ABI BAHIANA Notícias

Pesquisa inédita mapeia mercado de comunicação na Bahia

O governo, nos níveis federal, estadual e municipal, é o maior anunciante no mercado de comunicação de Salvador, com 44% do total que passa nas agências; em seguida, vem o varejo, com 26%; serviços, 16%; outros, 11%, e no último lugar um setor que já foi dos maiores anunciantes, o imobiliário, com apenas 3%. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (25) pela Associação Baiana do Mercado Publicitário (ABMP) como resultado de pesquisa feita pela empresa ABC+ Comunicação Estratégica. O estudo estará disponível a partir do dia 28, no novo site da entidade.

A pesquisa, que é inédita em sua forma no Brasil, resume um estudo do mercado de comunicação baiano, englobando todos os veículos de comunicação e agências de publicidade, assim como o marketing promocional, conforme explica Nelson Cadena, diretor da ABC+ e coordenador do levantamento.

De acordo com Cadena, a pesquisa pioneira trouxe uma metodologia própria. “Até agora, todas as pesquisas tinham como base apenas estimativas e a Bahia sempre entrou nesses estudos como um adendo de área geográfica, Nordeste, no caso”.

A apresentação da ABMP foi realizada durante um café da manhã na Casa do Comércio, com a presença de representantes dos mais diversos órgãos de comunicação e de agências de propaganda. O presidente da entidade, João Gomes, afirmou que “a grande importância desse estudo é que ele fornece dados reais em relação a todo o mercado”, o que, segundo ele, traz maior credibilidade. “Nosso papel é de extrema relevância na sociedade. Temos profissionais qualificados, agências criativas. Então, por que perdemos clientes para agências nacionais?”, questionou.

O presidente da Associação Bahiana de Imprensa, Walter Pinheiro, que também é diretor do jornal Tribuna da Bahia, parabenizou a iniciativa e demonstrou satisfação com o encontro de lideranças do setor da comunicação. “Neste momento em que estamos repensando o Brasil, uma pesquisa desse tipo é excelente instrumento de trabalho, notadamente quando sabemos que Salvador tem ficado com participação inferior em relação a capitais como Recife, Fortaleza e Belo Horizonte, metrópoles que se equiparam em população e nível social”.
Para ele, o levantamento traduz os hábitos de mercado e é um trabalho para ser ainda mais desenvolvido. “Nosso desejo é que seja estimulada a competição saudável, acima de tudo, para fortalecer nossa posição no mercado. É um grande mecanismo para preparar 2017”, avalia.

*As informações são de Alex Ferraz/Tribuna da Bahia

Notícias

Grupos de mídia formam aliança publicitária digital contra Facebook e Google

Um dos expoentes da mídia internacional, o jornal The Guardian anunciou uma parceria com a rede americana CNN, a agência Reuters, o Financial Times e a revista semanal The Economist. O acordo fechado nesta quinta-feira (19) vai criar uma plataforma unificada de publicidade digital que dará aos anunciantes acesso a um público de quase 110 milhões de leitores on-line através de um sistema programático de anúncios usuários. Batizada de ‘Pangaea’ – uma referência ao supercontinente que unia todas as parcelas de terra do planeta há milhões de anos – a união é uma estratégia para retomar o controle sobre gastos com publicidade que têm sido direcionados a gigantes da tecnologia como Microsoft, Google e Facebook. A iniciativa surge num momento em que grupos de mídia tentam aumentar o retorno obtido com a publicidade digital.

A Pangea Alliance, a ser lançada em versão beta em abril, será gerenciada porque uma equipe de vendas que inclui membros de cada empresa de mídia. O grupo, que está negociando a entrada de outros integrantes, usará uma plataforma de publicidade programática operada pela Rubicon Project, uma companhia sediada em Los Angeles. Cada um dos participantes liberará 10% de seu estoque de espaço publicitário digital para a venda pela Pangea. “A singularidade da Pangaea reside na qualidade dos seus parceiros”, afirmou Tim Gentry, diretor global de receitas da Guardian News & Media e líder do projeto. “Sabemos que a confiança é o melhor meio de defesa da marca, por isso, nos unimos para potencializar os benefícios da publicidade dentro de ambientes de mídia confiáveis”.

redes sociais
Google e Facebook vão neste ano abocanhar metade do mercado digital

Os cinco veículos que participam da Pangaea destacam que a iniciativa vai atrair principalmente companhias que procuram ter acesso a uma audiência qualificada e ressaltam que um em cada quatro dos seus usuários se encontra nas classes de maior poder aquisitivo. Outros potenciais novos integrantes estão negociando participação na parceria. A plataforma conta com leitores e espectadores na América do Norte, Europa, Oriente Médio e Ásia, o que os integrantes da aliança acreditam ser uma solução perfeita para campanhas mundiais.

Separadamente, “CNN” e “Guardian” respondem por uma audiência de 89 milhões e 43 milhões, respectivamente, de visitantes únicos mensais via desktop, segundo dados da ComScore. O Facebook tem uma audiência estimada em 1,4 bilhão de usuários ativos mensais. “A qualidade dos leitores do ‘Financial Times’ é o que os nossos anunciantes compram”, disse Dominic Bom, diretor de vendas do jornal.

O mercado de publicidade on-line global é estimado em US$ 60 bilhões (cerca de R$ 197 bilhões), segundo o WPP Group M. No Reino Unido, Google e Facebook vão neste ano abocanhar metade do mercado digital, algo superior a 1 bilhão de libras (R$ 4,8 bilhões), de acordo com a eMarketer.

*Informações do Estadão e O Globo, com agências internacionais.

Notícias

Emissora de TV italiana se recusa a exibir vídeos do Estado Islâmico

Desde que o grupo extremista Estado Islâmico descobriu na internet uma poderosa arma de propagação de seus atos, emissoras de TV e sites ao redor do mundo estudam maneiras de lidar com a cobertura do caso. O canal italiano RAI News 24 anunciou que não exibirá os vídeos feitos pela facção, inclusive em seu site. A justificativa foi apresentada por Monica Maggioni, diretora da cadeia RAI News Group, numa coluna publicada pelo jornal Il Tempo. De acordo com Le Fígaro, ela explica que a decisão foi tomada após meses de discussões. “Agora o Estado Islâmico se transformou em uma espécie de Hollywood terror. Seus vídeos são estudados, cada comunicação é refletida. E nós não queremos ser parte de sua propaganda”.

A decisão da RAI News 24 abriu um debate sobre como as emissoras de TV devem trabalhar as imagens do grupo terrorista, delimitando a linha entre informação e propaganda. Apesar de não apresentar as imagens, o canal italiano garante que continuará informando os telespectadores sobre o Estado Islâmico. Na França, os canais de televisão não transmitirão as imagens de execuções, apenas mostrarão reprodução das imagens dos vídeos. Caso não procedam desta forma, serão imediatamente sancionado pelo Conselho Superior do Audiovisual (CSA).

Rede social

0tempO debate não escapa às redes sociais. As condições de serviço do Twitter, por exemplo, não permitem que usuários publiquem “ameaças específicas ou diretas de violência contra os outros”. A empresa sistematicamente exclui mensagens que apresentam vídeos de atos de violência do grupo terrorista e suspende suas contas o mais rápido possível. Por esse motivo, o cofundador do microblog, Jack Dorsey, passou a receber ameaças de morte do Estado Islâmico. Um post supostamente escrito por partidários da facção criminosa ameaça o executivo-chefe e funcionários da empresa.  A mensagem foi enviada pelo site de textos e imagens JustPaste e apresenta a imagem Dorsey com uma mira de arma sobreposta ao seu rosto. Segundo o site BuzzFeed, o motivo da mensagem é a exclusão recorrente de contas do EI na rede social.

Leia também:

‘’Você começou esta guerra falha. Nós lhe dissemos desde o início que a guerra não é sua, mas você não entendeu e continuou fechando nossas contas no Twitter. Quando os nossos leões vierem e tomarem sua respiração, você nunca vai voltar à vida’’, dizia a ameaça. “Como irá proteger seus funcionários? Jack, você será impotente quando os pescoços deles se tornarem oficialmente um alvo para os soldados do Califado e para os simpatizantes espalhados entre o seu meio. O que iria você responder às suas famílias e seus filhos? Que você falhou em sua guerra?”, completou.

As reclamações ocorrem porque a rede social não permite a publicação de ameaças específicas ou diretas de violência contra os outros. A empresa exclui vídeos de violência e suspende a conta de organizações criminosas. ‘’Nossa equipe de segurança está investigando a veracidade destas ameaças com os funcionários responsáveis pela aplicação da lei’’, disse um porta-voz do Twitter.

*Informações do Portal IMPRENSA e de O Globo.

ABI BAHIANA Notícias

Uma homenagem da ABI a todos os profissionais de Publicidade

No calendário brasileiro, 1º de fevereiro é o Dia do Publicitário. Neste domingo, a Associação Bahiana de Imprensa (ABI)  não poderia deixar de homenagear esses profissionais criativos, dedicados, persuasivos… que movem o mundo com grandes ideias.

Parabéns a todos os publicitários!