Notícias

The Intercept Brasil abre vagas para editor e produtor de vídeos

O site The Intercept Brasil anunciou a abertura de duas vagas de trabalho, uma para editor e outras para produtor de vídeos. Nas descrições das oportunidades, o site destaca que incentiva a candidatura de pessoas negras, com deficiência, mulheres e LGBTs.

“Informar um público diverso e variado é parte essencial de nossa missão, portanto, estamos comprometidos a criar equipe que reflita tal diversidade e a oferecer oportunidades de desenvolvimento profissional constantes”, informa o veículo dirigido por Glenn Greenwald.

Para preencher a vaga de editor, o The Intercept Brasil está procurando pessoa que seja criativa, inteligente, organizada e inspirada. A principal missão do profissional contratado será ajudar a desenvolver um novo jornalismo, sendo o responsável pela definição de pautas e projetos, acompanhamento do processo de produção de reportagens, vídeos e conteúdos especiais desde a sua origem até a publicação e interlocução com profissionais colaboradores e parceiros do site.

Os requisitos para trabalhar como editor do portal são experiência em edição de textos, domínio da língua portuguesa, excelente conhecimento de política nacional e familiaridade com temas relativos a direitos humanos e justiça social. A fluência em inglês é diferencial, mas não é obrigatória. “O profissional deve ainda ter capacidade de trabalhar em uma equipe dinâmica e democrática, que toma decisões editoriais corajosas de acordo com a missão do The Intercept: promover a responsabilização de instituições poderosas”, diz a descrição do cargo.

Para a vaga de editor de vídeo, o site de Glenn Greenwald procura profissional que tenha domínio de linguagem e produção de vídeo para internet. O contratado para a atividade trabalhará principalmente dentro da redação, mas também fará gravações externas de acordo com a demanda. O foco principal do cargo é atuar junto à redação, criando conteúdos audiovisuais que apoiem as reportagens do site e os conteúdos das redes sociais.

“É importante que o(a) candidato(a) tenha ideias criativas de como fazer cobertura diferenciada e inovadora e tenha capacidade de descrever, defender e implementar essas ideias”, informa o veículo.

Os dois profissionais contratados farão parte de equipe de até 12 membros baseada no Rio de Janeiro e estará subordinada a um editor-executivo no Brasil e à editora-chefe do The Intercept em Nova York. Além disso, as posições têm contrato de tempo determinado.

Para se candidatar, o interessado deve acessar este link para a vaga de editor, ou este para a de produtor de vídeo. Mais detalhes sobre as oportunidades também podem ser conferidos por meio dos links disponibilizados.

Notícias

Pesquisa mostra novo perfil empreendedor de jornalistas

A crise na imprensa mundial tem estimulado cada vez mais o surgimento de projetos independentes de jornalismo. No Brasil, a Agência Pública tem servido de modelo e inspiração para profissionais que ora não encontram vagas nas grandes redações, ora não se adequam ao jornalismo tradicional.

Observando essas mudanças do mercado, as pesquisadoras Ângela Ravazzolo e Karine Vieira, do curso de Jornalismo da ESPM-Sul , realizam um levantamento que aponta o novo perfil empreendedor dos jornalistas.

Para Ângela, existe um movimento crescente de projetos de jornalismo independente no Brasil. A aposta dela é que isso se tornará uma tendência cada vez maior diante da crise atual, embora ainda seja “preciso mensurar o quanto isso vai crescer e o quanto essas práticas vão se colocar em posição de rivalizar com a grande mídia”.

Karine compartilha dessa opinião e crê que essa tendência empreendedora vingará quando os jornalistas envolvidos nestas iniciativas encontrarem uma fórmula de manter esses projetos. “A questão do jornalismo independente é quem paga a conta. É a grande discussão não só no Brasil, mas em todo o mundo”, garante.

As pesquisadoras lembram que existem várias modelos capazes de manter essas iniciativas como o crowdfunding, as assinaturas e as bolsas de fundações nacionais e internacionais. No entanto, ressaltam que ainda é essencial que os envolvidos encontrem uma fórmula adequada para que esses projetos sejam saudáveis financeiramente e possam realmente se viabilizar por longo período.

Novo perfil

Embora a pesquisa tenha avaliado apenas iniciativas do Rio Grande do Sul, é possível verificar um padrão no perfil dos empreendedores. “Geralmente são jornalistas na faixa entre 27 e 35 anos de idade, que passaram por redações e que ou não encontram mais vagas ou querem fazer algo diferente do jornalismo tradicional”, reflete Karine Vieira.

Diante dessa realidade, muitos têm criados agências de conteúdo, cuja produção vai além das reportagens, abrindo espaço para trabalhos com redes sociais e branded content. “Esses jornalistas estão mais abertos às mudanças e estão tirando da cartola novas oportunidades de trabalhar com comunicação”, afirma Karine.

Apesar dessa vontade de busca pelo novo, Ângela Ravazzolo nota que esses profissionais têm dificuldades em gerir esses projetos. Primeiramente, porque as consultorias de novos negócios existentes no mercado não estão preparadas para apresentar soluções para negócios jornalísticos e, em segundo lugar, porque os próprios jornalistas têm pouca noção de como administrar suas iniciativas. “Muitos não tiveram uma formação de empreendedorismo e gestão de negócios e isso se torna um desafio para eles”, explica.

Em razão disso, esses jornalistas-empreendores estão aprendendo na raça a tocar suas empresas. “Vimos que cada novo projeto está aprendendo sozinho a colocar no papel o valor do trabalho jornalístico, porque não tinham como mensurar isso. Tem sido um constante aprendizado”, diz Ângela.

No entanto, as pesquisadores enxergam uma luz no túnel para resolver essa questão. Afinal, as mudanças das grades curriculares têm implementado disciplinas que ensinarão a nova geração de jornalistas a criar seus próprios planos de negócios e marketing, de forma que possam sair da academia com alguma noção de como gerir iniciativas próprias.

Para aqueles que não conseguiram aprender isso nos bancos das faculdades, as pesquisadoras recomendam cursos específicos de gestão de negócios, que podem ajudar os jornalistas que sonham com sua própria empresa.

*Informações de Vanessa Gonçalves para o Portal IMPRENSA