ABI BAHIANA

Ruy Barbosa, 100 anos depois

Sempre referenciado como um intelectual polímata, multifacetado, a importância de Ruy Barbosa vai além de ter exercido muitos ofícios. Para a Bahia e para o Brasil, Ruy deixou um legado de brilhantismo, seja na atuação em defesa das liberdades individuais e da liberdade de imprensa, seja pelas propostas políticas e educacionais. Instituições vinculadas à trajetória de Ruy pretendem lembrar os 100 anos do falecimento do jurista baiano, em 1° de março de 2023. Uma das guardiãs da memória dessa figura notável, a Associação Bahiana de Imprensa (ABI) vai receber em sua sede, no Centro Histórico de Salvador, autoridades e representantes das entidades promotoras do centenário. Com o objetivo de apresentar a agenda comemorativa, o encontro será realizado às 10h do próximo dia 5 de novembro, data de nascimento de Ruy Barbosa e Dia Nacional da Cultura.

Desde julho deste ano, a ABI reúne instituições das áreas do direito, cultura, das letras e representantes do legislativo baiano, para preparar a programação do centenário de falecimento de Ruy Barbosa. Integram o colegiado representantes da Associação Comercial da Bahia (ACB), da Academia de Letras da Bahia (ALB), da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), Câmara Municipal de Salvador (CMS), Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB), Ordem dos Advogados da Bahia (OAB), Santa Casa de Misericórdia da Bahia (SCMB), Tribunal de Contas do Estado (TCE), Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJBA), Secretária de Cultura do Estado da Bahia (Secult-BA) e Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de  Salvador (Secult).

Organizadas em comissões, as entidades atuam na organização das atividades para a data e na captação de recursos nos setores público e privado. O jornalista Ernesto Marques, presidente da ABI, destaca o resultado do esforço coletivo e espera que as homenagens planejadas possam contribuir para ampliar e disseminar o legado de Ruy na sociedade. “Quando falamos em comemorar o centenário da morte de Ruy, falamos em ‘co-memorar’, ou seja em memorar juntos. É o propósito que faz liga neste colegiado de 13 instituições de alta importância para a Bahia, reunido para, em reverência e a partir do pensamento de Ruy Barbosa sobre o Brasil, refletirmos sobre o que nos legou a vida de um dos maiores brasileiros de todos os tempos”.

A ABI, através do Museu Casa de Ruy Barbosa, inaugurado em 1949, promoveu ao longo dos anos a edição de diversas publicações sobre Ruy, além de eventos como conferências, seminários e exposições de seu acervo. “Procurar entender Ruy e o Brasil de seu tempo é até fácil, considerando tudo já pesquisado e publicado sobre ele. Desafiador é atualizar o pensamento de Ruy como construtor da nossa república, sobre temas como Justiça e sistema judiciário, direitos civis, federação, democracia, liberdades, liberdade de imprensa, militares na política”, reflete Ernesto Marques.

O professor Edvaldo Brito, representante da Câmara Municipal de Salvador e presidente da Comissão Executiva do Colegiado, saúda a iniciativa das instituições. “As homenagens à memória de Ruy Barbosa, neste centenário de sua morte, são aquelas devidas pela Bahia ao seu ilustre filho. Por isso, guardo a expectativa de que nós, baianos, repetiremos as jubilosas manifestações de 1949, quando reverenciamos a data do seu nascimento”, afirma o acadêmico, recordando os festejos que movimentaram a cidade em razão do centenário de nascimento de Ruy.

Como parte da programação do centenário, a ABI aprovou em Assembleia Geral a criação da Medalha Rubem Nogueira, honraria que será concedida a personalidades indicadas pelo Colegiado e que tenham tido importância para a história do Museu Casa de Ruy Barbosa. O professor e advogado escolhido para nomear a distinção foi um dos grandes “ruianos”, tendo se dedicado a escrever e pesquisar sobre Ruy Barbosa. Rubem Nogueira também foi jurista, advogado, consultor do Ministério da Justiça em plena ditadura – tendo atuado pela Lei da Anistia.

Serviço:

Ruy Barbosa, 100 anos depois – Anúncio da agenda do centenário de falecimento de Ruy

Quando: 5 de novembro de 2021, 10h  

Onde: Sede da ABI (Rua Guedes de Brito, 1 – Praça da Sé | Edifício Ranulfo Oliveira, 8º andar, Auditório Samuel Celestino)

Mais informações

Assessoria: [email protected] / 71 98791-7988 (Wa)

Ernesto Marques – presidente da ABI: 71 99129-8150

Edvaldo Brito (CMS) – presidente da Comissão do Colegiado: 71 98869-1531

Site: http://www.abi-bahia.org.br/  

Encontre a ABI nas redes sociais:

Instagram e Twitter: @abi_bahia | @academiadeletrasba

Facebook: @abi.bahia

ABI BAHIANA

Instituições baianas articulam efeméride do centenário de falecimento de Ruy Barbosa

Uma reunião marcou oficialmente, na manhã desta sexta-feira (23), o início da articulação do centenário de falecimento de Ruy Barbosa, que ocorrerá no dia 1° de março de 2023. Para homenagear o jurista baiano, instituições da área da cultura, do direito e representantes do legislativo planejam comemorar a data com uma agenda de eventos que será proposta pelo colegiado das entidades.

A Associação Bahiana de Imprensa (ABI), proponente da reunião, é uma das instituições guardiãs da memória de Ruy Barbosa, através do Museu Casa de Ruy Barbosa, inaugurado em 1949, além de ter promovido a edição de diversas publicações sobre Ruy e realizado, ao longo dos anos, nos seus espaços culturais e de terceiros, dezenas de eventos, como conferências, seminários e exposições de seu acervo.

Através da programação para a data, as instituições pretendem ampliar e disseminar o legado de Ruy na sociedade baiana. “A dimensão de Ruy Barbosa está esmaecendo. Parece que estamos esquecendo quem ele foi. Que essa efeméride do centenário sirva para todos nós como um desafio para recordar a grandeza dessa figura”, afirma o jornalista Ernesto Marques, presidente da ABI. 

O dirigente também mencionou a petição junto a órgãos públicos para poder viabilizar a reforma da Rua Ruy Barbosa, no Centro Histórico da capital baiana. De acordo com Marques, os órgãos estaduais e municipais estão avançando em entendimentos com a ABI para revitalizar a Rua Ruy Barbosa, com um grupo de trabalho específico, criado pela Sedur(Ba), que agora vai incorporar órgãos da Prefeitura sob a coordenação da Fundação Gregório de Mattos.

Walter Pinheiro, presidente da Assembleia Geral da ABI, reitera que esta articulação faz parte do papel da Associação como guardiã da memória de Ruy e outros ícones da história da imprensa. “Além da sucessão de gerações, nós temos um tsunami de notícias que encurtam nossa memória em relação a fatos importantes. Daí a preocupação da ABI em estar sempre revitalizando a memória de figuras importantes como Ruy”, observou. 

Com o tempo como aliado, a Associação se prepara para  captar recursos dos setores público e privado para a programação. O diretor de cultura da ABI, Nelson Cadena, foi o responsável pela apresentação sobre os vínculos da trajetória de Ruy com todas as entidades e instituições convidadas para a reunião. Ele explica que a efeméride também terá caráter de pesquisa, ao buscar e divulgar novos elementos biográficos sobre Ruy Barbosa, e perfil agregador, atraindo jovens estudantes através do uso de novas plataformas de mídia. “Ruy foi um personagem multifacetado, atuou como jornalista, advogado, jurista, diplomata, político, filólogo, o que justifica a união das instituições em torno das celebrações da efeméride”, ressalta o pesquisador.

Para  o advogado e representante da seccional baiana da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/BA), Sylvio Garcez, cabe à sociedade recordar o legado do jurista. “Preservar a memória de Ruy Barbosa é um dever especialmente dos baianos, mas não somente. Ruy merece. Suas lições são atualíssimas”, completa. 

Além de membros da diretoria executiva da ABI, como o 1º vice-presidente Luís Guilherme Pontes Tavares e Jorge Ramos, diretor da Casa de Ruy Barbosa, participaram da reunião os desembargadores Regina Helena Ramos e Lidivaldo Britto, do Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA); Zulu Araújo, presidente da Fundação Pedro Calmon e representante da Secretaria de Cultura da Bahia (Secult); Luciano Chaves, pelo Tribunal de Contas do Estado da Bahia (TCE/BA); o professor José Nilton Pereira, do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB); Ordep Serra, presidente da Academia de Letras da Bahia (ALB); Dina Cezar, da Santa Casa de Misericórdia; Carla Lucena, assessora da vereadora Maria Marighella, como representação da Câmara Municipal de Salvador; e Demóstenes Teixeira, representando o Tribunal de Contas dos Municípios.

Os representantes concordaram em designar dentro de suas instituições comissões responsáveis por participar da organização do centenário, a exemplo do TJBA, que já colocou à disposição a sua Comissão de Memória. Como forma de unir as programações das diversas instituições, poderá ser criado um selo comemorativo para a efeméride. No final de agosto, um novo encontro será promovido, com o objetivo de compor a coordenação executiva e apresentação das propostas de programação de cada entidade.

*Larissa Costa é estagiária da ABI, sob a supervisão de Joseanne Guedes.

ABI BAHIANA Notícias

ABI reverencia centenário do professor Josaphat Marinho

Em reunião de Diretoria, promovida nesta quarta (11), a Associação Bahiana de Imprensa (ABI) lembrou os 100 anos de nascimento do professor Josaphat Ramos Marinho, que atuou como advogado da instituição. O jurista falecido em 2002 também foi homenageado no último dia 9, em uma sessão especial da Assembleia Legislativa da Bahia, na qual a família do político baiano recebeu a Comenda 2 de Julho, a mais alta condecoração do legislativo no estado. O diretor da ABI Agostinho Muniz exalta o “perfil político admirável” de Josaphat Marinho no artigo “PROF. JOSAPHAT MARINHO, PERFIL POLÍTICO ADMIRÁVEL” (confira aqui), onde o jornalista detalha a atuação de Marinho.

josaphat marinhoJosaphat Ramos Marinho – advogado, professor emérito da Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia e da Faculdade de Direito da Universidade Nacional de Brasília. Nascido em Ubaira em 28 de outubro de 1915, dedicou-se ao magistério e à vida pública elegendo-se pela primeira vez apenas nove anos após graduar-se em Direito, em 1938. Foi deputado Constituinte em 1947 e reelegeu-se deputado estadual. Em 1959 foi nomeado secretário do Interior e Justiça do Estado, no governo Juracy Magalhães. Ocupou também a pasta da Fazenda em 1960/1961. Neste ano foi nomeado pelo presidente Jânio Quadros para a presidência do Conselho Nacional do Petróleo (CNP). Em 1962, foi eleito senador com mandato até 1971. Após deixar o Senado Federal, Josaphat Marinho voltou a se dedicar à advocacia e ao magistério, como professor de Direito Constitucional na Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia e da Universidade Nacional de Brasília. Quinze anos depois de abandonar a vida pública, lançou-se candidato ao Governo da Bahia, sendo derrotado por Waldir Pires. Em 1990 consegue a eleição para o segundo mandato como senador e ocupa a função de relator-geral do novo Código Civil Brasileiro.  Josaphat condenou com firmeza a incorporação à Constituição Federal dos atos constitucionais baixados pelo movimento militar de 1964.

ABI BAHIANA Notícias

Medalha do centenário do TCE homenageia o jornalista Jorge Calmon

Como parte das celebrações do seu centenário, o Tribunal de Contas do Estado da Bahia (TCE) realizará uma solenidade de entrega pessoal da Medalha Jorge Calmon, às 14h30 do dia 10 de novembro, data em que também é comemorado o Dia Nacional dos Tribunais de Contas brasileiros. A honraria que homenageia o jornalista – que completaria 100 anos em julho de 2015 – será concedida a 90 personalidades “de destaque e significância”, entre elas o presidente da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), Walter Pinheiro.

A decisão foi aprovada por unanimidade pelos conselheiros do TCE, como reconhecimento ao notório contributo dos homenageados para o aprimoramento do controle do gasto público e para o “engrandecimento e respeitabilidade” do órgão, ao longo de sua história.

Leia também: 

Jorge Calmon Moniz Bittencourt (1915-2006) exerceu, entre outros cargos, a função de conselheiro do TCE, entre maio de 1967 e agosto de 1971, além de ter estado à frente da ABI entre os anos 1970 e 1972. Referência no jornalismo baiano, ele trabalhou por mais de 40 anos no jornal A Tarde, atuando como redator-chefe e diretor de redação. O bacharel em Direito pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) foi um dos responsáveis pela implantação do atual curso de Jornalismo da instituição. Foi diretor da Biblioteca Pública do Estado e deputado estadual por duas vezes, integrou a Academia de Letras da Bahia e o Instituto Geográfico e Histórico da Bahia.