ABI BAHIANA Notícias

Dia do Jornalista: 10 obras cinematográficas que retratam o cotidiano da profissão

A busca pelo furo, a batalha pela melhor notícia, um árduo trabalho pela informação. A cobertura dos fatos não é apenas dar a notícia, mas analisá-la, discuti-la, debatê-la. Neste 7 de abril, a Associação Bahiana de Imprensa (ABI), entidade que congrega profissionais vinculados à atividade jornalística de todo o estado, parabeniza os jornalistas que cumprem sua missão com dignidade, ética e respeito. São esses trabalhadores que dão olhos, ouvidos e voz à sociedade, que correm atrás da história e não desistem de perseguir a verdade, desvendando casos que impactam o mundo.

Em homenagem a esse profissional que desempenha papel tão fundamental, a ABI lista 10 filmes e um documentário que retratam o cotidiano do jornalismo, ofício frequentemente narrado pelo cinema — seja como forma de poder, como em “Cidadão Kane”; manipulação, como em “Rede de Intrigas”; ou da forma prática, como em “Todos os Homens do Presidente“, que trata do escândalo “Watergate”, ocorrido em Washington, em 1972.

Top 10

  1. Todos Os Homens do Presidente
  2. O Mensageiro
  3. Cidadão Kane
  4. O Jornal
  5. Boa Noite, Boa Sorte
  6. A Primeira Página
  7. Spotlight – Segredos Revelados
  8. Rede de Intrigas
  9. O Diabo Veste Prada
  10. Primeira Página: Por Dentro do New York Times (assista abaixo). Com acesso irrestrito à redação do New York Times, o filme discute o papel e os rumos do jornalismo.

Notícias

No Dia do Jornalista, demissões, violência e prisões lembram os perigos da profissão

Todos os anos, as mais de 120 instituições de ensino superior do país jogam nas ruas centenas de jornalistas. Não é exagero dizer que grande parte do que chamamos de realidade nos chega pelos meios de comunicação, através do imprescindível trabalho do profissional que dá olhos, ouvidos e voz à sociedade. Hoje, 7 de abril, é comemorado no Brasil o Dia do Jornalista. Na véspera da data reservada para brindar a categoria, alguns profissionais não tiveram muito o que festejar. Uma das maiores empresas de comunicação do país acaba de promover na tarde desta segunda-feira (6) cortes em suas redações, atingindo, principalmente, repórteres do Estadão, e ainda podem alcançar mais de 100 postos de trabalho, alegando a necessidade de reduzir custos. Ao redor do mundo, notícias de sequestros, violência e prisões, na última semana, surgem para lembrar os perigos da profissão e alertar para a situação da liberdade de imprensa.

Os crescentes retrocessos da liberdade de expressão e o aumento de agressões a jornalistas são cada vez mais contabilizados e denunciados por diversas instituições que visam combater os assassinatos, casos de intimidação e ameaças que atingem o direito de informação. Mas os relatórios anuais indicam que um longo caminho ainda precisa ser percorrido na luta contra as pressões a que são submetidos esses profissionais.

Segundo o Portal IMPRENSA, no último dia 4 de abril o jornalista turco Yasar Elma foi condenado a 23 meses de prisão por “curtir” uma publicação crítica ao presidente Recep Teyyip Erdogan. O julgamento foi realizado no tribunal de primeira instância e a ação foi considerada um “insulto a um trabalhador público”.  “Havia apenas utilizado a ferramenta ‘curtir’ quando vi um comentário sobre o presidente. Apaguei depois de meia hora, mas o tribunal me condenou. Não sabia que gostar de um comentário era crime”, disse o jornalista. Desde agosto do ano passado, quando Erdogan assumiu a presidência do país, mais de 70 pessoas já foram julgadas por insultos ao seu governo.

Leia também: Liberdade de imprensa em risco na Turquia

Na Rússia, um jornalista foi vítima de sequestro-relâmpago no último domingo (5/4). Viaceslav Starodubtsev foi raptado e agredido após publicar uma série de denúncias contra políticos envolvidos em corrupção. Segundo a agência Ansa, Starodubtsev foi sequestrado por um grupo de homens encapuzados que, antes de libertá-lo, na cidade russe de Derbent, disseram que ele deveria deixar o Daguestão. A família do jornalista também foi ameaçada. Starodubtsev é autor de um projeto de jornalismo independente chamado “A minha Derbent”, que gera páginas nas redes sociais com denúncias sobre casos de corrupção no município. O prefeito Imam Yaraliyev chegou a definir o jornalista como seu “inimigo pessoal”. *Com informações do Portal IMPRENSA

ABI BAHIANA Notícias

Fecomércio homenageia presidente da ABI

No mês em que é celebrado o Dia do Jornalista (7 de abril), a Fecomércio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado da Bahia) homenageou os jornalistas baianos na pessoa do presidente da Associação Bahiana de Imprensa (ABI-Bahia), AntônioWalter Pinheiro, pelo trabalho desenvolvido à frente da entidade. O encontro reuniu, ontem (16), empresários e personalidades da imprensa local, durante almoço na Casa do Comércio.

“A anatomia comigo está perdida, sou todo coração”, foi com essa frase do pensador Maiakovski que o presidente da Fecomércio, Carlos Amaral, se referiu à homenagem feita ao amigo e a todos os profissionais de comunicação. “É dentro desse pensamento que quero simbolizar esse encontro com a presença do meu amigo  Walter Pinheiro e saudar também todos os representantes da imprensa. Esse dia de hoje, onde discutimos assuntos sérios no cenário baiano, vai ficar para sempre na minha memória”, afirmou.

Antonio Walter Pinheiro, presidente da ABI-Bahia/ Foto: Juarez Matias

Emocionado, Walter Pinheiro agradeceu a homenagem e lembrou-se da relação que tem com a Fecomércio desde que o pai, Antônio Pinheiro, esteve à frente da entidade. “Tenho uma participação muito próxima com a Federação devido à relação que o meu pai teve com ela e também por tudo que fiz sendo suplente da entidade. Estou muito emocionado com a homenagem. Hoje é um dia muito especial para mim”, disse o presidente da ABI-Bahia, que também é diretor-presidente do jornal Tribuna da Bahia.

Quanto à parceria da Fecomércio com o publicitário baiano Nizan Guanaes, Walter Pinheiro destacou que tudo que for feito para beneficiar Salvador, a ABI-Bahia estará vinculada. “A ABI-Bahia hoje tem vinculação, por exemplo, com o Instituto Movimenta Salvador, que também foi pensado dentro dessa linha. É evidente que o Nizan tem condições e  recursos, junto a outros empresários, para desenvolver projetos importantes em Salvador. E à medida que ele traz o tema e a própria Federação apoia, a ABI também vai estar presente”.

*Informações de Rivânia Nascimento para a Tribuna da Bahia