Notícias

Jornalista Levi Vasconcelos recebe título de cidadão de Salvador

O jornalista e articulista político Levi Vasconcelos vai receber o Título de Cidadão de Salvador, nesta sexta (15). Com refinada crítica social e política, Levi faz do exercício jornalístico elemento imprescindível para o fortalecimento da cidadania e enriquecimento da consciência coletiva. A homenagem ao estimado profissional acontece durante sessão solene, realizada na Câmara Municipal, às 19h.

Nascido em 29 de abril de 1963, na cidade de Valença, Bahia, Levi Reis Vasconcelos se tornou um dos jornalistas políticos mais destacados do estado. Em 40 anos de profissão, trabalhou em importantes veículos de comunicação, como o Jornal da Bahia e o Tribuna da Bahia. Atualmente, é autor da prestigiada coluna “Tempo Presente”, do jornal A Tarde, além de capitanear o portal de notícias Bahia.Ba.

De acordo com a vereadora Ana Rita Tavares, responsável pela indicação, a percepção aguçada de Levi atenta-se ao desenrolar dos fatos nas diferentes esferas de poder. Para ela, a “crítica sensata, objetiva, imparcial e sua posição vigilante” tornam a arena política menos opaca. “Diariamente, ele aproxima leitores e ouvintes das ações dos agentes públicos e dos meandros do universo político. A sua atuação jornalística competente, sem sombra de dúvida, fortalece a noção de pertencimento do indivíduo ao coletivo e o controle social dos processos decisórios”, elogia.

Serviço

O que: Outorda do título de cidadão de Salvador a Levi Vasconcelos
Quando: 15 de abril, às 19h
Onde: Plenário Casme de Farias – Câmara Municipal de Salvador (em frente ao Elevador Lacerda).

*Informações de Danilo Moraes – Sinjorba.

Notícias

Câmara homenageia fotojornalista Anízio Carvalho

Uma sessão especial realizada na Câmara Municipal de Salvador homenageou, na manhã desta sexta (18), o repórter fotográfico Anízio Carvalho. A honraria sugerida por jornalistas, ex-colegas de Anízio, destacou sua contribuição para o fotojornalismo baiano e representa o reconhecimento da importância do seu acervo para a história do estado e do país. Durante a solenidade, o homenageado, que é natural do município de Conceição de Feira, recebeu o Título de Cidadão de Salvador, que já havia sido concedido pela Casa, mas Anízio não compareceu por motivo de saúde. A sessão presidida e requerida pela vereadora Aladilce Souza contou com a presença da família do fotojornalista, além de significativa representação dos profissionais da imprensa.

Aos 85 anos de idade, sendo 60 em atividade, o fotógrafo baiano possui um acervo que reúne mais de seis mil negativos, com imagens que eternizam acontecimentos ao longo de seis décadas de história da Bahia e do Brasil, com destaque para as coberturas do período da ditadura militar e campanhas políticas. É de sua autoria uma das fotografias mais inusitadas da visita da rainha Elizabeth II, ao Brasil. Foi o primeiro baiano a receber, em vida, uma exposição de seus trabalhos como homenagem por sua importância na documentação dos costumes da cultura afrodescendente, proferida pelo Museu Afro em São Paulo. A homenagem desta sexta serviu também para alertar sobre o mau estado de conservação do valioso acervo. A partir da sessão, será feita uma indicação para a retomada da proposta que cria o Museu Anízio Carvalho.

A sessão foi abrilhantada por um Anízio emocionado e orgulhoso de sua trajetória. A outorga da honraria foi feita pela vereadora e pela esposa de Anízio, Terezinha Carvalho. “Esta homenagem veio selar a minha história, marcada pela vontade de vencer. Eu me sinto orgulhoso e isso também envaidece a minha família. Saí de Conceição de Feira aos 14 anos e hoje estar sendo homenageado nesta Casa, para mim, significa que eu venci”, enfatizou o fotógrafo, exibindo no pescoço a sua primeira companheira de trabalho, a conhecida Rolleiflex que ganhou na década de 40.

“Meu pai não é só. Ele é feito das personagens que ele fotografou durante a vida. Do simples mendigo ao general, da rainha Elizabeth à Mulher de Roxo”, destacou o filho de Anízio, Juarez Carvalho. Já a jornalista Jaciara Santos, que falou em nome dos amigos do fotógrafo, exaltou características marcantes de sua personalidade. “Um texto, por mais bem escrito que seja, jamais será realista se não estiver associado a uma imagem. Anízio teve uma carreira brilhante, mas nunca conheci uma pessoa com a humildade dele”, reconheceu.

homenagem anízio carvalho Reconhecimento – Para o presidente da Associação Bahiana de Imprensa, Walter Pinheiro, Anízio é um ícone do fotojornalismo. “Poucas vezes, este salão abrigou uma homenagem tão merecida. Ele teve a oportunidade de testemunhar fatos que entraram para a história e foram registrados por suas lentes. Foi um dos poucos que tiveram a sabedoria de guardar os negativos, que são verdadeiras relíquias para a memória do estado”, reforça o dirigente, que esteve acompanhado por outros diretores da entidade, como Luís Guilherme Pontes Tavares, Agostinho Muniz, Sérgio Mattos e Nelson de Carvalho. Além do presidente da ABI, compuseram a mesa de trabalho o presidente da Associação dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos do Brasil (Arfoc), Luiz Hermano Abbehusen; a presidente do Sindicato de Jornalistas da Bahia (Sinjorba), Marjorie Moura; o presidente da Arfoc-Bahia, Roque Leônidas; o filho de Anízio, Juarez Carvalho, a jornalista Jaciara Santos e o jornalista e ex-deputado federal, Emiliano José.

Filha de um fotógrafo, Aladilce Souza levou ao Plenário Cosme de Farias a máquina que seu pai usou para ensiná-la a fotografar. Aladilce, que é enfermeira, acompanhava o trabalho do pai e contou que recorda todo o antigo processo de nascimento de uma fotografia. “[A homenagem] Não é uma iniciativa minha, mas de todos os colegas dele. A fotografia é muito mais do que usar uma câmera. Agora que tomamos conhecimento da importância deste acervo, vamos nos esforçar para dar um destino e preservar esse material”. A vereadora estendeu a homenagem a todos os repórteres fotográficos de Salvador, com menção especial aos servidores da Secom, Reginaldo Ipê, Valdemiro Lopes e Antônio Queirós.

Decano – Anízio Carvalho nasceu em 26 de fevereiro de 1930. Chegou a Salvador ainda criança, na década de 40, para trabalhar na casa da família Rosenberg, composta de empresários na área de fotografia e filmagem – Leão e Isaac. Eram deles os melhores estúdios, os melhores laboratórios e os melhores equipamentos de fotografia, revelação e filmagem da Bahia. E foi aí que Anísio Carvalho, então laboratorista, ganhou sua primeira câmera e aprendeu a fotografar. Em 1957, foi contratado pelo dono do Jornal da Bahia, João Falcão, para integrar a equipe do periódico, assumindo a chefia do departamento fotográfico. Com isso, o JB passou a ser o primeiro jornal em Salvador a ter uma Rolleiflex. Lá, Anízio Carvalho ganhou reconhecimento internacional.

ABI BAHIANA Notícias

ABI reverencia centenário do professor Josaphat Marinho

Em reunião de Diretoria, promovida nesta quarta (11), a Associação Bahiana de Imprensa (ABI) lembrou os 100 anos de nascimento do professor Josaphat Ramos Marinho, que atuou como advogado da instituição. O jurista falecido em 2002 também foi homenageado no último dia 9, em uma sessão especial da Assembleia Legislativa da Bahia, na qual a família do político baiano recebeu a Comenda 2 de Julho, a mais alta condecoração do legislativo no estado. O diretor da ABI Agostinho Muniz exalta o “perfil político admirável” de Josaphat Marinho no artigo “PROF. JOSAPHAT MARINHO, PERFIL POLÍTICO ADMIRÁVEL” (confira aqui), onde o jornalista detalha a atuação de Marinho.

josaphat marinhoJosaphat Ramos Marinho – advogado, professor emérito da Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia e da Faculdade de Direito da Universidade Nacional de Brasília. Nascido em Ubaira em 28 de outubro de 1915, dedicou-se ao magistério e à vida pública elegendo-se pela primeira vez apenas nove anos após graduar-se em Direito, em 1938. Foi deputado Constituinte em 1947 e reelegeu-se deputado estadual. Em 1959 foi nomeado secretário do Interior e Justiça do Estado, no governo Juracy Magalhães. Ocupou também a pasta da Fazenda em 1960/1961. Neste ano foi nomeado pelo presidente Jânio Quadros para a presidência do Conselho Nacional do Petróleo (CNP). Em 1962, foi eleito senador com mandato até 1971. Após deixar o Senado Federal, Josaphat Marinho voltou a se dedicar à advocacia e ao magistério, como professor de Direito Constitucional na Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia e da Universidade Nacional de Brasília. Quinze anos depois de abandonar a vida pública, lançou-se candidato ao Governo da Bahia, sendo derrotado por Waldir Pires. Em 1990 consegue a eleição para o segundo mandato como senador e ocupa a função de relator-geral do novo Código Civil Brasileiro.  Josaphat condenou com firmeza a incorporação à Constituição Federal dos atos constitucionais baixados pelo movimento militar de 1964.

ABI BAHIANA Notícias

Medalha do centenário do TCE homenageia o jornalista Jorge Calmon

Como parte das celebrações do seu centenário, o Tribunal de Contas do Estado da Bahia (TCE) realizará uma solenidade de entrega pessoal da Medalha Jorge Calmon, às 14h30 do dia 10 de novembro, data em que também é comemorado o Dia Nacional dos Tribunais de Contas brasileiros. A honraria que homenageia o jornalista – que completaria 100 anos em julho de 2015 – será concedida a 90 personalidades “de destaque e significância”, entre elas o presidente da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), Walter Pinheiro.

A decisão foi aprovada por unanimidade pelos conselheiros do TCE, como reconhecimento ao notório contributo dos homenageados para o aprimoramento do controle do gasto público e para o “engrandecimento e respeitabilidade” do órgão, ao longo de sua história.

Leia também: 

Jorge Calmon Moniz Bittencourt (1915-2006) exerceu, entre outros cargos, a função de conselheiro do TCE, entre maio de 1967 e agosto de 1971, além de ter estado à frente da ABI entre os anos 1970 e 1972. Referência no jornalismo baiano, ele trabalhou por mais de 40 anos no jornal A Tarde, atuando como redator-chefe e diretor de redação. O bacharel em Direito pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) foi um dos responsáveis pela implantação do atual curso de Jornalismo da instituição. Foi diretor da Biblioteca Pública do Estado e deputado estadual por duas vezes, integrou a Academia de Letras da Bahia e o Instituto Geográfico e Histórico da Bahia.