Notícias

II prêmio de jornalismo sobre HIV abre inscrições

Jornalistas de todo o Brasil já podem se inscrever para a segunda edição do Prêmio Jornalismo Investigativo em HIV/Aids na América Latina e Caribe, realizado pela Aids Healthcare Foundation (AHF) em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e a Faculdade Cásper Líbero.

De acordo com os organizadores da competição, os trabalhos jornalísticos devem ter sido publicados em 2017 e precisam estar relacionados ao tema do HIV (prevenção, serviços e ações que permitam às pessoas conhecerem sua sorologia, acesso a tratamento de qualidade, as histórias de vida de pessoas que vivem com o HIV, o estigma frente ao vírus e as barreiras culturais para a testagem e cuidados, entre outros).

Haverá um prêmio para cada categoria, que são as seguintes: mídia impressa, online e audiovisual (vídeo e rádio). Os ganhadores do prêmio no Brasil participarão com os premiados de países da América Latina e do Caribe do workshop internacional “A última arrancada para acabar com a AIDS”, que acontecerá na cidade de Oaxaca, no México, de 12 a 14 de abril. Todos os custos com passagens aéreas, hospedagens e refeições serão assumidos pela AHF.

As inscrições no concurso vão até 28 de fevereiro. Para participar, o jornalista deve enviar para o e-mail [email protected] a versão original (cópia) e a versão em word de suas reportagens (ou série de reportagens) publicadas entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2017, em jornais impressos, revistas ou sites de notícias online. Para trabalhos audiovisuais (vídeo e rádio, basta encaminhar um link para o vídeo no YouTube.

*Informações da Associação Brasileira de Imprensa (ABI)

Notícias

Prevenção eleva chances de cura do câncer de mama para cerca de 90%

Campanhas anuais querem diminuir índices de morte por câncer tratável

Sentada no banco da recepção de uma clínica em Salvador, a assistente administrativa Marlene Costa aguardava o resultado da sua mamografia. Não era mais uma de tantas feitas ao longo dos seus 50 anos. Mas a segunda em seis meses. Para Marlene, nunca houve surpresa com o exame. Só que em 2010, antes mesmo de fazer a mamografia, notara algo atípico através do autoexame: um pequeno caroço na mama esquerda. Procurou, então, sua ginecologista para fazer o exame de imagem, que deve ser rotineiro na vida de qualquer mulher a partir de 40 anos e serve para analisar o tecido mamário e identificar qualquer anormalidade capaz de se desenvolver em um câncer de mama.

A primeira mamografia detectou um nódulo pequeno, mas Marlene foi orientada a refazer o exame seis meses depois. Casada e mãe de uma filha jovem, ela voltou para casa e decidiu não compartilhar com ninguém a suspeita. Na segunda mamografia e ultrassom da mama, foram encontrados nódulo e lesões suspeitas de categoria bi-rads 4, que necessitam de avaliação mais detalhada para descobrir se seria um tumor benigno ou um câncer. Ela foi submetida a uma biópsia que completou o diagnóstico.

marlene-costa-reproducao-arquivo-pessoal“A médica veio em minha direção, me levou à sua sala e disse: ‘Sente aqui para conversarmos. Achamos um câncer de mama em fase inicial e você vai precisar ser forte”. E a primeira reação de Marlene foi dizer, com a voz firme: “Tem cura! O que você mandar, eu faço”, conta. “Trabalhei a coragem e a fé, primeiro em Deus, depois, na medicina. Em nenhum momento veio a sensação de desesperança. Minha reação foi encarar a doença com força e confiança desde o início”, conta a assistente. Voltou para casa e, dessa vez, ela não guardou segredo. Dividiu a informação com a família, que a apoiou.

O diagnóstico

O comportamento de Marlene difere da maioria das mulheres, já que cerca de 20% das diagnosticadas acham que o câncer é uma sentença de morte, como revelou um levantamento inédito requisitado pelo Instituto Avon, feito com 1.752 pessoas em 50 cidades brasileiras pelo Data Popular. Na verdade, 70% dos casos são curados, e essa porcentagem salta para 95% quando o câncer é detectado precocemente. Por isso, é de extrema importância estar em dia com a mamografia. É o que afirma o chefe do serviço de oncologia do Hospital Aristides Maltez (HAM), em Salvador, Dr. José Alberto Nogueira.

Ao longo dos 25 anos de atuação, o oncologista presenciou o desespero de diversas mulheres ao receber a notícia, mas também coleciona inúmeras experiências exitosas. Ele, que é o atual coordenador da residência médica em oncologia clínica da unidade, reforça a importância das campanhas de prevenção do câncer. Incentivador de ações como o Outubro Rosa e o Novembro Azul, o médico acredita que os movimentos de conscientização vêm contribuindo para a detecção da doença e para a derrubada do mito de que o câncer é uma sentença de morte. “Tudo depende de como ela é orientada. O câncer de mama tem cura, e nós temos ferramentas e tratamentos que prolongam a vida das pacientes. O nosso trabalho é tentar minimizar a sensação de perda trazida, por exemplo, pela queda do cabelo”.

Tratamento e superação

Em meados de 2010, Marlene foi submetida à cirurgia. Como a doença foi descoberta em estágio inicial, não foi necessária a retirada da mama. Em vez disso, foram retirados o nódulo maligno e os gânglios linfáticos da axila. Ela passou por sessões de quimioterapia, em que são ministradas drogas intravenosas para matar as células cancerígenas, seguida de radioterapia, um tratamento local focado em eliminar o restante de células cancerígenas por meio de radiação.

Durante o tratamento, ela encontrou mulheres em situação semelhante e as encorajou a lutar pela vida. “Fiquei mais fraca, mais debilitada, mas continuei levando uma vida quase normal. Eu fazia exercícios, caminhadas, não tive náusea, me alimentava bem. Não esperei o cabelo começar a cair, eu mesma cortei. Perdeu o cabelo? Se ganha outro”.

fala-marleneDepois de todo o processo, Marlene conseguiu vencer o câncer. “Minha maior lição foi valorizar mais a vida, observar mais meu corpo. O segredo é manter a alegria de viver”. Mas isso não significa que estava livre de acompanhamento. Durante cinco anos o paciente deve ser submetido a um monitoramento. Depois desse período, as chances de ter câncer é igual as da população comum.

Além disso, mulheres que sofreram da doença devem reforçar a atenção com exames preventivos. Aquelas que possuírem histórico da doença em parentes de primeiro grau devem começar a partir dos 35 anos. A mamografia e o autoexame são as primeiras formas de identificar a doença, mas cerca de 50% das mulheres não se submetem a eles, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca). Entre essas, metade alega ter medo de descobrir a doença durante o exame.

Dr. José Alberto Nogueira alerta que isso é um contrassenso. “Quanto mais rápido é descoberta a doença, mais promissor é o tratamento. E nem sempre é necessário recorrer à retirada da mama – a mastectomia –, o grande medo das pacientes. O apoio da família e amigos é muito importante porque a estabilidade emocional faz com que a ela vença mais facilmente essa barreira”, reforça o oncologista. Segundo o especialista, os cuidados básicos para prevenir a doença são fazer o autoexame, praticar exercícios físicos, ter uma alimentação balanceada, dormir bem, evitar o uso indiscriminado de hormônios e observar fatores de risco na família.