ABI BAHIANA

Sessão especial na ABI exibe documentário sobre o Caso Geovane

Preso, torturado, degolado vivo, queimado, esquartejado. O trágico destino de Geovane Mascarenhas de Santana, cujo assassinato por policiais militares em 2014 ficou posteriormente conhecido como “Caso Geovane”, será lembrado na sede da Associação Bahiana de Imprensa (ABI). No aniversário de 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, 10 de dezembro, a Sala Roberto Pires, exibirá às 18h o documentário “Sem Descanso” (2018). A obra, do cineasta francês Bernard Attal, narra a saga de Jurandhy Silva de Santana em busca de seu filho, desaparecido após uma abordagem policial no bairro da Calçada, em Salvador.

No dia 13 de agosto de 2014, uma reportagem do jornalista Bruno Wendel para o jornal Correio* revelava o desaparecimento da vítima. Segundo a matéria, uma câmera de segurança flagrou o momento em que Geovane, de 22 anos, foi levado no fundo de uma viatura. Dois dias após a publicação ganhar as ruas, o corpo carbonizado foi encontrado. As investigações chegaram a 11 policiais, que foram denunciados pelo Ministério Público por homicídio, sequestro e ocultação de cadáver.

O documentário Sem Descanso foi lançado no dia 17 de novembro, durante o Panorama Internacional Coisa de Cinema, mais relevante evento de cinema da Bahia. De acordo com Bernard Attal, a série de reportagens “Onde está Geovane?”, produzida pelo jornal Correio*, motivou a realização do filme. Attal, que divide o roteiro com a jornalista e produtora cultural Fabíola Aquino, destaca a importância do jornalismo investigativo. “Achei muito bacana porque o jornal acompanhou o pai, não deixou a história cair”. Para ele, o desfecho do caso só foi possível por causa da obstinação de Jurandhy, que não descansou até saber o destino do seu filho.

“Sem descanso” foi dedicado a Sérgio Costa, que morreu em 2016 e era editor-chefe do jornal Correio* quando o crime aconteceu. De acordo com Bruno Wendel, o papel de Costa foi fundamental para a continuidade da apuração. A obra, inclusive, conta com depoimentos de Sergio Costa, Bruno Wendel e Juan Torres, editor do jornal na época. Pela série de reportagens, Bruno Wendel foi indicado ao Prêmio ExxonMobil de Jornalismo (antigo Prêmio Esso) e venceu o Prêmio OAB de Jornalismo.

A sessão ambientada na ABI dispõe de 20 lugares. Para ter acesso, os interessados devem enviar um e-mail de confirmação de presença (RSVP) para <[email protected]>. No Edifício Themis, vizinho do Edifício Ranulpho Oliveira, onde está situada a sede da ABI, há um estacionamento. Acesso pela Rua D’Ajuda.

 

Serviço

Exibição do filme “Sem descanso” (2018)

Data: 10/12/18, às 18h

Local: Sala Roberto Pires (sede da ABI – 2º andar do Ed. Ranulpho Oliveira – Rua Guedes de Britto, 1 – Praça da Sé)

Entrada franca (20 lugares)

ABI BAHIANA

Museu de Imprensa da ABI exibe filmes para estudantes da rede pública de ensino

Como parte da 12ª Primavera dos Museus, promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), o Museu de Imprensa da ABI vai exibir no dia 19/09 (quarta-feira) dois curtas-metragens para estudantes das redes municipal e estadual de ensino. Foram convidadas escolas situadas no Pelourinho, no Centro Histórico de Salvador. As sessões serão realizadas na Sala de Exibição Roberto Pires, na sede da ABI (Praça da Sé).

Pela manhã, a partir das 9h, o Museu exibirá “A menina que odiava livros”, seguido de uma atividade relacionada ao Dia Internacional da Paz, celebrado anualmente no dia 21 de setembro. A partir das 14h, será a vez do filme “Balú”. Depois da exibição, haverá uma dinâmica com o Dado da Paz.

“A menina que odiava livros”(2006), curta-metragem realizado por Jo Meuris com base no livro homônimo de Manjusha Pawagi e Jeanne Franson, é uma obra de incentivo à leitura. Ele conta a saga de Meena, uma garota que odiava livros, mas vivia em uma casa cheia deles. Um dia, ao subir em uma enorme pilha de livros infantis para salvar o seu gato Max, derruba os livros. Abertos pela primeira vez, as páginas dos livros libertam as personagens e Meena mergulha no oceano da literatura.

Já o curta-metragem baiano “Balú” (2014) conta a história de um menino que tem como único amigo um cachorro vira-lata. Um dia, o cachorro desaparece misteriosamente. E em busca do amigo perdido, o menino vai embarcar numa grande aventura pelas ruas do seu próprio bairro. Com direção de Paula Gomes, o filme, que foi rodado totalmente em Plataforma, contou com a participação de crianças e jovens do local, tanto no elenco como na equipe técnica.

Educação – A cada edição da Primavera dos Museus, o Ibram lança um tema para fomentar as discussões e inspirar os eventos propostos pelos museus ou instituições culturais. Este ano o tema é Celebrando a Educação em Museus, que tem como embasamento o Caderno da Política Nacional de Educação Museal (PNEM), lançado no último mês de junho. A publicação aborda o processo de criação da PNEM, bem como os princípios e diretrizes dessa política, que visa nortear gestores, educadores e demais interessados na prática da educação museal. Para a entidade, os museus devem ser reconhecidos como espaços plurais, que propiciam vivências diversas e trocas constantes de conhecimentos e experiências e, nesse sentido, a educação permeia todos os seus cantos. Para saber mais sobre o tema, clique aqui.

Sinopses

A menina que odiava livros  “A Menina que Odiava Livros” é um curta-metragem que adapta o livro homônimo de Manjusha Pawagi e Jeanne Franson. Ele conta a história de Meena, uma garota que odiava livros, mas que não conseguia ficar longe deles, porque em sua casa eles estavam por toda parte: nos armários da cozinha, nas gavetas, nas mesas, nos guarda-roupas e nas cômodas. Estavam também sobre o sofá, alguns entulhados na banheira e outros empilhados nas cadeiras. Mas um dia o gatinho de Meena derrubou uma pilha enorme de livros infantis. Abertas pela primeira vez, as páginas dos livros libertaram os personagens e animais das histórias, que invadiram a sala, fazendo uma grande bagunça. Esse acontecimento mágico fez Meena viajar pelo fantástico mundo da literatura. Duração: 6’31”

Balú – O filme de Paula Gomes narra a história de um menino e seu melhor amigo, um cachorro vira-lata. Apesar disso, sua mãe não permite que o cão fique em casa. Um dia Balú desaparece misteriosamente. Em busca do amigo perdido, o menino vai descobrir o mundo à sua volta. Duração: 13’55”

ABI BAHIANA Notícias

Sessão especial na ABI exibe documentário sobre Horácio de Mattos

A Sala de Exibição Roberto Pires, da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), exibirá o documentário “Horácio de Mattos – Um Coronel Entre Dois Mundos”, em uma sessão especial, às 9h desta sexta-feira (4/11). Com roteiro e direção de Valber Carvalho, jornalista e diretor da ABI, a obra resgata a história de um dos mais importantes personagens políticos da Bahia durante a República Velha. O documentário de 56 minutos traz depoimentos de Walfrido Moraes, Cid Teixeira, Tácio Matos e outros, que ajudam a entender a vida do “Governador do Sertão”.

Quem foi Horácio?

horacio-de-mattosO cenário político do Brasil durante a República Velha foi dominado pelos coronéis, chefes políticos do interior do país, que controlaram a vida pública por décadas. Em seus vastos domínios, eles eram a lei e a autoridade máxima. Horácio Queiróz de Mattos herdou do tio, Clementino Mattos, o poder e as rixas que guiariam suas atitudes. Ele nasceu no dia 18 de março de 1882, na Chapada Diamantina, interior da Bahia. Ficou conhecido pelas muitas guerras que venceu contra outros coronéis, contra a Coluna Prestes e até mesmo contra o Governo Federal.

O coronel foi poderoso a ponto de controlar um território tão grande que era visto como um estado dentro da Bahia. Horácio foi assassinado em 1931, quando passeava despreocupado pelas ruas de Salvador, de mãos dadas com uma de suas filhas. O criminoso Vicente Dias dos Santos foi condenado no primeiro julgamento a 21 anos de prisão, mas, no segundo julgamento, dois anos depois, foi absolvido.

ABI BAHIANA Notícias

Inauguração da Sala Roberto Pires na Sede da ABI

Sábado às 15h, teremos a inauguração da Sala Roberto Pires, na sede da Associação Bahiana de Imprensa. Será exibido o filme “Abrigo Nuclear”, seguido de bate-papo com o cineasta André Luiz de Oliveira, que virá de Brasília especialmente para o evento. Este é apenas o início de uma série de Diálogos sobre Cinema, com a exibição de filmes, e bate-papo com cineastas, jornalistas e críticos de cinema.