Artigos Em pauta

Norberto Odebrecht, 100 anos

Por Wilson Midlej*

O engenheiro e empresário Norberto Odebrecht estaria completando 100 anos no dia 9 de outubro.

Chegado em Salvador aos cinco anos de idade, Norberto Odebrecht edificou aquela que seria uma das maiores empresas do mundo. Tão grande que acabou engolindo até mesmo os sólidos ideais éticos do seu fundador.

Os baianos conheciam o Dr. Norberto e o conjunto dos seus mandamentos e de suas normas comportamentais. Tudo nele era grandioso. O orgulho de ser “baiano”, apesar de ter nascido na capital de Pernambuco, o universo crescente de amigos e admiradores e, sobretudo, o imenso contingente de colaboradores que integravam o famoso Grupo Odebrecht.

Na Bahia participava de quase todas iniciativas que visassem desenvolvimento do estado e crescimento do seu povo. Absolutamente todos os seus gestos eram fundados em conceitos de liberdade e democracia.

Com os famosos centros de custos implantados nas empresas, Dr. Norberto socializava a orientação de autonomia dos executivos e cuidava prioritariamente das pessoas, do bem-estar de cada um dos membros da grande família Odebrecht. Talvez esta conduta o tenha levado a agregar quase duzentos mil empregados, mas, também, aos infortunados caminhos em busca de resultados a qualquer custo.

Todavia, a sua trajetória, o seu brilho pessoal, especialmente na Bahia, não foi turvado pelos fatos por demais conhecidos. São tropeços que, infelizmente, ficaram também colados à sua biografia, entretanto outros atos grandiosos em extensão e humanidade, marcaram a sua existência.

Odebrecht estruturou uma fundação exclusivamente para o adjutório a iniciativas sociais edificantes, assim como a parceria com a Irmã Dulce, que durou toda uma vida. Com ela, firmou um pacto de silêncio quanto à sua participação financeira em todas as oportunidades. O combinado foi cumprido.

Ela se tornou santa, com muita justiça. E ele, o doutor Norberto, a quem a santa Irmã Dulce, bem como a Bahia, tanto conhece, não terá ressaltados os seus méritos?

Pois é. Hoje o doutor Norberto Odebrecht se conosco ainda estivesse, apesar da obscuridade das eventuais sombras, completaria um centenário de vitórias, de glórias e de luzes. Deus seja louvado! Embora os desvelados tropeços, que ele possa receber os eflúvios de paz e reconhecimento pelo bem esparzido, justamente na efeméride sempre importante, que é o dia do seu nascimento.

Saudades!

__

*Jornalista e diretor da ABI.

Wilson Midlej
ABI BAHIANA

Em reunião da ABI, Marcelo Gentil fala sobre a reativação da Aberje na Bahia

A Associação Bahiana de Imprensa (ABI) recebeu em sua sede nesta quarta-feira (11) o novo representante do capítulo baiano da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), Marcelo Gentil, para uma palestra sobre a reativação da entidade no estado. Gentil é também responsável pela comunicação da Odebrecht no Nordeste e destacou as medidas adotadas para superar a crise de reputação enfrentada pela empresa. O evento integra o projeto “Temas Diversos”, uma série de debates idealizada pela diretoria da ABI, com o objetivo de discutir assuntos relevantes da relação entre a imprensa e a sociedade.

Com mais de 22 anos de atuação, Marcelo Gentil assumiu em março deste ano o desafio de estimular as atividades do Capítulo Bahia da Aberje, uma organização profissional e científica sem fins lucrativos, fundada em 1967. Segundo ele, o foco da retomada da seção estadual será fortalecer o movimento associativo, a imagem da entidade junto aos centros de ensino e o papel estratégico do comunicador. Não por acaso, o tema da Aberje em 2018 é “Comunicação como Cultura”.

Para isso, a diretoria da Aberje adotou uma agenda que prevê encontros, palestras e cursos voltados para os profissionais da área. “Faremos em breve um curso aqui na Bahia. Temos a meta de fazer três encontros”, adiantou Gentil. Uma dessas ações para movimentar a Aberje no âmbito local foi o 1º Encontro Aberje Bahia, realizado na sede da Odebrecht, no início de junho. Ainda em julho será promovida a 2ª edição do encontro. Desta vez, no SENAI-CIMATEC, em Piatã.

Odebrecht

Uma das maiores multinacionais brasileiras teve seu nome atrelado, a partir de 2014, a um dos maiores escândalos de corrupção do Brasil, revelado pela operação Lava Jato. Depois de reconhecer que participou de práticas impróprias em sua atividade empresarial, a Odebrecht passou a colaborar com a justiça e a adotar estratégias para recuperar sua imagem. No início de 2016, o profissional de Relações Públicas, Marcelo Gentil, foi contratado pela organização para coordenar o relacionamento da empresa com a imprensa.

De acordo com Marcelo Gentil, um sistema de conformidade para prevenir, detectar e remediar desvios de conduta foi implantado pelo Grupo Odebrecht. Houve uma completa reestruturação dos modelos de gestão, para dar ênfase à ética e à transparência, medidas para combater quaisquer formas de corrupção e suborno. “Uma empresa não vai mudar sua cultura. Isso é uma coisa de todos nós. A comunicação é a ferramenta e o conceito mais importante para combater a ‘cultura da vantagem’”.

O presidente da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), Walter Pinheiro, ressaltou a importância da comunicação empresarial para o jornalismo e parabenizou o trabalho realizado por Marcelo Gentil. Além dos diretores da ABI, participaram da reunião o diretor geral do IRDEB – Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia, Flávio Silva Gonçalves, e o diretor da Ness Comunicação, Zeca Peixoto.