Notícias

Um dia depois de o governo argentino rasgar Clarín, promotora confirma existência de provas

Em meio ao escândalo da morte do procurador-geral argentino Alberto Nisman, a promotora responsável pela investigação do caso, Viviana Fein, se tornou o centro das atenções nesta semana. Nesta terça-feira (3), ela precisou vir a público explicar uma declaração em que ela desmentiu o próprio Ministério Público sobre a existência de um documento encontrado no lixo do apartamento de Nisman, morto no último dia 18 em um suposto suicídio. O documento seria o rascunho de um pedido formal de prisão da presidente Cristina Kirchner, do chanceler Héctor Timerman e do deputado Andres Larroque, do grupo político de Cristina. O governo argentino reagiu de forma rígida ao assunto, dizendo que Viviana Fein cometeu um “papelão fenomenal”, um dia depois de rasgar em público uma edição do diário Clarín, responsável pela publicação da reportagem sobre o pedido de detenção encontrado no lixo de Nisman.

Alberto Nisman - Foto: reprodução
Autoridades argentinas teriam encontrado pedido de prisão da presidente Cristina Kirchner no lixo do apartamento de Alberto Nisman – Foto: reprodução

Na terça, Viviana disse à rádio Vorterix, de Buenos Aires, que o rascunho havia sido encontrado no local da morte de Nisman e fazia parte dos autos da investigação do caso. Horas antes, o Ministério Público tinha publicado uma carta em que negava a existência do documento. Na noite desta terça, ela voltou a falar com a imprensa, em entrevista coletiva, para explicar a confusão. “Todos cometemos erros. A documentação está preservada, as medidas tomadas e continuamos trabalhando. Eu assumo um erro involuntário na resposta à pergunta sobre a documentação. Assumo que me equivoquei e ratifiquei a mensagem”, afirmou.

Nesta quarta-feira (4), o jornal La Nacion publicou uma entrevista com o promotor-geral do Ministério Público da Argentina, Ricardo Saénz, em que ele afirma que Viviana Fein vai sair de férias dentro de quinze dias. “É uma decisão pessoal e que eu não posso interferir. Ela tinha férias planejadas antes do caso. Eu entendo que isso não vai interferir em nada na investigação. Por escolha dela, vamos colocar dois promotores para cuidar do assunto: Adrián Peres e Fernando Fisze”, disse. “Não tiro férias desde 2014 e tenho a autorização de Sáenz para isso. Eu já escolhi dois promotores independentes para cobrir minha ausência”, completou ela, nesta terça. Em viagem oficial a China, Cristina Kirchner não fala sobre o assunto desde o final de janeiro.

Leia também:

Outras questões, no entanto, colaboram para o aumento da pressão sobre Fein. A primeira surgiu quando declaração da promotora desmentiu a própria presidente. Cristina havia dito , na primeira carta que publicou em sua conta no Facebook, que Nisman havia interrompido férias na Europa para regressar a Buenos Aires. Mas Fein disse que a passagem da compainha aérea provava que o retorno foi marcado com antecedência, na compra da passagem. Nisman regressou a Buenos Aires no dia 12 de janeiro, apresentou a denúncia no dia 14 e morreu no dia 18.

*Informações do Valor e do site Brasileiros.

Notícias

Chefe de Gabinete argentino rasga páginas do Clarín diante da imprensa

DEU NA EFE – O chefe de Gabinete do Executivo da Argentina, Jorge Capitanich, rasgou em pedaços nesta segunda-feira (2) duas páginas do jornal “Clarín” durante uma entrevista coletiva, na qual denunciou um “confronto político” de “meios opositores” contra o governo, após a justiça argentina ter desmentido recentemente uma notícia do jornal sobre a presidente Cristina Kirchner. Capitanich rasgou as páginas com uma matéria sobre a suposta existência de um esboço de denúncia do promotor Alberto Nisman, morto em circunstâncias não esclarecidas, no qual ele solicitaria a prisão de Cristina Kirchner por suposto acobertamento de acusados iranianos pelo atentado de 1994 contra a associação judia Amia.

Segundo o Clarín, a minuta da denúncia, com várias linhas riscadas, teria sido encontrada na lata de lixo da casa do promotor após sua morte, com um disparo na cabeça, em 18 de janeiro, e incorporada aos autos da investigação. A informação do Clarín foi desmentida horas depois pelo juiz do caso, Ariel Lijo. O magistrado esclareceu que as rasuras foram realizadas pelo próprio juiz e que na denúncia de Nisman não consta “nenhum pedido substancial em relação aos supostos acusados”.

Leia também: Jornalista que denunciou morte de Nisman deixa a Argentina por medo de morrer

Após rasgar as páginas do jornal, o chefe de Gabinete denunciou “um confronto político urdido nos meios opositores” e advertiu que em 2015 “isto vai ser assim, vai ser uma dinâmica muito ativa neste ano eleitoral”.

Alberto Nisman morreu em circunstâncias ainda não esclarecidas na véspera de apresentar no Congresso detalhes de sua denúncia contra a presidente argentina e vários de seus colaboradores. Segundo Nisman, a denúncia se baseia em evidências reunidas mediante escutas telefônicas sobre as manobras do governo argentino para “livrar de toda suspeita os acusados iranianos” e “fabricar a inocência do Irã” no atentado contra a Amia, que deixou 85 mortos.

Confira o vídeo abaixo:


Chefe de Gabinete argentino rasga páginas do… por thevideos11