Notícias

Site Avoador recebe menção honrosa em evento nacional sobre ensino de jornalismo

A diretoria científica da Associação Brasileira de Ensino de Jornalismo (ABEJ) tornou pública nesta quinta (7/1) a lista de trabalhos apresentados no 19º Encontro Nacional de Professores de Jornalismo que receberam menção honrosa. Segundo a entidade, as indicações levaram em consideração a qualidade dos trabalhos apresentados nos cinco Grupos de Pesquisa do 15º Ciclo de Pesquisa em Ensino e Extensão em Jornalismo, realizado nos dias 26 e 27 de novembro. Um desses trabalhos premiados foi o “Site Avoador e a editoria de checagem Xereta: jornalismo no combate à desinformação”, apresentado pela professora Carmen Carvalho, na categoria Atividade de Extensão. O Avoador <https://avoador.com.br/> é um projeto de extensão do curso de Jornalismo da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB).

“Essa honraria é a coroação do curso de Jornalismo da Uesb, que tem mais de 20 anos e já formou mais de 400 jornalistas. Além disso, é o reconhecimento do que o Avoador está fazendo aqui no interior da Bahia: levar um jornalismo de qualidade para Vitória da Conquista e região, combatendo especialmente a desinformação neste momento de pandemia. O reconhecimento nacional é importante para todo o estado, porque mostramos que os cursos de jornalismo do interior tem uma qualidade e um potencial muito grande”, celebra Carmen Carvalho.

Para ela, a premiação é o indicativo do relevante trabalho realizado pela equipe do site, além de reafirmar a qualidade do ensino de Jornalismo na Uesb, porque “mostra a importância da universidade compartilhar seu conhecimento e a formação dos jornalistas além dos seus muros”, afirma. A docente lembra que o site Avoador trabalhou durante nove meses ininterruptos, para que a região sudoeste ficasse informada, desmentindo as informações falsas que circularam nas redes sociais e no aplicativo de mensagem Whatsapp. “O reconhecimento nos estimula a trabalhar e evidenciar a importância da universidade pública, principalmente do interior do estado da Bahia”, destaca a professora.

Avoador – O Site Avoador é um produto laboratorial da disciplina Jornalismo Digital, coordenado pela professora Carmen, e que teve início em 2016. De lá para cá, por conta da repercussão causada pelo trabalho realizado, o site foi transformado em um projeto de Extensão, que se propõe a ser um experimento de pesquisa aplicada.

“É assim que temos trabalhado: produção de conteúdo jornalístico com a reflexão sobre a prática realizada. Por meio do grupo de pesquisa Jornalismo Importa temos apresentado trabalhos no Brasil e no exterior. Felizmente, esse trabalho tem recebido a participação de muitos estudantes que se dedicam a produzir jornalismo e ciência”, acrescenta a docente.

*Com informações de Valcelene Amorim (Site da UESB).

Notícias

Faculdade de Comunicação da UFBA adere ao inédito semestre suplementar online

A pandemia do novo coronavírus segue modificando rotinas e impulsionando reinvenções nas mais diversas áreas. E já que as aulas presenciais estão suspensas até o final do ano na Universidade Federal da Bahia (UFBA), o Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) aprovou a implantação do Semestre Letivo Suplementar, em caráter emergencial e excepcional. De acordo com um guia divulgado pela Faculdade de Comunicação (FACOM/UFBA), o SLS 2020 é de adesão facultativa e o período de aulas se estenderá do dia 8 de setembro até 18 de dezembro.

Uma vez que a crise sanitária provocou a suspensão do exercício acadêmico de 2020.1, a modalidade de ensino online foi a alternativa encontrada pela instituição para retomar o funcionamento, sem colocar em risco a vida de docentes, discentes, técnicos e terceirizados. A FACOM preparou um material para orientar os estudantes de graduação e de pós-graduação durante esse período.

No Guia do Semestre Letivo Suplementar, o estudante encontra orientações sobre o novo semestre, com instruções para a matrícula, datas importantes do semestre, calendário de TCC, além de informações sobre os componentes curriculares obrigatórios e optativos. “Sabemos que este Semestre Suplementar nos traz desafios. Mas, certamente, nos permitirá demonstrar a nossa capacidade e competência para nos adequarmos ao novo”, afirma o documento.

Mateus Anjos, coordenador do Centro Acadêmico Vladimir Herzog, conversou com a diretora FACOM, Suzana Barbosa, para entender como a unidade está se organizando para o semestre suplementar. A docente salientou a excepcionalidade atual e destacou as principais mudanças implementadas. Segundo Barbosa, a modalidade é de adesão facultativa, seu tempo não contará para o tempo máximo de integralização curricular.

Neste semestre letivo, serão oferecidos componentes novos e alguns componentes já ofertados em semestres anteriores, com as respectivas adequações ao formato remoto. Mas nem todas as disciplinas tiveram possibilidade de adaptação ao formato de aula remoto do SLS. “As oficinas, principalmente as do eixo de formação profissional, não serão oferecidas, porque a experiência é viva, em campo, e demandam equipamentos e estruturas específicos”, argumenta a professora. “É um momento de demonstrarmos nossa capacidade de integração. Vamos iniciar algo novo e que pode abrir caminhos. Estamos diante de uma situação complexa, mas com possibilidade de reagir. Que a gente possa se conectar e ter a melhor energia para trabalhar”, conclui.

Dúvidas sobre o Semestre Suplementar devem ser enviadas ao Colegiado de Graduação ([email protected]) ou ao Colegiado de Pós-graduação ([email protected]).

Confira a live com a diretora da Facom, Suzana Barbosa.

Notícias

TV UESB entra na era digital e vai fortalecer jornalismo conquistense

Quando o calendário marcar o dia 5 de dezembro, o sinal analógico de TV deixará de funcionar em Vitória da Conquista, no Centro-Sul da Bahia. A transmissão será obrigatoriamente digital. Para cumprir a determinação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, a comunicação da Universidade Estadual do Sudoeste Baiano (UESB) já fez os ajustes no Sistema UESB de Rádio e Televisão Educativas (Surte). Desde quarta-feira (18), a TV UESB e a Rádio Uesb FM, emissoras públicas, operam em SD Digital.

O assessor geral de comunicação e diretor do Surte, Rubens Sampaio, destaca os efeitos da digitalização para o jornalismo conquistense. “A grande importância está em oferecer uma opção diferenciada de informações, sem as amarras da necessidade comercial e voltada para a educação, a cultura e as necessidades sociais da comunidade”, avalia. Sampaio também é professor do curso de Jornalismo da UESB e reforça a necessidade de ofertar conteúdos que não são abarcados pela mídia tradicional. “Faremos um jornalismo que primeiro foca no formar e, depois, no informar. Nossas pautas são diferentes e a abordagem também.”

“Com a digitalização da TV, o conteúdo produzido chegará a mais pessoas com maior qualidade. A Universidade, enquanto instituição pública, tem um compromisso social muito grande. É uma preocupação nossa oferecer serviços de qualidade para a população, não só em extensão, mas também no ensino e na pesquisa”, afirma a professora Gleidi Magali Lemos, pró-reitora de Extensão e Assuntos Comunitários da instituição.

Ampliação – A digitalização amplia o sinal da UESB FM, que passará a ser a emissora de rádio da região Sudoeste com maior alcance. O sinal das emissoras chegará até Poções, Planalto, Aracatu, Barra do Choça, Tremedal, Belo Campo dentre outros municípios num raio de 100 km. A segunda etapa da digitalização da TV UESB será operar em Full HD. Para isso, está previsto um investimento na estrutura interna da emissora, com melhoria nas ilhas de edição, estúdio e câmeras. A previsão é que essa etapa seja finalizada até dezembro deste ano.

Durante os próximos 90 dias, a emissora entra em caráter experimental, aumentando progressivamente a potência do sinal até atingir 1.250 watts. Agora, o Surte conta também com um gerador próprio na torre de transmissão, que garante maior estabilidade na manutenção da TV UESB e UESB FM no ar. Para ter acesso à programação da TV UESB em sinal digital, é necessário ter o conversor instalado em sua televisão e ressincronizar no canal 4.1. As duas emissoras privadas que transmitem a partir de Vitória da Conquista, a TV Sudoeste e a TV Cabrália já fizeram as mudanças necessárias para a migração definitiva. (Com informações da ASCOM/UESB)

Notícias

Jornalistas e pesquisadores criam grupo para recuperar a Biblioteca Pública da Bahia

Depois de denunciar a situação de abandono da Biblioteca Pública do Estado da Bahia, o jornalista e escritor Nelson Cadena criou no início deste mês o Grupo de Amigos da Biblioteca-GABI – um movimento que reúne pessoas interessadas em colaborar para a recuperação do espaço. A observação e fiscalização dos serviços prestados à comunidade são as principais atribuições do grupo, que já realizou a primeira vistoria nas instalações da biblioteca localizada no bairro dos Barris, em Salvador. O próximo passo será protocolar um pedido de audiência com as instâncias responsáveis pela instituição de 207 anos.

Alguns integrantes do GABI durante visita à Biblioteca Pública – Foto: Carollini Assis

Representado por Oleone Coelho Fontes, Arthur Carmel, Aninha Franco, Luís Guilherme Tavares (diretor da Associação Bahiana de Imprensa), Ivan Lima, Ranulfo Bocaiuva, Ruy Trindade, Graça Cantolino, Ivete Lima, Carollini Assis, Paulo Leandro, Roberto Macedo e Ivanete Mendes, o GABI foi recebido no último dia 20 pela diretora da instituição, Naiara Santos. Eles percorreram as instalações e definiram estratégias para continuar a cruzada pela preservação da biblioteca. “Não queremos um grupo fechado, apenas com intelectuais e profissionais da área, precisamos de todos os usuários da biblioteca. Convidamos a todos. Faremos também um trabalho de divulgação na Faculdade de Biblioteconomia e Documentação da UFBA, para envolver os estudantes no grupo e debater questões importantes, como a inserção no mercado de trabalho”, afirma Nelson Cadena.

Acervo defasado

Em uma postagem no GABI, Nelson destaca que autores baianos lançam ao menos 100 títulos novos por ano e autores de outros estados, centenas de livros, com temas que são do interesse de historiadores, sociólogos, antropólogos e estudiosos das mais diversas áreas do conhecimento. No entanto, o grupo confirmou durante a visita que a Biblioteca Pública não possui verba em seu orçamento para atualização do acervo. “Este é um problema comum a quase todas as bibliotecas da Bahia, inclusive algumas de universidades privadas”, ressalta o escritor.

Mas nem tudo é má notícia, uma vez que as constantes mobilizações em prol da biblioteca já começam a dar frutos: ela voltou a disponibilizar os jornais da capital baiana, depois de mais de dois anos sem assiná-los. Além disso, foram iniciadas as obras de recuperação dos sanitários que estavam interditados. Para Nelson Cadena, a carta aberta endereçada em fevereiro pelo jornalista e pesquisador Cláudio Leal ao governador Rui Costa foi decisiva para o início da solução dos problemas.

O texto de Claudio expõe as condições da biblioteca – desde a de “desertificação” do setor de periódicos até as más condições de limpeza. O jornalista chegou a receber da secretária do governador um ofício informando que o gestor estadual cobrou providências da Secretaria de Cultura, responsável pela biblioteca através da Fundação Pedro Calmon (FPC).

Restaurar é preciso

Outra preocupação do GABI reside na falta de uma política de restauração na Biblioteca Pública. A instituição possui mais de mil títulos de periódicos, coleções de jornais e revistas, alguns muito raros. Mas alguns desses volumes estão interditados. “Periódicos são uma das fontes de pesquisa mais importantes para qualquer pesquisador e a BP [Biblioteca Pública] tem inúmeros títulos que não fazem parte da hemeroteca digital da Biblioteca Nacional. É preciso preservar”, denuncia Nelson.

Para ele, os muitos espaços ociosos da biblioteca poderiam ser aproveitados para a instalação de um laboratório. “Poderia contratar pelo menos dois profissionais de restauração, para começar, e adquirir um scanner. O importante é começar. Dar o primeiro passo”. O GABI se prepara agora para protocolar um pedido de audiência com o governador, para discutir as condições da Biblioteca Central.