Notícias

Com um pé no jornalismo e outro na literatura, Suzana Varjão lança livros em Salvador

A jornalista baiana Suzana Varjão lança, nesta quinta-feira (17), dois volumes da série “Histórias”, editada pela Caramurê Publicações, com o apoio da Fundação Pedro Calmon. O volume 1, Diário de uma Louca, traz acontecimentos verídicos, enquanto o segundo livro, Divagações, reúne mini contos ficcionais. O lançamento acontece às 18h, no MAM – Museu de Arte Moderna da Bahia. O evento contará com apresentação musical da cantora Verônica Ribeiro e do saxofonista Luciano Silva. As obras foram ilustradas pelo editor, o artista plástico Fernando Oberlaender.

Foto: Divulgação

Suzana Varjão é mestre em Cultura e Sociedade pela Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia. Escritora e jornalista, recebeu 27 prêmios de reportagem, a maioria deles pela defesa dos direitos humanos. Após vinte anos em A Tarde, dez dos quais editando o Caderno 2, dedicado ao noticiário sobre artes e variedades. Deixou o jornal em 2003 para dedicar-se ao trabalho de reflexão sobre as imbricações entre mídias e violências. É uma das fundadoras do Movimento Estado de Paz, que articula comunicadores em torno do debate sobre o tema, integra o grupo gestor do Fórum Comunitário de Combate à Violência e é membro da rede de lideranças sociais da Fundação Avina.

A jornalista mudou-se para Brasília em 2010, quando montou a equipe de comunicação da Fundação Palmares. Por lá, gerenciou a redação multimídia da Empresa Brasil de Comunicação – EBC, coordenou o núcleo de pesquisa da Agência de Notícias dos Direitos da Infância (ANDI). Ela também desenvolve um trabalho sobre a interseção mídia/violência, que estão em dois livros: Micropoderes, Macroviolências – sobre veículos impressos de Salvador – e Violações de Direitos na Mídia Brasileira, sobre programas de rádio e TV brasileiros.

Literatura na forma, jornalismo no conteúdo

Depois de atuar como repórter, fotógrafa, redatora, editora, editorialista, professora e gestora no campo do jornalismo, Suzana Varjão confessou em entrevista ao jornalista Roberto Midlej (confira aqui) estar focada em “realizar o sonho de uma vida”: habitar o universo da ficção. Leitora compulsiva desde criança, ela conta que estava ensaiando sua entrada na literatura ficcional quando resolveu publicar os mini contos. Então, quase todos os textos foram postados na coluna “Histórias”, do site Leiamais.

SERVIÇO

O Quê: Lançamento de Histórias, de Suzana Varjão, com show de Verônica Ribeiro
Quando: 17 de novembro de 2022
Onde: Museu de Arte Moderna da Bahia
Horário: 18h
Títulos: Diário de uma louca e Divagações (série Histórias)
Autora: Suzana Varjão
Editora: Caramurê 
Onde comprarwww.caramure.com.br

publicidade
publicidade
Notícias

Jolivaldo Freitas lança romance biográfico sobre o coronel Sodré Martins

O jornalista, publicitário e escritor Jolivaldo Freitas, membro do Conselho Consultivo da ABI, lançará o seu novo livro nesta quinta, dia 20 de outubro, a partir das 18h, no Clube Espanhol, na Barra. O romance biográfico “Estilhaços de uma Existência” (Editora Farol da Barra, 427 páginas) conta a trajetória do coronel Geraldo Sodré Martins, o polêmico militar baiano que, segundo pesquisas conduzidas por Jolivaldo, teve importante papel na concretização da ditadura militar na Bahia e no Brasil, mas que acabou decepcionado com o regime.

“Ele era um articulador nato, atleta, artista plástico, médico, escritor, inovador. Um militar contestador, que procurava, dentro do possível, manter boas relações com pessoas de esquerda; homem amado e odiado por políticos e admirado por amigos”, afirma Jolivaldo Freitas, que é especialista em marketing político.

Capa de “Estilhaços de uma Existência” (Editora Farol da Barra, 427 páginas) | Foto: reprodução

O coronel – Geraldo Sodré Martins nasceu em Salvador, em 1922. Ele era médico ortopedista e foi professor da Faculdade Bahiana de Medicina. Também escrevia artigos para jornais, sobre temas sociais, históricos e até sobre fé, além de ser atleta e artista plástico. Mas, a função que mais marcou a vida dele foi a de militar, em especial no período em que articulou o golpe contra o então presidente da república, João Goulart.

Anos depois de colaborar diretamente para a consolidação da ditadura militar no país, ficou insatisfeito com os rumos tomados pelo governo. Um dos fatos contados no livro, inclusive, é a briga que teve com Antônio Carlos Magalhães, ex-governador da Bahia. “O coronel é um personagem digno do realismo fantástico latino-americano, com todas as suas idiossincrasias, dúvidas e decepções com o próprio movimento militar, que terminou por rejeitar em certo ponto da vida”, revela o autor.

Jolivaldo destaca o caráter polêmico do biografado. “Uma das figuras mais polêmicas. Odiado, admirado, agregador, desagregador. A história do Coronel Sodré Martins é boa de ser contada e de ser lida. Acaba se confundindo com a própria história política e social da Bahia das décadas de 60 e 70, no chamado período militar. Tem muitos fatos pitorescos e curiosidades”, adianta o jornalista.

Sobre o autor

Jolivaldo Freitas é jornalista, publicitário, especialista em marketing político e escritor. Já lançou 15 livros – romances, crônicas, novelas e biografias – entre eles o best seller Histórias da Bahia – jeito baiano, esgotado com mais de 100 mil exemplares vendidos. Como jornalista, tem passagem por alguns dos principais veículos de comunicação do estado (Correio da Bahia, Tribuna, TV Bahia, Jornal de Angola).Hoje escreve para o A Tarde On-line, BNews,e diversos blogs e sites baianos, além de colaborar com o jornal Correio da Manhã (RJ), portais Yahoo e Notícia Capital e Pravda de Moscou.

O projeto tem patrocínio do Banco Master e os exemplares do livro serão distribuídos para quem participar do coquetel de lançamento.

SERVIÇO

O quê: Lançamento do livro Estilhaços de uma existência
Quando: 20 de outubro, a partir das 18h
Onde: Salão de eventos do Clube Espanhol, Barra
Entrada Gratuita

publicidade
publicidade
Notícias

Arquivo Público do Estado da Bahia realiza pré-lançamento do livro 220 Anos da Revolta dos Búzios

O Arquivo Público do Estado Bahia (APEB), unidade gerida pela Fundação Pedro Calmon (FPC/SecultBA), realiza no dia 01 de julho, às 14h, o pré-lançamento da edição comemorativa do livro “220 Anos da Revolta dos Búzios”, que foi produzido através de arquivos documentais da APEB. O evento acontecerá de forma presencial na sede do Arquivo Público, que fica localizado na Baixa de Quintas, em Salvador.

A Revolta dos Búzios foi uma ação organizada por negros escravizados, libertos, trabalhadores pobres e alguns membros das elites brancas liberais, destacando-se os alfaiates João de Deus e Manuel Faustino e os soldados Lucas Dantas e Luiz das Virgens. A revolta foi um movimento emancipacionista que ocorreu entre 1798 e 1799 e que conseguiu unir alguns setores da sociedade baiana contra a opressão portuguesa.

A edição comemorativa visa contribuir para ampliar e democratizar o acesso ao conteúdo textual das fontes documentais destinadas à comunidade acadêmica, científica e interessados no tema. O projeto é resultado de emenda parlamentar que, além do livro, também proporcionou a realização do Colóquio Revolta dos Búzios, em março deste ano.

A emenda ainda contempla um site com conteúdo exclusivo sobre o tema, produzido pela coordenação de Acervos Virtuais Baianos, com previsão de lançamento para novembro de 2022, juntamente com o lançamento oficial da edição comemorativa. Para Tereza Navarro, diretora da APEB a edição comemorativa aproxima o público de documentos importantes para história da Bahia: “A iniciativa favorece um olhar preciso no que diz respeito aos documentos produzidos no momento histórico da Revolta dos Búzios, possibilitando a construção de novas narrativas”.

Com informações da Fundação Pedro Calmon / SecultBA

publicidade
publicidade
Notícias

Emiliano José lança livro autobiográfico no Congresso da UFBA

Um mergulho nos tempos do terror. Talvez seja esta a melhor definição de “O cão morde a noite”, décimo quinto livro do jornalista e escritor Emiliano José. São mais de 400 páginas, onde a ditadura militar, nascida em 1964, aparece de corpo inteiro, com prisões, torturas, o arbítrio em estado puro. O livro publicado pela Edufba, editora da Universidade Federal da Bahia, tem prefácio assinado pelo filósofo João Carlos Salles, reitor da instituição de ensino. O lançamento ocorre virtualmente, durante o Congresso da UFBA, nesta terça-feira (23), às 16h30, com participações de Salles, dos jornalistas Adilson Borges e Mônica Bichara, e do próprio autor. O evento abre o 31º Festival de Livros e Autores da UFBA. (Confira ao vivo pelo canal da Edufba no Youtube)

Escrito em primeira pessoa, a obra se diferencia dos outros 14 livros já publicados pelo escritor, autor de muitas biografias: Carlos Lamarca, Carlos Marighella, padre Renzo Rossi e a última, sobre Waldir Pires, em dois volumes. Mas, apesar de ser autobiográfica, está longe de ser relato exclusivo da vida do autor. “É uma outra natureza. Nesse 15º livro, eu inauguro um caminho de falar em primeira pessoa, e de revelar-me mais, segundo as minhas memórias e lembranças. É diferente de todo o resto que produzi até hoje, e onde portanto abro o coração. Falo aquilo que penso e dialogando permanentemente com o leitor, numa espécie de roda de conversa à beira de fogueira lá no sertão”, adianta Emiliano José.

Segundo ele, esse livro dá a chance de o leitor conhecer o autor. “Tento revelar mais da minha subjetividade. Revelo rapidamente um bocado da minha formação teórica, de como nasceu a minha militância política, de como eu era um cristão conservador e passar à militância revolucionária a partir de certas influências. O leitor agora vai conhecer mais o autor dos 14 livros anteriores, conhecer também a minha família, suas desditas e suas belezas”, destaca o jornalista.

Um livro em transe

“O cão morde a noite” não aborda apenas a década de 60, ele invade a década de 70, que é quando Emiliano é preso e solto, em finais de 1974. “Eu analiso esse período, um período duro, de terror, do AI-5, período em que o filho chorava e a mãe não via, e que vai de 13 de dezembro de 1968 até a assunção do general Ernesto Geisel, que assume em 1974, com a promessa da distenção lenta e gradual, mas no entanto continua a matar”, conta Emiliano. Para o autor, seu mais novo livro relata e recorda tanto os sonhos, esperanças e utopias de uma geração quanto o terror, a ditadura, as mortes, as prisões, os sequestros e os desaparecimentos. “É um livro que toca numa ferida, a existência de uma ditadura que não podemos esquecer e cujo espectro nos ronda até hoje, não só pelas lembranças em todos nós sobreviventes, mas pelas posições declaradas desde a campanha pelo atual presidente, um admirador da morte, da tortura e da ditadura”, observa.

“O texto de Emiliano é com um tecido em transe, corpos correndo, corpos sendo afogados, sangue no pulso e na boca. Grito e silêncio. Transe. O trato feito consigo mesmo de nada delatar é como um pacto com a história, e ora se afirma, ora se vê desafiado. No caso de Emiliano, nunca se afrouxa. Morto, vivo, desmaiado, acordado – transe. Como tudo tem nome, tem data, no texto cinematográfico de Emiliano!”, elogia João Carlos Salles.

“É como se ele pudesse nos reconstituir cada cena e cada personagem chamando-as pelo nome. Em alguns momentos, tão intensa a trama e a narrativa que chegamos a sentir-lhes o cheiro. Esse livro, então, assim meio em transe, como um filho de cinema novo, como um Corisco que não se entrega, é um canto que marca muros e mentes, assim como um dia, em Salvador (e em parte, para protegê-lo, tornando pública sua prisão), apareceu a pichação ‘Liberdade para Emiliano’.”, registra o reitor no prefácio.

Serviço

Lançamento do livro “O cão morde a noite”

Dia 23/02 (terça-feira), às 16h30

Congresso Virtual UFBA 2021

Ao vivo pelo canal da Edufba no Youtube (clique aqui)

>> JOSÉ, Emiliano. O cão morde a noite / Emiliano José. – Salvador: EDUFBA, 2020. 426 p.

publicidade
publicidade