Notícias

Primeiro e-book de Emiliano José resgata memórias do jornalismo

Exatamente dois anos após o início da publicação das crônicas diárias que compõem a série #MemóriasJornalismoEmiliano, em sua página no Facebook, o escritor, jornalista e professor Emiliano José lança, dia 11 de maio, o primeiro volume desse baú que envolve lembranças dele e de vários colegas de profissão, reproduzindo sobretudo os bastidores do jornalismo no período da ditadura militar. “Balança mas não cai: Memórias do jornalismo Vol.1” retrata os primeiros passos do autor após quatro anos de prisão política, a descoberta como repórter, o acolhimento pelas redações da Tribuna da Bahia e Jornal da Bahia, os tantos “cúmplices” que encontrou pelo caminho.

O livro, 16º da carreira e primeiro no formato virtual, já está liberado para pré-venda na Amazon. O lançamento, entretanto, será com a live “Balança mas não cai”, dia 11 de maio, às 20h, no Youtube do também jornalista e escritor Franciel Cruz (clique aqui), autor do livro “Ingresia”. O evento conta com a participação de diversos jornalistas e profissionais envolvidos com a obra, como Mônica Bichara, jornalista autora do prefácio; o fotógrafo Agliberto Lima, Bel, autor da foto da capa; Ernesto Marques, presidente da ABI; Moacy Neves, presidente do Sinjorba; Gabriel Galo, escritor e responsável pela diagramação do livro; o sociólogo Crisóstomo de Souza; os jornalistas Césio Oliveira, Zeca Peixoto, Carlos Navarro, Cleidiana Ramos, Joana D’Arck e outros.

“Esse livro tem um sabor especial de recomeço, por ser o primeiro e-book, um mundo que eu ainda não domino. Mas por onde vou caminhar, a partir de agora, lado a lado com o impresso”, admite Emiliano José, autor de títulos como “Lamarca, o capitão da guerrilha” (este em coautoria com o jornalista Oldack Miranda) e “Carlos Marighella: o inimigo número um da ditadura militar”. Mais novo imortal da Academia de Letras da Bahia, lançou recentemente “O cão morde a noite”, pela Edufba, também autobiográfico, relembrando da infância aos terríveis quatro anos de prisão política.

Rumo da prosa

Na introdução, ele anuncia: “Nesse primeiro livro, sou o protagonista. Digo com franqueza: prefiro os meus colegas, os meus parceiros, minhas parceiras de jornada. Confiem: logo depois desse livro, virão outros, com histórias maravilhosas, personagens novos, eu só escrevendo, olhando, de soslaio. Por enquanto, contentem-se com os primeiros passos de minha trajetória. Vou torcer para uma boa leitura nesse novo caminho, o do livro digital. Não está descartada a hipótese do impresso, paralelamente”.

Transformar os artigos da série em livros foi sugestão de vários seguidores do perfil do escritor, diante de verdadeiras biografias de profissionais que marcaram e marcam o jornalismo baiano. Apaixonado por contar histórias e descobrir bons personagens, Emiliano José intercala suas próprias memórias com as de outros protagonistas. Por isso, as crônicas têm sequências diferentes de datas. E estão só começando. O autor tem muito que revirar ainda os subterrâneos de sua vivência nas redações, na faculdade como aluno e professor, na política como deputado estadual e federal, no mundo literário, sem deixar, nem por um minuto, de ser o repórter atento que sempre foi.

“O jornalismo tornou-se minha droga, meu vício, paixão…”, confessa o escritor ao longo da narrativa. E isso fica bem claro com essa série #MemóriasJornalismoEmiliano, que despertou o interesse dos colegas de profissão e seguidores da página no Facebook. Tanto que os comentários foram integrados à edição de “Balança mas não cai”, pela importância das contribuições, algumas decisivas para “o rumo da prosa”. E fotos da época que também foram chegando, como a da capa de autoria do repórter fotográfico Agliberto Lima, que retrata Emiliano na redação da extinta sucursal do jornal O Estado de São Paulo.

O prefácio de “Balança mas não cai” é da jornalista Mônica Bichara, do Blog Pilha Pura (https://pilhapuradejoaninha.blogspot.com/), onde as crônicas da série estão sendo reproduzidas no formato mantido no livro, incluindo fotos e comentários. A capa e design gráfico são do também escritor Gabriel Galo.  

Artigos

Biografia de uma santa

Sérgio Mattos*

O jornalista Valber Carvalho nos brindou, em fins de 2020, com o lançamento do livro intitulado Além da Fé: a vida de Irmã Dulce, com 624 páginas, narrando parte da vida da Santa, como resultado de um trabalho de mais de seis anos de pesquisa, envolvendo a consulta de 13 mil documentos e mais de 500 entrevistas.  O livro (publicado pela Editora IRMABEM, de Salvador, foi impresso na Edigráfica, do Rio de Janeiro) foi muito bem produzido e apresenta também ilustrações preciosas e de valor histórico. O título do livro é perfeitamente adequado ao conteúdo e apresenta atratividade para o público-alvo, todos aqueles que desejam conhecer os detalhes da vida da primeira Santa brasileira.

Além da Fé tem objetivo claro e definido, sendo, portanto, forte candidato ao Prêmio Jabuti, não só pela relevância do tema, mas pela originalidade da narrativa brilhante, incisiva, concatenada e, principalmente, pela qualidade da linguagem do texto. Com parágrafos e capítulos curtos, o autor lançou mão de sua experiência profissional, como jornalista de impresso e de televisão, para criar um ambiente semelhante ao de um roteiro cinematográfico, pleno de detalhes que transportam o leitor para o local das narrativas como se lá estivéssemos a testemunhar o que está sendo narrado.

O primeiro volume da biografia de Santa Dulce começa no final do século XIX, quando da formação da família dela, concentrando-se, porém, no período a partir de 1914, ano de seu nascimento, até o ano de 1952, quando tinha 39 anos de idade, apresentando e esclarecendo elementos novos e diferenciados de sua vida. O segundo volume, no qual o autor já está trabalhando, abordará a intensa vida do Anjo Azul dos Alagados a partir de 1953 até os dias atuais. Vale destacar que a Santa da Bahia morreu em 13 de março de 1992, aos 77 anos, e que sua canonização foi iniciada no ano 2000, sua beatificação ocorreu em 2011 e foi canonizada no dia 13 de outubro de 2019.

Para narrar a história de vida de Irmã Dulce, o autor se utilizou da técnica da cartografia biográfica, na qual resgata a contextualização sócio econômica, geográfica e cultural de todo o período da narrativa.  Na obra, o autor apresenta ideias e argumentos bem articulados e pode-se observar que todos os fatos são referenciados e foram checados para não deixar dúvidas.  

Com este livro, Valber Carvalho deixa aflorar todo o seu potencial literário, dotado de uma sensibilidade acima da média para descrever as excentricidades sedutoras de Irmã Dulce, a teimosia e a paciência dela para concretizar todos os sonhos em servir aos pobres, indo, muitas vezes, de encontro aos interesses dos poderosos.

 Com uma abordagem original, o autor soube explorar e humanizar a figura incansável de Irmã Dulce em sua luta diária, que a transformou em uma militante que não obedecia a regras de horário para comer, dormir e descansar, pois o tempo era curto e ela precisava resolver todos os problemas e vencer os obstáculos que se apresentassem. Se fosse necessário invadir terrenos ou casas para abrigar seus pobres e doentes, ela não hesitava.  

Ela também não tinha vergonha para pedir contribuições para suas obras sociais, tendo se revelado boa administradora e com visão para os negócios, desde que voltados para a proteção e bem estar de seus abrigados. Ela frequentava os escritórios dos empresários e comerciantes poderosos da Bahia e depois resolveu também visitá-los em suas respectivas residências, pois entendeu que os empresários estavam doando apenas como pessoa jurídica e que poderiam também contribuir como pessoa física.

Valber descreve a ousadia e confiança dela em iniciar obras, mesmo não tendo recursos para tal, pois acreditava na providência divina e na ajuda de seu Santo Antonio, a quem pedia ajuda que sempre chegava no momento certo como que já previsto pelas leis de Deus e que de alguma forma ela tinha certeza de que chegaria e os problemas se resolveriam. Sobre a confiança dela em Santo Antonio, Valber Carvalho escreveu:

“Se fosse possível traçar um organograma da sua ação missionária, o Santo de Pádua funcionaria como um intercessor especial, com fácil acesso às hostes celestiais. Uma espécie de antena avançada, retransmissora de suas preces ao Altíssimo, a quem não hesitava reclamar quando um de seus inúmeros pedidos não era atendido. Em linguagem popular, Santo Antonio era seu procurador no céu” (pag. 333).

Paralelo à história de Irmã Dulce, outros personagens importantes e que também merecem um estudo aprofundado destacam-se na narrativa, a exemplo do próprio pai dela, Dr. Lopes Pontes; Frei Hildebrando Kruthaup, que criou uma rede de cinemas católicos em Salvador, emissora de rádio, gráfica-editora e um jornal, O Mensageiro da Fé; além de Raymundo Frexeiras, criador do Abrigo dos Filhos do Povo.

Enfim, vale ressaltar que, como leitor, estou ansioso pelo segundo volume da biografia de Irmã Dulce. Enquanto isso, recomendo a leitura atenta da primeira parte dessa obra, para que descubram o quanto a Santa tinha visão de marketing político e habilidade para arrancar donativos para suas obras sociais.  Entre outras coisas ela montou hospital, creche, escolas, farmácia para distribuição de medicamentos e foi, talvez, a primeira pessoa a idealizar o ticket refeição e a implantar uma cesta básica que era distribuída de acordo com a necessidade de cada família. Neste primeiro volume, ou primeira parte, o autor apresenta coerência do começo ao fim.

*Jornalista, professor da UFRB, doutor pela Universidade do Texas, autor de livros de Comunicação e ficção. É 1º vice-presidente da Assembleia Geral da ABI.

Nossas colunas contam com diferentes autores e colaboradores. As opiniões expostas nos textos não necessariamente refletem o posicionamento da Associação Bahiana de Imprensa (ABI).

Notícias

Emiliano José lança livro autobiográfico no Congresso da UFBA

Um mergulho nos tempos do terror. Talvez seja esta a melhor definição de “O cão morde a noite”, décimo quinto livro do jornalista e escritor Emiliano José. São mais de 400 páginas, onde a ditadura militar, nascida em 1964, aparece de corpo inteiro, com prisões, torturas, o arbítrio em estado puro. O livro publicado pela Edufba, editora da Universidade Federal da Bahia, tem prefácio assinado pelo filósofo João Carlos Salles, reitor da instituição de ensino. O lançamento ocorre virtualmente, durante o Congresso da UFBA, nesta terça-feira (23), às 16h30, com participações de Salles, dos jornalistas Adilson Borges e Mônica Bichara, e do próprio autor. O evento abre o 31º Festival de Livros e Autores da UFBA. (Confira ao vivo pelo canal da Edufba no Youtube)

Escrito em primeira pessoa, a obra se diferencia dos outros 14 livros já publicados pelo escritor, autor de muitas biografias: Carlos Lamarca, Carlos Marighella, padre Renzo Rossi e a última, sobre Waldir Pires, em dois volumes. Mas, apesar de ser autobiográfica, está longe de ser relato exclusivo da vida do autor. “É uma outra natureza. Nesse 15º livro, eu inauguro um caminho de falar em primeira pessoa, e de revelar-me mais, segundo as minhas memórias e lembranças. É diferente de todo o resto que produzi até hoje, e onde portanto abro o coração. Falo aquilo que penso e dialogando permanentemente com o leitor, numa espécie de roda de conversa à beira de fogueira lá no sertão”, adianta Emiliano José.

Segundo ele, esse livro dá a chance de o leitor conhecer o autor. “Tento revelar mais da minha subjetividade. Revelo rapidamente um bocado da minha formação teórica, de como nasceu a minha militância política, de como eu era um cristão conservador e passar à militância revolucionária a partir de certas influências. O leitor agora vai conhecer mais o autor dos 14 livros anteriores, conhecer também a minha família, suas desditas e suas belezas”, destaca o jornalista.

Um livro em transe

“O cão morde a noite” não aborda apenas a década de 60, ele invade a década de 70, que é quando Emiliano é preso e solto, em finais de 1974. “Eu analiso esse período, um período duro, de terror, do AI-5, período em que o filho chorava e a mãe não via, e que vai de 13 de dezembro de 1968 até a assunção do general Ernesto Geisel, que assume em 1974, com a promessa da distenção lenta e gradual, mas no entanto continua a matar”, conta Emiliano. Para o autor, seu mais novo livro relata e recorda tanto os sonhos, esperanças e utopias de uma geração quanto o terror, a ditadura, as mortes, as prisões, os sequestros e os desaparecimentos. “É um livro que toca numa ferida, a existência de uma ditadura que não podemos esquecer e cujo espectro nos ronda até hoje, não só pelas lembranças em todos nós sobreviventes, mas pelas posições declaradas desde a campanha pelo atual presidente, um admirador da morte, da tortura e da ditadura”, observa.

“O texto de Emiliano é com um tecido em transe, corpos correndo, corpos sendo afogados, sangue no pulso e na boca. Grito e silêncio. Transe. O trato feito consigo mesmo de nada delatar é como um pacto com a história, e ora se afirma, ora se vê desafiado. No caso de Emiliano, nunca se afrouxa. Morto, vivo, desmaiado, acordado – transe. Como tudo tem nome, tem data, no texto cinematográfico de Emiliano!”, elogia João Carlos Salles.

“É como se ele pudesse nos reconstituir cada cena e cada personagem chamando-as pelo nome. Em alguns momentos, tão intensa a trama e a narrativa que chegamos a sentir-lhes o cheiro. Esse livro, então, assim meio em transe, como um filho de cinema novo, como um Corisco que não se entrega, é um canto que marca muros e mentes, assim como um dia, em Salvador (e em parte, para protegê-lo, tornando pública sua prisão), apareceu a pichação ‘Liberdade para Emiliano’.”, registra o reitor no prefácio.

Serviço

Lançamento do livro “O cão morde a noite”

Dia 23/02 (terça-feira), às 16h30

Congresso Virtual UFBA 2021

Ao vivo pelo canal da Edufba no Youtube (clique aqui)

>> JOSÉ, Emiliano. O cão morde a noite / Emiliano José. – Salvador: EDUFBA, 2020. 426 p.

Notícias

Jornalista Valber Carvalho lança biografia de Irmã Dulce

Pouco mais de um ano depois da canonização de Irmã Dulce, chega às mãos dos leitores a esperada biografia “Além da Fé – A vida de Irmã Dulce”, escrita pelo jornalista Valber Carvalho, membro do Conselho Consultivo da Associação Bahiana de Imprensa (ABI). A obra será lançada nesta quinta-feira (10), às 16h, no Shopping Barra, com tarde de autógrafos e música. O livro traz histórias e relatos inéditos de Santa Dulce Dos Pobres, resultado de um extenso trabalho de pesquisa do autor que realizou mais de 500 entrevistas e estudou 13 mil documentos para escrever a obra de 624 páginas, amplamente ilustrada com fotos, charges e reprodução de matérias de jornal. Exemplares estarão à venda no stand no L4 Norte, do dia do lançamento até o dia 24 de dezembro, durante todo o horário de funcionamento do shopping.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é lancamento-1024x1024.png

“Milhares de documentos escritos foram lidos e catalogados, informações primárias oficiais – de dentro e de fora da Igreja – ou outras publicadas em jornais de todo o país, serviram para embasar as informações valiosíssimas de centenas de relatos orais gravados, muitos deles completamente inéditos”, ressalta no texto “Uma biografia da Santa Irmã Dulce”, publicado pela ABI. No artigo (leia aqui), o autor descreve o árduo percurso de produção da obra, o que motivou a escolha da personagem e revela algumas fontes. A surpresa neste lançamento fica por conta da capa do livro, que só será conhecida no dia do evento. O local escolhido para a tarde de autógrafos, o Shopping Barra, exibe em sua fachada a imagem de Santa Dulce, num painel especial assinado pelo artista Eduardo Kobra.

Para inspirar

Os leitores terão a oportunidade de saber um pouco mais da vida e da personalidade da primeira Santa da Igreja Católica nascida em solo brasileiro, como também conhecer o contexto histórico e econômico da Bahia e do Brasil nos principais acontecimentos que marcaram a sua trajetória. A biografia começa antes de seu nascimento, a partir da história dos antepassados da sua família, passando pela influência de seu pai Augusto Lopes Pontes, a vocação desde cedo para as causas sociais, a iniciação religiosa e os principais momentos de sua vida até o ano de 1952, quando o “Anjo Azul dos Alagados” tinha 39 anos. Os outros anos de sua história, serão contados no segundo volume a ser lançado. 

Para o autor, essa é uma obra que vai inspirar as pessoas, principalmente nessa época do ano, em tempos desafiadores. “As pessoas precisam conhecer a alma nobre de Irmã Dulce. Quanto mais descobrirmos sobre ela, mais vamos ser gratos por ter esse exemplo de amor e solidariedade na nossa história”, afirma Valber Carvalho.

Irmã Dulce morreu em 13 de março de 1992, aos 77 anos. A causa da Canonização de Irmã Dulce foi iniciada em janeiro de 2000. Foi beatificada pelo Papa Bento XVI, no dia 10 de dezembro de 2010, passando a ser reconhecida com o título de “Bem-aventurada Dulce dos Pobres”. Em maio de 2019, o Vaticano anunciou que Irmã Dulce se tornaria santa, com a conclusão do processo de canonização no dia 13 de outubro de 2019.

Serviço:

Tarde de Autógrafos para lançamento do livro Além da Fé – A vida de Irmã Dulce, do jornalista e escritor Valber Carvalho

Quando: quinta-feira, 10 de dezembro, 16h

Onde: shopping Barra, piso L4 Norte