ABI BAHIANA

ABI lamenta a morte do professor Edivaldo Boaventura

A Associação Bahiana de Imprensa (ABI) lamenta a morte do Professor Edivaldo Machado Boaventura, presidente do Conselho Consultivo da instituição. O escritor e ex-diretor do jornal A Tarde faleceu aos 84 anos, na madrugada desta quarta-feira (22), por complicações de um cateterismo realizado na tarde desta terça, 21. Ele deixa a esposa Solange e os filhos Lídia e Daniel Boaventura. O sepultamento será no Cemitério Jardim da Saudade, nesta quinta-feira (23), às 15h.

O presidente da ABI, Walter Pinheiro, ressalta as contribuições do professor para as áreas da educação e da cultura. “Ele é uma figura muito reverenciada em nossa comunidade, em face do seu talento como professor, homem público, jornalista, escritor e imortal, membro da Academia de Letras da Bahia. Uma personalidade merecedora de reverências na sociedade baiana pela idoneidade e dignidade com que sempre atuou, seja em favor da educação, cultura e jornalismo em nosso Estado”.

O dirigente lembrou do convívio com o colega na ABI. “Extremamente cordial, como era da personalidade do professor Edivaldo. Estou abalado com a notícia, mas ele deixa todo esse legado, principalmente em favor da educação e também pela prática da verdade e do bom jornalismo, como sempre lutou, na medida em que esteve à frente do jornal A Tarde. Perdemos mais um grande nome. Prestamos nossas condolências a Solange Boaventura e à família”, completa Pinheiro.

Edivaldo Boaventura nasceu na cidade de Feira de Santana, no dia 10 de dezembro de 1933. Cursou o ensino secundário no Colégio Antônio Vieira, em Salvador, formou-se em direito e ciências sociais, e obteve a livre docência pela Universidade Federal da Bahia (Ufba). Era mestre e PhD em educação pela Universidade Estadual da Pensilvânia (EUA).

A trajetória desse semeador de ideias, descrito por Jorge Amado como “o baiano que possui o mais impressionante curriculum vitae”, está registrada no livro “Um cidadão prestante”, do jornalista, poeta e professor Sérgio Mattos. A obra é uma rica entrevista biográfica, na qual Edivaldo Boaventura reafirma o magistério e a educação como objetivos.

Notícias

Jornalismo baiano perde Vily Modesto, aos 78 anos

O sul da Bahia vive o luto por um dos mais renomados comunicadores da região. O jornalista, radialista e publicitário Vily Modesto (78) faleceu na noite desta quinta-feira (5), vítima de infarto. A partida dele causa comoção entre colegas de trabalho e admiradores. O corpo de Vily erá sepultado às 14h desta sexta-feira, no Cemitério Campo Santo, em Itabuna.

Por mais de 40 anos ele foi um dos mais respeitados jornalistas do interior do estado, tendo chefiado por 29 anos a sucursal do jornal A Tarde. O diretor da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), Eliezer Varjão, foi seu colega no período de A Tarde e lamentou a perda. Varjão chefiou a redação do jornal e lembrou a época em que trabalharam juntos. “Uma pessoa excelente e profissional competente, criterioso. Ele tinha o conceito de bom jornalista, implantou e incrementou o A Tarde no sul e extremo-sul do estado. Escrevia, mandava matérias de qualidade no tempo em que o jornal ia para o interior e havia apuração. Hoje, o jornalista faz tudo online, consulta o Google”.

Vily ingressou no rádio em Itabuna em 1967, na antiga Rádio Clube. Trabalhou também na Rádio Difusora e se destacou na Rádio Jornal de Itabuna, com os programas ”Órbita 70”, aos domingos, e “Show Messias”, diariamente a partir das seis da manhã.De gosto refinado e voz marcante, Vily deixou uma marca na comunicação regional. O bordão “Durma com o Jô e acorde com o Vily”, estampado em um anúncio do Diário Bahia, certa vez chegou à produção do programa Jô Soares, na Rede Globo.

*Com informações do Diário da Bahia.

ABI BAHIANA

ABI lamenta a morte do jornalista e professor José Marques de Melo

José Marques de Melo, um dos principais teóricos da Comunicação no Brasil, faleceu em São Paulo nesta quarta-feira (20), vítima de um enfarto fulminante. A Associação Bahiana de Imprensa (ABI) se junta a dezenas de instituições, no sentimento de pesar pela passagem do jornalista e renomado professor alagoano, aos 75 anos. Zé Marques, como era chamado pelos amigos, foi o primeiro doutor em jornalismo titulado por uma universidade brasileira, em 1973. Para o presidente da ABI, Antonio Walter Pinheiro, Melo deixa inestimável legado para o pensamento comunicacional, com ênfase na comunicação na América Latina e no Brasil. Ao longo de sua trajetória acadêmica, ele publicou cerca de 50 livros e coletâneas sobre estudos na área.

A perda causou grande comoção nas instituições que tiveram a história marcada pela atuação do pesquisador e entre estudiosos da comunicação. A Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia (FACOM/UFBA) expressou em nota “profundo pesar e tristeza pelo falecimento” e apresentou condolências à família.

José Marques de Melo e Sergio Mattos no Congresso da Intercom – Foto: Reprodução

O professor Sérgio Mattos, amigo de José Marques e autor de sua biografia “O Guerreiro Midiático” (disponível aqui), publicou uma nota emocionada no Facebook. “Estou sem palavras para registrar a perda do amigo, do líder, do homem dinâmico, predestinado, aglutinador e incansável que foi José Marques de Melo, ou simplesmente Zé Marques. Só sei que ele continuará vivo, entre nós, no legado que nos deixou, tais como instituições que criou, livros que escreveu, nos ex-alunos e principalmente em suas ideias, uma fonte de referências permanente. Meus sentimentos aos familiares e a todos nós do campo da comunicação, pois ficamos órfãos”, lamentou Mattos, que também integra a diretoria da ABI.

José Marques foi o responsável por idealizar e fundar, em 1977, a Intercom –Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, onde atuava como presidente de honra e membro do Conselho Curador. Atualmente, era Titular da Cátedra Unesco de Comunicação para o Desenvolvimento Regional na Universidade Metodista de São Paulo. “A Intercom, em nome de toda a comunidade acadêmica e profissional das Ciências da Comunicação, oferece sua solidariedade à família e celebra a vida e a obra deste que foi um de seus mais importantes representantes”, diz nota divulgada pela instituição.

Ele também foi docente-fundador da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). O professor da ECA, Eugênio Bucci, disse ao jornal Estado de S.Paulo que Marques de Melo foi “pioneiro na projeção de uma ponte entre a universidade e a cultura profissional”. “Os estudos dele têm uma forma forte influência na consolidação do repertório acadêmico, mas também conquistou muito respeito entre jornalistas profissionais experientes. O trabalho dele sobre a história e as práticas jornalísticas também foi essencial”, disse.

Bio

José Marques de Melo nasceu em Palmeira dos Índios, em 1943, e se mudou para a vizinha Santana do Ipanema, de onde saiu na adolescência para estudar em Maceió e no Recife. Ele se formou em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco e em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal de Pernambuco, durante a década de 1960, antes de se transferir para São Paulo. Na capital, fundou o Centro de Pesquisas da Comunicação Social, da Faculdade de Jornalismo Cásper Líbero, e foi docente-fundador da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), onde obteve os títulos de doutor em Ciências da Comunicação, livre-docente e professor catedrático de jornalismo.

Impedido por anos de exercer a docência em universidades públicas em razão da ditadura militar, ele reassumiu sua cátedra na USP após a anistia. Em 1989, foi escolhido pela comunidade acadêmica para exercer o cargo de diretor da ECA, função ocupada até 1993, quando se aposentou na instituição. Em 2009, coordenou o processo de revisão das diretrizes curriculares dos cursos de jornalismo, que foi implementada pelo então ministro da Educação Fernando Haddad (PT).

*Com informações do Estadão e da Intercom.

Notícias

Morre em Salvador o jornalista Luiz Luzi, ex-repórter de A Tarde

A Associação Bahiana de Imprensa (ABI) lamenta o falecimento do jornalista Luiz Carlos do Espírito Santo (conhecido como Luiz Luzi), professor e ex-repórter do jornal A Tarde. O sepultamento será às 15h desta sexta (02), no cemitério Campo Santo, no bairro da Federação. Luzi estava internado há quase oito anos no setor de geriatria do Hospital Santo Antonio, unidade das Obras Sociais Irmã Dulce (OSIB), no Largo de Roma.

Ex-colega de Luiz em A tarde na década de 1970, o diretor da ABI, Luís Guilherme Pontes Tavares, lembra que “uma das missões de Luzi era cobrir o Aeroporto 2 de Julho”. Luzi foi assessor de Clériston Andrade, na Prefeitura Municipal de Salvador, e de Edivaldo Boaventura, na Secretaria de Educação (período do Governo João Durval).