ABI BAHIANA Notícias

Pesquisa inédita mapeia mercado de comunicação na Bahia

O governo, nos níveis federal, estadual e municipal, é o maior anunciante no mercado de comunicação de Salvador, com 44% do total que passa nas agências; em seguida, vem o varejo, com 26%; serviços, 16%; outros, 11%, e no último lugar um setor que já foi dos maiores anunciantes, o imobiliário, com apenas 3%. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (25) pela Associação Baiana do Mercado Publicitário (ABMP) como resultado de pesquisa feita pela empresa ABC+ Comunicação Estratégica. O estudo estará disponível a partir do dia 28, no novo site da entidade.

A pesquisa, que é inédita em sua forma no Brasil, resume um estudo do mercado de comunicação baiano, englobando todos os veículos de comunicação e agências de publicidade, assim como o marketing promocional, conforme explica Nelson Cadena, diretor da ABC+ e coordenador do levantamento.

De acordo com Cadena, a pesquisa pioneira trouxe uma metodologia própria. “Até agora, todas as pesquisas tinham como base apenas estimativas e a Bahia sempre entrou nesses estudos como um adendo de área geográfica, Nordeste, no caso”.

A apresentação da ABMP foi realizada durante um café da manhã na Casa do Comércio, com a presença de representantes dos mais diversos órgãos de comunicação e de agências de propaganda. O presidente da entidade, João Gomes, afirmou que “a grande importância desse estudo é que ele fornece dados reais em relação a todo o mercado”, o que, segundo ele, traz maior credibilidade. “Nosso papel é de extrema relevância na sociedade. Temos profissionais qualificados, agências criativas. Então, por que perdemos clientes para agências nacionais?”, questionou.

O presidente da Associação Bahiana de Imprensa, Walter Pinheiro, que também é diretor do jornal Tribuna da Bahia, parabenizou a iniciativa e demonstrou satisfação com o encontro de lideranças do setor da comunicação. “Neste momento em que estamos repensando o Brasil, uma pesquisa desse tipo é excelente instrumento de trabalho, notadamente quando sabemos que Salvador tem ficado com participação inferior em relação a capitais como Recife, Fortaleza e Belo Horizonte, metrópoles que se equiparam em população e nível social”.
Para ele, o levantamento traduz os hábitos de mercado e é um trabalho para ser ainda mais desenvolvido. “Nosso desejo é que seja estimulada a competição saudável, acima de tudo, para fortalecer nossa posição no mercado. É um grande mecanismo para preparar 2017”, avalia.

*As informações são de Alex Ferraz/Tribuna da Bahia

Textos relacionados: