Notícias

Livro com escritos de Walter da Silveira será lançado em webnário

Após três anos de imersão na obra do crítico e cineasta Walter da Silveira, a jornalista Cyntia Nogueira vai lançar no próximo dia 3 de novembro o livro “Walter da Silveira e o Cinema Moderno no Brasil – Críticas, Artigos, Cartas, Documentos”. A publicação é o primeiro produto desenvolvido a partir do acervo de Walter da Silveira em posse da Associação Bahiana de Imprensa (ABI). O lançamento acontece às 19h, no YouTube da Fundação Cultural do Estado da Bahia (TV Funceb), durante o primeiro dia do Webnário Diálogos Audiovisuais, promovido pela Cinemateca da Bahia (Dimas/Funceb), em parceria com a Edufba, como parte das comemorações dos 50 anos de morte do intelectual considerado um dos mentores do Cinema Novo. O volume conta com fortuna crítica, seis ensaios inéditos, correspondências, fotografias e outros documentos históricos.

Dividido em seis capítulos, o livro apresenta um conjunto de críticas, teses e ensaios publicados por Walter da Silveira sobre o cinema brasileiro e baiano, além de uma seleção de seus artigos teóricos que visa introduzir e contextualizar alguns conceitos e métodos críticos adotados pelo autor. A publicação também reuniu um conjunto de 50 cartas trocadas com Alex Viany, Paulo Emílio Sales Gomes e Glauber Rocha, fac-símiles de documentos, fortuna crítica, linha do tempo e um dossiê com artigos inéditos sobre ação e pensamento do crítico cinematográfico.

“Além de lançar um olhar sobre sua ação e pensamento, também investigamos, através da obra de Walter, os caminhos traçados pelo cinema no Brasil e na Bahia, que resultam na tentativa de estruturar um cinema moderno no país”, comenta a organizadora do livro, Cyntia Nogueira, professora do curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), em Cachoeira.

Cyntia Nogueira, organizadora do livro Walter da Silveira e o Cinema Moderno no Brasil | Foto: Marcelo Matos

Cyntia Nogueira reorganizou os textos escritos por Walter entre as décadas de 1940 e 1970. Foram realizadas pesquisas em seu acervo pessoal, depositado pela família em 2015 no Museu de Imprensa da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), onde está também sua biblioteca, – e em outros arquivos e acervos na Bahia, no Rio de Janeiro e em São Paulo. “A pesquisa no acervo e na biblioteca de Walter da Silveira, bem como o acesso a outras publicações raras sob salvaguarda do Museu de Imprensa da ABI, a exemplo do único número da revista Recôncavo (1953) e dos seis números da revista modernista Caderno da Bahia (1949-1951), foi fundamental tanto para a seleção e localização dos artigos, teses, cartas e documentos publicados no livro, quanto para produção de artigos inéditos de historiadores e pesquisadores convidados a escrever sobre seu pensamento crítico e atuação à frente do Clube de Cinema da Bahia”, destaca a jornalista.

De acordo com Cyntia, a análise dos diversos documentos pesquisados possibilitou uma compreensão mais aprofundada da multiplicidade e alcance da trajetória crítica e intelectual de Walter da Silveira, orientando também a investigação em outros arquivos em Salvador, no Recôncavo da Bahia, na Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-RJ) e na Cinemateca Brasileira, em São Paulo. “O livro é resultado de três anos de trabalho e espero que possa contribuir para o reconhecimento da importância e do caráter pioneiro do pensamento e ação de Walter da Silveira na construção dos caminhos do cinema no Brasil e na Bahia”, afirma a pesquisadora. Sua expectativa é que o livro abra novas perspectivas de estudos sobre a obra de Walter da Silveira e sua atuação como crítico, agente de formação, historiador e intelectual engajado na construção de um campo cultural e artístico para o cinema produzido no país.

Veja a programação do webnário abaixo:

03/11 (terça-feira) – 19h

Mesa 1 – Lançamento livro “Walter da Silveira e o cinema moderno no Brasil”, organizado por Cyntia Nogueira (UFRB). Apresentação: Flávia Goulart Rosa (Edufba). Mediação: Rafael Carvalho (UNEB). Comentário: Euclides Santos Mendes (UESB)

04/11 (quarta-feira) – 19h

Mesa 2 – A crítica e os caminhos do cinema brasileiro: diálogos de Walter da Silveira com Alex Viany, Paulo Emílio Sales Gomes e Glauber Rocha. 

Participantes: Arthur Autran (Ufscar), Adilson Mendes (Anhembi/Morumbi) e Cláudio Leal (jornalista). Mediação: Manuela Muniz

05/11 (quinta-feira) – 19h

Mesa 3 – Walter da Silveira, o Clube de Cinema e a invenção do cinema na Bahia

Participantes: Izabel Melo (UNEB), Cyntia Nogueira (UFRB), Luís Alberto Rocha Melo (UFJF), Mediação: Milene Gusmão (UESB)

O LIVRO (alguns conteúdos)

Walter da Silveira e o cinema moderno no Brasil

O livro apresenta os artigos de Walter da Silveira (1915 – 1970) sobre o cinema no Brasil e na Bahia, escritos entre 1943 e 1970. Ao lado de um conjunto relevante de críticas, ensaios, conferências e teses do autor, incluindo seleção de seus textos teóricos, estão reunidas na obra as cartas trocadas com outros dois grandes críticos e historiadores do cinema brasileiro, Alex Viany e Paulo Emílio Sales Gomes, e com o crítico e cineasta Glauber Rocha. Além disso, documentos, fortuna crítica e um dossiê de artigos inéditos visam apresentar e contextualizar a importância de suas ações e pensamento para o desenvolvimento das ideias sobre cinema independente e para afirmação da crítica e do cinema modernos. 

Informações adicionais sobre o livro:

SUMÁRIO

ARTIGOS DO AUTOR (103 artigos escritos entre os anos de 1943 e 1970)

– O cinema como arte e a função da crítica (25 artigos)

– Perspectivas do cinema brasileiro (40 artigos)

– Origens do cinema baiano (38 artigos)

CORRESPONDÊNCIAS

  • Cartas para Alex Viany
  • Cartas para Paulo Emílio Sales Gomes
  • Cartas para Glauber Rocha

ARTIGOS INÉDITOS

– Walter da Silveira: um pioneiro, por Luís Alberto Rocha Melo

– Aspectos da crítica cinematográfica comunista no Brasil: o diálogo entre Alex Viany e Walter da Silveira, por Arthur Autran

– Walter da Silveira e Paulo Emílio: a plataforma de um cinema moderno no Brasil, por Adilson Mendes

– Walter da Silveira e o Clube de Cinema da Bahia, por Izabel de Fátima Cruz Melo

– Walter da Silveira e o I Festival de Cinema da Bahia (1951), por Cyntia Nogueira

– Afinidades eletivas: as trocas intelectuais e afetivas entre Walter da Silveira e Glauber Rocha, por Manuela da Silva Muniz

DOCUMENTOS

FORTUNA CRÍTICA

– Na Bahia a coisa é séria (1962), por Paulo Emílio Sales Gomes

– Perfis baianos (1962), por Paulo Emílio Sales Gomes 

– Cinema na Bahia (1963), por B.J. Duarte

– Walter da Silveira e o cinema (1967), por Octavio de Faria

– Cinema Liceu, domingo de manhã (1970), por Glauber Rocha

– Cinema – Cultura – Bahia (1970), por Alex Viany

– Walter da Silveira: advogado do cinema (2010), por Orlando Senna

– Walter da Silveira: entre a solidariedade e a solidão (2010), por Luís Alberto Rocha Melo

ÍNDICE DE ARTIGOS

CRONOLOGIA

ABI BAHIANA

Livro que resgata os 90 anos da ABI será lançado no Dia Nacional da Cultura

“ABI – 90 Anos”, de autoria do jornalista e pesquisador Nelson Varón Cadena, acaba de chegar à sede da Associação Bahiana de Imprensa. O Dia Nacional da Cultura, 5 de novembro, foi a data escolhida para o lançamento do livro que comemora as nove décadas da instituição e do DVD em homenagem ao jornalista e professor Florisvaldo Mattos, como parte do projeto Memória da Imprensa. No dia em que nasceu o jurista baiano Ruy Barbosa, às 10h, a Associação apresentará o material comemorativo.

O vasto acervo documental da ABI foi a principal fonte de pesquisa da publicação de 166 páginas. O autor recorreu a atas, livros de funcionários, livros de contagem de dados, recortes de jornais, entrevistas. “Foi um projeto muito interessante e ao mesmo tempo dificultoso, porque o ideal seria ampliar as informações a partir de pesquisas nos jornais, nos centros históricos, nos jornais da Biblioteca Pública, e outras fontes, como os arquivos municipais, mas não foi possível porque a pandemia fechou todos os estabelecimentos culturais”, explica o atual diretor do Departamento de Cultura da ABI, Nelson Cadena.

O jornalista Nelson Cadena, a frente de um mural de fotos da Associação Bahiana de Impresa (ABI), segurando o livro "ABI 90 Anos"
Foto: Joseanne Guedes

“O livro narra a saga da instituição que conviveu 35 anos dos seu noventa de existência (1930-1945 e 1964-1984) com períodos de exceção e forte repressão a empresas e profissionais, o que exigiu da entidade uma constante atuação em defesa da liberdade de expressão”, afirma Cadena, escritor com 12 livros publicados e autor do livro de 50 anos da ABI. Para ele, a entidade chega aos 90 sem comprometer o seu legado e princípios, com uma intensa atividade em prol dos valores da cidadania e da preservação da memória. “O principal ganho com essa publicação foi reconstituir a história de uma entidade que é muito importante e representativa dentro da sociedade baiana. Conseguimos mostrar o que é a ABI, principalmente para gerações jovens, que não conhecem a instituição”, destaca.


Realização

O ex-presidente da ABI e atual presidente da Assembleia Geral da entidade, Walter Pinheiro, elogiou a “bela pesquisa” realizada por Cadena. “Estamos todos realizados”, declarou. Segundo ele, a publicação traduz os esforços de todos aqueles que se doaram ao fortalecimento da ABI. Pinheiro assina a apresentação do livro e é um dos sete perfilados, ao lado de figuras como Thales de Freitas, Altamirando Requião, Ranulfo Oliveira, Jorge Calmon, Afonso Maciel Neto e Samuel Celestino. “Padre Antônio Vieira já dizia que ‘O livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive’. Neste caso, eu diria que o livro dos 90 anos da ABI é um relicário de uma bela história, reunindo nove décadas de atos e fatos de uma Instituição que se fez forte na sociedade baiana, sempre se posicionando pela defesa da liberdade de expressão, buscando a verdade através da prática do jornalismo sério”, disse.

“Como será o livro do centenário da Associação Bahiana de Imprensa?” Penso nisso enquanto folheio o exemplar de ‘ABI – 90 anos’, de autoria do jornalista Nelson Varón Cadena, a quem a instituição encarregara, 40 anos antes, em 1980, a pesquisa e redação do livro do cinquentenário. Há diferenças entre as duas publicações, tanto na forma como no conteúdo”, analisa o jornalista e produtor editorial Luís Guilherme Pontes Tavares, vice-presidente da ABI empossado no início de setembro.

Com projeto gráfico de Mauro YBarros e reprodução das fotos pelas mãos de Nilton Souza, os 600 exemplares do livro do 90º aniversário da ABI foram impressos pela Empresa Gráfica da Bahia (Egba), com miolo em papel Offset 120g e a capa em papel DuoDesign 300g. O livro foi composto utilizando a família tipográfica Absara, desenhada por Xavier Dupré, em 2004.

“Tem tantas novidades que não me surpreenderá se a leitura inspirar novos textos a respeito da instituição”, destaca Luís Guilherme. “A leitura das primeiras páginas nos adverte que o segundo presidente da ABI, o jornalista Ranulpho Oliveira, que a presidiu entre 1931 e 1970, enfrentava, quando faleceu, o desafio de construir, em terreno doado no município de Mata de São João, o Retiro do Jornalista. Pretendia concretizar aspiração nutrida há anos no seio da ABI. Quiçá, no livro do centenário, em 2030, a obra exiba em suas páginas a foto do sonho que não desaparece da mente e do coração dos associados”, observa o jornalista.

Artigos

Cremos na Bahia de Ruy Barbosa

Por Ernesto Marques*

O renomado restaurador José Dirson Argolo começa a recuperar o retrato de Ruy Barbosa em carvão sobre tela, do renomado artista plástico baiano Presciliano Silva (1883-1965). É uma das preciosidades do acervo do Museu Casa de Ruy Barbosa, criado pela Associação Bahiana de Imprensa em 1949, nas comemorações pelo centenário do nascimento do Águia de Haia.

Ao lado do busto do jornalista e jurista, única peça recuperada das 15 subtraídas em rumoroso arrombamento (out/2018), e de outra dezena emprestada ao Tribunal de Justiça da Bahia para as comemorações pelos 170 anos de Ruy, a obra de Presciliano é o retrato fiel da situação que opõe a ABI e o Centro Universitário UniRuy. O que está fora da Casa, está intacto.

A antiga Faculdade Ruy Barbosa, ainda sob o controle de seu fundador, o educador Antônio de Pádua, assumiu a gestão do Museu. Ao comprar a instituição, a UniRuy, manteve o convênio e assumiu a gestão da Casa em 2011, encontrando-a restaurada, limpa e arrumada.

Em visita ao Museu em junho de 2015, ao lado do então diretor de Cultura da ABI, Luis Guilherme Pontes Tavares, constatamos sinais preocupantes de abandono. Danos aparentes nas paredes sugeriam falta de manutenção do telhado (ver na galeria abaixo). A água infiltrada favoreceu a proliferação de colônias de fungos nos móveis e expositores, contaminando o acervo. Quadros raros de Ruy e familiares também danificados. Cobrado, o Centro Universitário fez reparos limitados no telhado. E só.

Como dito por este jornal, fundado por quem nos doou a Casa de Ruy, precisamos, de fato, crer na boa vontade e no decoro dos gestores do Centro Universitário. Mas, se é preciso ver para crer, basta passar pela frente do Museu há anos fechado para considerar crível a hipótese de abandono. Compreende-se, no entanto, a dificuldade de considerar tal possibilidade. Ainda mais em se tratando de estabelecimento de magistério superior que assume o nome de figura da magnitude do jornalista, jurista, político e diplomata.

Crendo na boa vontade e no decoro dos gestores desse estabelecimento, renovamos o crédito de confiança em 2015. Quem, com a responsabilidade que nos pesa sobre os ombros, arriscaria fazê-lo hoje, ao ver apenas a fachada do casarão? Apesar dos muitos pesares, seguimos à espera de algum sinal de boa vontade para entendimento mútuo. Começando pela restituição imediata da posse e pela pactuação justa e honesta de formas e meios restituição de imóvel e acervo, a nós confiados por Simões filho e pela sociedade baiana, nas condições encontradas pela UniRuy.

Antes disso, apostamos, como dito no editorial (16.09) deste jornal, na união de todos quantos possam contribuir para zelar pela memória de Ruy, como fez Pádua, a quem a ABI será para sempre muito grata. Cremos na Bahia de Ruy Barbosa.

>> Texto originalmente publicado pelo Jornal A Tarde do dia 25 de setembro.

*Jornalista e radialista, presidente da ABI.

Ernesto Marques

Veja na galeria imagens

ABI BAHIANA

Perícia na Casa de Ruy Barbosa é adiada pela terceira vez

Às vésperas de completar dois anos do roubo à Casa de Ruy Barbosa, a data será lembrada sob a marca da impunidade e dos seguidos esforços da Associação Bahiana de Imprensa (ABI) em revitalizar o imóvel onde nasceu o ‘Águia de Haia’. Na manhã desta segunda-feira (14), pela terceira vez, a perita judicial Ana Lívia Passos Lima foi barrada por funcionários do Centro Universitário UniRuy (antiga Faculdade Ruy Barbosa), que alegaram não ter autorização da instituição para permitir o acesso ao local, cujo visível estado de degradação preocupa entidades de defesa do patrimônio histórico.

O arquiteto Matheus Xavier, chefe de divisão na Superintendência do IPHAN na Bahia, foi designado pela coordenação técnica do órgão para acompanhar a perícia, mas também não pode entrar. O Iphan foi solicitado no local pelo advogado que representa a ABI no processo movido contra o UniRuy, Antonio Luiz Calmon Teixeira, porque, apesar de não ser tombado individualmente, o imóvel encontra-se na poligonal de tombamento do Conjunto Arquitetônico, Paisagístico e Urbanístico do Centro Histórico da cidade de Salvador (19/07/1984, Proc. 1093-T-83).

O Art. 20. do decreto Lei 25/1937 diz que “as coisas tombadas ficam sujeitas à vigilância permanente do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, que poderá inspecioná-los sempre que for julgado conveniente, não podendo os respectivos proprietários ou responsáveis criar obstáculos à inspeção”.

Perita judicial e representante do Iphan foram impedidos de entrar no imóvel |Foto: ABI

De acordo com Calmon Teixeira, o que houve na manhã de hoje configura resistência ao cumprimento de decisão judicial. “Entre a intimação e hoje decorreu um prazo mais do que suficiente para a outra parte providenciar o acesso da perícia, que será marcada pela quarta vez. O jurista prepara agora a renovação do pedido para que a perícia seja marcada com o uso da força policial. Segundo ele, a juíza do caso deverá designar um oficial de justiça para acompanhar a próxima inspeção.

Obstrução

No final de setembro de 2018, a Casa de Ruy Barbosa foi vítima de roubo. O arrombamento ao museu ocorreu durante um final de semana (entre 28 setembro de 2018, uma sexta-feira e 30 de setembro de 2018, domingo). Somente no primeiro dia útil de outubro uma funcionária do UniRuy a serviço do Museu percebeu que a porta fora arrombada e parte do acervo, roubado. Os ladrões se aproveitaram da falta dos agentes de segurança contratados pela Faculdade Ruy Barbosa, atual Centro Universitário UniRuy | Wyden, responsável pelo Museu, através de convênio celebrado com a ABI em 1998.

Museu Casa de Ruy: um ano depois do roubo, acervo não foi recuperado

Desde o dia 04 de outubro de 2018, uma única peça foi entregue por um sucateiro à Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR-BA), onde foi registrada a queixa de “furto qualificado/arrombamento com subtração de bens”. O maior dos dois bustos levados pelos criminosos foi restaurado. A peça já ia ser derretida, quando o sucateiro viu, num programa de televisão, a repercussão das notícias divulgadas pela Associação Bahiana de Imprensa.

Procurada na época para atualizar as informações sobre a investigação, a assessoria de Comunicação da Secretaria de Segurança Pública relatou que o inquérito havia sido concluído pela Deltur e encaminhado para a Justiça. Um policial militar foi indiciado por receptação, após tentar vender um busto em bronze de Ruy Barbosa a um ferro velho. O autor do furto não foi localizado. A ABI seguiu mobilizada para encontrar os objetos que pertenciam ao acervo da instituição e reintegrá-los às centenas de peças em metal, louça, tecido e gesso, além de estatuetas, telas, mobiliário, livros e documentos diversos que se referem à vida, obra e trajetória do jurista baiano.

O UniRuy e a ABI registraram queixa e acompanhavam o desdobramento quando, em junho de 2019, o UniRuy manifestou o propósito de interromper a parceria e devolver o imóvel e os bens móveis que permaneceram após a ação lesiva de meliantes.

O desdobramento da ação do advogado foi a decisão, pela Justiça baiana, da perícia do imóvel. Convém lembrar que a solicitação inicial do advogado foi dirigida ao IPHAN, que, no entanto, declinou. A Justiça então designou a engenheira Ana Lívia de Passos Lima para proceder a perícia. O documento dessa perita, quando do julgamento, será confrontado com a perícia cartorial que o UniRuy encomendara desde 2019. No dia 24 de agosto, a perita judicial foi impedida, pela segunda vez, de acessar o prédio.

Casa de Ruy Barbosa

O jornalista, jurista e político Ruy Barbosa, o internacional Águia de Haia, ainda estava vivo quando o também ilustre baiano Ernesto Simões Filho (1886-1957) capitaneou o levantamento de recursos para adquirir, em leilão, o imóvel da Rua Capitães, no centro da Cidade do Salvador, onde nascera Ruy. Ao tomar conhecimento do gesto, o jurista manifestou-se agradecido. Anos depois, Simões Filho repassaria o imóvel à recém-criada (em 17 de agosto de 1930) Associação Bahiana de Imprensa (ABI).

A primeira destinação que a ABI deu ao bem recém-recebido foi oferecer à Prefeitura de Salvador para ali instalar escola, o que não ocorreu. Em seguida, a instituição examinou a possibilidade de instalar no endereço a sua sede, o que também não vingou. Com a proximidade do centenário de nascimento de Ruy Barbosa em 1949, os sócios da ABI resolveram homenagear o saudoso baiano transformando sua casa natal em museu. Houve, então, concurso público de projeto arquitetônico e campanha nacional para obtenção de doações de objetos. Em 05 de novembro daquele ano, o museu foi inaugurado e experimentou visitação constante por muitos e muitos anos.

Após o roubo ao Museu, Luis Guilherme Pontes Tavares, então diretor de Patrimônio da ABI, esteve no Arquivo Público Municipal e pesquisou documentos de onze caixas, trazendo novos elementos para contar a história do equipamento cultural. Desde a aquisição em leilão público e as intervenções que o imóvel sofreu durante o século 20, sobretudo a partir da década de 1930. Naquela altura foi executado um projeto para a casa funcionar como museu. Desde então, a ABI se empenhou na doação de objetos que pertenceram ao jurista ou que tivessem relação com ele.

Luis Guilherme Pontes Tavares, vice-presidente da ABI, tentando ser recebido no local | Foto: ABI

“A sociedade e instituições baianas foram generosas e desses, é bom lembrarmos, de Luiz Viana Filho, da Santa Casa de Misericórdia e da Associação Comercial da Bahia” rememora o agora vice-presidente da ABI.  Ele aponta o fato de a ABI ter em horizonte próximo a perspectiva de restaurar mais uma vez a Casa de Ruy Barbosa e restabelecer o funcionamento do museu que ela abriga e que atraía muitos visitantes desde a sua inauguração em 5 de novembro de 1949.

“A ABI sempre foi zelosa da Casa de Ruy Barbosa e designa, a cada nova eleição, diretor para a instituição”, destaca Pontes Tavares. Nas décadas de 1970 e 1980, o Museu manteve a série Publicações da Casa de Ruy e estabeleceu convênio com a Fundação Casa de Rui Barbosa, do Rio de Janeiro, disso resultando intercâmbio administrativo e cultural. Na década de 1990, o museu baiano foi roubado e, na ocasião, a nascente Faculdade Ruy Barbosa, iniciativa do professor Antonio de Pádua Carneiro, propôs convênio com o propósito de manter o equipamento e estimular sua visitação. “A casa foi entregue em perfeitas condições e é assim que a ABI espera recebê-la de volta”, reivindica o vice-presidente.