Artigos Em pauta

Norberto Odebrecht, 100 anos

Por Wilson Midlej*

O engenheiro e empresário Norberto Odebrecht estaria completando 100 anos no dia 9 de outubro.

Chegado em Salvador aos cinco anos de idade, Norberto Odebrecht edificou aquela que seria uma das maiores empresas do mundo. Tão grande que acabou engolindo até mesmo os sólidos ideais éticos do seu fundador.

Os baianos conheciam o Dr. Norberto e o conjunto dos seus mandamentos e de suas normas comportamentais. Tudo nele era grandioso. O orgulho de ser “baiano”, apesar de ter nascido na capital de Pernambuco, o universo crescente de amigos e admiradores e, sobretudo, o imenso contingente de colaboradores que integravam o famoso Grupo Odebrecht.

Na Bahia participava de quase todas iniciativas que visassem desenvolvimento do estado e crescimento do seu povo. Absolutamente todos os seus gestos eram fundados em conceitos de liberdade e democracia.

Com os famosos centros de custos implantados nas empresas, Dr. Norberto socializava a orientação de autonomia dos executivos e cuidava prioritariamente das pessoas, do bem-estar de cada um dos membros da grande família Odebrecht. Talvez esta conduta o tenha levado a agregar quase duzentos mil empregados, mas, também, aos infortunados caminhos em busca de resultados a qualquer custo.

Todavia, a sua trajetória, o seu brilho pessoal, especialmente na Bahia, não foi turvado pelos fatos por demais conhecidos. São tropeços que, infelizmente, ficaram também colados à sua biografia, entretanto outros atos grandiosos em extensão e humanidade, marcaram a sua existência.

Odebrecht estruturou uma fundação exclusivamente para o adjutório a iniciativas sociais edificantes, assim como a parceria com a Irmã Dulce, que durou toda uma vida. Com ela, firmou um pacto de silêncio quanto à sua participação financeira em todas as oportunidades. O combinado foi cumprido.

Ela se tornou santa, com muita justiça. E ele, o doutor Norberto, a quem a santa Irmã Dulce, bem como a Bahia, tanto conhece, não terá ressaltados os seus méritos?

Pois é. Hoje o doutor Norberto Odebrecht se conosco ainda estivesse, apesar da obscuridade das eventuais sombras, completaria um centenário de vitórias, de glórias e de luzes. Deus seja louvado! Embora os desvelados tropeços, que ele possa receber os eflúvios de paz e reconhecimento pelo bem esparzido, justamente na efeméride sempre importante, que é o dia do seu nascimento.

Saudades!

__

*Jornalista e diretor da ABI.

Wilson Midlej
Imprensa e História

“Trump e a imprensa – Tony Pacheco

Por Tony Pacheco*

O tema deste encontro é “Os seis meses do Governo Trump e a imprensa”**, por isso, peço licença aos presentes para abrir esta pequena fala com a conclusão de nossa coluna “GiraMundo” de 23 de agosto do ano passado, três meses antes da eleição de Trump. A coluna foi ao ar na CBN, a então rádio de notícias do Sistema Globo aqui em Salvador. Esta coluna talvez possa ainda ser conferida no podcast da rádio. Nós dissemos: “Donald Trump está empolgando a maioria branca que nunca vai às urnas. Se ele não mudar o discurso, terá uma vitória histórica. Gostemos ou não.”

E aí é que está a questão: a imprensa no caso de Trump, nos EUA e praticamente no mundo todo, resolveu TOMAR PARTIDO da candidata democrata, Hillary Clinton, esquecendo (entre aspas) que ela tinha uma rejeição enorme no eleitorado americano. Esquecendo, também, que metade dos americanos não vota, pois não é obrigatório. A maioria branca aproveita o dia da eleição para ir pescar, viajar, fazer churrasco com os amigos. Os brancos são maioria esmagadora, 200 milhões, e a imprensa esqueceu isso. E eles, brancos, mesmo tendo ficado extremamente mais pobres nos últimos 20 anos, foram TOTALMENTE ESQUECIDOS PELOS CANDIDATOS DEMOCRATAS E REPUBLICANOS NAS ÚLTIMAS ELEIÇÕES.

Os candidatos só se lembram dos cerca de 55 milhões de latinos e cerca de 45 milhões de negros, que são muito perseguidos MESMO, só que são minorias e como têm tudo a perder, vão em massa às urnas nos EUA.

Quando toda a mídia mundial dava como certa a eleição de Hillary Clinton, venceu aquele que por quase dois anos era chamado pela imprensa de “ignorante”, “fascista”, “retrógrado”, “racista”, “capitalista desalmado”. E alguém aí poderá dizer: “ah, agora é fácil teorizar sobre isso, a eleição já passou”.

Nós podemos teorizar sobre isso, porque fizemos a coluna “GiraMundo” da rádio CBN por quatro anos e no ano passado, três meses antes das eleições, dissemos várias vezes que Trump iria derrotar a candidata do Partido Democrata porque ele falava à maioria dos americanos que está vivendo o segundo pior empobrecimento de sua história, depois da Grande Depressão.

Leia também: Jornalistas analisam efeitos do governo Trump sobre a imprensa

E aqui queremos dizer: esqueçam a classe média americana que a imprensa, o cinema e a internet sempre mostraram. Há quase 20 anos que a classe média americana vem caindo. Se até meados dos anos 1990, esta classe média foi a campeã de bem-estar no mundo, hoje está atrás da maioria dos países da Europa Ocidental e atrás do Canadá, Japão e Coréia.

Segundo uma matéria do “The New York Times”, nestes primeiros anos do século XXI, 70% dos americanos não estavam felizes com suas vidas.

É AÍ QUE TRUMP ENTROU. ELE FALOU PARA ESTES 70% DE BRANCOS DESCONTENTES QUE NUNCA VOTAM, MAS QUE AGORA, COM O APERTO DA POBREZA ACENANDO PARA ELES, RESOLVERAM PARTICIPAR DO PROCESSO ELEITORAL. Aqui no Brasil, segundo investigamos, a imprensa ignorou o fator branco pobre: só nós na rádio CBN e Ricardo Amorim, no programa “Manhattan Connection”, da Globo News, sacaram isso. A MAIOR PARTE DA IMPRENSA BRASILEIRA E MUNDIAL FEZ COBERTURA PARTIDÁRIA ANTI-TRUMP NA ELEIÇÃO COMO CONTINUA FAZENDO AGORA.

A imprensa brasileira continuou difundindo a fantasia da “América grande” que já não existe mais. Os brancos americanos medianos estão lutando para sobreviver. Eles não têm curso universitário ou fizeram faculdade pública ou faculdade particular medíocre como as brasileiras.

Só 1% dos americanos, menos de 4 milhões de pessoas, têm renda superior a 600 mil reais por ano. Outros 15%, mais ou menos uns 50 milhões, têm renda entre 90 e 400 mil reais por ano.

A maioria, uns 200 milhões de americanos, fica patinando, correndo atrás de empregos melhores E OS EMPREGOS FUGIRAM para países como China, Indonésia, Brasil, Índia, Viet Nam, México. A maioria dos americanos nos últimos 20 anos está mergulhada em impagáveis hipotecas e outras dívidas.

VAMOS MOSTRAR AQUI APENAS TRÊS PONTOS QUE FIZERAM A VITÓRIA DE TRUMP E VÃO IMPEDIR SEU IMPEACHMENT:

1º) a casa própria virou um pesadelo nos EUA. Em Nova York 64% da população é de inquilinos. Em Miami, de cada 10 imóveis familiares, 7 pagam aluguel e apenas 3 são casas próprias. E isto se repete em todas as cidades americanas depois da explosão da bomba imobiliária de 2008. A coisa tá tão feia no setor da casa própria para a classe média branca dos EUA, que entre 2011 e 2015, brasileiros – ACREDITEM, BRASILEIROS! – compraram 2.100 imóveis em Miami e os americanos, muito pouco. Continuam na hipoteca. Isto não é um “case” de insucesso de uma classe média, é um “case” de fracasso dos governos anteriores a Trump;
2º) na área educacional, o cidadão de classe média americano gasta pelo menos 240 mil reais para se formar numa universidade pública ou numa fábrica de diplomas como as nossas. Isto leva a dívida dos jovens americanos com o sistema educacional a 1,5 trilhão de dólares, isto é, o Produto Interno Bruto do Brasil;
3º) Outro indicativo da pobreza dos brancos da classe média americana que a imprensa brasileira se recusou a pesquisar durante a campanha de Hillary contra Trump é o AUTOMÓVEL. O CARRO sempre foi um farol para a inveja do mundo inteiro sobre o estilo de vida superior dos americanos, vide os filmes que chegam até nós: vemos a mocinha chegar ao trabalho na lanchonete numa van luxuosa da Chrysler; ou o mocinho universitário indo às aulas com um Mustang zero. Nada mais falso. A idade média dos carros que rodam nos EUA, atualmente, é de 12 anos. Eu disse, 12 anos… O americano médio não pode mais trocar de carro como é mostrado no cinema. Só para comparar, o nosso pobre Brasil, de pessoas lenhadas e desempregadas, tem carros com idade média de 7 anos de uso apenas. Ou seja, o brasileiro já está posando de classe média mais rica do que a americana.

E ISSO A IMPRENSA BRASILEIRA E INTERNACIONAL NÃO VIU. NÃO VIU QUE TRUMP EXPLOROU EXATAMENTE ISSO EM SUA CAMPANHA. O lema da campanha de Trump foi “MAKE AMERICA GREAT AGAIN”.
Ou seja, “vamos fazer os EUA serem grandes como já foram um dia”. QUÊ AMERICANO BRANCO, VIVENDO A AMEAÇA DA POBREZA, IA RESISTIR A ESTE CHAMADO?

Donald Trump prometeu que ia governar e já está governando nestes primeiros seis meses, para esta maioria BRANCA que vive endividada, pagando aluguel e administrando carros velhos sem poder colocar os filhos numa faculdade decente…

Não há movimento de imprensa, intelectuais ou artistas que tire Trump do poder. SÓ SE ELE CEDER E MUDAR O DISCURSO, mas pela arrogância que ele continua mantendo firme e forte, e pela loucura desenfreada dos desesperados brancos mais pobres, ELE NÃO SERÁ DERRUBADO.

A IMPRENSA ESTÁ FAZENDO COBERTURA PARTIDÁRIA, DE NOVO, NOS EUA E NO RESTO DO MUNDO, INCLUSIVE AQUI NO BRASIL. TODOS PEDINDO O IMPEACHMENT DE TRUMP. Apontam que ele foi ajudado por Putin, o maluco oficial da Rússia, e esquecem que até um poste seria eleito contra Hillary se fizesse o discurso de Trump: FAZER OS AMERICANOS RICOS DE NOVO.

Só quem vai impedir Trump de se reeleger daqui a 3 anos é o próprio Trump, se deixar seu discurso e suas atitudes de lado e começar a rezar na cartilha dos liberais. Se continuar sendo o doido típico DOS BRANCOS da classe média baixa, não só se reelege como ainda faz o sucessor em 2024. E POSSO ESTAR TAMBÉM TOTALMENTE ENGANADO.

Foto: Luiz Hermano Abbehusen

______________________

*O jornalista Antonio Carlos Pacheco (Tony Pacheco) escreve também para o blog “Os Inimigos do Rei“, espaço inspirado no jornal baiano anarquista “O Inimigo do Rei“, criado em 1977 em meio a ditadura militar.

**Esta análise foi apresentada durante o debate “Os seis meses do Governo Trump e a imprensa”, realizado pela Associação Bahiana de Imprensa (ABI), no dia 20 de julho de 2017. Confira matéria sobre o encontro aqui.

Nossas colunas contam com diferentes autores e colaboradores. As opiniões expostas nos textos não necessariamente refletem o posicionamento da Associação Bahiana de Imprensa (ABI).
Artigos Notícias Pensando a imprensa

Artigo: A construção da memória da televisão no Brasil

Por Sérgio Mattos*

As produções acadêmicas sobre a televisão brasileira foram iniciadas em fins da década de 1960 e intensificadas a partir da década de 1980, com a multiplicação dos cursos de Comunicação e implantação de programas de pós-graduação. Em sua maioria, esses estudos, dedicam-se a analisar a produção, exibição, consumo, comercialização e propostas temáticas desse veículo.

Os primeiros trabalhos limitavam-se ao conteúdo de sua programação e seus efeitos sociais. Na década de 1970, muitos estudos procuravam a estrutura organizacional da mídia televisiva, analisando mensagens e efeitos no receptor, procurando desvendar suas relações com os grupos dominantes e demonstrando as características capitalista dependente da televisão dependente (MATTOS, 2007, p. 35).

Até o ano de 1980, o material bibliográfico sobre a televisão no Brasil era basicamente constituído por análises descritivas sobre o desenvolvimento desse veículo e como ele influenciou e foi utilizado pelas classes dominantes (MARQUES DE MELO, 1980).

Até o ano de 1990, os estudos acadêmicos sobre a televisão produzidos no Brasil não ultrapassavam a marca dos cem títulos (MATTOS, 1990). Até o ano 2000, quando a televisão festejou 50 anos ainda era possível identificar e quantificar livros, dissertações e teses focadas no assunto televisão (MATTOS, 2000).

Em comemoração aos 50 anos da televisão Brasil, no ano 2000, inúmeras publicações registraram o fato e divulgaram depoimentos de profissionais. Àquela época, foram identificados, classificados e descritos parte da bibliografia sobre a televisão brasileira, pois já era impossível identificar toda a produção existente (MATTOS, 2000).

Nos últimos 16 anos (2000 – 2016), muitas pesquisas foram realizadas e publicadas sem que tenhamos uma ideia exata do que está sendo feito por todo o país, o que nos leva a imaginar a necessidade de se resgatar, preservar e disponibilizar eletronicamente esses trabalhos.

Um levantamento aleatório nos sites dos Programas de Pós-Graduação, na CAPES e no CNPq, nos repositórios das Universidades ou uma consulta ao banco de dados do SciELLO Books e do Google/Internet, por exemplo, com palavras chaves, nos apresenta uma relação enorme de trabalhos realizados, com uma concentração nos seguintes temas: Recepção e os efeitos da mídia televisiva; O controle social da TV; Censura e TV; Programas educativos; TV Publica versus TV Privada; A propriedade cruzada na mídia; Políticas de Comunicação; Mercado de TV; Modelo de Negócio da Televisão; Poder e Televisão; TV por assinatura; Aspectos Mercadológicos; Produção de programas televisivos; Políticas de Comunicação; Questões de hegemonia, ideologia e dominação pela TV; Discurso televisivo; a Televisão como criadora da identidade nacional; Telenovela, Telejornal; e raros trabalhos sobre Legislação e estudos comparativos com outros países Latino americanos, no caso, os do Mercosul.; estudos de legislação apresentando indicadores comparativos da mídia televisiva no Mercosul; Mídia alternativa; estruturas televisuais na América Latina; O fenômeno da Web TV, Formatos e Linguagens; Processos midiáticos contra-hegemônicos, Regionalização da produção; e, Democratização da mídia televisiva.

Além desses, inúmeros são os trabalhos sobre emissoras de televisão, a exemplo da Rede Globo, em maior número, sobre programas específicos de uma emissora, como o jornal Nacional da Globo, ou programas evangélicos, sobre as emissoras públicas e educativas dentre muitos outros temas. Isto sem falar de uma quantidade imensurável de livros publicados, de cunho memorialista ou biográficos, que registram a história de emissoras e de indivíduos envolvidos no fazer televisão.

Saliente-se que a televisão também é estudada por pesquisadores das áreas de Antropologia, Educação, História, Psicologia e Publicidade, entre outras, que concentram seus estudos nos efeitos e influência da TV no comportamento, no desenvolvimento de hábitos de consumo e atitudes; no impacto das mensagens de violência e de erotismo no comportamento das audiências e no processo de ensino aprendizagem.

PROPOSTA DE ABORDAGEM – Mesmo sem ter o conhecimento de tudo o que se tem publicado e estudado sobre a televisão brasileira, todos os pesquisadores do campo têm consciência de que a história da televisão brasileira, com 66 anos de existência operacional, está cheia de lacunas a serem preenchidas. Muitos são os trabalhos realizados e publicados, mas para que possamos entender o seu processo de desenvolvimento é necessário pesquisar outros aspectos e detalhes até agora desconsiderados.

É de fundamental importância que os novos estudos sejam realizados sem dissociar a televisão do sistema de comunicação do país, do qual ela é apenas uma parte. A televisão deve ser “analisada como parte de um processo de mudanças e permanências das estruturas econômicas, políticas e sociais do país e não como parte isolada” (MATTOS, 2007, p.38). Para tanto, é necessário o uso de uma abordagem dentro do contexto social, econômico e político do país (MATTOS, 2009), de acordo com a tradição crítica latino-americana que tem por base o referencial teórico da Economia Política da Comunicação.

[…] para estudar as causas e efeitos do processo global, precisamos construir uma teoria crítica e social da globalização que seja mais abrangente do que as teorias identificadas como sendo de direita ou de esquerda.

[…] Os estudos que aplicam as teorias da globalização para explicar o que está ocorrendo com a televisão em determinado país, o Brasil, por exemplo, não podem deixar de considerar a realidade local em relação à realidade global, a regionalização versus a globalização.

[…] o desenvolvimento da nossa televisão também sofreu a influência direta e indireta das mudanças do contexto. Contexto que apresenta não uma, mas várias realidades, devido à anomalia que é a nossa história contemporânea, que torna quase impossível a tarefa de se estabelecer critérios com os rigores da historiografia sob pena de apresentarmos resultados com distorções (MATTOS, 2007, p 39-40).

Para uma melhor compreensão da evolução de um veículo como a televisão, no Brasil ou em qualquer outro país Latino Americano, é necessária a aplicação de uma estrutura de análise que considere como fundamental o contexto histórico com todas as suas nuances, socioeconômica, cultural e política. “pois só assim poderemos compreender, plenamente, a evolução da televisão e suas variações, no tempo e no espaço, devido às influências internas e externas” (MATTOS 2007, p.41).

Todos os estudos de aspectos particulares da televisão devem ser considerados como elementos interdependentes de um contexto global. Cada estudo realizado sobre a televisão deve levar em consideração que o assunto pesquisado – seja ele um aspecto de produção, um recorte de programação ou sobre uma emissora – continua sendo parte de um todo, recebendo influência do meio, atuando sobre ele e modificando a realidade. Precisamos estar conscientes da televisão como unidade em si e da inter-relação dela com o meio no qual está inserida, sofrendo influência e influenciando a realidade do contexto socioeconômico político e cultural (MATTOS, 2007, p. 41).

PROPOSIÇÕES – Considerando as tecnologias digitais e a convergência das mídias, devemos pesquisar se a televisão (aberta e fechada) e a Internet são ou não responsáveis pela queda acentuada da venda avulsa dos jornais nos últimos cinco anos apesar do sucesso crescente da mídia impressa de distribuição gratuita (MATTOS, 2014). Qual a influência direta da televisão aberta e da TV por assinatura na diminuição do índice de leitura de jornais, livros e revistas no país?

Muitas inferências e hipóteses têm sido levantadas sobre a influência da televisão, mas os pesquisadores precisam confirmá-las. Precisamos agora conectá-las e inseri-las no contexto histórico, socioeconômico, político e cultural para entendermos o que está acontecendo hoje. Enfim, precisamos encontrar uma nova maneira de entender a televisão como um dos veículos para a compreensão da realidade.

É necessário estudar o processo de produção em si e o processo de recepção como um ato de opção individual e não coletiva. É preciso realizar estudos qualitativos sobre como as mensagens são recebidas e processadas, levando-se em consideração o contexto e as experiências individuais e sem perder de vista que a televisão é apenas a parte de um processo que envolve a produção, circulação e consumo por meio dos quais os significados são construídos.

Precisamos, portanto, entre outras propostas, atualizar o Estado d’Arte da Televisão, criando um Banco de Dados, com todo o acervo bibliográfico produzido no país por Editoras Públicas e Privadas, além do material produzido pelas Universidades (dissertações de mestrado, teses de doutorado, monografias de conclusão de cursos de especialização em nível de pós-graduação e TCCs de graduação) sobre a televisão brasileira. É necessário, garantir que este inventário seja disponibilizado On Line, ao alcance de todos os pesquisadores.

Precisamos observar e comparar a mídia Televisão dentro do contexto histórico, socioeconômico, político e cultural do país, levando em consideração a sua interdependência e relações com todos os fatores intervenientes no processo.

Enfim, precisamos acompanhar a implantação da tecnologia digital e sua interferência direta no desempenho e produção de conteúdos televisivos, bem como o impacto que o Mobile TV está exercendo sobre o conteúdo da televisão.

REFERÊNCIAS

MARQUES DE MELO, José de. Comunicação e classes subalternas. São Paulo: Cortez, 1980.

MATTOS, Sérgio. A televisão no Brasil: 50 anos de história (1950-2000). Salvador: Editora PAS – Edições Ianamá, 2000.

MATTOS, Sérgio (Org.). Comunicação Plural. Salvador: EDUFBA, 2007 (Coleção Sala de aula, nº 4).

MATTOS, Sergio. Dilemas do Jornalismo Impresso na busca de um novo modelo de negócio. In: Revista Eptic Online, vol. 16, n.1,p.19-32, jan-abr., 2014.

MATTOS, Sérgio. História da Televisão Brasileira: uma visão econômica, social e política. Petrópolis: Editora Vozes, 5ª Edição, 2010.

MATTOS, Sergio. O Contexto Midiático. Salvador: IGHB, 2009.

MATTOS, Sérgio. Um Perfil da TV Brasileira: 40 anos de história (1950-1990). Salvador: ABAP/Jornal A Tarde, 1990.

* Sérgio Mattos é Jornalista diplomado pela UFBA, Mestre e Doutor em Comunicação pela Universidade do Texas, em Austin, Estados Unidos. É autor de 49 livros dentre os quais A História da Televisão Brasileira: uma visão econômica, social e política (Vozes, 2010, 5ª edição).

Publicado na EPTIC – Rede de Economia Política da Informação, Comuniação e Cultura

Disponivel em: http://eptic.com.br/coluna_cepos_sergiomattos/

Acesso em 15 de setembro de 2016

Link: http://eptic.com.br/coluna_cepos_sergiomattos/

Em pauta

Cinema, preleção e debate

[Aloísio da Franca Rocha Filho*]

A Bahia dos anos 60 era uma cidade província em busca de uma metrópole capital. Fazia esforço para esse avatar mas  o subdesenvolvimento freava uma modernidade mesmo que tardia.

Ninguém melhor narrou por imagens paradas – a fotografia- a vida  da cidade que aliás era de uma gostosura e de uma placidez  às vezes irritante senão Pierre Verger, um estrangeiro, não aquele que vem hoje e amanhã se vai, mas aquele que vem hoje e amanhã permanece.

“Quando você é a câmera e a câmera é você” como Verger fotografar na sua Rolleiflex esse mundo da comida, da dança, do canto, da proxêmica, das festas populares, do trabalho braçal, do corpo, do traje, dos lugares, dos candomblés, do porto, dos saveiros, etc. dessa Bahia foi um ato de ternura antropológico onde nada, absolutamente nada  escapou do seu clic,  embora  muitas vezes escapasse aos  olhos cotidianos dos baianos  que viam mas pareciam não lhes enxergar.

Da imagem parada para a imagem em movimento: o cinema. Contemporâneo a esse registro do mundo da cultura popular da Bahia emerge o cinema baiano signo dessa modernidade mas com um certo receio de mergulhar na  cultura  do povo, na sua identidade pois somente  olhando para si e para os seus o cinema poderia requerer o olhar dos cinéfilos e aderentes.

Walter da Silveira inaugura desde 1950 com o Clube de Cinema da Bahia um “roteiro cinematográfico” por assim dizer fora do circuito massivo dos filmes americanos tipo B e C, que dominavam o mercado distribuidor em pleno período da guerra fria e no inicio da ditadura militar. Era um projeto político cultural para  debater as inter relações do cinema nacional emergente  no contexto de um pais subdesenvolvido e  capitalista frente a agressiva ofensiva do  “monopólio absoluto de Hollywood” ,na época, uma espécie de colonialismo cultural nos trópicos a disseminar o “american way of life” sem qualquer contraposição fílmica nacional. Prestigiar o cinema nacional na linha de filmes que revelassem critério crítico, estético e político da nossa cultura era o projeto de Walter da Silveira daí o seu vivo interesse na filmografia de Roberto Pires diretor de “A Grande Feira” para ele um criador e diretor de “um cinema absolutamente contemporâneo”. Com pertinência ele indagava: “por que nós no Brasil, não nos insurgimos contra a nossa condição de colonos cinematográficos dos Estados  Unidos?” Então e depois Roberto Pires, Glauber Rocha e tantos outros souberam  com talento responder essa indagação.

Na seqüência do Clube e inspirado por Walter nasce o Cinema de Arte da Bahia logo  um marco cultural na cidade.  Sem ainda contraponto nacional cinematográfico expressivo à hegemonia de Hollywood  Walter da Silveira vai buscar este contraponto nas experiências fílmicas da Europa.

E aqui me vem a boa recordação dos primeiros filmes e sessões do Cinema de Arte da Bahia no Cine Guarany.  O Guarany, muitos lembram, criou um diferencial para o  início das suas sessões.  Ao som da ópera “O Guarany”, de Carlos Gomes, as luzes lentamente se apagavam até o  jornal.  Um troço elegante, bacana mesmo, próprio do auge e da distinção da era do cinema. Na entrada da sessão recebíamos uma espécie de “folder” com a ficha técnica, o elenco, a sinopse e foto de passagem do filme. Na sala de espera rolavam papos sobre a programação do Cinema de Arte, o “mundo” cultural e diversificado da Bahia que vivia uma efervescência, tudo temperado pelas línguas bem  humoradas de  um seleto público de escritores, professores,  artistas plásticos, atores e diretores de filmes e de teatro, jornalistas, profissionais liberais e estudantes.

Além de crítico de cinema Walter da Silveira era um bem sucedido advogado trabalhista. Antes da exibição não dispensava uma breve preleção voz grave e pausada mais ou menos assim: “meus amigos, vamos assistir hoje a uma obra prima do cinema…  O filme é do diretor …, inova na linguagem, na fotografia, no diálogo… e merece a nossa atenção para  percebermos essas inovações e apreciá-lo  Vamos assisti-lo em silêncio e com educação.” Após a sessão seguiam-se sempre provocativos debates.

Toda uma geração da Bahia deve a Walter da Silveira essa guinada  para conhecer e prestigiar não só  o cinema nacional, mas a  “nouvelle vague”francesa,  o neo-realismo italiano, o cinema espanhol, o sueco, o alemão, o russo, o tcheco, o japonês. Godard, Truffaut, Resnais, Pasolini, De Sica, Fellini, Visconti, Buñuel, Bergman, Eisenstein, Kurosawa todos  na magistral   programação “Sete Semanas de Filmes Estrangeiros” 49 primorosos filmes exibidos. Lembram?

Onde estiver, obrigado Walter da Silveira!

*Aloisio da Franca Rocha Filho – Jornalista. E-mail: <[email protected]>.  Artigo originalmente publicado na Tribuna da Bahia, no dia 14 de setembro, pág. 11 – Cidade