Notícias

Imprensa é ameaçada em Alagoinhas

Os jornalistas da cidadede Alagoinhas Maurílio Fontes e Vanderley Santos visitaram nessa quinta-feira (7/3) o diretor presidente da Tribuna da Bahia e presidente da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), Walter Pinheiro, para denunciar ameaças que estão sofrendo por conta de uma entrevista realizada com ex-secretário de Governo Juscelio Carmo, concedida no programa Linha Aberta da rádio 93 FM, dia 1º de março.

Segundo Vanderley, que é apresentador do programa, a entrevista desencadeou uma crise política no local. “Uma série de detalhes da relação entre o prefeito de Alagoinhas e seus secretários foi denunciada por Juscelio. Nesse mesmo dia, a rádio recebeu três ligações anônimas querendo saber meu telefone celular e outras duas dizendo que me dariam uma surra”, relatou o radialista. “Algumas horas depois, um homem forte, alto, sem se identificar, adentrou a recepção da emissora e disse que queria saber onde eu estava para poder me bater”.

De acordo com ele, três dias depois, o programa repetiu a entrevista de Juscelio Carmo, pontuando as passagens importantes. “Recebemos duas ligações de pessoas não identificadas fazendo as mesmas ameaças. No mesmo dia, à noite, quando retornava da faculdade, avistei um carro preto à porta da minha casa. Ao perceber que eu me aproximava, o motorista arrancou em disparada”, contou Vanderley, que é casado e tem quatro filhos.

O jornalista disse também que depois das ameaças a prefeitura de Alagoinhas cortou o contrato de publicidade com a rádio e com o jornal em que ele é dono, a Gazeta dos Municípios. “Para completar, o ex-proprietário da rádio, cuja família detém apenas 30% das ações da emissora, me tirou do programa sob a alegação de que eu estava correndo risco de morte”, relatou.

Mesmo não sofrendo ameaças, o jornalista Maurílio Fontes, dono do site Alagoinhas Hoje, que também divulgou uma entrevista com ex-secretário de Governo, afirmou que foi procurado para praticar um “jornalismo de acomodação”.

“Em 2013 não dá mais para aceitar esse tipo de situação, parece que estamos no faroeste. As denúncias de irregularidades são feitas por pessoas que trabalhavam na prefeitura”.

Fonte: Tribuna da Bahia

Textos relacionados: