ABI BAHIANA Notícias

ABI é homenageada na ALBA pela atuação em defesa das liberdades democráticas

Para lembrar os 85 anos da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), comemorados em 17 de agosto, a Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) recebeu, na manhã desta quinta-feira (8), diretores da entidade, autoridades, jornalistas, representações políticas, culturais e movimentos sociais, que lotaram o plenário do Palácio Dep. Luis Eduardo Magalhães, no CAB. A sessão especial conduzida pelo presidente da ALBA, deputado Marcelo Nilo, destacou a atuação da ABI em defesa da liberdade de imprensa e de expressão, e a importância da atividade jornalística para a manutenção da democracia.

“É uma honra para a ABI ter a chance de completar 85 anos sendo homenageada pelo Poder Legislativo. A consciência de que, sem imprensa, não há democracia tem que ser mantida e alimentada o tempo inteiro”, defende o presidente da ABI, Walter Pinheiro. O dirigente lembrou episódios em que foi decisiva a atuação dos jornalistas, como nos recentes casos de corrupção, em que a produção jornalística teve destacado papel na garantia da transparência.

Foto-Josenne Guedes-ABI (2)
Diretores da ABI – Foto: Joseanne Guedes/ABI

Para o dirigente, é uma data importante não apenas para a entidade da qual ele é integrante desde 1986, mas para toda a sociedade. “A ABI está atenta ao cenário que se apresenta e temos a doce esperança e otimismo de acreditar nas potencialidades do nosso país”. Ele reforçou o compromisso da ABI no combate a qualquer ato que compreenda censura ou possa impedir os profissionais da comunicação de exercerem a atividade.

Neta de Demócrito Gomes de Carvalho, ex-dirigente da Associação Tipográphica da Bahia, a deputada estadual Fabíola Mansur foi responsável por articular a homenagem à ABI. Em um discurso contundente, a parlamentar parabenizou a entidade que se manteve atuante, mesmo quando o direito à informação esteve na mira do poder econômico ou político. “Sem imprensa livre, muitos problemas da sociedade seriam invisíveis. Quando, muitas vezes, o Estado não chega, o jornalista está lá”. A parlamentar elogiou a postura da ABI quando da retratação pública da instituição sobre suas omissões no período da ditadura. “Um gesto de grandeza”.

No papel de orador, o jornalista e pesquisador Nelson Varón Cadena reconstituiu a linha do tempo da ABI. Ele é autor do levantamento histórico da instituição, através das atas de diretoria e outros documentos, e prossegue estudando o tema. Segundo o historiador, a ABI não foi mais atuante no enfrentamento dos regimes ditatoriais porque as circunstâncias não permitiam. Cadena ressalta que a ABI atuou de forma protocolar, como as demais associações de imprensa do país.

“Na ditadura Vargas, fez ofícios e diligências junto aos interventores, solicitando a revogação da prisão de jornalistas e também solicitando o fim das penalidades que impediram a circulação por períodos de O Imparcial, Diário de Notícias e A Tarde”. Ainda nesse período, de acordo com o pesquisador, a entidade pediu ao Ministério da Justiça para apurar as circunstâncias do empastelamento do jornal A Cachoeira. “Na ditadura militar, atuou de igual forma. Mas, condenou o atentado de abril de 1965 ao O Estado de São Paulo e se manifestou contra a Lei de Imprensa de 1967”.

O presidente Walter Pinheiro esteve acompanhado do presidente da Assembleia Geral da ABI, Samuel Celestino, e dos diretores da entidade: Luís Guilherme Pontes Tavares, Raimundo Marinho, Pedro Daltro, Valter Lessa, Romário Gomes, Agostinho Muniz, Antonio Matos, Luiz Hermano Abbehusen, Nelson de Carvalho e Antonio Jorge Moura. A sessão foi prestigiada pelo governador em exercício, João Leão; secretário de Comunicação, André Curvello; a diretora da Faculdade de Comunicação, Susana Barbosa; a presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado da Bahia, Marjorie Moura; desembargador Lindivaldo Brito; presidente da Academia de Letras da Bahia, Joaci Goes; presidente da Associação Comercial da Bahia, Luiz Fernando Queiroz; presidente da Fundação Pedro Calmon, Zulu Araújo.

Notícias

ABI recebe homenagem da Assembleia Legislativa na manhã desta quinta (8)

A Associação Bahiana de Imprensa (ABI) será homenageada pela Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), nesta quinta (8), em alusão ao aniversário de 85 anos da entidade, comemorados no dia 17 de agosto. A sessão especial será realizada às 9h30, no Palácio Dep. Luis Eduardo Magalhães. Para o presidente da ABI, Walter Pinheiro, é um momento de relembrar todos os importantes integrantes da história dessa instituição que surge em 1930, exatamente para lutar pelas liberdades de expressão e de imprensa, e zelar pelo respeito às leis estabelecidas. “Quando a Assembleia Legislativa, que é o poder que vem do povo, presta a homenagem a ABI, nós nos sentimos também avalizados por essa manifestação popular. Isso é a causa de todo o orgulho, toda a honra e alegria que sentimos”. O jornalista e pesquisador Nelson Varón Cadena será o orador convidado. Ele é autor de levantamento histórico da instituição e prossegue estudando o tema.

Foto_Joseanne Guedes/ABI
Sede da ABI, na Praça da Sé

Walter Pinheiro reforça o compromisso da entidade na luta para que a verdade, a liberdade de imprensa, a liberdade de expressão e os direitos humanos se mantenham vivos. “Evidente que envolve todos aqueles que já passaram pela ABI e que estão na ABI. Pessoas marcantes, como foram seus fundadores e presidentes”. De acordo com o presidente, reeleito para mais um biênio, a instituição se mostra mais amadurecida, fortalecida e consciente da importância do seu papel histórico na consolidação da democracia no país.

Integrante da diretoria desde 1986, ele esteve à frente da Tesouraria até ser eleito presidente em 2011 e assegura que permanece “preocupado com o combate a qualquer ato que compreenda censura ou possa caracterizar garroteamento aos profissionais da comunicação em expressar suas opiniões”. Ele enfatiza que a função da ABI funciona como “um baluarte, tanto na defesa dos jornalistas quanto da cidadania e do Estado como um todo”.

A solenidade é fruto da articulação da deputada Fabíola Mansur, que destaca a natureza democrática da ABI, segundo ela, uma instituição “nascida em ambiente politicamente conturbado e reconhecida nacionalmente por levar destacado conteúdo jornalístico ao leitor baiano”. A parlamentar explica que o objetivo é valorizar a contribuição da ABI, para que a história de luta da instituição não seja esquecida. “Quando se instaurou no Brasil um estado de sítio, a ABI manteve-se sempre nas trincheiras contra a opressão e a censura”.

Ela distingue dirigentes, como o ex-presidente Samuel Celestino, que não se calaram, mesmo quando o direito à informação esteve na mira do poder econômico ou político. “O atual presidente da entidade, o jornalista Walter Pinheiro, vem dando uma enorme contribuição ao jornalismo baiano, também fazendo jus à história da instituição, com uma postura altiva, engajado na defesa da democracia”, conclui.

*Com informações da Tribuna da Bahia e Ascom/Fabíola Mansur

ABI BAHIANA Notícias

ABI completa 85 anos defendendo a liberdade de imprensa e de expressão

A Associação Bahiana de Imprensa (ABI) comemora hoje 85 anos de luta para que a verdade, a liberdade de imprensa, a liberdade de expressão e os direitos humanos se mantenham vivos. Sob o renovado ânimo da diretoria reeleita na última quinta-feira (13) para mais um biênio, a instituição nascida em 17 de agosto de 1930 se abre para o futuro, sem abrir mão dos ideais que orientaram a luta iniciada pelo seu idealizador, Thales de Freitas. A busca incessante pela democracia está cada vez mais viva e continua norteando os objetivos desta combativa entidade, que, na passagem do seu aniversário, parabeniza a todos os profissionais da imprensa baiana.

De acordo com o presidente da ABI, Walter Pinheiro, a instituição se mostra mais amadurecida, fortalecida e consciente da importância do seu papel histórico na consolidação da democracia no país. Integrante da diretoria desde 1986, ele esteve à frente da Tesouraria até ser eleito presidente em 2011 e assegura que permanece “preocupado com o combate a qualquer ato que compreenda censura ou possa caracterizar garroteamento aos profissionais da comunicação em expressar suas opiniões”. O dirigente enfatiza que a função da ABI funciona como “um baluarte, tanto na defesa dos jornalistas quanto da cidadania e do Estado como um todo”, afirmou ao jornal Tribuna da Bahia.

sede-da-ABI-ArquivoPresidente da Assembleia Geral da ABI após os 25 anos em que esteve à frente da diretoria, o jornalista Samuel Celestino recorda a fundação da entidade, cuja trajetória está incorporada na história da Bahia. Diante de um fato político que perturbaria a vida dos brasileiros – a Revolução de 30 –, “a ABI só veio a funcionar em setembro sob a presidência de Altamirando Requião”. Celestino salienta que a revolução foi deflagrada três semanas depois da posse da primeira diretoria. Com a decretação do estado de sítio e severas restrições à ordem pública e às liberdades individuais, houve prisões de jornalistas, empastelamentos e censura explícita, “exigindo da ABI sua primeira atuação em defesa da atividade junto aos poderes públicos”. A instituição surge exatamente para lutar pelas liberdades de expressão e de imprensa, e zelar pelo respeito às leis estabelecidas.

De olho no futuro

Com o início do biênio 2015-2017, o presidente Walter Pinheiro revela que a diretoria reeleita segue empenhada na reforma dos Estatutos, que permitirá inserir os agentes da comunicação atuantes na blogosfera, e a ampliação do quadro social, agregando mais profissionais, inclusive nas duas seccionais interioranas Nordeste (com sede em Feira de Santana) e Sul (em Ilhéus). Além disso, a diretoria pretende implantar o Museu de Imprensa, colocar todo o prédio-sede em funcionamento, restaurar a Casa de Ruy Barbosa, trabalhar na dinamização e fortalecimento do site institucional e na incorporação de novas mídias.

Para o diretor Luís Guilherme Pontes Tavares, que assume a diretoria de Patrimônio e deixa a de Cultura, nos últimos quatro anos, o que aconteceu de mais sensível é que “a bússola, antes voltada para o passado, agora está direcionada para o futuro, no sentido de aumentar o número de associados, tendo em vista a existência de 20 mil novos profissionais no mercado”.

O vice-presidente da ABI, Ernesto Marques, ressalta que a instituição é um espaço aberto para o debate sobre comunicação e produção de conhecimento. Ele também destaca a importância da reforma dos Estatutos. “O atual data de 1986, mas o mercado de hoje é em diferente”. Para ele, não se pode pensar o futuro em uma ABI restrita ao impresso. “Precisamos contemplar os profissionais das novas mídias”. Na esteira das novas ações, Ernesto relevou a existência de um projeto para parceira com universidades com o objetivo de oferecer o curso de mestrado para jornalistas. “Temos o propósito de produzir inquietação, levar as pessoas a pensar”.

*As informações são de Albenísio Fonseca para o jornal Tribuna da Bahia (matéria “ABI se abre para o futuro”, publicada nesta segunda-feira, na página 11 – caderno “Cidades”)

ABI BAHIANA Notícias

ABI comemora 84 anos em defesa das liberdades de imprensa e expressão

O dia 17 de agosto é um marco de dignidade e cidadania na imprensa baiana. Há 84 anos, nos salões da Associação Tipográfica Baiana, 73 jornalistas instalaram, em Salvador, a Associação Bahiana de Imprensa (ABI), cuja trajetória está incorporada na história da Bahia. Os fatos mais relevantes ocorridos em nosso Estado, de alguma forma, passaram pela entidade, que acompanha permanentemente as transformações sociais, políticas e econômicas da Bahia e do País.

sede da ABI-ArquivoNo ano do seu nascimento, em 1930, os sonhos iniciais – entre outros, a sede – foram adiados, diante de um fato político que perturbaria a vida dos brasileiros, “a Revolução de 30”, com a decretação do estado de sítio e severas restrições à ordem pública e às liberdades individuais. A ABI surge exatamente para defender a liberdade de expressão e zelar pelo respeito às leis estabelecidas.

A sede própria, apesar do estado de sítio, era o principal objetivo do presidente, Altamirando Requião. Mas, por influência da chamada “Revolução de 30” seguida da ditadura de Getúlio Vargas, de 1937 a 1945, e da II Guerra Mundial, de 1939 a 1945, ela só seria inaugurada em 2 de fevereiro de 1960, período de calmaria que, aliás, duraria pouco tempo, pois quatro anos depois surgiria o regime militar, que duraria até 1985.

A luta incessante pela democracia está cada vez mais viva e continua norteando os ideais desta combativa entidade, que, na passagem do seu aniversário, parabeniza a todos os profissionais da imprensa baiana.