ABI BAHIANA Notícias

NOTA OFICIAL: A Tarde é patrimônio da Bahia

A ASSOCIAÇÃO BAHIANA DE IMPRENSA (ABI), por decisão de sua diretoria em reunião realizada nesta quarta-feira (9), vem manifestar publicamente sua solidariedade e apoio ao jornal A Tarde, diante do momento de dificuldades que a instituição enfrenta.

É com intensa preocupação que a ABI acompanha seus atuais problemas, envolvendo até uma disputa societária, o que em nada contribui para a superação dos entraves necessária à normalização de suas atividades.

Este tradicional Grupo de Comunicação, que há mais de 103 anos mantém o jornal com circulação ininterrupta, tornou-se Patrimônio da Bahia, o que merece atenção especial.

 O jornal A Tarde é parte da cultura e da tradição do povo baiano. A exemplo de outros veículos da imprensa brasileira, tem a sua situação agravada pela forte crise econômica que abala o nosso País, fragilizando a missão da Imprensa, o que poderá, de algum modo, interferir no fortalecimento da democracia.

Por isso, esta manifestação da ABI, que visa também conclamar outras instituições da nossa sociedade – instâncias governamentais, culturais, organizações sociais e lideranças em geral – para que, com o seu apoio, contribuam para preservar sem solução de continuidade a missão de A Tarde em defender legítimos interesses da Bahia, também incumbindo-se de guarnecer uma memória que nos possibilita reconstituir grande parte da nossa história.

Salvador, 09 de março de 2016

Walter Pinheiro

Presidente da ABI

Notícias

Sinjorba afirma que grave crise financeira motivou demissões do Grupo A Tarde

A atual conjuntura econômica, que é um desafio com grande impacto em diversos setores, atingiu em cheio as empresas de comunicação. Desde o ano passado, notícias relacionadas a demissões em massa ou até fechamento de portas se tornaram rotina. Na Bahia, o grupo A Tarde vem enfrentando os mesmos problemas financeiros que atingem os veículos impressos no Brasil e demitiu, na última terça (1º), trinta e cinco jornalistas entre as redações do centenário jornal A Tarde e do Massa!. No total, cerca de 150 funcionários teriam sido desligados. Em nota, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (Sinjorba) afirma ter participado de todo o processo de desligamento, de acordo com negociação entre o Sindicato e a Empresa, mediado pelo Ministério Público do Trabalho.

A entidade assegura que as demissões aconteceram “de forma respeitosa, com informações concretas sobre direitos e oferta de assessoria jurídica para dirimir dúvidas”. Segundo a presidente do Sinjorba, Marjorie Moura, as dispensas decorrem da crise econômico-financeira que alcança o país. “Parte dos colegas aderiu ao processo de demissão de forma voluntária, por possuírem projetos próprios”, diz trecho do documento.

O Sinjorba se prontificou a contribuir com os profissionais demitidos. “[Eles] serão auxiliados pelo Sinjorba, que manteve contatos com instituições ligadas ao empreendedorismo para fornecimento de cursos que estimulem os jornalistas a buscar reciclagem, noções de administração e outros conhecimentos que lhes forneçam instrumentos para que se insiram no mercado jornalístico, usando a expertise adquirida ao longo dos anos de exercício profissional”. O órgão classificou o momento como grave e fez pediu à imprensa que “evite noticiar especulações, em respeito ao grupo de jornalistas dispensados”.

Notícias

Jornal A Tarde conquista prêmio CNI de Jornalismo

A Confederação Nacional da Indústria anunciou na noite desta quinta-feira (30), em Brasília, os vencedores do Prêmio CNI de Jornalismo 2015. Com a reportagem “Revolução Silenciosa”, publicada na edição de aniversário de 7 anos da revista Muito, em abril deste ano, o Jornal A Tarde conquistou a categoria Especial Educação. A reportagem realizada por Tatiana Mendonça e pelo fotógrafo Fernando Vivas mostrou a história do Instituto Chapada de Educação e Pesquisa (Icep), que vem se destacando na educação e reduzindo a evasão escolar.

Tatiana Mendonça-Reprodução Facebook
A repórter Tatiana Mendonça foi premiada pela reportagem que mostrou o trabalho do Instituto Chapada de Educação e Pesquisa (ICEP) – Foto: CNI

Durante quatro dias, a repórter Tatiana Mendonça e Fernando Vivas mergulharam no dia-a-dia do Território Colaborativo da Chapada Diamantina para conhecer o trabalho, os desafios e, sobretudo, os resultados que o instituto, juntos aos seus parceiros e municípios integrantes, vêm obtendo na melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem das crianças da região. “Foi uma matéria feita com muito esforço. A gente batalhou, acreditou na pauta e o resultado está aí. É uma maravilha receber o prêmio”, comemorou a editora-coordenadora da revista Kátia Borges.

Ao todo, o prêmio recebeu 675 inscrições de trabalhos de todo o país. Dessas, 39 foram classificadas como finalistas. As matérias foram analisadas por uma comissão formada por Marcelo Canellas (repórter especial da TV Globo), José Paulo Kupfer (colunista do jornal O Estado de S. Paulo), Bruno Thys (diretor geral do Sistema Globo de Rádio), Suzana Singer (editora de treinamento e qualidade da Folha de S. Paulo). Os empresários Humberto Barbato (presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica) e Rafael Cervone (presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção); e do acadêmico Wladimir Gramacho (professor da Universidade de Brasília – UnB) também foram jurados. O Prêmio CNI de Jornalismo 2015 distribui R$ 310 mil em valores brutos.

VENCEDORES

Grande Prêmio José Alencar de Jornalismo/ Impresso Jornal

Série “Quando o mar vira estrada”, Henrique Gomes Batista (O Globo)

Impresso Revistas

“Chefe, sou gay”, de Lucas Rossi (Revista Exame)

Internet (sites e blogs)

“Líquido e Incerto: O futuro dos recursos hídricos no Brasil”, de Marcelo Leite, Lalo de Almeida, Eduardo Geraque, Fernando Canzian, Rafael Garcia e Dimmi Amora (Folha de S.Paulo)

Radiojornalismo

Série “Indústria em marcha lenta” (Rádio Jovem Pan)

Destaque Regional/ Centro-Oeste

Série “Um país sem ressaca”, de Diego Amorim (Correio Braziliense)

Destaque Regional/Nordeste

“Os fios que vencem a seca”, de Hebert Araújo (TV Cabo Branco)

Destaque Regional/Norte

“Apanhador de Açaí”, de Nathália Kahwage e Reginaldo Gonçalves (TV Liberal)

Destaque Regional/Sudeste

Série “O Brasil que trabalha”, de Érica Fraga (Folha de S. Paulo)

Destaque Regional/Sul

“A vida depois da crise”, de Ricardo Lacerda e Andreas Müller (Revista Amanhã)

Telejornalismo e Especial Inovação

Série “Start Ups”, de Renata Ribeiro (TV Globo)

Especial Educação

Reportagem “Revolução Silenciosa”, de Tatiana Mendonça e Fernando Vivas (Revista Muito/Jornal A Tarde)

 

*Informações do A Tarde Online , G1 e CNI