ABI BAHIANA

Filme sobre liberdade de expressão marca o Dia do Jornalista na ABI

As mais de cinco décadas de atuação do jornalista João Carlos Teixeira Gomes (82 anos) foram reverenciadas na manhã desta sexta-feira (6), com o lançamento do documentário “A luta pela liberdade de expressão”. O evento foi idealizado pela Associação Bahiana de Imprensa (ABI) como parte das comemorações ao Dia do Jornalista, celebrado em todo o país em 7 de abril. O filme é o segundo volume da série “Memória da Imprensa Baiana” e registra o depoimento de Joca, também poeta e professor, sobre a luta em favor da liberdade, o combate à ditadura civil-militar e a defesa do Jornal da Bahia.

O presidente da ABI, Antonio Walter Pinheiro, abriu a sessão relembrando a origem do Dia do Jornalista – uma data em homenagem ao médico e jornalista Libero Badaró – e saudou a todos os profissionais. “Muitos colegas podem perguntar ‘e tem o que comemorar?’. Eu não tenho a menor dúvida. Temos o que comemorar. Sem uma imprensa livre, sem o jornalismo, não existe um sistema democrático. O transcurso desta data deve orgulhar a todos os jornalistas”, defendeu.

“O jornalista está na ponta de lança. É uma profissão perigosa”, constatou o dirigente, ressaltando que o Brasil chegou a figurar como o quarto país com maior número de mortes de profissionais da imprensa. “Ultimamente esse quadro está mais arrefecido, mas não se pode abaixar a guarda”. Ele falou sobre as funções da ABI e justificou a escolha de João Carlos Teixeira Gomes como a personagem do filme realizado pela ABI, ressaltando a contribuição do “pena de aço” para o jornalismo baiano. “É papel da ABI a defesa da liberdade e é por isso que estamos aqui. É nosso dever a defesa do bom jornalismo e da liberdade de expressão e do pensamento”. O dirigente refletiu sobre os novos meios de comunicação e reafirmou o papel das plataformas digitais. “Estamos conscientes das novas técnicas”.

Em seu discurso de agradecimento, Joca, lembrou sua trajetória no jornalismo e se posicionou contra a corrupção no Brasil, destacando os últimos escândalos no cenário político. “Eu digo com muito orgulho que o que sempre distinguiu a minha carreira jornalística foi a coragem de defender a liberdade de expressão, a liberdade de imprensa e a liberdade de pensamento – três bens essenciais da vida humana na sociedade. Para ele, não existe coisa pior do que a tirania”.

Com grande excitação, ele agradeceu o gesto da ABI. “Essa homenagem que me presta hoje a ABI significa um momento culminante na minha carreira profissional. É uma alegria estar aqui recebendo homenagem tão expressiva, tão marcante, que poucos jornalistas do Brasil podem merecer”.

Série – A série Memória da Imprensa Baiana, idealizada pelo jornalista Agostinho Muniz, foi lançada em 2007 e o volume 1 exibe o depoimento do jornalista Jorge Calmon (1915-2006), saudoso e lendário baiano que dirigiu A Tarde em toda a metade do século XX e nos primeiros anos do século XXI. Assim como esse volume, o volume dois que estreia na véspera do Dia do Jornalista contou com o apoio técnico do IRDEB.

De acordo com Walter Pinheiro, a entidade já planeja o volume três da série. “São muitas figuras relevantes e que merecem ter sua trajetória registrada. Os estudantes e os profissionais de comunicação devem assistir ao filme”, recomendou.

DIA DO JORNALISTA

O Dia do Jornalista “foi criado pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI) como uma homenagem a Giovanni Battista Libero Badaró, importante personalidade na luta pelo fim da monarquia portuguesa e Independência do Brasil”, segundo informações do site Calendarr. De acordo com o sítio eletrônico, Libero Badaró “foi médico e jornalista, e foi assassinado no dia 22 de novembro de 1830, em São Paulo, por alguns dos seus inimigos políticos. O movimento popular que se gerou por causa do seu assassinato levou D. Pedro I a abdicar do trono em 1831, no dia 7 de abril, deixando o lugar para seu D. Pedro II, seu filho, com apenas 14 anos de idade”.

O site acrescenta que “foi só em 1931, cem anos depois do acontecimento, que surgiu a homenagem e o dia 7 de abril passou a ser Dia do Jornalista”. Sobre a data, o site informa também que “foi também no dia 7 de Abril que a Associação Brasileira de Imprensa foi fundada, em 1908, com o objetivo de assegurar aos jornalistas todos os seus direitos”.

ABI BAHIANA Notícias

Coleção “Mestres da Literatura Baiana” lança obra de João Carlos Teixeira Gomes

A vida cotidiana, as incursões na literatura fantástica e as condições humanas e existenciais estão no livro “O Telefone dos Mortos”,  do jornalista João Carlos Teixeira Gomes, o Joca. A edição ampliada de uma coletânea de contos foi lançada nesta terça-feira (16), na Academia de Letras da Bahia, em parceria com a Assembleia Legislativa da Bahia. Oitavo volume da coleção “Mestres da Literatura Baiana”, a obra flerta com o fantástico em 11 dos 21 contos (um deles inédito) distribuídos em suas 274 páginas divididas em dois segmentos: As verazes Fantasias e as Fábulas do Cotidiano.

Prefaciado pelo presidente da Academia de Letras, Aramis Ribeiro Costa, esse trabalho teve a sua última edição publicada em 1997, só sendo encontrado em sebos com preços proibitivos, especialmente para os jovens. De acordo com os organizadores, esse foi o motivo da indicação dos acadêmicos para resgate dessa instigante ficção do multifacetado escritor e jornalista com marcante presença como editor chefe do Jornal da Bahia, professor universitário, ensaísta, crítico literário (especialista em sonetos) e poeta. O autor já teve publicado pelo Legislativo o romance “Assassinos da Liberdade”, ambientado nos anos de chumbo do pós-golpe de 1964, quando foi inaugurado o selo de inéditos da Casa.

Mestres da Literatura

Prevista para 20 volumes, esta coleção pretende disponibilizar para as novas gerações obras indispensáveis dos melhores escritores de nossa terra, abarcando todos os gêneros literários. Concebida pelo presidente da Academia de Letras da Bahia, Aramis Ribeiro Costa, “Mestres da Literatura Baiana” não abarcará obras disponíveis nos catálogos das editoras comerciais – só encontrados em sebos.  Inaugurou a coleção “A Bahia já foi Assim”, de Hildegardes Vianna, cronista de A Tarde por 50 anos. Já os dois volumes de “Contos e Novelas Reunidos”, englobam em suas quase 900 páginas “toda a gama dos sentimentos humanos, prova inconteste da admirável literatura de Hélio Pólvora”. Como são também os poemas resgatados de Afonso Manta e os três livros de Wilson Lins do médio São Francisco que integram essa coleção.

*Informações da Assembleia Legislativa da Bahia e do jornal Tribuna da Bahia.