Notícias

UFRB garante funcionamento do Museu do Cinema em Cachoeira

A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) vai realizar um termo de cooperação entre o Centro de Artes, Humanidades e Letras (CAHL/UFRB) e o Instituto Roque Araújo de Cinema e Audiovisual (IRA), para salvar o Museu de Equipamentos Cinematográficos (Museu do Cinema), situado na cidade de Cachoeira. Um encontro realizado na última sexta-feira (07) atendeu a um movimento iniciado nas redes sociais para expor o estado do equipamento, um patrimônio cultural de valor imensurável que estava prestes a se perder por falta de apoio. O museu, que conta a história do cinema em solo baiano, dispõe de um robusto e valioso acervo com o total de 4.990 equipamentos doados por cineastas, empresas produtoras de cinema e colecionadores.

Foi através de um desabafo do coordenador da unidade, o cineasta Roque Araújo, que os baianos ficaram sabendo da grave situação. O historiador e cineclubista Luiz Araújo (“Lu Cachoeira”) compartilhou, no dia 4, um vídeo em que Roque faz um apelo para manter vivo o maior museu de equipamentos cinematográficos do Brasil. Segundo Roque, depois da descontinuidade da parceria com a Prefeitura de Cachoeira, além de arcar com sua passagem, hospedagem e alimentação, ele seguia pagando funcionários com o próprio dinheiro. O cineasta também alegou a possibilidade de instalar o museu em qualquer parte do país, mas preferiu a Bahia porque “quis que os baianos tivessem o único museu específico de cinema e audiovisual”.

De acordo com Roque Araújo, a única instituição que continuava apoiando o IRA era o IPAC – Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural, através da cessão do imóvel para a instalação do museu, que em três anos registrou nos livros de frequência aproximadamente 50 mil visitantes. “Eu faço o que posso para demonstrar a essa geração os equipamentos que geraram a sétima arte e falta suporte para mim”, afirmou o cineasta, que acompanhou todas as produções do Cinema Novo realizadas por Glauber Rocha, tornando-se um guardião e confidente de Glauber. Em quase seis décadas de ofício, ele guarda equipamentos usados em clássicos como “Redenção” e “Barravento”.

O vídeo levou ao engajamento de centenas de internautas, que comemoraram nas redes sociais a notícia da parceria entre o IRA e a UFRB. Segundo o diretor do CAHL, Jorge Cardoso Filho, o Museu servirá como fonte auxiliar na formação dos alunos dos Cursos de Cinema e Audiovisual, Museologia, Artes Visuais, Comunicação Social, História e demais cursos instalados na instituição. “Para nós, é importante que as ações que são realizadas pelo Instituto [IRA] se consolidem e continuem. Vamos construir um documento que atenda às demandas”, afirmou Jorge Cardoso, diretor do CAHL. Os trabalhos para viabilizar a reabertura do museu começaram já na manhã desta segunda (10).

*Com informações do Recôncavo Online

Notícias

Cinema baiano é tema do projeto Conversando com a sua História

Fechando a programação do mês do Conversando com a sua História, projeto de autoria do Centro de Memória da Bahia – vinculado à Fundação Pedro Calmon/ SecultBA, o tema em debate acerca das memórias contemporâneas sobre a cultura e a política na Bahia será a sétima arte. A mesa desta segunda-feira (31) vai abordar “O Cinema na Bahia” e contará com os olhares da pesquisa histórica, da realização cinematográfica, da produção e da gestão do Cinema baiano, traçando um panorama das ações e impactos no audiovisual hoje.

O debate acontecerá às 17h, no quadrilátero da Biblioteca Pública do Estado da Bahia, conhecida como Biblioteca dos Barris. Da mesa, participará a especialista em História da Bahia (UEFS) e mestre em História Social do Brasil (UFBA), Izabel Melo. Izabel é professora da Universidade Estadual da Bahia (UNEB) e Pesquisadora Associada da Filmografia Baiana. Além disso, tem experiência na área de História, com ênfase em História do Cinema Baiano.

Outro convidado será o comunicador, cineasta e gestor público, Pola Ribeiro. Ex diretor do Audiovisual do Ministério da Cultura (MinC), Pola é formado em Comunicação pela UFBA e, antes mesmo de ingressar na Universidade, produziu cerca de 40 filmes que, na época, circularam em cineclubes, mostras e festivais, recebendo prêmios nacionais. É membro titular do Conselho Superior de Cinema, do Conselho Consultivo da Secretaria do Audiovisual e vice-presidente da Associação Brasileira das Emissoras Públicas, Educativas e Culturais. Jardim das Folhas Sagradas foi o seu último longa metragem produzido.

CMB – O Centro de Memória da Bahia (CMB), unidade da Fundação Pedro Calmon/Secretaria de Cultura do Estado (FPC/SecultBA), tem como objetivo a difusão da história da Bahia, através da preservação e ordenação de arquivos privados e personalidades públicas, bem como a realização de exposições, seminários e cursos de formação gratuitos. Entre suas funções, é responsável pelo Memorial dos Governadores Republicanos da Bahia (MGRB), localizado no Palácio Rio Branco, no Centro Histórico de Salvador.