ABI BAHIANA Notícias

No Dia da Imprensa, exposição fotográfica comemora centenário de Jorge Calmon

Em parceira com a Federação do Comércio do Estado da Bahia (Fecomércio-BA), a Associação Bahiana de Imprensa (ABI) inaugura a exposição fotográfica alusiva ao centenário de Jorge Calmon, para homenagear o jornalista, o professor, que esteve à frente da entidade entre os anos de 1970 e 1972. No próximo dia 1º de Junho, data em que também é celebrado o Dia da Imprensa, às 17h, o foyer da Casa do Comércio vai abrigar a mostra cuja curadoria é do fotógrafo Valter Lessa, diretor da ABI.

Serão expostas 20 fotos Jorge Calmon (1915-2006), ofertadas pela família. Os flagrantes selecionados exibem o jornalista em instantes com personalidades políticas nacionais e internacionais, com a família, sendo que há um número maior delas relacionado com as homenagens que lhe foram prestadas em 1995, quando da passagem dos 80 anos dele.

Serviço

O que: Exposição Fotográfica Centenário de Jorge Calmon

Quando: 1º de junho (segunda-feira), às 17h

Onde: Casa do Comércio – Foyer (Av. Tancredo Neves, 1109 – Pituba – Salvador)

Quanto: Entrada franca

Informações: (71) 3273-9800

ABI BAHIANA

ABI abre mostra fotográfica sobre Jorge Calmon na Casa do Comércio

A Associação Bahiana de Imprensa (ABI), em parceira com a Federação do Comércio do Estado da Bahia (Fecomércio-BA) vai inaugurar a exposição fotográfica comemorativa ao Centenário de Jorge Calmon, para homenagear o jornalista, o professor, o político, que esteve à frente da entidade entre os anos de 1970 e 1972. No próximo dia 1º de Junho, data em que também é celebrado o Dia da Imprensa, às 17h, a Casa do Comércio vai abrigar a mostra cuja curadoria é do fotógrafo Valter Lessa, diretor da ABI. Serão expostas 20 fotos Jorge Calmon (1915-2006), ofertadas pela família. Os flagrantes selecionados exibem o jornalista em instantes com personalidades nacionais e internacionais, com a família, sendo que há um número maior delas relacionado com as homenagens que lhe foram prestadas em 1995, quando da passagem dos 80 anos dele.

A ABI constituiu, em 2014, uma comissão encarregada de organizar a programação do centenário do jornalista. Uma reunião convocada pelo presidente da ABI, Walter Pinheiro, e pelo jornalista e presidente da comissão, Samuel Celestino, no dia 7 de julho – data em que Jorge Calmon completaria 99 anos -, reuniu em sua sede mais de dez instituições que tiveram a história marcada pela passagem do jornalista. Com um ano de antecedência, o encontro marcou o início da troca de experiências entre as entidades, que discutiram propostas para a programação que só tem crescido. Entre as principais iniciativas estão a missa da Basílica de Senhor do Bonfim no dia 07 de julho – dia do centenário –, às 10h, concelebrada pelo arcebispo dom Murilo Krieger e outros sacerdotes, assim como a sessão especial da Academia de Letras da Bahia (ALB), na noite de 9 de julho.

Em setembro, quando o Tribunal de Contas do Estado (TCE) completará seus primeiros 100 anos, algumas personalidades serão agraciadas com a Medalha Jorge Calmon, distinção que o TCE faz ao ex-conselheiro que completaria também 100 anos. Em 10 de setembro, quando a Ordem dos Advogados do Brasil-Seção da Bahia (OAB-BA) conceder o Prêmio OAB-BA de Jornalismo Barbosa Lima Sobrinho, distinguirá o 1º lugar na categoria impresso com a placa alusiva à passagem dos 100 anos de Jorge Calmon.

Prevista para ser inaugurada no dia 13 de Maio, no Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB), a exposição foi adiada por causa das obras ora em execução no prédio da Casa da Bahia. Já o 1º de Junho celebra o dia (de 1808) em que Hipólito da Costa estreou o seu Correio Braziliense, reconhecido como o primeiro jornal brasileiro – apesar de impresso em Londres. A data escolhida para a inauguração da mostra não poderia, portanto, ser mais oportuna. O jornalista Jorge Calmon foi um dos criadores do curso de Jornalismo da Universidade Federal da Bahia (UFBA), trabalhou no jornal A Tarde a partir da década de 1930 e afastou-se da direção geral e da redação após 60 anos de atuação contínua.

*Com informações de Luís Guilherme Pontes Tavares, diretor de Cultura da ABI

ABI BAHIANA Notícias

Lygia Sampaio expõe no Museu de Arte Sacra 60 anos de trajetória

Dia 23 de outubro, às 19h, será a abertura da mostra que traz obras desta premiada artista baiana, única mulher a integrar o movimento de renovação das artes na Bahia e museóloga idealizadora do Museu de Imprensa da Associação Bahiana de Imprensa (ABI)

Nos anos 40 e 50, a Bahia passou por um movimento artístico que trouxe o experimentalismo estético definidor do modernismo nas artes visuais da cidade. No meio de artistas que viriam a se tornar renomados como Mario Cravo, Caribé, Rubem Valentim e Carlos Bastos, uma única mulher participou desse movimento renovador: Lygia Sampaio (86), que comemora 60 anos de trajetória com a exposição Lygia Sampaio 60 anos de pena e pincel, com abertura no dia 23 de outubro, às 19h, no Museu de Arte Sacra da UFBA.

Lygia-Sampaio-cover2A exposição reúne 58 obras, divididas em duas temáticas: Santas e Flores e Personagens e Cenas da Bahia. Na primeira, estão reunidas as Santinhas, nome carinhoso dado pela artista ao se referir as imagens de Nossa Senhora pintadas recentemente. Na segunda, pinturas como Cici e Vardete (1949), primeiro óleo pintado pela artista e a premiada tela Menina de Plataforma (1950). O ineditismo é uma característica dessa exposição, pois traz parte da coleção particular de Lygia, poucas vezes vistas em Salvador. Nesta mostra, o público terá acesso à riqueza e à diversidade de temas e técnicas que compõem a trajetória de mais de 60 anos de produção desta importante, porém pouco conhecida, artista plástica baiana. São trabalhos a óleo, aquarelas, desenhos a bico de pena e técnica mista, que datam de 1949 a 2014, muitos deles colocados  à venda pela primeira vez nesta exposição.

Lygia entrou na Escola de Belas Artes em 1948, aos 20 anos de idade, onde desafiou os padrões vigentes da sociedade, aventurando-se em lugares considerados impróprios para uma moça daquela época. Essa incursão na vida popular urbana de Salvador é visível nas suas pinturas. “No atelier da Barra mostrávamos o que fazíamos, era um ambiente alegre e encorajador. Por vezes saíamos juntos, conversando os nossos assuntos, passeávamos inocentemente  pela cidade, do Rio Vermelho a Ribeira e Plataforma, buscando uma intimidade maior, visual e sensitiva, com a cidade que era a nossa fonte de motivos e de inspiração”, relata a Lygia em depoimento registrado no catálogo da exposição de 1981. Devido ao academicismo da Escola de Belas Artes, a artista não concluiu o curso, transferindo-se para o curso de Museologia, área na qual se formou e passou a atuar profissionalmente até sua aposentadoria.

SERVIÇO: 

Exposição: Lygia Sampaio 60 anos de pena e pincel

Abertura: 23/10/14 (quinta-feira), às 19h

Visitação: 24/10/14 a 31/01/15 (segunda-feira a sexta-feira, das 11:30h às 17:30h)

Local: Museu de Arte Sacra da UFBA  Sala de exposições temporárias do MAS. Tel: 71 3283-5591

Rua do Sodré, 276 Centro Salvador – Bahia <[email protected]>

*Informações da Secult – Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.