ABI BAHIANA Blog das vidas

Diretoria da ABI lamenta a morte do conselheiro Carmelito Almeida

A noite desta segunda-feira (18) foi de profundo pesar no grupo da Diretoria da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), após o quadro diretivo da entidade receber a notícia da morte do radialista Carmelito Valter de Almeida, membro do Conselho Consultivo e sócio da ABI desde 1987. “Carmelo”, como era conhecido entre os colegas da imprensa esportiva baiana, sofreu um infarto aos 88 anos. O sepultamento do comunicador será nesta terça-feira, às 16h, no Cemitério Campo Santo, no bairro da Federação, em Salvador.

Carmelito atuou por muitos anos na Rádio Sociedade da Bahia. Referência no rádio esportivo e citado como um dos melhores plantonistas, ele sempre foi reconhecido por sua voz marcante, tendo integrado equipes famosas que tinham, entre outros, nomes como Martinho Lélis, Djalma Costa Lino, Genésio Ramos e Jorge Sanmartin. Foi bancário e, atualmente, trabalhava como corretor de imóveis.

A notícia do falecimento de Carmelito causou comoção entre os profissionais da imprensa e provocou matérias em diversos veículos. A Associação Bahiana dos Cronistas Desportivos – ABCD também publicou nota lamentando a morte do radialista.

Entre os diretores da ABI, o clima é de consternação. “Perdemos hoje um grande amigo e fiel companheiro”, registrou o diretor do Departamento Social, Nelson José de Carvalho, que destacou características do amigo. “Carmelito sempre foi identificado pela humildade, simplicidade nos gestos, explícito amor pela ABI, onde dificilmente faltava as reuniões. Era um companheiro querido por todos e desfrutava de sólido conceito moral, profissional, social e familiar”, afirmou. “Ele cumpriu sua missão entre nós com muita dignidade, afetividade e honradez, partindo para a vida eterna iluminado pelo Nosso Senhor do Bomfim e Santa Irmã Dulce. Saudades”, concluiu o diretor.

No último ano, Carmelito dedicou atenção especial à sua esposa Ana, cujo estado de saúde inspirava cuidados. Mas sempre foi assíduo nas atividades da ABI, como lembra o presidente da entidade, Ernesto Marques. “Com todas as suas limitações e ainda tendo que amparar sua esposa, o que mais me chamava atenção em Carmelito era a sua determinação de estar presente. Nas reuniões de Diretoria, raramente falava, atuava na comissão que avalia admissão de novos associados. No celular, pelo menos uma vez por semana trocava algumas palavras com os amigos para os quais enviava saudações afetuosas. Caminhou pela vida e deixou nas pegadas a marca da leveza”, disse o jornalista.

Carmelito Almeida em confraternização da Diretoria da ABI, 2016 | Foto: Joseanne Guedes

“Assim como Cid Moreira foi para o ‘Jornal Nacional’, Carmelito Almeida era a voz oficial do Plantão Esportivo”, afirmou o jornalista e radialista Antônio Matos, diretor financeiro da ABI. Segundo Matos, Carmelito era o locutor que, durante as transmissões de uma partida de futebol, informava o andamento dos resultados dos outros jogos realizados, naquele momento, pelo Brasil e exterior. “A Rádio Sociedade da Bahia era a emissora de maior audiência no estado e uma das mais potentes do país”, recorda. “Educado, gentil e muito querido, ‘Carmelo’ vai deixar saudade”, constata Matos, autor do livro “Heróis de 59”, sobre a história por trás da conquista da primeira estrela do Esporte Clube Bahia.

Pedro Daltro, seu companheiro nos Diários Associados, no final dos anos 50, também manifestou pesar pelo falecimento do colega. Já o presidente da Assembleia Geral da ABI, Walter Pinheiro, conheceu Carmelito em 1973, quando foram colegas no Banco Irmãos Guimarães. “Costumava ouvi-lo na Rádio Sociedade. Depois, na ABI, integrou o nosso Conselho Diretor, sempre dedicado às atividades e muito cortês. Perdemos um grande companheiro, que deixa muitos bons exemplos e saudades”, observou Pinheiro.

Textos relacionados: