falando desta Casa não era verdadeiro. Não teve uma palavra minha desrespeitando a senhora Raquel. Nunca fiz uma ofensa a nenhum cidadão”, afirmou Reinildo Nery. “As pessoas que foram lá atenderam a um pedido da rádio, foram dar uma satisfação à sociedade”, justificou. Aos 38 minutos e 50 segundos do vídeo, é possível acompanhar o pronunciamento do presidente da Câmara durante a coletiva.

“A Bahia já figurou como vergonhoso destaque na lista dos lugares mais perigosos do mundo para o trabalho da imprensa e nós não permitiremos que essa marola de agora se transforme em nova onda de violência, como ocorreu em fins da década de 1990”, assegurou o jornalista Ernesto Marques, presidente da Associação Bahiana de Imprensa (ABI). Segundo o dirigente, além de resgatar o convênio com a Seção Bahia da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-BA) e sindicatos de jornalistas e radialistas, a ABI vai propor a criação de uma rede solidária de comunicadores, para acompanhar esses três primeiros casos e outros que surjam. “Daremos a maior visibilidade possível a cada agressão ou ameaça, bem como acompanharemos as providências das autoridades policiais”, garante Marques.

Notícias

Rede CoVida seleciona novos voluntários para comunicação

Que tal utilizar os seus conhecimentos em comunicação para se engajar na divulgação de informação confiável sobre a pandemia de Covid-19, atuando colaborativamente em conjunto com uma equipe profissionais qualificados? A “Rede CoVida – Ciência, Informação e Solidariedade”, um projeto de colaboração científica e multidisciplinar do Cidacs/Fiocruz e da Universidade Federal da Bahia (Ufba), está convocando voluntários para atuar em esquema de home office na Comunicação da Rede, nas áreas de texto jornalístico, mídias sociais, editoração gráfica, produção e edição audiovisual. As inscrições seguem até o dia 23 de setembro.

Os voluntários precisam ser formados ou estar cursando a partir do 3º semestre dos cursos de Comunicação Social, BI de Humanidades ou Artes e ter disponibilidade de 10 horas semanais para dedicação ao projeto. Os estudantes terão apoio de profissionais pós-graduados para auxiliar nas atividades e receberão declaração de atividade de extensão pelo tempo dedicado ao projeto.

“O trabalho é sensacional. Para mim, o mais legal do jornalismo é levar até as pessoas informação que é útil para elas. E na Rede consigo isso mais do que em qualquer outro lugar”, relata Raquel Saraiva, bióloga e estudante do 8 semestre de jornalismo da Facom/Ufba.

Raíza Tourinho, jornalista egressa da Facom e coordenadora da Comunicação da Rede CoVida, destaca a contribuição da CoVida para a sua trajetória. Ela já atuou no Jornal A Tarde, no Portal EcoD, na Agência de Ciência e Cultura da Ufba, colaborou com a BBC Brasil, Caros Amigos, a Revista Bahiaciência e Revista [B+]. “A Rede tem sido um espaço de apredizado para todo mundo, não apenas para estudantes voluntários como também para profissionais com anos de estrada. Para mim, é uma troca fantástica. É enriquecedor ter a oportunidade de trabalhar lado a lado com cientistas renomados”, conta a mestre em Comunicação, Informação e Saúde no PPGICS/Icict/Fiocruz.

Para participar, basta enviar currículo, a área de interesse e um textinho explicando como faria a divulgação científica de um dos materiais científicos da Rede.  São disponibilizadas 14 vagas para estudantes ou profissionais de comunicação.

Os voluntários irão se unir a uma equipe de profissionais qualificados em uma iniciativa que visa monitorar e compreender a pandemia de Covid-19 no Brasil, disseminando informações confiáveis para a sociedade.

A CoVida foi criada em março deste ano, pouco depois de a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarar a pandemia de coronavírus. A iniciativa é do Cidacs/Fiocruz Bahia, em conjunto com a Universidade Federal da Bahia (UFBA). O projeto conta com o apoio de colaboradores de outras instituições de pesquisa nacionais e internacionais. Entre os objetivos da rede está a síntese, produção e divulgação científica, visando informar a sociedade e orientar gestores. A Rede também é responsável por um painel de monitoramento do coronavírus no Brasil, atualizado em tempo real. A plataforma permite que o usuário visualize a evolução dos casos, os óbitos, a concentração da doença e a previsão da situação nos próximos dias em todos os estados no Brasil.

REQUISITOS
• Ser estudante a partir do 3º semestre ou formado na área de comunicação, BI de humanidades e BI de Artes;
• Ter interesse em uma das seguintes áreas: texto jornalístico, editoração gráfica, mídias sociais, produção ou edição de audiovisual;
• Ter conhecimento em ferramentas de edição audiovisual, para os que optarem por esta área, ou design gráfico, para quem optar por editoração e mídias sociais;
• Ter disponibilidade para atuar 10 horas semanais no projeto;
• Ter interesse em divulgação científica e habilidade de atuação em trabalho colaborativo;
• Possuir condições necessárias para as atividades de teletrabalho (computador e acesso à
internet).

Clique abaixo para baixar a Chamada: