Artigos

Biografia de uma santa

Sérgio Mattos*

O jornalista Valber Carvalho nos brindou, em fins de 2020, com o lançamento do livro intitulado Além da Fé: a vida de Irmã Dulce, com 624 páginas, narrando parte da vida da Santa, como resultado de um trabalho de mais de seis anos de pesquisa, envolvendo a consulta de 13 mil documentos e mais de 500 entrevistas.  O livro (publicado pela Editora IRMABEM, de Salvador, foi impresso na Edigráfica, do Rio de Janeiro) foi muito bem produzido e apresenta também ilustrações preciosas e de valor histórico. O título do livro é perfeitamente adequado ao conteúdo e apresenta atratividade para o público-alvo, todos aqueles que desejam conhecer os detalhes da vida da primeira Santa brasileira.

Além da Fé tem objetivo claro e definido, sendo, portanto, forte candidato ao Prêmio Jabuti, não só pela relevância do tema, mas pela originalidade da narrativa brilhante, incisiva, concatenada e, principalmente, pela qualidade da linguagem do texto. Com parágrafos e capítulos curtos, o autor lançou mão de sua experiência profissional, como jornalista de impresso e de televisão, para criar um ambiente semelhante ao de um roteiro cinematográfico, pleno de detalhes que transportam o leitor para o local das narrativas como se lá estivéssemos a testemunhar o que está sendo narrado.

O primeiro volume da biografia de Santa Dulce começa no final do século XIX, quando da formação da família dela, concentrando-se, porém, no período a partir de 1914, ano de seu nascimento, até o ano de 1952, quando tinha 39 anos de idade, apresentando e esclarecendo elementos novos e diferenciados de sua vida. O segundo volume, no qual o autor já está trabalhando, abordará a intensa vida do Anjo Azul dos Alagados a partir de 1953 até os dias atuais. Vale destacar que a Santa da Bahia morreu em 13 de março de 1992, aos 77 anos, e que sua canonização foi iniciada no ano 2000, sua beatificação ocorreu em 2011 e foi canonizada no dia 13 de outubro de 2019.

Para narrar a história de vida de Irmã Dulce, o autor se utilizou da técnica da cartografia biográfica, na qual resgata a contextualização sócio econômica, geográfica e cultural de todo o período da narrativa.  Na obra, o autor apresenta ideias e argumentos bem articulados e pode-se observar que todos os fatos são referenciados e foram checados para não deixar dúvidas.  

Com este livro, Valber Carvalho deixa aflorar todo o seu potencial literário, dotado de uma sensibilidade acima da média para descrever as excentricidades sedutoras de Irmã Dulce, a teimosia e a paciência dela para concretizar todos os sonhos em servir aos pobres, indo, muitas vezes, de encontro aos interesses dos poderosos.

 Com uma abordagem original, o autor soube explorar e humanizar a figura incansável de Irmã Dulce em sua luta diária, que a transformou em uma militante que não obedecia a regras de horário para comer, dormir e descansar, pois o tempo era curto e ela precisava resolver todos os problemas e vencer os obstáculos que se apresentassem. Se fosse necessário invadir terrenos ou casas para abrigar seus pobres e doentes, ela não hesitava.  

Ela também não tinha vergonha para pedir contribuições para suas obras sociais, tendo se revelado boa administradora e com visão para os negócios, desde que voltados para a proteção e bem estar de seus abrigados. Ela frequentava os escritórios dos empresários e comerciantes poderosos da Bahia e depois resolveu também visitá-los em suas respectivas residências, pois entendeu que os empresários estavam doando apenas como pessoa jurídica e que poderiam também contribuir como pessoa física.

Valber descreve a ousadia e confiança dela em iniciar obras, mesmo não tendo recursos para tal, pois acreditava na providência divina e na ajuda de seu Santo Antonio, a quem pedia ajuda que sempre chegava no momento certo como que já previsto pelas leis de Deus e que de alguma forma ela tinha certeza de que chegaria e os problemas se resolveriam. Sobre a confiança dela em Santo Antonio, Valber Carvalho escreveu:

“Se fosse possível traçar um organograma da sua ação missionária, o Santo de Pádua funcionaria como um intercessor especial, com fácil acesso às hostes celestiais. Uma espécie de antena avançada, retransmissora de suas preces ao Altíssimo, a quem não hesitava reclamar quando um de seus inúmeros pedidos não era atendido. Em linguagem popular, Santo Antonio era seu procurador no céu” (pag. 333).

Paralelo à história de Irmã Dulce, outros personagens importantes e que também merecem um estudo aprofundado destacam-se na narrativa, a exemplo do próprio pai dela, Dr. Lopes Pontes; Frei Hildebrando Kruthaup, que criou uma rede de cinemas católicos em Salvador, emissora de rádio, gráfica-editora e um jornal, O Mensageiro da Fé; além de Raymundo Frexeiras, criador do Abrigo dos Filhos do Povo.

Enfim, vale ressaltar que, como leitor, estou ansioso pelo segundo volume da biografia de Irmã Dulce. Enquanto isso, recomendo a leitura atenta da primeira parte dessa obra, para que descubram o quanto a Santa tinha visão de marketing político e habilidade para arrancar donativos para suas obras sociais.  Entre outras coisas ela montou hospital, creche, escolas, farmácia para distribuição de medicamentos e foi, talvez, a primeira pessoa a idealizar o ticket refeição e a implantar uma cesta básica que era distribuída de acordo com a necessidade de cada família. Neste primeiro volume, ou primeira parte, o autor apresenta coerência do começo ao fim.

*Jornalista, professor da UFRB, doutor pela Universidade do Texas, autor de livros de Comunicação e ficção. É 1º vice-presidente da Assembleia Geral da ABI.

Nossas colunas contam com diferentes autores e colaboradores. As opiniões expostas nos textos não necessariamente refletem o posicionamento da Associação Bahiana de Imprensa (ABI).

Notícias

Jornalista Valber Carvalho lança biografia de Irmã Dulce

Pouco mais de um ano depois da canonização de Irmã Dulce, chega às mãos dos leitores a esperada biografia “Além da Fé – A vida de Irmã Dulce”, escrita pelo jornalista Valber Carvalho, membro do Conselho Consultivo da Associação Bahiana de Imprensa (ABI). A obra será lançada nesta quinta-feira (10), às 16h, no Shopping Barra, com tarde de autógrafos e música. O livro traz histórias e relatos inéditos de Santa Dulce Dos Pobres, resultado de um extenso trabalho de pesquisa do autor que realizou mais de 500 entrevistas e estudou 13 mil documentos para escrever a obra de 624 páginas, amplamente ilustrada com fotos, charges e reprodução de matérias de jornal. Exemplares estarão à venda no stand no L4 Norte, do dia do lançamento até o dia 24 de dezembro, durante todo o horário de funcionamento do shopping.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é lancamento-1024x1024.png

“Milhares de documentos escritos foram lidos e catalogados, informações primárias oficiais – de dentro e de fora da Igreja – ou outras publicadas em jornais de todo o país, serviram para embasar as informações valiosíssimas de centenas de relatos orais gravados, muitos deles completamente inéditos”, ressalta no texto “Uma biografia da Santa Irmã Dulce”, publicado pela ABI. No artigo (leia aqui), o autor descreve o árduo percurso de produção da obra, o que motivou a escolha da personagem e revela algumas fontes. A surpresa neste lançamento fica por conta da capa do livro, que só será conhecida no dia do evento. O local escolhido para a tarde de autógrafos, o Shopping Barra, exibe em sua fachada a imagem de Santa Dulce, num painel especial assinado pelo artista Eduardo Kobra.

Para inspirar

Os leitores terão a oportunidade de saber um pouco mais da vida e da personalidade da primeira Santa da Igreja Católica nascida em solo brasileiro, como também conhecer o contexto histórico e econômico da Bahia e do Brasil nos principais acontecimentos que marcaram a sua trajetória. A biografia começa antes de seu nascimento, a partir da história dos antepassados da sua família, passando pela influência de seu pai Augusto Lopes Pontes, a vocação desde cedo para as causas sociais, a iniciação religiosa e os principais momentos de sua vida até o ano de 1952, quando o “Anjo Azul dos Alagados” tinha 39 anos. Os outros anos de sua história, serão contados no segundo volume a ser lançado. 

Para o autor, essa é uma obra que vai inspirar as pessoas, principalmente nessa época do ano, em tempos desafiadores. “As pessoas precisam conhecer a alma nobre de Irmã Dulce. Quanto mais descobrirmos sobre ela, mais vamos ser gratos por ter esse exemplo de amor e solidariedade na nossa história”, afirma Valber Carvalho.

Irmã Dulce morreu em 13 de março de 1992, aos 77 anos. A causa da Canonização de Irmã Dulce foi iniciada em janeiro de 2000. Foi beatificada pelo Papa Bento XVI, no dia 10 de dezembro de 2010, passando a ser reconhecida com o título de “Bem-aventurada Dulce dos Pobres”. Em maio de 2019, o Vaticano anunciou que Irmã Dulce se tornaria santa, com a conclusão do processo de canonização no dia 13 de outubro de 2019.

Serviço:

Tarde de Autógrafos para lançamento do livro Além da Fé – A vida de Irmã Dulce, do jornalista e escritor Valber Carvalho

Quando: quinta-feira, 10 de dezembro, 16h

Onde: shopping Barra, piso L4 Norte

Notícias

Valber Carvalho prepara lançamento de biografia de Irmã Dulce

Enquanto a Igreja no Brasil já se prepara para a canonização de Irmã Dulce, no próximo dia 13 de outubro, o jornalista e escritor Valber Carvalho anuncia a biografia sobre a vida do “Anjo Azul dos Alagados” para o segundo semestre deste ano. Dias após Maria Rita Souza Britto Lopes Pontes ter deixado de ser apenas Irmã Dulce para se tornar a primeira Santa da Igreja Católica nascida em solo brasileiro, Valber convida a todos para o lançamento do livro.

O jornalista escreveu nesta quinta-feira (04) um artigo para o site da ABI, no qual descreve o árduo percurso de produção da obra, o que motivou a escolha da personagem e revela algumas fontes. “Milhares de documentos escritos foram lidos e catalogados, informações primárias oficiais – de dentro e de fora da Igreja – ou outras publicadas em jornais de todo o país, serviram para embasar as informações valiosíssimas de centenas de relatos orais gravados, muitos deles completamente inéditos”, ressalta no texto “Uma biografia da Santa Irmã Dulce”. Leia aqui.

De Maria Rita a Irmã Dulce – Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes nasceu em 26 de maio de 1914, em Salvador. Segunda filha de do dentista Augusto Lopes Pontes, professor da Faculdade de Odontologia, e de Dulce Maria de Souza Brito Lopes Pontes. Aos 13 anos, Irmã Dulce passou a acolher mendigos e doentes em sua casa, transformando a residência da família – na Rua da Independência, 61, no bairro de Nazaré, num centro de atendimento. Nessa época, ela manifesta o desejo de se dedicar à vida religiosa. Em 13 de agosto de 1933, recebe o hábito de freira das Irmãs Missionárias e adota o nome de Irmã Dulce, em homenagem a sua mãe. Passou a dar assistência a comunidades pobres, abrigar doentes que recolhia nas ruas de Salvador. Em 1959, é instalada oficialmente a Associação Obras Sociais Irmã Dulce.

Irmã Dulce morreu em 13 de março de 1992, aos 77 anos. A causa da Canonização de Irmã Dulce foi iniciada em janeiro de 2000. Foi beatificada pelo Papa Bento XVI, no dia 10 de dezembro de 2010, passando a ser reconhecida com o título de “Bem-aventurada Dulce dos Pobres”. Em maio de 2019, o Vaticano anunciou que Irmã Dulce se tornará santa, com a conclusão do processo de canonização.

Em pauta

Uma biografia da Santa Irmã Dulce

Por Valber Carvalho*

            Pesquisar a vida de Irmã Dulce foi uma decisão tomada em abril de 2013, depois que fui convidado pela Assembleia Legislativa a escolher uma personalidade baiana para servir de tema para um livro. Naquele momento, três nomes emergiram imediatamente para a superfície do meu interesse. Um deles era o de Irmã Dulce.

            Conversei com alguns amigos antes de tomar a decisão, mas foi a minha querida e instigante irmã, Carmen Célia Carvalho Smith, nascida 14 anos antes de mim, quem me deu a régua e o compasso: “se eu fosse você faria a história de Irmã Dulce”. Perguntei o porquê de ela falar tão assertivamente e ela me devolveu: “você nasceu no ano de 1960 e por isso não viu, mas na década em que você era menino, e quando ainda ela não era uma unanimidade na sociedade, a atuação dela foi algo fora de série”.

            Ouvi com interesse aquele conselho e parti para a ação. Sem ter ainda me decidido, o nome de Irmã Dulce passou a ter um peso maior na escolha da decisão que deveria tomar nos próximos dias.

            Procurei a OSID, para conversar com o museólogo Osvaldo Gouveia, especialista na história dela e o grande responsável pelo Memorial de Irmã Dulce, instalado na sede das Obras, no bairro de Roma, na península itapagipana.

Foto: Roque Cerqueira

Depois de duas horas de conversa gravada, nos encaminhamos para a sala da superintendente das Obras Sociais, Maria Rita Lopes Pontes, onde ouvi mais relatos e então pude expor o estado de excitação que tomara conta da alma do jornalista, sempre que é levado “ao topo de um morro e consegue enxergar um rico e precioso vale, ainda não devidamente explorado em todos os seus minérios”. Sim. Estava mais que claro, eu tinha uma história para contar. Mas era um trabalho hercúleo: pesquisar e tentar entender, documentar e escrever sobre a vida da mais importante alma que já nasceu em nossa terra. Se muita coisa já se sabia e muita havia sido documentada, havia e sempre haverá muito ainda a ser escavado, processado e lapidado. Naquele 12 de julho de 2013, nascia o Projeto da Biografia de Irmã Dulce.

            A partir daí, o assunto foi mais e mais tomando corpo e estimulando o espírito do jornalista. Eu havia desenvolvido um método de trabalho, anos atrás, quando precisei pesquisar a trajetória de personagens que tiveram uma vida muito densa e e que haviam interagido com muitas pessoas e fatos importantes da história. Nesse método, primeiro busco trabalhar os “entrevistados-âncoras”, aqueles que servirão de pilastras para a sustentação do “edifício” da pesquisa que pretendo construir.

            Cada um desses âncoras me indica cinco, ou seis ou até 10 outros nomes de entrevistados importantes para a continuação da pesquisa. Cada entrevista traz um novo tijolo, e cada nova informação vai encorpando a argamassa, ao indicar novas áreas de pesquisa a serem trabalhadas. E assim vão se erguendo os andares da obra. Isso parece óbvio, e é. A diferença, no meu caso, é que considero fundamental escolher previamente, quem e quantos serão os tais âncoras que sustentarão o processo inicial da obra.

            Pouco mais de três meses de trabalho depois o que inicialmente parecia grande,  agora se apresentava tão gigantesco, que quase não se podia delimitar seu horizonte. Se fosse  possível comparar com uma figura geométrica, a vida de Irmã Dulce era como um poliedro com centenas ou até milhares de faces que refletiam diferentes aspectos da sociedade baiana e brasileira, porque em seu cotidiano ela interagia diariamente, durante décadas, com todos os atores sociais. Do mais rico ao mais pobre.

            Em síntese, eram intermináveis histórias e estórias que se consorciavam e se soprepunham, ou pareciam sobrepor-se, muitas vezes de maneira ilusória. Para entender tudo isso, uma pesquisa caprichada, longa e exaustiva se delineava à vista. Foi então que procurei o jornalista Paulo Bina, chefe da Assessoria de Imprensa da Assembleia Legislativa, para me desincumbir de qualquer compromisso com aquela entidade, por entender que o tempo para a execução da pesquisa era impossível de ser mensurado, e por isso somente o próprio fazer é quem seria o responsável por determinar o tempo de consecução.

            A solidão da decisão tomada naquele momento, significou vivenciar uma sensação extremamente desafiadora, porém ainda mais gratificante. Experimentei abandonar a segurança de um navio que tinha hora para zarpar e embarcar num pequeno bote sem possibilidade de ancoragem durante meses e anos. Se havia muitos motivos para acabar perecendo naquele oceano de tantos personagens e assuntos, com possibilidade de serem explorados, havia também a alegria da investigação criteriosa, e as comemorações silenciosas de cada remada em direção a uma nova descoberta.

            Como a imensa maioria dos que haviam convivido com Irmã Dulce nos primeiros tempos já acumulavam mais de 80 ou de 90 anos de idade, decidi priorizar as entrevistas com aqueles que tinham convido com a religiosa nas eras pioneiras. Era uma questão aguda de tempo conseguir material inédito, antes que a perda definitiva das memórias preciosas daqueles homens e mulheres, apagasse os últimos registros dos períodos mais desafiadores e menos documentados da trajetória de Irmã Dulce. Somente depois de fazer isso é que me senti confortável de apontar a proa da pesquisa em busca de documentos e jornais antigos.

            No primeiro ano de trabalho, fiz apenas 17 longas entrevistas, no segundo ano já eram 120, no terceiro já acumulava 250, e assim a obra foi ganhando altura. Ao fim de seis anos de trabalho, eram cerca de 500 entrevistados. Prioridade um, para os  mais importantes e/ou os mais idosos, personagens que não poderiam deixar de serem ouvidos. No segundo momento, após essas entrevistas, o trabalho pôde ser dividido entre a caça por novas entrevistas e a busca diária por documentos.

            Milhares de documentos escritos foram lidos e catalogados, informações primárias oficiais – de dentro e de fora da Igreja – ou outras publicadas em jornais de todo o país, serviram para embasar as informações valiosíssimas de centenas de relatos orais gravados, muitos deles completamente inéditos.

            Hoje, se a obra ainda não estava pronta, há a certeza de que a fundação é segura e forte, mas por sua vez, o “edifício” ainda não está pronto e “habitável” para os olhos dos leitores.

            Nesse momento, dias após Maria Rita Souza Britto Lopes Pontes ter deixado de ser apenas a nossa querida Irmã Dulce, Anjo Azul dos Alagados e o maior exemplo de solidariedade-cidadã vivido por nossa sociedade, para se tornar a primeira Santa da Igreja Católica nascida em solo brasileiro, convido a todos para o lançamento do livro no segundo semestre de 2019, livro que desde já aviso que não será meu.

            Porque a nossa personagem é tão grande e tão incrivelmente humana, que o livro é dela, de Irmã Dulce. E até lá, se Deus quiser!

__________

*Valber Carvalho é jornalista e escritor.