Notícias

Execuções lideram lista da ONU de violações de direitos humanos no Irã

DEU NO G1 (da REUTERS) – O Irã realizou uma quantidade “profundamente perturbadora” de execuções no ano passado e não manteve a promessa de proteger minorias étnicas e religiosas, afirmou a Organização das Nações Unidas (ONU) nesta terça-feira em seu relatório anual sobre a situação dos direitos humanos no país. O documento do escritório do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, ao Conselho de Direitos Humanos da organização catalogou as preocupações da ONU com as violações de direitos humanos no Irã contra mulheres, minorias religiosas, jornalistas e ativistas.

Foto: MEHR
Na lista de países com o maior número de execuções em todo o mundo, o Irã aparece em segundo lugar, atrás da China – Foto: MEHR

O relatório foi publicado no mesmo mês em que o Irã e grandes potências esperam selar um acordo preliminar sobre o programa nuclear iraniano, que Teerã diz que poria fim às sanções que sofre atualmente. Na segunda-feira, o ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, reclamou ao conselho sobre “dois pesos e duas medidas” e “uma compulsão quase incontrolável” para politizar temas.

Acredita-se que o Irã executou pelo menos 500 pessoas entre janeiro e novembro de 2014, e possivelmente muitas mais, afirma o relatório. A maioria das vítimas não teve um julgamento justo, e mais de 80 por cento dos executados estavam envolvidos com drogas, afirma o documento. “O secretário-geral continua profundamente preocupado com o ainda grande número de execuções, incluindo de prisioneiros políticos e de jovens”, declarou, repetindo um pedido da ONU de moratória à pena de morte e de proibição de execução de jovens. O relatório diz que o Irã não manteve a promessa de seu presidente,  Hassan Rouhani, de “ampliar a proteção a todos os grupos religiosos e fazer emendas na legislação que discrimina minorias”.

Notícias

Correspondente do ‘Washington Post’ será julgado no Irã

Sem dar detalhes sobre as acusações, o procurador geral de Teerã, Abbas Jafari-Dolatabadi, anunciou que o caso do correspondente do jornal “Washington Post”, Jason Rezaian, foi enviado ao Tribunal Revolucionário, que lida principalmente com casos que envolvem crimes contra a segurança. “Após o final da investigação, a ata de acusação foi redigida e o caso de Jason Rezaian foi encaminhado”, declarou à agencia Fars. Ele também acrescentou que a mãe do jornalista detido há quase seis meses, que está no Irã, encontrou seu filho em duas ocasiões, no final de dezembro.

Rezaian (38), que é iraniano-americano, trabalhava em Teerã desde 2012. Ele foi preso em 22 de julho passado com sua esposa, Yeganeh Salehi (30), colaboradora do jornal dos Emirados Árabes The National, e outro casal de jornalistas que foi liberado em seguida. As forças de segurança foram até a casa dos jornalistas e confiscaram seus bens pessoas, incluindo computadores, livros e notas. Conforme declarações de um funcionário do Judiciário do Irã, em meados de agosto passado, eles foram presos como parte de questões ligadas à segurança da república islâmica. Ainda em agosto, um jornal conservador mencionou acusações de espionagem. No entanto, as acusações específicas não foram divulgados na época, nem foram listadas nos meios de comunicação do Estado.

Leia também: Irã liberta jornalista presa desde julho

Libertada em outubro de 2014 sob fiança, Salehi não pode mais trabalhar como jornalista no Irã. Já a detenção do correspondente foi prolongada em 60 dias no dia 4 de dezembro, segundo sua família. Em dezembro, Rezaian foi levado perante um juiz na capital iraniana para ouvir acusações oficialmente levantadas contra ele e foi negado um pedido de fiança. Os Estados Unidos pediram em diversas ocasiões a libertação de Rezaian, mas o Irã não reconhece a dupla nacionalidade, e por isso rejeitou os apelos do Departamento de Estado americano.

“Nós ainda não sabemos o que as autoridades iranianas têm a alegar contra nosso correspondente Jason Rezaian, mas esperamos que o encaminhamento de seu caso a um Tribunal Revolucionário represente um passo em direção à libertação imediata de Jason”, disse em um comunicado Martin Baron, editor-executivo do Washington Post.

O ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, declarou nesta quarta-feira que “o governo iraniano está fazendo o seu melhor para ajudar”, mas que se trata “de um assunto judicial”. Zarif fez estas declarações em Genebra, onde encontrará o secretário de Estado americano, John Kerry, como parte das negociações nucleares entre o Irã e as potências do grupo 5+1 (Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia, China e Alemanha).

*Informações da AFP e BBC.

Notícias

Irã liberta jornalista presa desde julho

Autoridades do Irã libertaram a jornalista Yeganeh Salehi, de 30 anos, colaboradora do jornal dos Emirados Árabes The National. Libertada sob fiança, a esposa de Jason Rezaian, correspondente do jornal The Washington Post em Teerã, havia sido detida junto ao marido e outro casal de jornalistas – que já foi libertado –, em julho deste ano. Rezaian (38), que é iraniano-americano, permanece detido, de acordo com informações divulgadas pelo Post nesta segunda-feira (6). Os Estados Unidos solicitaram a libertação do profissional, mas o Irã não reconhece a dupla nacionalidade, e por isso rejeitou os apelos do Departamento de Estado americano.

Segundo o The National, o irmão de Rezaian, Ali Rezaian, afirmou que Salehi foi solta no fim da semana passada, após ter tido permissão para visitar seu marido. Ali Rezaian ainda teria declarado que os dois estavam “psicologicamente saudáveis” e que a família de Salehi no Teerã não comentará o caso com a imprensa e pediu privacidade. Ele acrescentou que Salehi não pode mais trabalhar como jornalista no Irã e não deu mais detalhes.

Yeganeh Salehi e seu marido Jason Rezaian, que permanece detido/ Foto: Reprodução
Yeganeh Salehi e seu marido Jason Rezaian, que permanece detido/ Foto: Reprodução

O casal foi preso em 22 de julho como parte de questões ligadas à segurança da república islâmica, conforme declarações de um funcionário do Judiciário do Irã, em meados de agosto. As forças de segurança foram até a casa dos jornalistas e confiscaram seus bens pessoas, incluindo computadores, livros e notas. Ainda em agosto, um jornal conservador mencionou acusações de espionagem. No fim de julho, outro funcionário falou de ‘atividades dos inimigos (do Irã) e de seus agentes’, em relação às duas detenções.

O diretor-geral do departamento de meios de comunicação estrangeiros no ministério iraniano da Cultura, Mohamad Kushesh, afirmou aguardar uma nova definição sobre o caso. “Esperamos que Jason Rezaian seja libertado em breve”, acrescentou. O executivo disse que sua pasta está fazendo o possível para que Rezaian também seja libertado, embora tal decisão não esteja em sua alçada. Em comunicado, a família de Yeganeh agradeceu a libertação. “Estamos convencidos de que Jason não cometeu nenhum crime, e rezamos para que o governo iraniano chegue à mesma conclusão e o liberte também”.

*Informações da AP e da AFP  via Estadão.