Notícias

Rede CoVida seleciona novos voluntários para comunicação

Que tal utilizar os seus conhecimentos em comunicação para se engajar na divulgação de informação confiável sobre a pandemia de Covid-19, atuando colaborativamente em conjunto com uma equipe profissionais qualificados? A “Rede CoVida – Ciência, Informação e Solidariedade”, um projeto de colaboração científica e multidisciplinar do Cidacs/Fiocruz e da Universidade Federal da Bahia (Ufba), está convocando voluntários para atuar em esquema de home office na Comunicação da Rede, nas áreas de texto jornalístico, mídias sociais, editoração gráfica, produção e edição audiovisual. As inscrições seguem até o dia 23 de setembro.

Os voluntários precisam ser formados ou estar cursando a partir do 3º semestre dos cursos de Comunicação Social, BI de Humanidades ou Artes e ter disponibilidade de 10 horas semanais para dedicação ao projeto. Os estudantes terão apoio de profissionais pós-graduados para auxiliar nas atividades e receberão declaração de atividade de extensão pelo tempo dedicado ao projeto.

“O trabalho é sensacional. Para mim, o mais legal do jornalismo é levar até as pessoas informação que é útil para elas. E na Rede consigo isso mais do que em qualquer outro lugar”, relata Raquel Saraiva, bióloga e estudante do 8 semestre de jornalismo da Facom/Ufba.

Raíza Tourinho, jornalista egressa da Facom e coordenadora da Comunicação da Rede CoVida, destaca a contribuição da CoVida para a sua trajetória. Ela já atuou no Jornal A Tarde, no Portal EcoD, na Agência de Ciência e Cultura da Ufba, colaborou com a BBC Brasil, Caros Amigos, a Revista Bahiaciência e Revista [B+]. “A Rede tem sido um espaço de apredizado para todo mundo, não apenas para estudantes voluntários como também para profissionais com anos de estrada. Para mim, é uma troca fantástica. É enriquecedor ter a oportunidade de trabalhar lado a lado com cientistas renomados”, conta a mestre em Comunicação, Informação e Saúde no PPGICS/Icict/Fiocruz.

Para participar, basta enviar currículo, a área de interesse e um textinho explicando como faria a divulgação científica de um dos materiais científicos da Rede.  São disponibilizadas 14 vagas para estudantes ou profissionais de comunicação.

Os voluntários irão se unir a uma equipe de profissionais qualificados em uma iniciativa que visa monitorar e compreender a pandemia de Covid-19 no Brasil, disseminando informações confiáveis para a sociedade.

A CoVida foi criada em março deste ano, pouco depois de a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarar a pandemia de coronavírus. A iniciativa é do Cidacs/Fiocruz Bahia, em conjunto com a Universidade Federal da Bahia (UFBA). O projeto conta com o apoio de colaboradores de outras instituições de pesquisa nacionais e internacionais. Entre os objetivos da rede está a síntese, produção e divulgação científica, visando informar a sociedade e orientar gestores. A Rede também é responsável por um painel de monitoramento do coronavírus no Brasil, atualizado em tempo real. A plataforma permite que o usuário visualize a evolução dos casos, os óbitos, a concentração da doença e a previsão da situação nos próximos dias em todos os estados no Brasil.

REQUISITOS
• Ser estudante a partir do 3º semestre ou formado na área de comunicação, BI de humanidades e BI de Artes;
• Ter interesse em uma das seguintes áreas: texto jornalístico, editoração gráfica, mídias sociais, produção ou edição de audiovisual;
• Ter conhecimento em ferramentas de edição audiovisual, para os que optarem por esta área, ou design gráfico, para quem optar por editoração e mídias sociais;
• Ter disponibilidade para atuar 10 horas semanais no projeto;
• Ter interesse em divulgação científica e habilidade de atuação em trabalho colaborativo;
• Possuir condições necessárias para as atividades de teletrabalho (computador e acesso à
internet).

Clique abaixo para baixar a Chamada:

Notícias

Faculdade de Comunicação da UFBA adere ao inédito semestre suplementar online

A pandemia do novo coronavírus segue modificando rotinas e impulsionando reinvenções nas mais diversas áreas. E já que as aulas presenciais estão suspensas até o final do ano na Universidade Federal da Bahia (UFBA), o Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) aprovou a implantação do Semestre Letivo Suplementar, em caráter emergencial e excepcional. De acordo com um guia divulgado pela Faculdade de Comunicação (FACOM/UFBA), o SLS 2020 é de adesão facultativa e o período de aulas se estenderá do dia 8 de setembro até 18 de dezembro.

Uma vez que a crise sanitária provocou a suspensão do exercício acadêmico de 2020.1, a modalidade de ensino online foi a alternativa encontrada pela instituição para retomar o funcionamento, sem colocar em risco a vida de docentes, discentes, técnicos e terceirizados. A FACOM preparou um material para orientar os estudantes de graduação e de pós-graduação durante esse período.

No Guia do Semestre Letivo Suplementar, o estudante encontra orientações sobre o novo semestre, com instruções para a matrícula, datas importantes do semestre, calendário de TCC, além de informações sobre os componentes curriculares obrigatórios e optativos. “Sabemos que este Semestre Suplementar nos traz desafios. Mas, certamente, nos permitirá demonstrar a nossa capacidade e competência para nos adequarmos ao novo”, afirma o documento.

Mateus Anjos, coordenador do Centro Acadêmico Vladimir Herzog, conversou com a diretora FACOM, Suzana Barbosa, para entender como a unidade está se organizando para o semestre suplementar. A docente salientou a excepcionalidade atual e destacou as principais mudanças implementadas. Segundo Barbosa, a modalidade é de adesão facultativa, seu tempo não contará para o tempo máximo de integralização curricular.

Neste semestre letivo, serão oferecidos componentes novos e alguns componentes já ofertados em semestres anteriores, com as respectivas adequações ao formato remoto. Mas nem todas as disciplinas tiveram possibilidade de adaptação ao formato de aula remoto do SLS. “As oficinas, principalmente as do eixo de formação profissional, não serão oferecidas, porque a experiência é viva, em campo, e demandam equipamentos e estruturas específicos”, argumenta a professora. “É um momento de demonstrarmos nossa capacidade de integração. Vamos iniciar algo novo e que pode abrir caminhos. Estamos diante de uma situação complexa, mas com possibilidade de reagir. Que a gente possa se conectar e ter a melhor energia para trabalhar”, conclui.

Dúvidas sobre o Semestre Suplementar devem ser enviadas ao Colegiado de Graduação ([email protected]) ou ao Colegiado de Pós-graduação ([email protected]).

Confira a live com a diretora da Facom, Suzana Barbosa.

Notícias

Um sopro de esperança

I’sis Almeida e Joseanne Guedes

De olhos fechados, enquanto atravessava os corredores do hospital, Fernanda Aragão repetia para si mesma que ia dar tudo certo. “Botei na cabeça que estávamos saudáveis e não importava se iria parir na ala reservada, com todo mundo vestido de astronauta”. Depois de uma gestação tranquila, ela se preparava para vivenciar o momento mais importante de sua vida, mas o resultado positivo para o coronavírus (Sars-CoV-2) dias antes do parto havia instalado um clima de medo e incertezas. A jornalista estava trabalhando em home office desde o início da pandemia, atenta a todas as medidas de prevenção – principalmente por saber que gestantes e puérperas são mais vulneráveis a infecções – e só fez o teste para cumprir o protocolo da unidade hospitalar.

O avanço do novo coronavírus sobre os jornalistas e demais profissionais da comunicação na Bahia tem causado preocupação e cobrança de medidas para garantir a segurança da categoria, cuja atuação é essencial contra a disseminação do vírus, através do combate a boatos e desinformação. Ao menos 210 jornalistas em atividade morreram nos últimos três meses para a Covid-19 em 38 países, muitos depois de cobrir a pandemia, informa a Emblem Press Campaign (PEC).

No Brasil, o balanço diário do Ministério da Saúde divulgado na noite desta quarta (5) registra 97.256 mortes por Covid-19 (3.736 na Bahia). São 2.859.073 casos acumulados. 741.180 pacientes seguem em tratamento. 2.020.637 pessoas que conseguiram vencer a doença. E uma delas é Fernanda Aragão.

Completamente assintomática, ela chorou, angustiada, com a possibilidade de não poder cuidar de sua filha. Às 3h34 do dia 28 de junho tudo passou. Manuela chegou, trazendo alívio e esperança. “Ela toda cinza, comprida, durinha e com os olhos tão espertos e penetrantes que nunca vou esquecer”, se derrete. O cheirinho da pequena Manu ela só pode sentir dois dias depois, quando finalmente saiu o teste negativo para a Covid-19. “Mas o amor já começou a crescer ali, naquele momento. Renasci e reconheci a força que tenho”, celebra a jornalista.Outra mamãe que passou um período difícil de isolamento foi a jornalista Camila Marinho, da TV Bahia. Através de um vídeo publicado no Instagram, no início de junho, ela revelou que estava com Covid-19 e, assim como Fernanda, totalmente assintomática. “Eu jamais imaginava que estivesse com a doença, porque eu não apresentei qualquer sintoma e só fiz o teste porque uma pessoa próxima a mim testou positivo”, contou. Camila foi submetida ao exame RT-PCR (sigla em inglês para transcrição reversa seguida de reação em cadeia da polimerase). O famoso “teste do cotonete” consegue identificar a presença do vírus no organismo do paciente, por meio da análise do material coletado do nariz e da garganta. “Quantas outras pessoas podem estar na mesma situação? Assintomáticas e transmitindo o vírus. É um alerta para todos nós, sobre o quanto é preciso redobrar os cuidados”, destacou.Segundo ela, a TV Bahia foi cuidadosa, colocando a equipe em esquema de revezamento, para diminuir a exposição. “Dentro da emissora, fomos separados, para evitar aglomeração. Mas, a verdade é que estamos todos sujeitos a isso. Alguns vão desenvolver a doença sem saber, outros com sintomas leves, e outros tantos, infelizmente vão precisar de um leito e podem perder suas vidas”, refletiu. Trancada em seu quarto, a mãe de Samuel e Antônio ficou na companhia dos livros, do sol que chegava pela janela, se curando. “De vez em quando, Antônio batia na porta, para perguntar se eu estava bem, olhando pela fechadura”. No período do isolamento, ela fez lives, recebeu muitas mensagens e agradeceu o carinho do público, até voltar às atividades em meados de junho, quando retornou ao Jornal da Manhã.

Medo do desconhecido

O radialista Zé Eduardo chegou a ficar vinte dias fora da Record TV Itapoan, da Rádio Metrópole e do site BNews, para se recuperar da Covid-19. O apresentador do Balanço Geral foi diagnosticado após um final de semana com dor de cabeça e indisposição. Segundo ele, a recuperação foi “um misto de tranquilidade, ansiedade e medo”. Uma tomografia constatou que ele teve 15% do pulmão comprometido. “A gente não sabe que bicho é esse que está dentro da gente”, exclama o jornalista. “Durante os dias de incerteza, o principal desafio foi equilibrar a calma e a serenidade para esperar a cura. Ao mesmo tempo, vinha a incerteza do que poderia estar se mexendo lá dentro”, diz.Mesmo doente e sem ir ao estúdio, ele continuou trabalhando na rádio. Para Zé Eduardo, continuar ocupado foi fundamental em sua recuperação. “Era preciso pautar, marcar, estudar o entrevistado. Era meu passatempo dentro de casa”, observa. “Bebi muita água e tomei os remédios necessários. Recebi o apoio das empresas que trabalho. Só que essa é uma doença que você tem que se curar só”, afirma. “A principal mudança é que você começa dar um valor maior a sua vida e, ao mesmo tempo, fica o desejo de que isso tem que passar o mais rápido possível. Continuo tomando todos os cuidados, com máscara, usando álcool gel. Estou praticando atividade física, correndo diariamente, estou muito bem. Fiz exame e meu pulmão hoje está limpo”, comemora.

Dores nas costas, febre e muita moleza no corpo. Embora sejam sintomas considerados leves – e comuns a uma virose qualquer, Heliana Frazão afirma que não teve dúvidas de que estava com o coronavírus. “A gente vê o noticiário o tempo todo, as pessoas morrendo, UTIs lotadas, o mundo todo com medo, você fica apavorado também”, opina. “Rezava muito, pedia a Deus que não permitisse as complicações no meu caso. Tive também dor de garganta, diarreia, dor no estômago, perda do olfato”, lembra a jornalista. Morando sozinha, temeu uma piora no quadro. “Eu dormia com muito medo de acordar de madrugada sem respirar. Medo de morrer sozinha aqui em casa, de uma complicação”, contou.

Para Frazão, o mais complicado foi ter que enfrentar a doença sozinha. Durante o isolamento, ela se valeu de aplicativos de mensagens para estabelecer contato com o médico e amigos mais próximos. A jornalista, que atualmente é freelancer do Estado de S. Paulo, confessa ter feito uma “dieta de notícias” durante a recuperação. “Para tratar a doença, procurava me alimentar bem, evitei o noticiário, não li sobre as mortes, foquei na minha cura. Assistia séries e filmes. O pior é a solidão que essa doença te impõe”, disse. Ela também destaca o caráter imprevisível da Covid-19. “Em cada pessoa, ela se manifesta de uma forma. Com cinco dias eu já estava sem sintomas praticamente, só moleza e os problemas psicológicos. Mas tinha medo de ter uma recaída. Colocava o termômetro, com 35°C achava que estava com febre. A gente fica com traumas”, relata.

A recomendação do Ministério da Saúde para quem tem sintomas leves é que procure os postos de saúde apenas se sentir necessidade de atendimento médico. Caso contrário, é para se tratar em casa, com repouso, alimentação adequada e hidratação. Evitar que a imunidade baixe é essencial. O fato é que nem todos manifestam a forma mais leve do vírus.

A evolução dos sintomas respiratórios levaram o jornalista e professor Nilson Lage a passar alguns dias na UTI, logo no início de março. Em um relato publicado em sua rede social, no dia 21 de julho, ele contou sua experiência. “Descobri agora que não só contraí a infecção por Covid-19 como devo ter sido dos primeiros a adoecer desse mal em Florianópolis, ainda no final de fevereiro, quando aqui falava-se nisso como possibilidade distante”, afirmou. Lage se submeteu ao exame sorológico que constatou seu contato com o vírus ativo (IGM) e também o desenvolvimento de anticorpos (IGG). Ele é do chamado grupo de risco para a Covid-19, no qual estão incluídos idosos e pacientes com doenças crônicas (diabetes, hipertensão, asma etc). Há cerca de duas décadas, o professor convive com uma doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) que facilita a ocorrência periódica de pneumonias bacterianas resistentes à vacinação.

Em outubro passado, uma tomografia revelou algo mais – o tumor canceroso no pulmão esquerdo. “Sou um quebra-cabeças pulmonar”, afirmou, bem humorado. Ligado a aparelhos que registravam seus sinais vitais, passou quatro ou cinco dias ali, recebendo medicamentos que o mantiveram vivo. “Estava para ser entubado, mas a jovem médica tentou, antes, colocar-me em uma cápsula hiperbárica, e deu certo”. De acordo com ele, a tosse desapareceu na segunda semana de julho, após meses. “O fôlego ainda é curto, mas a memória permanece atenta. Completei o ciclo da quimioterapia e retorno ao tratamento oncológico. Provavelmente, estarei por aqui por mais algum tempo”, brincou.

Aumento da ansiedade

Uma das consequências da pandemia do novo coronavírus é o isolamento social e a sensação de solidão. Depois de mais de cem dias em casa, algumas pessoas passaram a ter doenças psicológicas, neurológicas e cardíacas. Elas têm procurado hospitais achando que estão com o vírus. O estresse e o transtorno de ansiedade também são presença marcante na maioria dos relatos de pacientes já diagnosticados com Covid-19. “Temi tanto que isso ocorresse, devido ao meu estado pessoal, que inclui hipertensão controlada por remédios e obesidade, mas o temor não foi suficiente para me blindar. Mesmo tomando todos os cuidados necessários, me contaminei”, relatou o jornalista Yuri Silva, em um texto para o site Mídia 4P

O editor do veículo está desde o início da pandemia atuando na assistência direta a comunidades em situação de vulnerabilidade social. Foi depois de uma manhã intensa de trabalho que ele sentiu forte dor de cabeça e achou que era estresse. Yuri se automedicou e apresentou melhora, mas, dias depois a dor veio acompanhada por calafrios e desconforto respiratório. “Nem foi tão grave do ponto de vista clínico, embora tenha me marcado de forma intensa, eterna, cortante, para sempre”, afirma.Diante do bom estado físico, Yuri chegou a duvidar se estava realmente contaminado. Então, o resultado do teste SWAB RT-PCR veio para confirmar. “Positivo’ apenas o exame, porque a partir dali comecei a entrar em um poço de ansiedade. A sensação do resultado fez minhas pernas tremerem. A sensação provocada pela doença também era estranha. Logo no dia seguinte, 15 de julho, senti um grande peso e fraqueza nos membros inferiores. Profundamente preocupado, angustiado. Sem reação outra a não ser a do choro, do medo, a da inércia e tantas outras. Simultâneas”, relatou. “Ainda tenho tosse, cansaço pelo mero trabalho de digitar sentado no computador, e o corpo age com moleza, como se não quisesse fazer nada que eu mando. Ainda penso lentamente e mantenho as vitaminas C no cardápio matinal e noturno, para fortalecer a imunidade e garantir minha travessia rumo à recuperação total. O medo mais duro que me abateu era o da não-despedida”, confessou o jornalista.

Um pesquisa feita pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), para monitorar as condições de trabalho dos jornalistas durante a pandemia, revelou que 177 profissionais de imprensa, o equivalente a 61,25% dos entrevistados, relataram aumento da ansiedade e do estresse, uma verdadeira epidemia oculta com potenciais efeitos na saúde mental. A entidade também realiza um levantamento sobre jornalistas infectados pela Covid-19 (acesse o formulário aqui). A Fenaj ressalta a necessidade de ações das empresas de comunicação para proteger seus trabalhadores/as, já inevitavelmente alcançados pelas interferências da pandemia nas relações de trabalho, com redução de jornada e salário, atuação em regime domiciliar sem a estrutura necessária, entre outros aspectos.

Notícias

FIJ diz que Covid-19 aumentou desigualdades entre homens e mulheres jornalistas

A desigualdade entre homens e mulheres no trabalho é um problema global, intensificado pela pandemia do novo coronavírus. Foi o que constatou o levantamento “Os efeitos da Covid-19 em mulheres jornalistas”, realizado pela Federação Internacional de Jornalistas (FIJ ou IFJ, na sigla em inglês). O estudo ouviu 558 mulheres jornalistas sobre aspectos como salário, conciliação da vida privada com a profissional, promoção, responsabilidades, entre outros. 55,60% das profissionais ouvidas reconheceram que a pandemia provocou mais desigualdades de gênero no setor.

A principal consequência citada por elas foi na conciliação do trabalho com a vida privada, apontada por 62% das entrevistadas, seguida das responsabilidades no trabalho (46%) e salários (27%). Com o resultado em mãos, a IFJ, maior organização mundial de jornalistas profissionais, e seu Conselho de Gênero pedem às organizações de mídia e sindicatos que façam da igualdade de gênero uma prioridade em suas respostas à pandemia e exijam medidas concretas para proporcionar às jornalistas condições de trabalho adequadas.

•Nível de estresse: mais de 75% das entrevistadas sentiram aumento, metade delas apontando várias tarefas como a causa principal;
•Saúde: mais da metade disse que sua saúde foi afetada, o que resultou em quase 75% de casos de problemas de sono;
•Equipamento de proteção: apenas 4 em cada 10 mulheres jornalistas afirmaram ter recebido de seus empregadores;
•Sindicatos: mais da metade das entrevistadas afirmam que os sindicatos não desenvolveram estratégias específicas para combater as desigualdades de gênero durante a pandemia;
•Teletrabalho: 60% disseram que sua empresa havia definido algum tipo de protocolo;
•Assédio: mais de 75% das entrevistadas disseram que o nível de assédio (incluindo on-line) e bullying não aumentou durante a crise;
•Local de trabalho: 1/3 das entrevistadas afirmou que trabalhava “principalmente em casa” e 1/3 trabalhava principalmente no escritório. 15% trabalhavam principalmente em campo;

Medo de perder emprego e conciliação com tarefas domésticas

As entrevistadas listaram diversas razões como causas do estresse, incluindo trabalho isolado, intimidação de chefes, cuidados familiares e educação em casa, tensões domésticas, aumento da carga de trabalho e os prazos apertados habituais, longas horas de trabalho, impacto psicológico da cobertura da Covid e medo de perda de emprego.

Uma jornalista da Indonésia disse: “Receio perder o trabalho. Algumas mídias fecharam ou cortaram seus colaboradores e diminuíram seus salários de nível médio-alto. Receio que meu escritório também feche. Também estou estressada com a conexão com a internet e a excessiva atenção na frente do laptop o dia todo e a noite”.

“Em todos os casais heterossexuais, sei que a mulher suportou o peso da situação”, disse uma jornalista da Espanha. “As mulheres estão trabalhando em casa, fazendo malabarismos com as crianças e educando as crianças ao lado de seu trabalho. Algumas tiveram horas reduzidas para lidar com isso, outras tiveram que arriscar a saúde de seus pais vulneráveis por cuidar dos filhos, em vez de o pai assumir metade dessas tarefas”.

Os entrevistados fizeram recomendações concretas para melhorar os protocolos de teletrabalho, como a necessidade de os empregadores fornecerem equipamento de trabalho adequado, incluindo internet banda larga adequada, definir horários e intervalos de trabalho e entender a realidade de trabalhar em casa enquanto cuidam de crianças.

No geral, a maioria das entrevistadas concordou que as melhores estratégias para alcançar um novo normal de gênero eram de natureza econômica: mais financiamento, melhores salários, mais oportunidades de progressão na carreira. “A luta pela igualdade de gênero deve ser encarada como uma prioridade. O equilíbrio entre o horário privado e o horário de trabalho deve ser claramente indicado. A igualdade salarial deve ser considerada o novo ‘normal’”, disse uma fotógrafa da Suíça.

Maria Angeles Samperio, presidente do Conselho de Gênero do IFJ, cobrou ações dos sindicatos e das empresas. “A mídia e os sindicatos devem fazer muito mais para combater as desigualdades de gênero e levar em conta a conciliação do trabalho e da vida privada nesses tempos turbulentos. Eles devem ouvir os apelos de mulheres que foram profundamente afetadas por durante a Covid-19 e responda a elas. É hora de estabelecer políticas adequadas de teletrabalho, garantir apoio às mulheres como carreiras familiares e oferecer trabalho decente e remuneração igual”.

O secretário-geral do IFJ, Anthony Bellanger, disse: “Apelamos às nossas afiliadas para colocarem a igualdade de gênero no topo de sua agenda e refletir sobre a melhor forma de apoiar suas afiliadas. Esse apoio inclui fornecer dados sobre mulheres na profissão, integrar gênero em todas as atividades, oferecer treinamento, colocar mulheres em papéis de liderança nas estruturas dos sindicatos, estabelecer comitês de mulheres e políticas de gênero e negociar melhores acordos para mulheres”.

Leia a pesquisa.

*Informações do Portal Imprensa.