ABI BAHIANA

ABI recebe acervo de José Umberto Dias sobre Glauber Rocha

O cineasta confiou à instituição a tutela de arquivos raros, entre eles a gravação inédita de uma entrevista de André Setaro e João Ubaldo Ribeiro com o pai do Cinema Novo

Pesquisadores, estudantes e profissionais ligados ao segmento audiovisual terão em breve uma nova fonte para mergulhar no universo de Glauber Rocha. O cineasta e crítico cinematográfico José Umberto Dias assinou, nesta quarta (08/09), o termo de doação de seu acervo sobre o cineasta e jornalista baiano à Associação Bahiana de Imprensa (ABI). O conjunto doado é composto por recortes de jornais e de revistas, filmes, fotografias, livros e outros materiais com referência ao cinema glauberiano, além de entrevistas inéditas, como a que Glauber concedeu ao crítico de cinema e professor André Setaro e ao escritor João Ubaldo Ribeiro. 

Renata Ramos e Marilene empacotam o acervo | Foto: Joseanne Guedes

Natural do sul de Sergipe, José Umberto Dias nasceu na cidade de Boquim, conhecida como “Terra da Laranja”. Aos sete anos, ele veio para a Bahia e passou a morar em Feira de Santana. Foi lá que ele começou a guardar tudo que dizia respeito ao futuro colega conquistense, ainda em sua adolescência. O acervo reunido ao longo de mais de quatro décadas ocupava um armário em sua casa, na capital baiana. As relíquias foram devidamente embaladas e removidas pela técnica em restauro Marilene Rosa, e pela museóloga Renata Ramos, ambas da equipe do Laboratório de Conservação e Restauro da ABI. O material passará pelos cuidados das profissionais, antes de seguir para a reserva técnica do Museu de Imprensa e para a Biblioteca de Comunicação Jorge Calmon, a exemplo de outros acervos sob a guarda da Associação – João Falcão, Ruy Barbosa, Walter da Silveira, Sérgio Mattos, Jorge Calmon e Berbert de Castro.

Leia também: Acervo do crítico de cinema Walter da Silveira está disponível na internet

Ao lado do professor, jornalista e poeta Florisvaldo Mattos, José Umberto Dias participou, no último dia 17, da live que comemorou os 91 anos da ABI e lembrou os 40 anos da morte de Glauber. (Relembre aqui) Na ocasião, foi anunciada a doação concretizada ontem.

O jornalista Ernesto Marques, presidente da ABI, comemora a formalização da doação. “O valor deste acervo está precisamente na sua originalidade: não é um mero compilado de coisas sobre Glauber, é o recorte meticuloso e sob o olhar especial de um outro cineasta, influenciado por Glauber”, afirma. Ele destaca as gravações cujas matrizes jamais foram executadas, com longas horas de Glauber por ele mesmo, instigado por André Setaro e João Ubaldo Ribeiro. “Compartilhar tudo isso é o nosso principal compromisso com Zé Umberto, a quem nós agradecemos pela confiança depositada na ABI”, completa o dirigente.

>> Confira a seguir a entrevista concedida por José Umberto Dias no ato da doação:

O que esse acervo sobre Glauber Rocha representa para você?

Esse acervo tem uma conotação histórica e muito afetiva. Glauber foi um dos primeiros críticos de cinema por quem logo me interessei. Quando comecei a ler sobre ele, eu era um menino, em Feira de Santana, onde cheguei por volta de sete anos. Participei do clube de cinema de Feira de Santana e me interessei pela arte cinematográfica. Comecei a buscar assuntos ligados ao cinema, ensaios, notícias. O cinema era uma linguagem muito poderosa. Glauber logo se destacou, não só através dos seus filmes, mas através do jornalismo, da crítica, da ensaística e da historiografia do cinema brasileiro. Ele começou a questionar o cinema brasileiro, assim como fizeram Walter da Silveira, Paulo Emílio Sales Gomes e todo um movimento que já começava a desabrochar em vários pontos do país e veio a se chamar Cinema Novo.

Isso ocorreu na Paraíba, com um curta chamado “Aruanda”, no Rio, Nelson Pereira dos Santos, com “Rio 40 Graus”, e outros. Aí estão as raízes do Cinema Novo, que Glauber, aqui na Bahia, começa a teorizar, principalmente com o lema dele “Uma câmera na mão e uma ideia na cabeça” – um slogan da Nouvelle vague francesa. Anteriormente à nouvelle, já tínhamos o neorrealismo italiano, com a presença de Rossellini [Roberto], Vittorio De Sica, e outros. Tem várias outras origens, como por exemplo o cinema soviético, de 1917 em diante, principalmente com duas figuras fundamentais: Eisenstein [Serguei Mikhailovitch] e Dziga Vertov. Glauber já começava a ver esses filmes que começavam a provocar uma revolução. 

Foto: Joseanne Guedes

Quando decidiu colecionar?

Isso se confunde muito com toda a minha adolescência em Feira, onde me envolvi com cinema e outras linguagens artísticas, como o teatro. Depois do golpe de 64, vim para Salvador e tive um contato mais direto com Walter da Silveira. Nessa época, Glauber já tinha saído da Bahia. 

Qual era o seu intuito ao reunir o material?

O acervo tinha a finalidade de embasar um livro que eu queria escrever sobre Glauber. Não concretizei. Depois da morte dele, surgiram muitos livros e eu achei por bem não levar adiante a ideia do livro. Embora, eu escrevesse bastante em jornais, de uma forma muito fragmentária. 

O que seu livro poderia trazer de novo? Qual era o seu olhar sobre Glauber? 

Primeiro, uma admiração muito grande. Porque eram ideias que surgiam de uma cabeça, de uma mente, privilegiada. Uma pessoa anormal, no sentido de que não obedecia determinados padrões e também era causador de muitas polêmicas. As polêmicas eram uma tática dele para transformar o cinema brasileiro, mudar o panorama. 

A que mudanças você se refere?

O que se encontrava aqui era um tipo de cinema muito conservador, muito reacionário, não integrado a uma cultura brasileira, ao que estava acontecendo no país, além dele propor uma linguagem de independência, uma linguagem anticolonial. Ele achava que éramos muito colonizados e necessitávamos mudar isso. O Cinema Novo é uma retomada do que aconteceu mais ou menos com a Semana de Arte Moderna, na década de 20. Era uma proposta anti-industrial, anti-Hollywood e que buscava uma linguagem nacional.

Então, você ressaltaria no seu livro essa ruptura proposta por Glauber…

Sem dúvida. Tanto que a palavra ‘revolução’ é mais usada por Glauber. É uma referência vinda também do movimento político e cinematográfico anticolonial da África. Isso teve uma repercussão no mundo inteiro, principalmente na América Latina, onde muitos países começaram a produzir um novo cinema. Nos Estados Unidos também, através do Movimento Underground, com John Cassavetes e outros. Na Europa, temos o Free Cinema. Na Polônia, de Polanski [Roman]. Na Rússia, com o cinema dissidente de Tarkovski [Andrei]. A coisa se enraizou no Ocidente e no Oriente. Era um cinema internacional. 

Quantos documentos compõem o acervo doado à ABI?

Nunca calculei. A parte mais importante é da década de 90 para trás. Porque faz uns 10 anos que eu fui parando de reunir material. Tem muita raridade. 

O que você pode destacar de mais importante?

Tem uma entrevista de André Setaro e João Ubaldo Ribeiro, então editor do jornal Tribuna da Bahia, com Glauber. Essa entrevista nunca foi publicada. E André me deu um pouco antes de morrer. Tem também uma entrevista do cineasta Marcos Medeiros, que trabalhou junto com Glauber no filme “História do Brasil”. Quando Glauber morreu, ele esteve na Bahia e ficou em minha casa. Eu liguei o gravador e deixei registrando uma conversa que eu nunca ouvi.

O que te impulsionou a confiar esse material raro à ABI?

O respeito que tenho pela instituição. E depois a identidade que há entre o material e a obra de Glauber, porque Glauber foi sobretudo jornalista. Sempre foi. Ele amava o jornalismo. Fez entrevistas célebres, com autores internacionais, como Truffaut [François], Jean Renoir, Pasolini, John Ford… É um périplo dele pelo mundo entrevistando essas pessoas. 

Qual é a sua expectativa para o acervo?

A intenção é uma utilidade pública. Abrir sobretudo para a juventude, os estudantes, pesquisadores, e qualquer um que se identifique com algo que sai de uma cabeça muito além do padrão. Glauber, para mim, é alguém que atravessa o inconsciente, apesar de ser um homem. Apesar não… É um homem, um materialista. Mas um materialismo que se sedimenta na capacidade de sonhar.

Como descreve o seu sentimento ao ver o fruto de tantos anos de garimpo ser transportado de sua casa? 

Eu poderia estar triste, porque é algo que me acompanha há décadas. Mas eu acho que não é tristeza. É uma alegria saber que o acervo vai ter uma finalidade humanista, de romper essa fronteira do individualismo, que é o fato de se encerrar no meu guarda-roupas, e alcançar prateleiras onde as pessoas vão ter acesso e criar novas possibilidades.

Textos relacionados: