ABI BAHIANA Notícias

ABI promove reunião para discutir reabertura da Casa de Ruy Barbosa em Salvador

A Associação Bahiana de Imprensa (ABI) recebeu, na manhã desta segunda-feira (6/6), o diretor da Faculdade Ruy Barbosa (FRB), Cristiano Aguiar, para tratar da situação do museu Casa de Ruy Barbosa, cuja gestão está a cargo da instituição de ensino do grupo DeVry, através de uma parceria. O prédio, que é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), foi alvo de “Reforma Simplificada” no final de 2015. A Faculdade Ruy Barbosa conseguiu autorização do órgão para realizar reparos no telhado, pinturas internas e externas do imóvel situado à Rua Ruy Barbosa,  nº 12 – Centro Histórico. De acordo com Aguiar, as intervenções, fundamentais para resguardar o acervo, são parte do esforço para reabrir a Casa para visitação.

20160606_100659O presidente da ABI, Walter Pinheiro, esteve acompanhado pelo diretor de Patrimônio, Luís Guilherme Pontes Tavares, e pela museóloga da entidade, Renata Ramos. O dirigente falou do potencial do museu e destacou a procura por parte principalmente de pesquisadores e turistas. Mas, ressaltou as dificuldades de movimentar o espaço. “Nosso objetivo é a reabertura da Casa, dar movimento, contribuir para a preservação da nossa memória”. Segundo ele, hoje, a localização do prédio impõe algumas barreiras para o desenvolvimento de atividades porque o Centro Histórico convive com problemas graves. “O principal ponto é a falta de segurança, que afasta as pessoas. A reativação do local pode ajudar na valorização da região”, afirma.

Em 1935, a ABI reivindicou e conseguiu a posse da casa de Ruy Barbosa. Após uma redefinição das suas instalações, o museu passou a oferecer um acervo mais rico sobre a vida do ilustre jurista. Foi possível recuperar a coleção de retratos de Ruy Barbosa, móveis e livros doados. Desde então, a ABI realizou eventos, como o aniversário de Ruy Barbosa.

ABI BAHIANA Notícias

Roda de Capoeira é reconhecida como Patrimônio Cultural da Humanidade

Reconhecida internacionalmente como uma prática cultural multifacetada e multidimensional – que se manifesta como luta, dança, esporte e arte -, a manifestação afro-brasileira “Roda de Capoeira” recebeu na manhã desta quarta-feira (26), por meio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. A inscrição na prestigiada lista foi aprovada durante a 9ª Sessão do Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda, que é realizada na sede da Unesco, em Paris, até amanhã (28).

O reconhecimento eleva o número de manifestações culturais brasileiras reconhecidas como patrimônio pela Unesco, que já inclui a dança carnavalesca pernambucana Frevo e o Samba de Roda do Recôncavo Baiano, a Arte Kusiwa (espécie de pintura corporal realizada por índios do Amapá), e o Círio de Nazaré, manifestação religiosa típica do estado do Pará. De acordo com a Unesco, a capoeira simboliza a resistência negra no Brasil durante o período da escravidão. Seu reconhecimento como patrimônio, argumenta a organização, reforça o valor da herança cultural afro-brasileira.

De acordo com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a prática cultural é um dos maiores símbolos da identidade brasileira e está presente em todo território nacional, sendo praticada em mais de 160 países, em todos os continentes. A Roda de Capoeira e o Ofício dos Mestres de Capoeira foram reconhecidos como patrimônio cultural brasileiro pelo Iphan em 2008, e estão inscritos no Livro de Registro das Formas de Expressão e no Livro de Registro dos Saberes, respectivamente. Já no dossiê de candidatura, de 25 páginas, o Iphan destacava que o registro favorece a consciência sobre o legado da cultura africana no Brasil e o papel da capoeira no combate ao racismo e à discriminação.

Roda no Forte da Capoeira, em Salvador - Foto: Rita Barreto/SeturBA
Roda no Forte da Capoeira, em Salvador – Foto: Rita Barreto/SeturBA

“Meca da capoeira” no Brasil, a Bahia está em festa com o recebimento do título. “A salvaguarda vai garantir a difusão, para que a manifestação não desapareça. Agora, a capoeira deixa de ter um significado específico para o povo brasileiro e passa a ter um significado para a humanidade. Com isso, o Brasil recebe ainda mais responsabilidade na preservação e continuidade desse bem, que, embora procure manter uma identidade, é um patrimônio vulnerável porque muda constantemente, passa por transformações. Precisamos manter a tradição. Uma roda não tem começo e não tem fim”, comemora o professor Jaime Nascimento, historiador do Forte da Capoeira, no Santo Antônio Além do Carmo, onde funciona o Centro da Capoeira na Bahia. O lugar é referência na pesquisa e na memória da cultura capoeirista e conta com biblioteca, oficina de instrumentos, além de um espaço amplo para rodas de capoeira, com aulas nas academias nele abrigadas.

Para a ministra interina da Cultura, Ana Cristina Wanzeler, o título é importante para a valorização e a difusão da capoeira. “O reconhecimento da Roda de Capoeira pela Unesco é uma conquista muito relevante para a cultura brasileira. A capoeira tem raízes africanas que devem ser cada vez mais valorizadas por nós. Agora, é um patrimônio a ser mais conhecido e praticado em todo o mundo”, afirmou em nota.

A presidente do Iphan, Jurema Machado, explica que as políticas de patrimônio imaterial não existem apenas para conferir títulos, mas para que os governos assumam compromissos de preservação de seus bens culturais, materiais e imateriais, como a Roda de Capoeira. Segundo ela, o título promove o aumento da visibilidade de bens culturais relacionados aos movimentos de luta contra a opressão, sobretudo àqueles pertencentes às comunidades afrodescendentes. “A roda de capoeira expressa a história de resistência negra no Brasil, durante e após a escravidão”.

26122357857298Jurema Machado acredita que o reconhecimento como patrimônio demarca a conscientização sobre o valor da herança cultural africana, que, no passado, foi reprimida e discriminada. “O reconhecimento internacional amplia as condições de salvaguarda desse bem. Os compromissos assumidos pelo governo para com essa salvaguarda envolvem ações de promoção, de valorização dos mestres, seja na inserção no mercado de trabalho, seja na preservação das características identitárias da capoeira ou na formação de redes, de cooperação e de transmissão de conhecimento”, completa.

Nem jogo nem dança

A Capoeira surgiu no Brasil durante ao período escravagista e desenvolveu-se como uma forma de socialização e resistência física e cultural entre os escravos. Como as lutas eram proibidas nas senzalas, os escravos reuniam-se em torno de rodas onde realizavam movimentos de artes marciais, porém sem contacto físico com o adversário, e ao embalo de música que conferiam à luta ares de dança. A sua prática foi proibida no Brasil até à década de 1930, mas em 1937 foi declarada desporto nacional pelo então Presidente Getúlio Vargas.

Até hoje, um capoeirista completo deve dominar a musicalidade e saber tocar o berimbau, instrumento típico que dá o ritmo aos movimentos. As reuniões para sua prática eram realizadas geralmente em campos abertos, com pouca vegetação, que à época eram chamados de capoeira, de onde vem o nome da luta. A prática é, ao mesmo tempo, dança, esporte e arte, jogo e brincadeira. A capoeira une todos os elementos em uma história que se confunde com a própria história do país, já tendo sido utilizada até em guerra, como a do Paraguai.

*Com informações do G1, Correio Braziliense e O Globo.

Notícias

Festa do Bonfim recebe título de Patrimônio Imaterial Nacional

Em uma cerimônia na manhã desta quarta-feira (15), na Igreja de Nosso Senhor do Bonfim, a festa em louvor ao Senhor do Bonfim, realizada anualmente em janeiro, foi reconhecida como Patrimônio Imaterial do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Mais que uma grande manifestação religiosa da Bahia, a celebração é uma referência importante na afirmação da cultura baiana, além de representar um momento significativo de visibilidade para os diversos grupos sociais.

O reconhecimento do cortejo multirreligioso que leva mais de 1 milhão de pessoas para a Cidade Baixa de Salvador, em uma tradição iniciada há quase 300 anos, traz para o Estado a obrigação de estar junto da comunidade para garantir a manutenção da realização do evento. No entanto, pesquisadores questionaram a efetividade do registro, diante dos mecanismos de preservação utilizados pelo Iphan, e criticaram a realização da “Caminhada Lavagem de Corpo e Alma”.

Foto: Ingrid Maria Machado/G1

Na Bahia, o ofício das baianas de acarajé, a capoeira e o samba de roda do recôncavo baiano também são bens protegidos. Com a elevação, que chegou um dia antes de sua realização, a Festa de Nosso Senhor do Bonfim passa a ser periodicamente acompanhada pelos técnicos do Iphan e terá os seus elementos constitutivos monitorados, para preservar a memória da estado. O registro da festa como patrimônio cultural havia sido aprovado pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural do Iphan em junho.

Ao ser registrada como ‘patrimônio imaterial’, uma festa passa a ter prioridade nas linhas de financiamento para bens culturais, sejam de programas municipais, estaduais, federais ou até internacionais. Na lista de bens imateriais brasileiros estão a festa do Círio de Nossa Senhora de Nazaré, a Feira de Caruaru, o Frevo, a capoeira, o modo artesanal de fazer Queijo de Minas e as matrizes do Samba no Rio de Janeiro. Mas como determinar quando um bem imaterial é importante para um município, um estado ou uma nação?

Segundo o Iphan, os bens culturais imateriais estão relacionados aos saberes, às habilidades, às crenças, às práticas, ao modo de ser das pessoas. Os conhecimentos enraizados no cotidiano das comunidades, as manifestações literárias, musicais, plásticas, cênicas e lúdicas rituais e festas que marcam a vivência coletiva da religiosidade, do entretenimento e de outras práticas da vida social podem ser considerados bens imateriais. Já o patrimônio material está dividido em bens imóveis – núcleos urbanos, sítios arqueológicos e paisagísticos e bens individuais – e móveis – coleções arqueológicas, acervos museológicos, documentais, bibliográficos, arquivísticos, videográficos, fotográficos e cinematográficos.

Em reportagem do jornal A Tarde, de 15 de janeiro de 2014, intitulada “Bonfim em festa já é patrimônio imaterial”, a presidente do Iphan, Jurema Machado, descreveu o ato como “um compromisso do Estado brasileiro que reconhece a importância da festa não só para a Bahia, mas para o Brasil. Apesar de haver outras manifestações semelhantes, é na Bahia que ela ocorre com mais fervor”, explicou.

Para o antropólogo Ordep Serra, a declaração da dirigente nacional do Iphan, durante a solenidade realizada no interior da Basílica do Bonfim, demonstra desconhecimento da singularidade da festa. “Festas em homenagem ao Crucificado de fato ocorrem em diferentes regiões do Brasil, mas todas tem um caráter penitencial, com ênfase no sofrimento do Redentor, expressões de arrependimento e culpa pelos pecados que tornaram necessário o sacrifício do Filho de Deus, segundo a doutrina da Igreja Católica Apostólica Romana. Na nossa Festa do Bonfim, mesmo nos ritos que ocorrem no interior do templo e são comandados pela igreja, este não é o sentimento predominante. Nela se canta, dança, brinca. A alegria é o sentimento dominante. É seu traço característico, é o que a distingue”.

No complexo ritual que constitui o ciclo festivo do Bonfim,  há outros atos rituais de que a Igreja Católica não tem o comando. Entre eles, o que mais se destaca é a Lavagem, um rito que a igreja combateu e tentou extinguir. “A presidente do Iphan não conhece o rito a que conferiu o registro de patrimônio imaterial. A ministra da Cultura tampouco faz ideia do que celebrou. Na cerimônia de entrega do título, no interior da basílica, não havia baianas, Oxalá não foi lembrado, excluiu-se o povo festeiro. Em um complexo ritual que ocorre tanto dentro quanto fora do templo, a cerimônia externa foi ignorada”, completa o professor.

Registro

Ao contrário do tombamento, cujo objetivo é a preservação das características originais de uma obra, seja móvel ou imóvel, o registro trata de salvaguardar o desejo de uma comunidade em manter viva uma tradição, que pode vir a sofrer mudanças com o tempo.

O antropólogo Luiz Mott destacou a importância histórica da festa como um dos critérios utilizados para a escolha dela como patrimônio imaterial. “A festa é a continuação da festa original em Portugal que se desenvolveu aqui em meados do séc. XVIII, onde as pessoas vítimas de acidentes marítimos pagavam promessas. Na Bahia, a festa de tornou popular com a incorporação de elementos das religiões de matriz africana. A elevação se deve, sobretudo, aos aspectos populares da caminhada e da lavagem”, conta.

Já o também antropólogo Roberto Albergaria, comparou a festa a “um casarão em ruínas”. Para ele, o registro só tem valor simbólico. “O registro é bem-vindo, mas chegou tarde demais, quando a festa está definhando. Ele vem como aquelas estacas de ferro que seguram as construções. Mesmo que o Iphan tivesse reais mecanismos de preservação, daqui a alguns anos, a tendência é o esvaziamento. O cortejo vem diminuindo significativamente. É claro que não dá para congelar a história, porque a tradição vai se refazendo. Não podemos ter ilusões”.

De acordo com Ordep Serra, até agora, o registro trouxe apenas uma mudança, considerada por ele como negativa. “O Estado tentou dar a plena posse da Festa do Bonfim à Igreja Católica, como se esta fosse criadora, promotora exclusiva e senhora absoluta do evento. Tal ato reflete um equívoco e evidencia as severas limitações de nossa política cultural”.

O professor criticou os mecanismos utilizados pelo Iphan para promoção da preservação do patrimônio. “Eu não acho que o IPHAN esteja preparado para isso. Não foi feita qualquer comunicação de um plano para garantir a vitalidade da festa. O registro efetuado pelo Iphan parece consumar-se, neste caso, na declaração do registro. Mas foi-lhe acrescentado o gesto político de reconhecimento da Igreja como dona exclusiva do festejo. Trata-se de uma injustiça”, defendeu Serra.

“Lavagem de Corpo e Alma” gera polêmica

Pela primeira vez a Arquidiocese de Salvador incorporou à programação da Festa do Bonfim a “Caminhada Lavagem de Corpo e Alma”, em que os fiéis saíram da Igreja da Conceição da Praia às 8h, antes do cortejo das baianas, em caminhada até a Colina Sagrada. Mas a iniciativa não foi bem recebida por pesquisadores, que criticam a separação de católicos na Lavagem.

Foto: Julien Karl/G1

De acordo com o Padre Edson Menezes, Reitor da Basílica, muitos fiéis participavam do cortejo “numa perspectiva devocional para pagar suas promessas” e em muitos momentos ficavam perdidos na multidão.  “Então resolvemos dar uma atenção especial ao cortejo agregando essas pessoas e marcando a nossa presença com a evangelização”, explicou o padre ao jornal Tribuna da Bahia.

“Invencionice estapafúrdia” é como Roberto Albergaria classifica, em artigo publicado no Metro1, a nova estrutura da Festa do Bonfim. Segundo ele, trata-se de uma descaracterização do tradicional e multidimensional cortejo, um “intervencionismo clerical” que “acelera ainda mais a decadência da Velha São Salvador”. O antropólogo ainda denominou a iniciativa como “apartheid do padre”. “Em uma demonstração de falta de compreensão da cultura popular baiana, a Igreja separou os bons católicos dos maus católicos. Se o registro como patrimônio imaterial saísse antes, por exemplo, deveria ser proibida a ação do Padre Edson”, afirma.

Quem também criticou a ação foi o historiador e religioso do candomblé Jaime Sodré, que considera um equívoco a associação entre o lúdico e a ideia de sacrilégio. Em entrevista ao jornal A Tarde, o historiador afirmou que, ao longo da trajetória dos festejos no Bonfim há um ciclo de ações orientadas para apagar indícios da cultura afro-brasileira.

Para Ordep Serra, a Igreja simulou verbalmente uma atitude de aproximação com o povo, mas contradisse na prática esse discurso. “Não se faz aproximação tomando distância. Se o Reitor da Basílica realmente quisesse valorizar o préstito encabeçado pelas baianas, sairia junto com ele. Não iria à frente, com outro séquito, de propósito bem diferenciado, a competir com o tradicional – ainda por cima com a vantagem da dianteira. Foi tudo em vão. Pois se está certo o Evangelho, ‘os últimos serão os primeiros”.

Com informações do G1, Tribuna da Bahia, A Tarde, Metro 1 e Iphan.