Notícias

Fotos inéditas de Che Guevara são divulgadas na Espanha

(AFP, Madri) – Quase cinquenta anos se passaram até que reaparecessem certas fotos de Ernesto “Che” Guevara tiradas após sua morte, chegadas à Espanha por meio de um missionário – cuja família guardou os cliques, feitos por um jornalista da AFP. “Meu tio as trouxe quando veio para o casamento de meus pais, no final de novembro de 1967”, relata Imanol Arteaga, sobrinho do missionário Luis Cuartero Lapieza, que durante “onze ou doze anos” trabalhou na cidade boliviana de Sucre. “Minha tia e minha mãe me contaram que as fotos foram dadas a ele por um jornalista francês”, relata Arteaga, atual guardião das fotos em preto e branco que seu tio, de quem era muito próximo, trouxe da Bolívia.

Missionário espanhol Luis Cuartero (segundo à esquerda) conduz cerimônia na Bolívia em torno de 1967 - Foto: Javier-Soriano/AFP
Missionário espanhol Luis Cuartero (segundo à esquerda) conduz cerimônia na Bolívia em torno de 1967 – Foto: Javier-Soriano/AFP

Após a morte de Cuartero em 2012, Arteaga, prefeito do povoado de Ricla (Aragão, nordeste da Espanha), guardou alguns objetos do tio como recordação. “E então me lembrei das fotos de Che e minha tia não teve dúvidas: ‘sim, sim, sei onde estão'”, conta Arteaga, que dias depois recebeu um envelope com as fotos.

Intrigado pelas imagens, Arteaga iniciou então uma pequena investigação começando por sua origem: “um jornalista francês”. Usando uma ferramenta de buscas da internet, “coloquei ‘jornalista francês Che morto’ e achei Hutten e umas fotos que eram muito parecidas com as que eu tinha”, explica.

Arteaga acredita, assim, que as fotos foram dadas a seu tio pelo repórter francês da AFP Marc Hutten, autor dos poucos instantâneos coloridos que imortalizaram o momento em que o exército boliviano expôs o corpo do guerrilheiro no povoado de Vallegrande (a 150 km de Santa Cruz). “Pediram (ao missionário) que trouxesse as fotos porque ele era o único europeu que ia embora da Bolívia naquele momento”, considera Arteaga.

As fotos parecem corresponder a momentos diferentes, já que em algumas o médico argentino, convertido em mito revolucionário, aparece vestido com uma jaqueta aberta, enquanto em outras parece sem a roupa – como se estivesse sendo exibido. Também há uma foto de uma companheira de Che na Bolívia, Tamara Bunke, conhecida como Tânia, e outra que supostamente mostra seu cadáver numa maca com uma camiseta e o rosto manchados.

Foto: Javier Soriano/AFP
Fotografias históricas de revolucionário cubano Che Guevara, pouco depois de sua execução, vieram à luz em uma pequena cidade espanhola – Foto: Javier Soriano/AFP

Che foi capturado em 8 de outubro de 1967 e morto no dia seguinte antes de ser sepultado às escondidas pelos militares bolivianos na madrugada de 11 de outubro ao lado de outros seis guerrilheiros. Hutten, que morreu em 2012, “nos disse que tinha enviado quatro ou cinco rolos à AFP em Paris” com fotos do cadáver de Che, relata Sylvain Estibal, chefe da fotografia da AFP para a Europa e a África.

Quando Hutten voltou a Paris alguns meses após a morte de Che, constatou que “só havia umas poucas fotos de sua reportagem. Onde estão as outras continua sendo um mistério”, acrescentou Estibal. Arteaga não havia sequer pensado em tornar públicas as fotos entregues ao tio até falar com alguns repórteres de um jornal local, El Heraldo de Aragón. Os jornalistas o ajudaram a falar com um especialista que garantiu que o papel em que as fotos foram reveladas deixou de ser fabricado há muito tempo, confirmando a época em que foram feitas.

“O que mais me interessava nessas fotos é que elas eram do meu tio, tinham valor sentimental”, afirmou, antes de garantir que “agora me dou conta de que têm um valor histórico”. Mas o sobrinho não pensa em se desfazer das imagens. Arteaga, que ainda se emociona ao lembrar do tio, garante que “nos últimos 14 anos”, até sua morte, “falávamos todos os dias”, mas nunca tocaram no assunto das imagens, nem de sua autoria. “Essa foi uma das conversas que ficaram apenas na vontade”, concluiu.

Notícias

HRW alerta sobre as democracias autoritárias na América Latina

Desde o período das independências, ocorrido principalmente durante o século XIX, a América Latina têm sofrido com seguidos processos autoritários, liderados ora por militares, ora pelas elites nacionais. Para a ONG Human Rights Watch, a mais respeitada organização não governamental de Direitos Humanos, as democracias latino-americanas são frágeis e a luta pelos direitos humanos, além de estar ameaçada, caminha a passos lentos. A concentração de poderes, o retrocesso na liberdade de expressão e a impunidade dos delitos de lesa-humanidade são algumas das violações aos direitos humanos citadas no Relatório Mundial de Direitos Humanos 2014, divulgado nesta terça-feira (21), com um capítulo específico sobre o Brasil.

Capa do Relatório Mundial de Direitos Humanos 2014 – Foto: Reprodução/HRW

A concentração de poderes nos países da Aliança Bolivariana das Américas (Alba) e as ameaças que as leis sobre telecomunicações significam para a liberdade de expressão e imprensa na Argentina e no Equador; o descumprimento das leis que procuram oferecer compensação às vítimas da violência na Colômbia e no México; a impunidade e irregularidades na hora de julgar crimes de lesa-humanidade cometidos no passado em países como a Guatemala e Honduras; abusos no trato a manifestantes no Chile e Peru; a falta de transparência nas eleições venezuelanas e a posterior repressão aos simpatizantes da oposição que exigiam uma recontagem de votos; as leis que proíbem ou restringem severamente o direito ao aborto; as restrições à independência judicial, de novo, na Argentina, Equador e Venezuela; os programas de drones (aviões não-tripulados) operados pelos EUA e os abusos ao direito à intimidade cometidos pela inteligência desse país e revelados por Edward Snowden. Essas são as linhas gerais que desenham o mapa das violações dos direitos humanos em 2013 no continente americano.

Os regimes ditatoriais, que geralmente são voltados para o desenvolvimento econômico e pouco para os aspectos sociais, deixaram ao longo de seus governos uma herança difícil de superar pelos atuais regimes democráticos. Nas últimas quatro décadas do século XX, a América Latina foi varrida por uma onda de golpes militares, cujos regimes ditatoriais marcaram o continente: no Brasil (1964 até 1985); na Argentina, os militares subiram ao poder em 1976 e permaneceram até 1983; no Chile, liderada por Augusto Pinochet, a ditadura tirou do poder o presidente eleito Salvador Allende, no ano de 1973, e só saiu do poder em 1990 e, no México, a longa hegemonia do Partido Revolucionário Institucional (PRI) só teve fim em 1997, quando o partido foi derrotado nas eleições para a prefeitura da capital mexicana.

 “Observamos um aumento dos regimes autoritários que mantêm uma fachada democrática, mas onde essa democracia é uma ficção, onde se celebram eleições, às vezes limpas e outras não suficientemente transparentes, em que o partido que as vence, ao comprovar que temporariamente constitui uma maioria, tenta se perpetuar no poder, submetendo a sociedade e todos aqueles que não pensam como eles e intervindo rapidamente no Poder Judiciário. Nesta região, identificamos esse comportamento na Venezuela, e é muito provável que o Equador esteja se qualificando para esse grupo”, afirmou José Miguel Vivanco, diretor da HRW para a América Latina, durante a apresentação do relatório sobre a região.

Vivanco se mostrou pessimista acerca do respeito aos direitos humanos no continente e dedicou especial ênfase à “falta de definição em matéria de segurança” do Governo mexicano do presidente Enrique Peña Nieto, em referência aos fatos de Michoacán e ao surgimento dos grupos de autodefesa, uma situação que não consta no relatório deste ano.

O texto, que analisa a situação dos direitos humanos em mais de 90 países – incluindo 11 latino-americanos – também diz que a atuação do governo mexicano frente às milícias armadas é “ambígua”, e adverte para um risco de impunidade na Colômbia dos crimes cometidos durante o conflito armado.

Na parte sobre o Brasil, classificado como uma das “mais influentes democracias” do mundo, o relatório destaca a crescente participação do país no debate internacional sobre direitos humanos, como na discussão sobre a espionagem americana, mas critica algumas posições tomadas na política externa, como evitar críticas a governos como Síria e Irã. O texto também alerta para problemas domésticos, como a violência policial, a superlotação nos presídios e a crise carcerária.

Em entrevista ao jornal Zero Hora, a chefe da Human Rights Watch no Brasil, Maria Laura Canineu, lamentou o fato de o país, apesar de ter influência crescente no cenário internacional, omitir-se em resoluções que poderiam fazer pressão sobre o governo sírio e o fato de descumprir a determinação da Corte Interamericana de Direitos Humanos de punir os crimes cometidos durante o período da ditadura militar.

Leia também: Página da Biblioteca Virtual de Direitos Humanos da Universidade de São Paulo (USP), que apresenta publicações, dicas de livros e links sobre o assunto.

Ameaça à liberdade de expressão

A HRW alerta em seu relatório sobre o perigo acarretado para a liberdade de expressão pela nova Lei de Meios, aprovada pela Assembleia Nacional do Equador em junho de 2013. “Ela contém disposições imprecisas, que possibilitam processos penais arbitrários e atos de censura”, assinala o relatório, no qual se inclui a preocupação de que os jornalistas acusados de “linchamento midiático” possam ser obrigados a “emitirem um pedido público de desculpas e serem julgados penalmente por outros delitos”. O documento cita os casos concretos de tuítes críticos ao Governo do presidente Rafael Correa publicados pelo jornal El Universo e a recente condenação do congressista opositor Cléver Jiménez e de seu assessor Fernando Villavicencio por terem injuriado o presidente.

Reprodução Google Imagens

Nessa mesma linha, a organização mostra sua preocupação com a lei de Controle de Meios aprovada pelo Congresso argentino em 2009 para ampliar a pluralidade dos veículos de comunicação. A HRW adverte que “a autoridade federal encarregada de implementar a lei ainda deve assegurar que exista um amplo espectro de perspectivas na programação dos meios geridos pelo Estado”, e cita a oposição do maior grupo de telecomunicações do país, o Clarín, que perdeu a batalha sobre a constitucionalidade da norma. O relatório critica ainda as agressões a meios de comunicação críticos feitas pelos poderes constituídos, nos casos específicos da Argentina, Bolívia, Equador e Venezuela.

Como vem sendo habitual nos últimos anos, o relatório da HRW denuncia a deterioração institucional na Venezuela e a progressiva acumulação de poderes do Executivo durante o atual governo de Nicolás Maduro. A HRW, desta vez, salienta a violência exercida pelas forças de segurança depois das eleições presidenciais de abril de 2013. “O presidente Maduro e outros altos funcionários recorreram à ameaça de levar adiante investigações penais como ferramenta política, e apontaram [o líder oposicionista] Henrique Capriles como o responsável por todos os atos de violência ocorridos durante as manifestações”, afirma a organização.

A desculpa da segurança nacional nos EUA

HRW lamenta que em 2013 os EUA não consigam “reverter os resultados decepcionantes em aspectos de segurança nacional”. O relatório é incisivo na hora de lembrar as promessas descumpridas pelo presidente Barack Obama, especificamente, o fechamento de Guantánamo ou uma maior transparência e redução no uso dos programas de ataques com drones, dois assuntos nos quais o presidente norte-americano requer uma cumplicidade por parte do Congresso que este não está disposto a oferecer. “É difícil encontrar um exemplo mais evidente que Guantánamo do que representa o abuso de poder”, assinalou Vivanco.

A violação do direito à intimidade dos cidadãos norte-americanos e estrangeiros a que incorreram os programas de espionagem da NSA, revelados por Edward Snowden, também é abordada pela HRW. O responsável pela organização também denunciou a perseguição penal por parte da justiça norte-americana de Snowden. Ele reclamou “a proteção daqueles que revelaram delitos e abusos, apesar de infringir seu dever de silêncio” por tê-lo feito “em prol de um interesse público superior”.

Com informações de El País (Edição Brasil), Zero Hora e Ederson Lima/Diogo Dreyer (Portal Educacional).