Notícias

Jornal A Tarde conquista prêmio CNI de Jornalismo

A Confederação Nacional da Indústria anunciou na noite desta quinta-feira (30), em Brasília, os vencedores do Prêmio CNI de Jornalismo 2015. Com a reportagem “Revolução Silenciosa”, publicada na edição de aniversário de 7 anos da revista Muito, em abril deste ano, o Jornal A Tarde conquistou a categoria Especial Educação. A reportagem realizada por Tatiana Mendonça e pelo fotógrafo Fernando Vivas mostrou a história do Instituto Chapada de Educação e Pesquisa (Icep), que vem se destacando na educação e reduzindo a evasão escolar.

Tatiana Mendonça-Reprodução Facebook
A repórter Tatiana Mendonça foi premiada pela reportagem que mostrou o trabalho do Instituto Chapada de Educação e Pesquisa (ICEP) – Foto: CNI

Durante quatro dias, a repórter Tatiana Mendonça e Fernando Vivas mergulharam no dia-a-dia do Território Colaborativo da Chapada Diamantina para conhecer o trabalho, os desafios e, sobretudo, os resultados que o instituto, juntos aos seus parceiros e municípios integrantes, vêm obtendo na melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem das crianças da região. “Foi uma matéria feita com muito esforço. A gente batalhou, acreditou na pauta e o resultado está aí. É uma maravilha receber o prêmio”, comemorou a editora-coordenadora da revista Kátia Borges.

Ao todo, o prêmio recebeu 675 inscrições de trabalhos de todo o país. Dessas, 39 foram classificadas como finalistas. As matérias foram analisadas por uma comissão formada por Marcelo Canellas (repórter especial da TV Globo), José Paulo Kupfer (colunista do jornal O Estado de S. Paulo), Bruno Thys (diretor geral do Sistema Globo de Rádio), Suzana Singer (editora de treinamento e qualidade da Folha de S. Paulo). Os empresários Humberto Barbato (presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica) e Rafael Cervone (presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção); e do acadêmico Wladimir Gramacho (professor da Universidade de Brasília – UnB) também foram jurados. O Prêmio CNI de Jornalismo 2015 distribui R$ 310 mil em valores brutos.

VENCEDORES

Grande Prêmio José Alencar de Jornalismo/ Impresso Jornal

Série “Quando o mar vira estrada”, Henrique Gomes Batista (O Globo)

Impresso Revistas

“Chefe, sou gay”, de Lucas Rossi (Revista Exame)

Internet (sites e blogs)

“Líquido e Incerto: O futuro dos recursos hídricos no Brasil”, de Marcelo Leite, Lalo de Almeida, Eduardo Geraque, Fernando Canzian, Rafael Garcia e Dimmi Amora (Folha de S.Paulo)

Radiojornalismo

Série “Indústria em marcha lenta” (Rádio Jovem Pan)

Destaque Regional/ Centro-Oeste

Série “Um país sem ressaca”, de Diego Amorim (Correio Braziliense)

Destaque Regional/Nordeste

“Os fios que vencem a seca”, de Hebert Araújo (TV Cabo Branco)

Destaque Regional/Norte

“Apanhador de Açaí”, de Nathália Kahwage e Reginaldo Gonçalves (TV Liberal)

Destaque Regional/Sudeste

Série “O Brasil que trabalha”, de Érica Fraga (Folha de S. Paulo)

Destaque Regional/Sul

“A vida depois da crise”, de Ricardo Lacerda e Andreas Müller (Revista Amanhã)

Telejornalismo e Especial Inovação

Série “Start Ups”, de Renata Ribeiro (TV Globo)

Especial Educação

Reportagem “Revolução Silenciosa”, de Tatiana Mendonça e Fernando Vivas (Revista Muito/Jornal A Tarde)

 

*Informações do A Tarde Online , G1 e CNI

Notícias

Agência de comunicação brasileira lança jornal nos EUA

A agência de comunicação carioca Goldoni Comunicação e Marketing lançou nos Estados Unidos o jornal semanal Imprensa News, para atender a comunidade brasileira que vive na região da Flórida. O veículo será produzido nas versões impressa e on-line, ambas em português. A primeira edição impressa do Imprensa News começou a ser distribuída no dia 23 de julho, em alguns pontos de circulação. A ideia da empresa é fazer com que cada edição do jornal tenha 15 mil exemplares.

A jornalista e editora-chefe do veículo, Kelly Goldoni, afirmou que a ideia apareceu depois de uma visita a Orlando. “Observei que os jornais locais eram pouco informativos e muito comerciais. Decidi, então, que ofereceria aos brasileiros que moram lá um jornal de verdade, ético e isento”, afirmou. De acordo com Kelly, os leitores terão acesso a notícias sobre o cotidiano da região, bem como colunas sobre imigração, turismo, política internacional, tecnologia, e outros assuntos. Ela diz ainda que a ideia da criação do jornal foi “bem recebida por empresas locais que se tornaram anunciantes”.

Imprensa News contará com as mídias sociais para avaliar o retorno do público. As jornalistas Maria Augusta de Nóbrega e Marília Meira serão responsáveis pelo conteúdo na web. Ao todo, o jornal conta com uma equipe de dez pessoas. Entre elas estão as jornalistas Hellen Couto e Patrícia Vivas, os colunistas Paulo Paternes e Dênio Abreu e uma equipe técnica comandada pelas editoras Kelly Goldoni e Lene Costa.

*Informações do Portal IMPRENSA e Portal Comunique-se.

Notícias

Acordo nuclear entre Irã e EUA fundamenta defesa de jornalista

Uma nova tentativa da defesa do iraniano-americano Jason Rezaian pretende pôr fim ao cárcere do jornalista, que já dura um ano, no Irã. O correspondente do jornal The Washington Post foi presoem julho de 2014 acusado de espionagem, recolhimento de informações confidenciais, colaboração com governos hostis e propaganda contra o regime islâmico. A advogada Leila Ahsan, responsável pelo caso, pediu nesta terça-feira (28/7) que seu cliente seja libertado. O pedido se baseia no recente acordo nuclear feito entre o país muçulmano e os Estados Unidos.

Segundo a AFP, Leila exigiu a liberdade do jornalista ao governo iraniano, que após o acordo nuclear tem voltado a manter relações diplomáticas com os norte-americanos. De acordo com a advogada, a medida seria uma forma de estabelecer a paz entre os países. “Diante da nova situação criada pelo acordo nuclear de Viena, pedi ao juiz que declare a absolvição de meu cliente”, comentou.

Tratamento ‘desumano’

O irmão do jornalista Jason Rezaian publicou um artigo nesta segunda-feira (27/7) no qual comenta a situação dele. A Folha de S.Paulo afirma que o artigo escrito por Ali Rezaian ressalta, entre outras coisas, o “tratamento desumano” enfrentado por Jason e a falta de evidências apontadas pelo governo do Irã.

De acordo com Ali, as evidências apontadas pelo Irã para justificar a prisão são um e-mail que Jason enviou para pedir um visto americano para sua mulher, um formulário na internet, que ele preencheu para contatar a equipe de transição de Obama, em 2008 – declarando o desejo de ajudar a melhorar as relações entre EUA e Irã –, e e-mails enviados a amigos e a colegas sobre, entre outros temas, a taxa de câmbio da moeda iraniana. “Essas são as justificativas apresentadas pelo Irã para roubar mais de um ano da vida de alguém. Que ninguém se engane: as pessoas que mantém Jason preso sabem que ele é inocente”, destacou o irmão de Jason.

*Informações do Portal IMPRENSA e da Folha de S.Paulo

Notícias

Anistia Internacional reage à absolvição de PMs acusados por mortes no Cabula

Entidades ligadas aos direitos humanos reagiram à decisão da juíza Marivalda Almeida Moutinho, que absolveu nove policiais militares envolvidos em uma operação, realizada em 6 de fevereiro, que deixou 12 mortos na Vila Moisés, no Cabula. Assim como o Ministério Público Estadual (MPE), representantes de grupos criticaram a rapidez da decisão, já que os PMs foram denunciados à Justiça pelo MPE por homicídio qualificado (indícios de execução) e tentativa de homicídio contra outras seis pessoas. Em nota pública divulgada nesta segunda-feira (27), a Anistia Internacional diz ter visto com surpresa e preocupação a sentença, que aceita a versão de legítima defesa apresentada pelos acusados.

A ONG afirma que a sua apuração, feita em parceria com a campanha “Reaja ou Será Morta, Reaja ou será Morto”, apontou fortes indícios de execução. “A Anistia Internacional espera que o Ministério Público recorra da decisão e continue se empenhando para que haja justiça. A organização também espera que os laudos periciais do caso sejam colocados à disposição para a realização de uma perícia independente”, disse a entidade, reiterando seu apelo às autoridades pela garantia de proteção das testemunhas, familiares e moradores de Cabula, quem de acordo com a Anistia, têm sido vítimas de constantes ameaças e intimidações.

O diretor executivo da Anistia Internacional, Átila Roque, classificou a decisão como parcial. “Indignação com a recorrente parcialidade da justiça no Brasil, onde as vítimas de homicídios cometidos pela polícia são sempre tratadas antes de qualquer investigação e a absolvição dos policiais é sempre rápida. Cabula é a cara do Brasil”, escreveu em uma rede social.

Os 11 de Acari

Passados 25 anos desde o desaparecimento forçado de 11 jovens no Rio de Janeiro, a Anistia Internacional acredita que o episódio conhecido como “Chacina de Acari” revela a incapacidade do Estado brasileiro de garantir justiça para os casos de violência policial, desaparecimentos forçados e mortes por grupos de extermínio no país. Em 26 de julho de 1990, os 11 de Acari foram levados por um grupo que se identificou como policiais. Os corpos nunca foram localizados e os responsáveis não foram levados à justiça. O inquérito policial ficou em aberto por 20 anos, tendo sido arquivado em 2010. “A impunidade tem sido uma forma de continuidade da violência contra esses jovens e suas famílias”, diz a organização.

Grupo Mães de Acari, em 1995
Grupo Mães de Acari, em 1995

Em sua luta por justiça, as mães dos jovens de Acari, se organizaram e levantaram suas vozes por justiça e contra a violência dos grupos de extermínio na região, em um movimento que ficou conhecido como “Mães de Acari”. Elas foram intimidadas e ameaçadas. Em 1992, a Anistia Internacional pediu proteção às mães após denúncia de que policiais militares as ameaçaram com “um destino pior que seu filho (a)”. Uma das mães das vítimas da chacina também foi assassinada e o caso ainda não foi julgado. Edméia Euzébio morreu em 1993, quando buscava informações sobre o paradeiro do seu filho.

Para a Anistia, “a injustificável lentidão no processo judicial mostra a falência e a seletividade do sistema de justiça criminal no Brasil”, que não foi capaz de dar uma resposta para uma das chacinas mais emblemáticas ocorridas em seu território. Nos anos seguintes, a Anistia Internacional acompanhou os casos da Chacina da Candelária, Vigário Geral e da Baixada Fluminense. Agora, a entidade cobra a responsabilização dos acusados pelas mortes na Vila Moisés.

*Informações do Correio* e Anistia Internacional.