Notícias

Ônibus oficial da imprensa na Olimpíada é atingido no Rio

Um ônibus utilizado para transportar jornalistas brasileiros e estrangeiros entre as arenas dos Jogos Olímpicos Rio-2016 foi atingido e teve as janelas quebradas por volta das 19h30 desta terça-feira (9). O veículo fazia o trajeto entre a Arena da Juventude e o Centro de Mídia pelo BRT Transolímpico, via expressa com faixa exclusiva. As polícias civil e militar e as Forças armadas abriram uma investigação para apurar o caso. O patrulhamento na região foi reforçado.

Em nota, o Comitê Rio-2016 explicou que o motorista prestará depoimento à polícia e que o ônibus passará pela perícia oficial. Uma repórter do jornal carioca O Globo relatou que “ao menos duas pedras acertaram os vidros”, um policial que estava a bordo também afirmou que se tratavam de pedras. No entanto, testemunhas no local afirmaram que o veículo foi alvejado por tiros, segundo o Estadão.

De acordo com o Comitê Rio-2016, dois passageiros sofreram ferimentos leves. Um deles é o jornalista bielorrusso Artur Zhol. “A gente estava voltando do basquete, jogo Brasil e Bielorrússia, eu sentei perto da janela e ouvi um ‘buu’ pequeno, não foi muito alto. O vidro quebrou, ficou destruído e todos os jornalistas se jogaram no chão. Paramos perto de um carro de polícia, o policial entrou no ônibus, olhou, observou e seguimos o trajeto”, contou Zhol.

olimpiadas-onibus-imprensa-atingido_Foto-Shannon Stapleton-Reuters

Centro de Hipismo

Esse é o segundo incidente envolvendo profissionais da imprensa, já que na tarde do último sábado (6/8), uma bala perdida atingiu a sala de imprensa do Centro Olímpico de Hipismo, enquanto as primeiras provas eram disputadas. O projétil foi encontrado por um australiano.

De acordo com o portal UOL, o Comitê Rio-2016 informou que ninguém ficou ferido e que seria realizada uma apuração do caso. Segundo autoridades, a bala pode ter sido disparada por traficantes que tentaram abater drones e um balão que estavam sendo utilizados para monitorar comunidades próximas ao local. O Ministério da Defesa informou que a segurança na região foi reforçada pela Força Nacional e pela polícia militar do Rio de Janeiro. O órgão disse ainda que nenhum equipamento dos jornalistas foi danificado.

  • Veja abaixo a íntegra do comunicado divulgado pelo Comitê Rio 2016 sobre o episódio desta terça (9):

Segundo relato do motorista, um dos ônibus do sistema de transporte de mídia deixou a Arena da Juventude, em Deodoro, por volta das 19h30 desta terça, 9 de agosto, em direção ao Parque Olímpico da Barra. Ao se deslocar pela via expressa Transolímpica, nas proximidades de Curicica, o motorista ouviu um barulho de dentro do ônibus que pensou ser da queda de um equipamento de fotografia.

Imediatamente, olhou pelo espelho retrovisor e percebeu que os passageiros estavam deitados no chão.

Continuou a dirigir por alguns metros até avistar uma viatura de polícia e parar.

Neste momento, percebeu que dois vidros do mesmo lado do ônibus estavam quebrados.

Retomou o percurso sob escolta da viatura e, com o deslocamento, os vidros das janelas quebradas começaram a ceder.

Após chegar ao Centro de Mídia, constatou que dois passageiros apresentavam ferimentos leves causados pelos estilhaços de vidro.

O motorista prestará depoimento à polícia ainda esta noite acompanhando por um gerente de Segurança do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

Também esta noite o ônibus será submetido a perícia oficial pela polícia. Os resultados preliminares serão divulgados assim que estiverem prontos.

O Coordenador Geral de Defesa de Área (CGDA) do Exército e a Polícia Militar informaram que aumentaram o patrulhamento na região.

*Informações do Globo.com, Estadão e UOL. 

Notícias

Cibercriminosos usam e-mails para ter acesso a jornalistas latinos

Um grupo de cibercriminosos tem usado Trojans (Cavalos de Tróia) para ter acesso a políticos, jornalistas e figuras públicas em diversos países da América do Sul, segundo apontamento feito por investigadores do Citizen Lab da Munk  School of Global Affairs, da Universidade de Toronto. De acordo com os estudiosos, o grupo criminoso, que foi apelidado de “Packrat”, usa e-mails fraudados com temas políticos para distribuir RATs (sigla em inglês para “Trojans”) e obter acesso às contas das vítimas. Os pesquisadores ainda apontaram que os cibercriminosos têm interesse em grupos políticos e pessoas influentes em países como Argentina, Equador e Venezuela. No Brasil, há evidencias de entradas entre 2008 e 2013.

Entre algumas das vítimas que tiveram seus nomes divulgados estão o jornalista Jorge Lanata, o promotor Alberto Nisman e Maximo Kirchner, filho dos ex-presidentes da Argentina Néstor Kirchner e Cristina Kirchner, todos argentinos. “Acreditamos que o destinatário final das informações coletadas pelo Packrat provavelmente seja um ou mais governos da região”, apontaram os pesquisadores.

“O Packrat destaca a extensão que campanhas de ataque podem rodar usando técnicas limitadas e muito criativas. De uma perspectiva técnica, eles dependem quase inteiramente de RATs novos para evitar a detecção antivírus. Eles se sobressaem é no tempo e esforço gastos para criar detalhadas e convincentes organizações falsas para alimentar seu malware”, descreveu um dos investigadores.

*informações do Portal IMPRENSA

Notícias

Projeto que libera PM para investigar crimes avança na Câmara

Em uma articulação inédita com outras categorias, a Polícia Militar está fazendo avançar na Câmara uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que dá à PM a atribuição de registrar e investigar crimes, hoje exclusividade das polícias civis e da Polícia Federal. Pela proposta da PEC 431, apresentada no ano passado, todas as polícias realizarão o chamado “ciclo completo”. Isso significa que, enquanto a PM poderá acumular a função de investigar crimes, a Polícia Civil, por sua vez, pode passar a fazer patrulhas e prevenção. Todas poderão assumir uma ocorrência desde o início e levá-la até o Ministério Público.

Essa não é a primeira proposta do gênero na Casa. Há outras quatro paradas –a mais antiga, desde 2009– porque incluíam pontos polêmicos, como a desmilitarização das polícias e a criação de uma polícia única. Desenvolvida como alternativa “consensual” entre todas as propostas anteriores, a PEC 431 tem apoio de promotores, procuradores, peritos e alguns policiais civis e federais. Eles se reúnem, em Brasília, em um gabinete integrado formado para discutir como implementar o ciclo completo e reformar a segurança.

Por outro lado, a ideia enfrenta resistência de delegados, hoje os responsáveis por conduzir todas as investigações e assinar todos os registros de ocorrência. “O objetivo é tornar tudo mais eficiente, encurtar caminhos. Isso vai favorecer a polícia investigativa, a Polícia Civil, porque vai eliminar trabalho burocrático e ela vai poder se dedicar às investigações”, diz José Robalinho, presidente da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República).

A questão é qual modelo será implantado. O do tipo territorial, por exemplo, prevê que a PM investigue em cidades pequenas, sem delegados. Outro modelo é por categoria de delito: a PM ficaria com os mais leves, deixando investigações maiores para a Polícia Civil. Um terceiro modelo prevê que, quando houver flagrante, a PM apresente o detido diretamente a um juiz. “Se o flagrante está pronto, por que precisa ser formalizado [pelo delegado]?”, afirma o procurador Robalinho. Ele defende também que registros de ocorrências leves, os chamados termos circunstanciados, possam ser feitos pela PM no local da ocorrência, sem ter de levar o caso à delegacia. Isso faz com que todos os envolvidos –inclusive os policiais– percam tempo.

Esse procedimento já é adotado na prática pela Polícia Rodoviária Federal em 19 Estados, segundo a ANPR, por meio de convênio com os Ministérios Públicos locais.  “Não tenho dúvida de que o que a PM quer não é fazer o termo circunstanciado. Quer é lavrar autos de prisão em flagrante, fazer pedidos de prisão preventiva, fazer pedidos de quebra de sigilo, investigar”, diz Marcos Leôncio Ribeiro, presidente da ADPF (Associação de Delegados da Polícia Federal).

Para o relator da PEC na Comissão de Constituição e Justiça, Raul Jungmann (PPS-PE), o modelo a ser adotado na prática, em caso de aprovação da proposta, ainda está indefinido, e dependerá de lei posterior para regulamentá-lo. Mas o momento é de rever os padrões. “Há uma Polícia Militar castrada, que não pode levar até o fim um processo que ela inicia. E há a frustração da Polícia Civil, que se transforma num cartório”, diz. A CCJ planeja promover seminários em 11 Estados para debater modelos de implantação. A ideia é aprovar um relatório até novembro.

Fonte: Folha de S.Paulo

Notícias

Segurança: Manaus registra 38 execuções após morte de PM

Uma onda de violência deixou 38 mortos em Manaus, apenas no último final de semana. A polícia trabalha com as hipóteses de briga entre facções criminosas ou grupo de extermínio formado por policiais. Segundo o secretário de Segurança Pública do Estado do Amazonas, Sérgio Fontes, a investigação não descarta a hipótese de que parte dos crimes possa estar relacionada à vingança pelo assassinato recente de um policial militar. Um grupo de PMs teria formado uma espécie de esquadrão de justiceiros para vingar o colega, inclusive atacando outros supostos criminosos. Nas ruas, o movimento da polícia foi intensificado para conter os assassinatos em série. Mesmo assim, a população está assustada.

De sexta-feira para sábado foram 22 mortes. Mais quatro no domingo. E de domingo para segunda-feira outras 12 pessoas foram executadas – número é sete vezes mais que o registrado no fim de semana anterior. As execuções começaram depois da morte do sargento Afonso Camacho, da Polícia Militar, durante um assalto. “Isso nunca aconteceu, uma quantidade de crimes praticados, boa parte deles da mesma forma, talvez por um mesmo grupo”, afirma delegado geral Orlando Amaral. Pelo menos, 17 assassinatos foram com armas de uso exclusivo da polícia. Por isso, a participação de policiais está sendo investigada, além de uma disputa entre traficantes.

Leia também: MP-BA pede prisão de PMs acusados por chacina no Cabula

Quem atira normalmente está em um carro ou em dupla em uma moto. E o que chamou a atenção foi o fato da maior parte dos assassinatos ter acontecido em horários aproximados e em pontos diferentes da cidade. Foram 11 homicídios na Zona Oeste, seis na Zona Norte, 11 na Zona Leste, uma das mais populosas, oito na Zona Sul e dois na Zona Centro-Sul da capital. Apenas em um bairro foram cometidos cinco homicídios.

A secretaria de Segurança do Amazonas informou que quase todas as vítimas têm ficha na polícia. E que os criminosos estão usando armas iguais às usadas por policiais. A polícia já tem pistas, mas mantém sigilo. “A enorme quantidade de munição usada, toda ponto quarenta é um indicativo de que podem ter policiais militares envolvidos”, afirma o Sérgio Fontes, secretário de Segurança do Amazonas.

*Informações do jornal Bom Dia Brasil e de A Crítica (Manaus)