Notícias

Sinjorba afirma que grave crise financeira motivou demissões do Grupo A Tarde

A atual conjuntura econômica, que é um desafio com grande impacto em diversos setores, atingiu em cheio as empresas de comunicação. Desde o ano passado, notícias relacionadas a demissões em massa ou até fechamento de portas se tornaram rotina. Na Bahia, o grupo A Tarde vem enfrentando os mesmos problemas financeiros que atingem os veículos impressos no Brasil e demitiu, na última terça (1º), trinta e cinco jornalistas entre as redações do centenário jornal A Tarde e do Massa!. No total, cerca de 150 funcionários teriam sido desligados. Em nota, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (Sinjorba) afirma ter participado de todo o processo de desligamento, de acordo com negociação entre o Sindicato e a Empresa, mediado pelo Ministério Público do Trabalho.

A entidade assegura que as demissões aconteceram “de forma respeitosa, com informações concretas sobre direitos e oferta de assessoria jurídica para dirimir dúvidas”. Segundo a presidente do Sinjorba, Marjorie Moura, as dispensas decorrem da crise econômico-financeira que alcança o país. “Parte dos colegas aderiu ao processo de demissão de forma voluntária, por possuírem projetos próprios”, diz trecho do documento.

O Sinjorba se prontificou a contribuir com os profissionais demitidos. “[Eles] serão auxiliados pelo Sinjorba, que manteve contatos com instituições ligadas ao empreendedorismo para fornecimento de cursos que estimulem os jornalistas a buscar reciclagem, noções de administração e outros conhecimentos que lhes forneçam instrumentos para que se insiram no mercado jornalístico, usando a expertise adquirida ao longo dos anos de exercício profissional”. O órgão classificou o momento como grave e fez pediu à imprensa que “evite noticiar especulações, em respeito ao grupo de jornalistas dispensados”.

Notícias

Jornal A Tarde conquista prêmio CNI de Jornalismo

A Confederação Nacional da Indústria anunciou na noite desta quinta-feira (30), em Brasília, os vencedores do Prêmio CNI de Jornalismo 2015. Com a reportagem “Revolução Silenciosa”, publicada na edição de aniversário de 7 anos da revista Muito, em abril deste ano, o Jornal A Tarde conquistou a categoria Especial Educação. A reportagem realizada por Tatiana Mendonça e pelo fotógrafo Fernando Vivas mostrou a história do Instituto Chapada de Educação e Pesquisa (Icep), que vem se destacando na educação e reduzindo a evasão escolar.

Tatiana Mendonça-Reprodução Facebook
A repórter Tatiana Mendonça foi premiada pela reportagem que mostrou o trabalho do Instituto Chapada de Educação e Pesquisa (ICEP) – Foto: CNI

Durante quatro dias, a repórter Tatiana Mendonça e Fernando Vivas mergulharam no dia-a-dia do Território Colaborativo da Chapada Diamantina para conhecer o trabalho, os desafios e, sobretudo, os resultados que o instituto, juntos aos seus parceiros e municípios integrantes, vêm obtendo na melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem das crianças da região. “Foi uma matéria feita com muito esforço. A gente batalhou, acreditou na pauta e o resultado está aí. É uma maravilha receber o prêmio”, comemorou a editora-coordenadora da revista Kátia Borges.

Ao todo, o prêmio recebeu 675 inscrições de trabalhos de todo o país. Dessas, 39 foram classificadas como finalistas. As matérias foram analisadas por uma comissão formada por Marcelo Canellas (repórter especial da TV Globo), José Paulo Kupfer (colunista do jornal O Estado de S. Paulo), Bruno Thys (diretor geral do Sistema Globo de Rádio), Suzana Singer (editora de treinamento e qualidade da Folha de S. Paulo). Os empresários Humberto Barbato (presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica) e Rafael Cervone (presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção); e do acadêmico Wladimir Gramacho (professor da Universidade de Brasília – UnB) também foram jurados. O Prêmio CNI de Jornalismo 2015 distribui R$ 310 mil em valores brutos.

VENCEDORES

Grande Prêmio José Alencar de Jornalismo/ Impresso Jornal

Série “Quando o mar vira estrada”, Henrique Gomes Batista (O Globo)

Impresso Revistas

“Chefe, sou gay”, de Lucas Rossi (Revista Exame)

Internet (sites e blogs)

“Líquido e Incerto: O futuro dos recursos hídricos no Brasil”, de Marcelo Leite, Lalo de Almeida, Eduardo Geraque, Fernando Canzian, Rafael Garcia e Dimmi Amora (Folha de S.Paulo)

Radiojornalismo

Série “Indústria em marcha lenta” (Rádio Jovem Pan)

Destaque Regional/ Centro-Oeste

Série “Um país sem ressaca”, de Diego Amorim (Correio Braziliense)

Destaque Regional/Nordeste

“Os fios que vencem a seca”, de Hebert Araújo (TV Cabo Branco)

Destaque Regional/Norte

“Apanhador de Açaí”, de Nathália Kahwage e Reginaldo Gonçalves (TV Liberal)

Destaque Regional/Sudeste

Série “O Brasil que trabalha”, de Érica Fraga (Folha de S. Paulo)

Destaque Regional/Sul

“A vida depois da crise”, de Ricardo Lacerda e Andreas Müller (Revista Amanhã)

Telejornalismo e Especial Inovação

Série “Start Ups”, de Renata Ribeiro (TV Globo)

Especial Educação

Reportagem “Revolução Silenciosa”, de Tatiana Mendonça e Fernando Vivas (Revista Muito/Jornal A Tarde)

 

*Informações do A Tarde Online , G1 e CNI