Notícias

SIP pede investigação de assassinatos de jornalistas no Brasil

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) manifestou nesta quarta-feira (18/11) preocupação com os diversos assassinatos de jornalistas no Brasil e cobrou que as autoridades esclareçam os crimes. Segundo a agência de notícias AFP, a entidade lembrou da morte violenta do blogueiro Ítalo Eduardo Diniz Barros. Ele foi assassinado a tiros na última sexta-feira (13/11), na cidade de Governador Nunes Freire (MG).

O jornalista publicava em seu blog informações políticas e já havia recebido uma série de ameaças de morte. Menos de uma semana antes, o radialista Israel Gonçalves Silva também foi morto a tiros em Lagoa de Itaenga (PE).
“O esclarecimento deste e dos demais assassinatos de jornalistas é fundamental para revelar responsabilidades e poder estabelecer pautas claras para garantir que não seja afetada a atividade jornalística e seja preservada a integridade física dos comunicadores”, destacou o encarregado de liberdade de expressão da SIP, Claudio Paolillo.
*Informações do Portal IMPRENSA e AFP
Notícias

SIP aponta que 16 jornalistas foram mortos na América Latina este ano

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) informou que até o início de setembro 16 jornalistas foram assassinados na América Latina. Quatro no México, três em Honduras, no Brasil e na Colômbia, dois na Guatemala e um na República Dominicana. De acordo com a EFE, o relatório sobre os ataques a jornalistas foi divulgado antes da Assembleia Geral da Sociedade Interamericana de Imprensa, realizada no último domingo (4/10). O presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação, Claudio Paolillo, expressou sua indignação com as mortes.

Durante a apresentação do documento, foram citados casos como o do jornalista Moisés Sánchez Cerezo, diretor do semanário La Unión, em Veracruz, e de Ruben Espinosa, fotojornalista da agência AVC, correspondente da revista Processo e da Cuartoscuro, também em Veracruz.

Já no Brasil, a SIP recordou do caso de Djalma Santos da Conceição, da emissora RCA FM, de Evany José Metzker, que escrevia para o blog Coruja do Vale, e de Gleydson Carvalho, que apresentava um programa Rádio Liberdade FM.

A entidade lembrou que, desde março, emitiu 59 comunicados para a imprensa com pronunciamentos sobre casos que cercearam a liberdade de expressão. As resoluções elaboradas na reunião foram enviadas a 78 países, como Argentina, Brasil, Peru e Venezuela. Além dos assassinatos, também foram discutidos o encerramentos de jornais, o assédio a jornalistas e outros desafios para os meios de comunicação.

Paolillo destacou o fato de os assassinatos continuarem após o período contabilizado pela SIP. Só entre março e setembro, ocorreram 11 mortes. Ele pediu aos jornalistas presentes que mantenham a “batalha pela liberdade de expressão” e não desistam.

*Fonte: Portal IMPRENSA

Notícias

No mundo, 128 jornalistas foram mortos em 2014; Brasil é 10º lugar mais perigoso para a profissão

relatório anual da organização suíça Press Emblem Campaign (PEC), divulgado nesta segunda-feira (15), aponta que este ano 128 jornalistas foram assassinados em 32 países durante o exercício da profissão, marca muito próxima do recorde de 2013, que registrou 129. Israel lidera o ranking, enquanto o Brasil ocupa a décima posição. Com sede em Genebra, a organização não-governamental, que atua pela proteção legal e a segurança dos jornalistas em zonas de conflito ou em missões perigosas, reivindica um instrumento internacional para combater a impunidade nos países onde os assassinatos ocorrem. Em nove anos de levantamentos, a PEC registrou 1.038 profissionais mortos. Isso representa 2,4 jornalistas assassinados por semana no mundo.

“O ano que termina foi terrível para os jornalistas. Um novo conflito mortífero para os trabalhadores dos meios de comunicação se abriu na Ucrânia, a ofensiva israelense lançada neste verão em Gaza causou várias vítimas, enquanto na Síria o terror atingiu níveis extraordinários com a decapitação de jornalistas em público”, disse à EFE o secretário-geral da PEC, Blaise Lempen.

Depois de México, Afeganistão, Honduras e Somália, o Brasil aparece na lista com quatro mortos em 2014. Ao lado da República Centro-Africana, o Brasil é o décimo mais perigoso do ano. Neste ano, perderam a vida trabalhando os profissionais Santiago Andrade, da TV Bandeirantes, Pedro Palma, José Lacerda da Silva, da TV Cabo Mossoró, e Geolino Xavier, da TV N3, da Bahia. Desde 2009, porém, o Brasil acumulou 31 mortos entre os jornalistas, o que coloca o país como o sexto mais violento.

Leia também:

Israel é o país com maior número de vítimas. Foram 16 jornalistas mortos durante a ofensiva militar em Gaza. A Síria ocupa o segundo lugar, com 13 profissionais assassinados, enquanto o Paquistão aparece em terceiro. Os dados revelam 12 repórteres mortos, a maior parte deles em áreas tribais próximas ao Afeganistão. A quarta posição dos países mais perigosos é ocupada pelo Iraque, onde foram abatidos 10 jornalistas, muitos deles devido à ofensiva do grupo jiadista Estado Islâmico (EI).

Fora da região, o país mais violento é a Ucrânia, com nove mortos em 2014, seguida do México (oito), Afeganistão (seis), Honduras e Somália (cinco cada). Segundo a entidade, jornalistas russos também foram assassinados. “Os problemas de acesso às zonas de conflito seguem sendo agudos. Muitos meios de comunicação se recusam a enviar jornalistas já que os riscos são muito grandes. Mas, de fato, a cobertura dos conflitos diminui na imprensa, e com isso a pressão da opinião pública para resolver e financiar a indispensável ajuda humanitária”, pondera o secretário-geral da ONG.

*Informações do Portal IMPRENSA, O Tempo e Jornal de Notícias (Portugal)

Notícias

Salvador é a “capital dos assassinatos no Brasil”, diz o jornal New York Times

A violência em Salvador é notícia que rompe fronteiras. Agora foi a vez do renomado  jornal  New York Times  abrir suas páginas para uma reportagem dedicada à violência que se alastra pela capital Salvador, irrompe o medo nos seus moradores apesar dos esforços de órgãos de segurança do governo que não conseguem  inibir a criminalidade.

Embora ressaltando o crescimento econômico e riqueza cultural, da “maior cidade da região Nordeste do Brasil”, o jornal New York Times, considerado o mais influente do mundo, descreveu Salvador como a capital dos assassinatos no país, um lugar com trânsito caótico e áreas degradadas com prédios abandonados, que podem ser  melhor  descritos como ruínas.

Na matéria publicada na edição de domingo (10/11) o jornal cita que Salvador superou São Paulo em homicídios, embora a capital paulista seja quatro vezes maior.

A reportagem menciona casos recentes, de um corpo decapitado encontrado na Estrada do Aeroporto, um linchamento no Bairro da Paz de um suspeito de estupro e os irmãos mortos no acidente provocado pela oftalmologista em Ondina.

A criminalidade,  ressalta ainda o jornal americano, provoca prejuízos ao turismo. O Pelourinho é apontado como um local onde é fácil ver adolescentes usando crack à luz do dia.

Na questão do tráfego e da mobilidade, não poderia deixar de ser citado o metrô, que suga dinheiro há mais de 16 anos e é prometido agora para depois da Copa do Mundo, ao custo de mais 600 milhões de dólares.

Recentemente no bairro Nordeste de Amaralina, um dos mais violentos da cidade, o repórter Simon Romero e o fotógrafo Maurício Lima  foram abordados por um garoto com uma pistola automática, que quis saber o que eles faziam ali. O mesmo menino acabou contando que teve um irmão morto pela polícia, que roubou seus documentos e dinheiro e “plantou” uma arma com a vítima, forjando uma versão de confronto com os policiais.

A matéria termina citando o caso do menino Joel, morador da região, que fez propaganda do turismo baiano para o governo estadual e acabou morto dentro de casa, aos 10 anos, em 2010, durante uma operação policial. A reportagem é complementada com um slide show mostrando belezas e tragédias da primeira capital do Brasil.

 Fonte: Tribuna da Bahia/Associação Bahiana de Imprensa