Notícias

Sinjorba celebra posse da nova diretoria

Evento aconteceu no auditório da ABI, no Centro Histórico de Salvador

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado da Bahia – Sinjorba realizou neste sábado (03) a cerimônia de posse da nova diretoria da entidade. O evento aconteceu no auditório da Associação Bahiana de Imprensa – ABI, na Praça da Sé, e reuniu profissionais da imprensa, autoridades, professores de cursos de Comunicação e representações sindicais. A chapa “Sinjorba Forte, Jornalismo Forte” foi eleita nos dias 27 e 28 de julho passado, em pleito realizado de maneira online.

Foto: Arisson Marinho

Coube ao jornalista Jorge Ramos representar a ABI na celebração e receber no Edifício Ranulfo Oliveira os convidados do Sinjorba. Acompanhado pelos confrades Jair Cezarinho e Romário Gomes, que integra a diretoria das duas entidades, Ramos resgatou a história da criação do Sinjorba e falou sobre a tarefa de preservar a memória dos 70 anos do Sindicato. “É uma trajetória notável e que precisa ser resgatada. Esse é um compromisso que vamos honrar neste segundo mandato de Moacy”, adianta o ex-presidente do Sinjorba.

O jornalista Moacy Neves, presidente eleito para mais uma gestão, falou dos desafios da nova diretoria do Sinjorba nos próximos três anos, como o rebaixamento salarial, o desrespeito a normas legais e a crescente violência contra o trabalho da imprensa. E não esqueceu de citar as vitórias do mandato passado, como o movimento pela vacinação dos jornalistas.

Em um momento marcado por muita emoção, Moacy anunciou a indicação para batizar a gestão com o nome de Edna Nolasco, em homenagem à jornalista falecida no final de 2021, depois de desempenhar um papel importante na imunização dos colegas em Vitória da Conquista (BA). “Perdemos uma grande colega para a Covid-19 no ano passado. Isso nos deixou entristecidos porque vimos a sua dedicação. Edna Nolasco batalhou pela vacinação dos jornalistas”, observou.

Segundo Neves, não há como pensar a profissão sem traçar estratégias para a coletividade. Ele explica que as mudanças na legislação trabalhista fragilizaram o trabalhador, que tem poucas possibilidades de se defender. “Há muita precarização. Achar que, individualmente, poderemos resolver nossos problemas é uma ilusão”, adverte. Ele destaca que o Sinjorba mantém aberto o convite para os jornalistas se sindicalizarem. “Fizemos campanha no primeiro semestre e vamos intensificar as chamadas para os colegas”, contou o dirigente.

Sinjorba Forte, Jornalismo forte

Um dos jornalistas que já atenderam a esse chamado do Sinjorba foi Victor Pinto. “O que me motivou foi justamente a atuação do sindicato pelos jornalistas durante a pandemia. Ajudei como pude na mobilização, mesmo não sendo filiado. Por isso, resolvi me aproximar para me filiar”, disse. “O Sindicato é muito importante pela defesa do trabalhador. Eu sei da importância fundamental das empresas, pois sem elas não há empregos, não há oportunidade de trabalho. Mas, essa relação precisa ser saudável para todos os lados. Os sindicatos, bem geridos, são bombeiros e não incendiários”, avalia.

Ao contrário de Victor, o jornalista Nestor Mendes é um veterano na luta sindical. Ele se filiou ao Sinjorba ainda na década de 80. De uma coisa os dois têm certeza: a relevância do papel das entidades sindicais. “A sindicalização é combatida no mundo inteiro, é uma questão de classes. Não interessa ao poder a existência dos sindicatos, porque é a forma de lutar contra a precarização das relações de trabalho”, reflete. “Tenho 40 anos de profissão. Podia dizer ‘já fiz minha parte’ e passar para as gerações mais jovens, mas a gente tem que salientar que o sindicato é importante não apenas para uma pessoa e sim para a coletividade. O jornalismo é uma profissão com dificuldades históricas e precisa de representação forte”, defende Mendes.

Washington de Souza e Nestor Mendes | Foto: Arisson Marinho

Para o professor Washington de Souza Filho, vice-diretor da Faculdade de Comunicação da UFBA, o jornalista precisa se reconhecer enquanto trabalhador. “Se ele não compreende o papel que desempenha a entidade sindical, deixa de fortalecer o valor que tem sua categoria, mas ainda neste momento infeliz, em que enfrentamos a depreciação de qualquer atividade que remeta ao pensamento e à disseminação de informação e ciência”.

Uma importante mudança na Facom foi enfatizada pelo docente. De acordo com ele, a partir de 2023, começa a valer a reestruturação da unidade de ensino, de olho na necessidade de assimilação das múltiplas linguagens que desenvolvem o jornalismo. “O objetivo é que curso de Jornalismo possa oferecer uma realidade mais condizente com a conjuntura estabelecida pelas transformações trazidas pela tecnologia”, explica o professor.

O curso mantém a mesma concepção para as disciplinas teóricas. Muda o eixo da formação profissional, com a proposta de disciplinas integradas. “A intenção é permitir, na formação dos bacharéis em Jornalismo – não mais ‘bacharéis em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo’ -, que eles possam compreender as práticas como elas estão sendo desenvolvidas, associadas à relação entre as diversas funções”, destaca.

Pautas

Muitas ações do Sinjorba sofreram pausa ou não foram trabalhadas na integralidade por causa da pandemia de Covid-19. De acordo com o Sinjorba, essa retomada tem em sua pauta prioritária pelo menos dois pontos: a unificação das campanhas salariais e a capacitação dos jornalistas. “Queremos fazer uma campanha unificada de todos os segmentos da nossa base de jornalistas em 2023. Vamos debater de maneira coletiva com as empresas os direitos da categoria na Bahia. Quanto à capacitação, muitas iniciativas foram paradas porque funcionam para o regime presencial. Já temos dois cursos aprovados na Secretaria do Trabalho”.

Outras lutas estão em curso. No plano nacional, o Sinjorba se organiza para atuar, junto com a Fenaj, em prol da proposta de piso salarial, a chamada PEC do Diploma e a nova regulamentação da profissão.

“Nós trabalhamos e nosso tempo livre é dedicado ao Sindicato. Eu e Moacy nem pretendíamos permanecer na direção, mas decidimos ficar para dar continuidade aos projetos interrompidos pela pandemia”, afirma a vice-presidente do Sinjorba, Fernanda Gama. “O Sinjorba sozinho é só um nome. Precisamos dos jornalistas. Queria que os colegas acreditassem e viessem para a luta. Não sabemos como serão os próximos anos. Mas sabemos que precisaremos estar juntos”, orienta a jornalista.

De acordo com Fernanda, a campanha de vacinação contra a Covid serviu para mostrar a força da categoria. “Mostramos que podemos muito. A gente pode conquistar mais. Sejam multiplicadores, falem da importância do Sindicato”, pediu a dirigente.

Foto: Joseanne Guedes

Confira os membros da nova Diretoria do Sinjorba:

Diretoria Executiva
Presidente: MOACY CARLOS ALMEIDA NEVES
Vice-presidente: FERNANDA REGINA VENÂNCIO GAMA
Secretário-Geral: KARDELICIA MOURÃO LOPES
Secretário de Relações Institucionais e Jurídicas: NEY RIBEIRO SÁ
Secretário de Adm. e Finanças: CARMEN CENIRA VASCONCELOS DA SILVA
2º Secretário de Adm. e Finanças: NESTOR MENDES LIMA JUNIOR
Secretário do Interior: RAFAEL SANTANA LOPES

DIRETORIAS SETORIAIS
Diretoria de Formação Sindical e Defesa da Profissão: GABRIELA MACIEL DE PAULA GARCIA
Diretoria de Comunicação, Cultura, Esporte e Lazer: GABRIEL FALCÃO DE CARVALHO
Diretoria de Saúde, Previdência e Assistência Social: LÍLIAM SAMPAIO CUNHA
Diretoria de Relações de Gênero e Promoção da Igualdade Racial: LUCIMEIRE OLIVEIRA DE FREITAS

DIRETORIAS REGIONAIS
Diretor Regional Sul – DIVALDO DANIEL THAME
Vice-Diretor Regional Sul: MARCOS VALÉRIO LUZ DE MAGALHÃES
Diretor Regional Extremo Sul: EZEQUIAS ALVES DA COSTA
Vice-Diretor Regional Extremo Sul: MARLENE PEREIRA ABADE
Diretor Regional Norte: SUELY BORGES BARBOSA
Vice-Diretor Regional Norte: REGINALDO ALVES DA SILVA
Diretor Regional Nordeste: JOÃO MASCARENHAS SANTANA
Vice-Diretor Regional Nordeste: LUIZ VITORIANO TITO PEREIRA
Diretor Regional Oeste: MIRIAM HERMES
Vice-Diretor Regional Oeste: HÉLIO BRANDÃO DA SILVA
Diretor Regional Sudoeste: HELISSON SILVA SANTOS
Vice- Diretor Regional Sudoeste: JUSCELINO NOVAIS SOUZA
Diretor Regional Sudeste – JEQUIÉ: ARI MACHADO DE MOURA
Vice-Diretor Regional Sudeste: JOSÉ NILTON BISPO MEIRA
Diretor Regional Recôncavo: ORLANDO OLIVEIRA SILVA
Vice-Diretor Regional Recôncavo: ROMÁRIO COSTA GOMES

Delegado junto à Fenaj: MURILO BERETA DUARTE

CONSELHO FISCAL
1º Titular: RUBENS FLORIANO SANTOS
2º Titular: UBIRATAN PASSOS ALMEIDA
3º Titular: ARISSON MARINHO DE OLIVEIRA
1º Suplente: PEDRO AUGUSTO MORAIS SIMÕES JUNIOR
2º Suplente: ADILTON DA SILVA VENEGEROLES
3º Suplente: CECILIA ANA VÁSQUEZ SOTO

COMISSÃO DE ÉTICA
LEVI REIS VASCONCELOS
MÔNICA DIAS BICHARA
MARIA ISABEL SANTOS BORGES
MARJORIE DA SILVA MOURA
ARIEVALDO TEIXEIRA DONATO
RUBENS NEUTON MORAES CARDOSO
JACIARA MARIA SANTOS AGUIAR DA SILVA

Textos relacionados: