Notícias

Jornal da Associação Brasileira de Imprensa conquista Prêmio Líbero Badaró

O cartunista Quinho, do Estado de Minas, foi o vencedor da 10ª edição do Prêmio Líbero Badaró, na categoria Ilustração, com a charge “Millôr e Deus”, publicada no Jornal da ABI em homenagem ao desenhista, jornalista, dramaturgo e escritor Millôr Fernandes. Com bom humor e perspicácia, Quinho ilustra o encontro de Deus com Millôr Fernandes, morto em março de 2012, no Rio de Janeiro, em decorrência de falência múltipla de órgãos.

O chargista baiano de A Tarde, Cau Gomes, obteve o quinto lugar com a charge “Mata-Mata”.

A cerimônia de entrega do Prêmio Líbero Badaró de Jornalismo, organizado pela revista Imprensa, aconteceu na noite do dia último dia 25, no Itaú Cultural, na capital paulista, quando foram anunciados os vencedores das categorias Jornalismo Impresso, Telejornalismo, Radiojornalismo, Webjornalismo, Fotojornalismo, Reportagem Cinematográfica, Ilustração, Primeira Página, Jornalismo Universitário, Cobertura Internacional, Grande Prêmio Líbero Badaró de Jornalismo.

Nesta 10ª edição da premiação, sob o patrocínio da Souza Cruz, e apoio institucional da ABI, Instituto Internacional de Ciências Sociais-IICS, Instituto Palavra Aberta e ONG Artigo 19, foram homenageados o empresário e jornalista Roberto Civita, in memorian, como “Destaque do Ano”. Filho de Victor Civita, fundador do Grupo Abril, Roberto Civita acumulava os cargos de presidente do Conselho de Administração, diretor editorial do Grupo Abril, e presidente do Conselho da Abril Educação. Ele participou da fundação das revistas Realidade, Veja, Nova, Quatro Rodas, Exame e Playboy, entre outras. Morreu no dia 26 de maio último, aos 76 anos, com quadro de falência múltipla dos órgãos.

A ABI, como entidade apoiadora, foi representada pela jornalista Rosani Abou Adal, que destacou a parceria com a revista Imprensa e a relevância da premiação:

— A importância do Prêmio Líbero Badaró de Jornalismo é em razão das mudanças promovidas por Líbero Badaró na imprensa brasileira.

Jurados

Os cinco trabalhos finalistas na categoria Ilustração foram, além de “Millôr e Deus” (Jornal da ABI – RJ), de Quinho, “A peça esquecida de Renato Russo” (Correio Braziliense – DF), de Kleber Soares de Sales; “O trovador sem fim” (Correio Braziliense – DF) , de Kleber Soares de Sales; “Cartum” (Diário da Região – SP), de Lezio Custodio Junior, e “Mata-Mata” (A Tarde – BA), de Cau Gomez.

O júri desta edição foi formado por Ana Brambilla (Editora Globo), Alaor Filho (Fotógrafo), Alcy Linares (Ilustrador e cartunista), Ana Carolina Fernandes (Fotógrafa), Claudius Ceccon (Cartunista), Filomena Salemme (Jornalista), Flávia C. Martelli (Unaerp), Guto Nejaim (SporTV), Jairo Marques (Folha de S.Paulo), João Theodoro (Jornalista), Jorge Araújo (Folha de S.Paulo), Jorge Tarquini (ESPM), José Armando Vannucci (Crítico de TV), Marcio Baraldi (Cartunista), Milton Jung (CBN), Mônica Miranda (Rádio Itatiaia), Orivaldo Perin (O Globo), Pedro Ortiz (USP), Ricardo Anderáos (Editora Abril), e Sérgio Lüdtke (IICS).

Fonte: Associação Brasileira de Imprensa

Textos relacionados: