ABI BAHIANA

Madrigal da UFBA é a atração da Série Lunar de setembro

As apresentações da Série LUNAR, projeto criado pela Associação Bahiana de Imprensa (ABI) em parceria com a Escola de Música da UFBA (EMUS), estão movimentando a cena cultural do Centro Histórico de Salvador. O evento chega à sua quarta edição com um concerto do Madrigal da UFBA, grupo vocal profissional criado há 65 anos. O Madrigal apresentará o recém-lançado Concerto Songs e Chansons, sob a regência do Maestro Rafael Garbuio. A série acontece no Auditório Samuel Celestino, na Sede da ABI, às 19h do dia 11 de setembro.

O Concerto Songs e Chansons estreado pelo Madrigal da UFBA em agosto de 2019, traz o seu repertório dedicado à música romântica do século XIX nos limites do século XX – período estético compreendido como a transição entre a música romântica e a música moderna do século XX. Através da escrita de dois compositores europeus significativos, o inglês Edward Elgar e o francês Gabriel Fauré, o repertório desse evento apresenta a essência da escrita coral em conjunto a uma escrita instrumental pianística complexa e de alto valor artístico. O grupo contará com a participação do pianista Hammurábi Ferreira.

Madrigal da UFBA – é um grupo vocal profissional, fundado em 1954 pelo maestro H. J. Koellreuter. O grupo constitui um importante núcleo de extensão, veículo de comunicação cultural entre a universidade e a comunidade. Desde a sua fundação, tem realizado inúmeros concertos, participando das montagens de grandes obras do repertório erudito mundial. Participou de importantes eventos e tem realizado inúmeros concertos em diferentes ambientes – teatros, praças públicas, parques, igrejas, escolas etc., apresentando-se com fins beneficentes em hospitais, orfanatos, asilos e abrilhantando, ao longo da sua trajetória, congressos, simpósios, seminários, datas cívicas e religiosas. Além da rotina de concertos, o Madrigal atende aos alunos dos cursos de Composição, executando as suas peças, de Regência e Canto, possibilitando-lhes aprimoramento e prática musical indispensáveis à formação do músico.

Em seu acervo, de importância cultural e histórica, o Madrigal tem obras que provavelmente não poderão ser encontradas em outros locais, visto que existem inúmeros manuscritos originais e arranjos dedicados exclusivamente ao grupo, incluindo várias estreias mundiais e as primeiras execuções modernas de peças históricas recuperadas. Ao longo de sua história foram realizadas mais de 3 mil apresentações, sendo dirigido por inúmeros maestros. Atualmente, o Madrigal da UFBA conta com a direção artística de José Maurício Brandão e a regência de Rafael Garbuio.

As edições anteriores da Série Lunar a Orquestra de Violões da UFBA, o Quarteto Gamboa e a cantora Ana Paula Albuquerque. O ciclo segue trazendo grupos da EMUS/UFBA até dezembro, sempre nas noites de lua cheia, com o objetivo de que os convidados possam desfrutar da magnífica vista do oitavo andar no prédio da ABI. As próximas datas são: 16 de outubro, 13 de novembro e 11 de dezembro.

Serviço

4ª edição da Série Lunar - com Madrigal da UFBA
Dia 11/09, às 19h
Local: Sede da Associação Bahiana de Imprensa (ABI) – Rua Guedes de Brito, 1 – Edifício Ranulpho Oliveira, Praça da Sé (Centro)
Informações: [email protected] | (71) 98791-7988
Entrada franca
Geral

Livro-reportagem denuncia casos de assédio em universidades de Vitória da Conquista

Medo de serem retaliadas, de ninguém acreditar nelas, de terem suas carreiras atingidas. Essas são algumas razões que inibem a publicização dos casos de assédio dentro das instituições de ensino. Em uma iniciativa para romper esse silêncio, a jornalista e escritora Giulia Santana resolveu trazer relatos de vítimas através da obra “Vozes”, que será lançada amanhã (28), às 9h, com a palestra “Livro-reportagem: entre a sensibilidade e a denúncia”, no auditório do módulo IV da UESB – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. O evento busca discutir a produção desse gênero jornalístico e mostrar como é possível denunciar crimes de forma sensível e contextualizada, por meio da narração de histórias de vida.

Giulia também é autora de “A Linha de Rumo” – Foto: Divulgação

Um dos poucos dados sobre o tema vem de uma pesquisa realizada pelo Instituto Avon em 2015, que revelou que 56% das alunas de graduação e pós declararam ter sofrido assédio de professores, colegas e técnicos administrativos. “Vozes nasceu da vontade de fazer algo sobre o que eu assistia de mãos atadas. Eu via casos de assédio sexual acontecerem e discussões morrerem em corredores, porque ainda se colocava a honra e a reputação do agressor sobre qualquer relato ou prova que se tivesse do crime”, conta Giulia, em entrevista à Associação Bahiana de Imprensa (ABI). “Eu me sentia sufocada, então lembrei que a única arma que tinha eram minhas palavras”, recorda a jornalista.

Originalmente produzido como Trabalho de Conclusão de Curso, “Vozes” dá visibilidade a relatos de estudantes que já sofreram assédio no interior de instituições de ensino superior de Vitória da Conquista. “Eu queria escrever um livro-reportagem desde o primeiro semestre da faculdade, e na hora do TCC, o útil se uniu ao desagradável e eu resolvi colher relatos de vítimas de assédio sexual”, disse a autora. O livro também mostra o que acontece nos bastidores das denúncias e apresenta depoimentos de especialistas acerca do assunto. “Espero que a leitura de Vozes toque quem precisa tocar e conforte quem precisa confortar, sem nunca deixar de perder o foco no mais importante: as vozes das vítimas”, destaca.

O livro de 42 páginas está disponível em formato de e-book, na loja oficial da Amazon na internet. A palestra que marca o lançamento do e-book contará com a presença da jornalista e professora do curso de Jornalismo da UESB, Flávia Motta, e da advogada e também professora da UESB, Luciana Santos Silva, especialista em violência contra a mulher. O evento tem apoio do site Avoador e do Grupo de Estudos e Pesquisas Narrativas, Formação e Experiência (Naforme).


SERVIÇO

Palestra "Livro-reportagem: entre a sensibilidade e a denúncia"
28 de agosto, às 9h
Auditório do módulo IV da UESB
Notícias

Jornalistas baianos lamentam a morte de Francisco Viana

O jornalista Francisco Viana morreu neste domingo (25), em Salvador, depois de sofrer uma parada cardíaca. O corpo de Chico Viana, como era conhecido, será cremado hoje (26), às 14h30, no Jardim da Saudade. A Associação Bahiana de Imprensa (ABI) expressa condolências aos familiares e amigos, ao passo que lamenta a grande perda para o jornalismo baiano e brasileiro.

“Ficamos todos tristes e, com certeza, mais pobres, pela falta do seu talento que tanto enriquecia a comunicação e a cultura brasileiras. Com isso, o que nos resta é reverenciar sua memória, mantendo vivo o compromisso de cultivar os belos exemplos que por aqui semeou. À Família enlutada, nossas condolências”, afirmou Walter Pinheiro, presidente da ABI.

Ele era um dos maiores especialistas em comunicação empresarial do Brasil, e autor do livro “De cara com a mídia”, em que abordava a nova problemática do relacionamento entre empresas, mídia, sociedade e poder público. Uma obra considerada indispensável pelos profissionais envolvidos na comunicação corporativa e estudantes da área.

Francisco Viana na ABI, durante lançamento do livro “Esquerda x Direita e a sua convergência – Foto: Joseanne Guedes

Em maio de 2018, Chico Viana participou do debate “Esquerda x Direita e sua convergência”, promovido pela ABI. Na ocasião, Francisco Viana abordou a liberdade de imprensa. Para ele, “se a sociedade é livre, a imprensa é livre”. “Eu não conheço sociedade onde a imprensa seja livre e a sociedade não seja. Então o ponto de partida disso é da liberdade da sociedade, e numa sociedade livre ela precisa incorporar e dar voz a todas as correntes de pensamento”, declarou. O evento rendeu o livro de mesmo nome, que seria lançado pela ABI meses mais tarde.

Comoção

Colegas de Chico usaram as redes sociais para manifestar pesar por sua passagem. “E o domingo vai embora levando com ele nosso amigo e colega jornalista Francisco Viana. Ultimamente, sempre encontrava com ele no Shopping Barra, passava para um café e um ótimo papo. Siga na paz, Chico Viana”, registrou a jornalista Olívia Soares.

Vitor Hugo Soares, editor do site Bahia em Pauta, também deixou o seu depoimento. “Trabalhamos juntos em A Tarde onde construímos uma relação profissional e amizade pessoal mutuamente respeitosa, e afetuosa, que atravessou décadas, apesar dos muitos desencontros pela vida e pela profissão”, disse.

Leia também:

Graduado pela Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia – UFBA, Mestre e Doutor em Filosofia Política pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP e especialista em Media Training e Gestão de Crises, Francisco Viana possuía vasta experiência nas áreas de Comunicação Estratégica, Pública, de Crise e Filosofia da Comunicação, que podia ser comprovada através de suas contribuições como escritor, professor, consultor de comunicação e colunista, palestrante e autor de diversos livros como “Hermes, a Divina Arte da Comunicação” e “Marx, o labirinto da utopia”.

*Joseanne Guedes, com informações do Bahia em Pauta

Notícias

El País Brasil aposta em newsletter contra influência dos algoritmos

Enquanto uma sequência lógica decide os resultados de uma pesquisa em um navegador, outra guia seleciona posts que serão mostrados no seu feed, omitindo outras postagens e sugerindo contas para você seguir. Justificado pelo objetivo de aumentar a interação entre os usuários, o uso do algoritmo para deixar notícias em segundo plano faz parte do esforço de combate às fake news. Como efeito colateral desse emprego do algoritmo nas redes sociais, vem a diminuição do alcance do conteúdo distribuído por empresas jornalísticas, que hoje têm no Facebook um importante canal de divulgação de suas notícias. Para os veículos de comunicação tornou-se cada vez mais difícil e caro captar a audiência.

Em um alerta sobre a atuação dos algoritmos, o jornal El País Brasil publicou um comunicado sob o título “Não dependa do algoritmo. Receba a newsletter do El País“, para anunciar a sua newsletter diária. A iniciativa tenta minimizar as dificuldades e a dependência em relação às mídias sociais, e segue uma tendência que se consolida mundo afora. “Não deixe que o algoritmo selecione o que você vai ler e entender a cada manhã”, diz o texto, que ressalta a possibilidade de o assinante ter “em primeira mão a nova maneira de contar o Brasil ao mundo e o mundo ao Brasil”.

O informativo digital gratuito é oferecido de segunda a sexta. Aos sábados, conta com edição especial de fim de semana, incluindo seleção de reportagens mais aprofundadas, reflexões contemporâneas e textos de colunistas. (com informações do Portal Imprensa)