Notícias

Reinvenção e tradição nas comemorações do Dois de Julho

Ao longo das ruas, ladeiras e praças, os baianos resgatam anualmente a história de luta que culminou na Independência da Bahia, comemorada desde 1824, um ano após a conquista da liberdade do julgo de Portugal Colônia. Além de ser feriado estadual e efeméride nacional, o 2 de Julho passou a ser considerado Patrimônio Cultural Imaterial da Bahia desde 26 de Junho de 2006, por motivos sócio-antropológicos, históricos e simbólicos. No feriado da Independência, as tradicionais fanfarras, o desfile de colégios estaduais, de militares, dos movimentos sociais, de políticos dos mais diversos partidos, dos grupos de samba e batucadas compõem o heterodoxo cenário do cortejo, que cada vez mais incorpora novos elementos e se reinventa.

Ala das tradicionais fanfarras/Foto: Joseanne Guedes/ABI
Ala das tradicionais fanfarras/Foto: Joseanne Guedes/ABI

Já há algum tempo, ao caráter histórico-cívico da festa juntam-se manifestações de grupos religiosos, além de ter espaço para as mais diversas reivindicações das chamadas minorias sociais. No Dois de julho de 2014 não foi diferente. Quem foi ver os carros do Caboclo e da Cabocla passarem, assistiu a um cortejo de fé e celebração democrática de um espaço para a presença de todas as legendas políticas, manifestações religiosas e de gênero, além de trabalhadores de diversos segmentos profissionais, que aproveitam a grande visibilidade do ato cívico para levar à sociedade suas reivindicações.

Balões, faixas e pirulitos exibem antigas e necessárias reivindicações da população, como educação, saúde e moradia. Partidos políticos e coligações desfilaram em uma ala, o que não evitou confrontos entre militantes. Além dos candidatos ao governo do estado, postulantes ao Palácio do Planalto marcaram presença este ano na festa baiana. E se receberam aplausos, também não escaparam das vaias de uma população descontente e indignada com os desvios da representação política, sobretudo a corrupção, que frequenta diariamente as páginas dos jornais.

Quem coordena a programação do 2 de julho, um dos eventos mais esperados do calendário baiano, é a Fundação Gregório de Matos, organizadora da festa que se estende por dias. Logo no dia 1º, o Fogo Simbólico chega a Pirajá, no dia seguinte, há a Alvorada na Lapinha, a saída do Cortejo pelas ruas do Centro Histórico em direção à Praça Tomé de Souza, o concurso que elege a fachada mais bonita entre as casas que se enfeitam no trajeto, a retomada do Cortejo durante a tarde, o hasteamento de bandeiras no Campo Grande e acendimento da Pira. A comemoração só termina no dia 5, com o desfile que marca a volta do Caboclo e da Cabocla ao Pavilhão da Lapinha.

Leia também: Festa do Bonfim recebe título de Patrimônio Imaterial Nacional

Contudo, é no miolo destas comemorações que se nota a mescla do caráter histórico e oficial com as manifestações e protestos culturais populares. A atenção dos baianos e dos turistas que desembarcam em Salvador, em especial em um ano que coincide com o evento Copa do Mundo FIFA, é o caráter de protesto da festa, que não é uma novidade.

O antropólogo Roberto Albergaria lembra que, no contexto da independência, a pauta de reivindicações sociais foi desrespeitada pelo Império. “A mitologia baiana construiu e magnificou o 2 de Julho, transformando-o em um mito de origem. Ele nasceu com os protestos contra a quebra de acordos no pós-guerra, sendo que as imagens dos caboclos representavam os combatentes anônimos do povo que tiveram papel importante na libertação. Era uma festa do Recôncavo, uma festa popular, mas o crescimento das cidades se encarregou de dividir em tribos. Até que virou uma prévia de muitas coisas, inclusive das eleições e das paradas gays, perdendo o sentido cívico”.

E tudo caminha nesse sentido. O 2 de Julho, em ano eleitoral, indica quem tem ou não prestigio eleitoral e, de certa forma, é um momento de aferição para futuros vencedores e vencidos nas próximas urnas. Para os políticos, um teste no trânsito do corpo a corpo sob apupos ou vaias, fora das blindagens da TV.

Personagens dos caboclos são reinterpretados e assimilados como entidades a serem cultuadas pelos adeptos de religiões de matiz africana - Foto: Joseanne Guedes/ABI
Ao longo dos anos, as personagens dos caboclos foram reinterpretadas e assimiladas como entidades a serem cultuadas pelos adeptos de religiões de matiz africana – Foto: Joseanne Guedes/ABI

Mas, Albergaria destaca pelo menos dois elementos incorporados à festa que, para ele, mostram que a cultura é reciclada e está em constante transformação. “Dois fatores fundamentais estão sendo assimilados pelo cortejo. O primeiro é a ressignificação das personagens dos caboclos, que foram reinterpretados pelo nosso ‘umbandomblé’ difuso, a ponto de religiosos levarem oferendas e bilhetes para depositarem nos carros. Então, o caboclo, antes símbolo da baianidade, deixa de ser lembrado pela luta e passa a ser visto como entidade a ser cultuada. O outro ponto é a intensa e polêmica participação de gays nas fanfarras colegiais, que se transformaram em um espaço de expressão e ponto de encontro para gays, lésbicas e simpatizantes. Na última década, a nova tradição das balizas acrobatas se incorporou ao balaio-de-gatos que é o cortejo 2 de julho”.

Na linha crítica de certas interpretações do 2 de Julho, o  historiador baiano Luís Henrique Dias Tavares, autor do livro “Independência do Brasil na Bahia”, assinala esta data à presença de heróis na construção do imaginário popular baiano. Em entrevista à jornalista Mariluce Moura, Dias Tavares lembra que a Bahia saiu muito pobre da guerra e construiu o 2 de julho de 1823 como uma data da independência, que era da Bahia, mas que era também do Brasil. A obra de Tavares destaca equívocos como as homenagens ao General Labatut e a imagem de uma Maria Quitéria com um saiote escocês, com uma linda farda e com arma na mão. “Ela esteve realmente em vários instantes de luta, mas esfarrapada, com o que restava em cima do corpo, porque foi parte desse exército brasileiro”.

A cenografia do cortejo

Aspecto importante no cortejo, a ornamentação de fachadas é tema do concurso cultural “Decoração da Fachada – 2 de Julho” e integra a programação da Secretaria de Cultura (Secult) para as comemorações dos 191 anos da Independência da Bahia. Este é o segundo ano consecutivo que o Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), com os apoios da Fundação Gregório de Mattos e prefeitura de Salvador, organiza a competição, depois de um hiato entre 2010 e 2012.

Temática cívica, preservação do patrimônio, criatividade, originalidade, preocupação com meio ambiente são os elementos avaliados pela comissão julgadora, formada por artistas plásticos, arquitetos, jornalistas e técnicos do Ipac. Esta é uma forma de estimular e convocar a participação dos moradores no embelezamento das fachadas de suas casas e a marcarem presença nas janelas e sacadas.

D. Maria de São Pedro e sua filha Nea Santttana exibem orgulhosas sua fachada decorada com as cores da Bahia e do Brasil - Foto: Joseanne Guedes/ABI
D. Maria de São Pedro e sua filha Nea Santttana exibem orgulhosas sua fachada decorada com as cores da Bahia e do Brasil – Foto: Joseanne Guedes/ABI

Na Rua Direita do Santo Antônio, há 38 anos mora D. Maria de São Pedro, 74 anos, que faz aniversário em meio aos festejos da independência. Ela é uma das moradoras que capricham nas fachadas das casas. Há 20 anos, com o auxílio da família, ela ajuda a contar a história do 2 de Julho, através de cenários que envolvem personagens históricos e elementos da fauna e da flora brasileira. Na frente da casa de número 34, encontramos Maria Quitéria e Castro Alves, representados pelos netos da carismática D. Maria. Quem também já fez parte desse elenco no papel de Maria Quitéria foi sua filha, a estilista Nea Santtana. “É uma data muito importante para nosso estado. Todo o artesanato é feito por nós com muito amor. No ano passado, vencemos o concurso de fachadas”.

A professora D. Noêmia Cerqueira ornamenta sua casa há quase cinco décadas - Foto: Joseanne Guedes/ABI
A professora D. Noêmia Cerqueira ornamenta sua casa há quase cinco décadas – Foto: Joseanne Guedes/ABI

Rua do Carmo, número 7. Esse é o endereço da professora aposentada Noêmia Cerqueira, 64 anos, que desde os 18 anos também ornamenta a fachada de sua casa em comemoração ao 2 de Julho. “Comecei a decorar na época em que eu ensinava nos colégios públicos de Salvador e nunca mais parei. Eu queria mostrar a importância da data, chamar a atenção para a nossa história e reforçar o sentido patriota da festa”, conta a educadora.

Durante todo o percurso, famílias acenavam das janelas que se tornaram camarotes com vista privilegiada para o espetáculo de cores, em um dia repleto de manifestações artísticas, culturais e religiosas. Quem faz de tudo para não perder o desfile é a advogada baiana Magnólia Regis, que mora na cidade do Rio de Janeiro há mais de 30 anos, “Estudei no Colégio Severino Vieira, em Nazaré, e defendo o ensino dos nossos hinos nas escolas brasileiras. Temos que manter essa belíssima tradição das fanfarras e não deixar a história de perder. O apagamento do nosso passado e a ignorância do povo é conveniente para quem está no poder”.

Com isso concorda a diretora Eliete Silva, responsável pela Fanfarra do Colégio Estadual Duque de Caxias (Fanduc), localizado no bairro da Liberdade. “Nosso grupo é tradicional, histórico. Passamos o ano nos preparando para participar do cortejo, que é uma forma de valorizar nossa história. Através da música, da arte, resgatamos jovens para o convívio escolar”, ressalta.

Textos relacionados: