ABI BAHIANA

Jornalistas palestram na ABI sobre a história da imprensa no Brasil

Para dar continuidade ao projeto “Temas Diversos”, série idealizada pela diretoria da ABI, com o intuito de discutir assuntos relevantes da relação entre a imprensa e a sociedade, a entidade abrigou na reunião desta quarta-feira (12) uma palestra sobre a história da imprensa no Brasil e o papel da Gazeta do Rio de Janeiro, fundadora e patrona da chamada imprensa áulica no Brasil. A palestra mediada por Luís Guilherme Pontes Tavares (leia aqui o texto “O pioneirismo da Bahia na indústria gráfico-editorial privada brasileira”), diretor da ABI, foi proferida pelos jornalistas Nelson Cadena e Jorge Ramos.

Jorge Ramos e Nelson Cadena – Foto: ABI

Jorge Ramos, diretor de Cultura da ABI, fez um resgate histórico sobre a invenção da imprensa – ainda no início do Século XV, pelo alemão Gutenberg -, o nascimento da imprensa no Brasil e a fundação da Gazeta do Rio de Janeiro. Segundo ele, a censura sempre esteve presente, principalmente nos países católicos. “Em Portugal ela foi maior ainda, nada podia ser impresso sem a autorização dos órgãos censórios. Isso foi inibidor do jornalismo lusitano, e, consequentemente, do aparecimento da imprensa no Brasil”, explicou. (Confira o texto “Pequena contribuição ao estudo da história da imprensa“, de Jorge Ramos)

Nelson Cadena falou da expressividade da Gazeta e sua importância para a história da imprensa no Brasil. “Durante muito tempo o Dia da Imprensa era celebrado em 10 de setembro, em referência à fundação da Gazeta. Mas isso mudou”. De acordo come ele, houve “um lobby muito poderoso entre a Associação Brasileira de Imprensa (ABI), a FENAJ (Federação Nacional dos Jornalistas) e a ANJ (Associação Nacional de Jornais)”. (Leia o texto “Um baiano foi o primeiro jornalista brasileiro”, de Nelson Cadena

“A ANJ era presidida por Paulo Cabral, então diretor do Correio Braziliense. Ele tinha muito interesse em vincular o nome de seu jornal à publicação original de Hipólito da Costa. Por isso esse lobby foi tão bem sucedido. Pressionaram o presidente Fernando Henrique Cardoso e ele sancionou em 1999 a lei que transferiu o Dia da Imprensa para 1º de junho, que é a data de fundação do Correio Braziliense“, explicou.

Leia também: O pioneirismo da Bahia na indústria gráfico-editorial privada brasileira

Ele ressaltou “a presença de um jornalista baiano, o primeiro jornalista brasileiro, de fato: Manuel Ferreira Araújo Guimarães”. Segundo ele, o militar da marinha brasileira cursou matemática em Portugal, tendo ensinado astronomia ao regressar ao Brasil. Como jornalista, Manuel começou a atuar na Gazeta e, 1812 e foi o fundador do jornal literário O Patriota, em 1813. “Ele é considerado o primeiro jornalista profissional do Brasil”. Nelson Cadena destacou também o aspecto tecnológico da Gazeta, que, segundo ele, usava maquinário de ponta, semelhante ao da Europa. “Quando surgiu, era um jornal compatível com qualquer jornal do mundo”.

Número 1 da Gazeta do Rio de Janeiro, publicado em 10 de setembro de 1808 – Foto: Biblioteca Nacional

Pioneirismo – Lançada a 10 de setembro de 1808, no Rio de Janeiro (RJ), a Gazeta do Rio de Janeiro foi o órgão oficial do governo português durante a permanência de Dom João VI no Brasil. Tendo circulado às quartas-feiras e aos sábados, foi editada primeiro pelo frei Tibúrcio José da Rocha e, depois, redigida pelo primeiro jornalista profissional do Brasil, Manuel Ferreira de Araújo Guimarães. Precursora do Diário Oficial da União, foi o segundo jornal da história da imprensa brasileira, sendo, no entanto, o primeiro a ser redigido e publicado totalmente no Brasil, pela Impressão Régia, com máquinas trazidas da Inglaterra – o primeiro periódico nacional, o Correio Braziliense, editado por Hipólito José da Costa em postura contrária à Coroa, foi lançado cerca de três meses antes, totalmente editado em Londres. Até a década de 1820, apenas publicações da Impressão Régia e de poucos impressores ligados ao poder tinham licença para circular no Brasil. Todavia, com a Independência, a publicação da Gazeta do Rio de Janeiro acabou sendo suspensa, sendo sua edição nº 157, de 31 de dezembro de 1822, a derradeira. Manuel Ferreira de Araújo Guimarães não atuou na Gazeta do Rio de Janeiro até o período final do jornal. Com a eclosão do movimento constitucionalista português, em meados de 1821, ele abandonou a publicação para criar O Espelho, suspenso após um ano e meio de atividades. (Saiba mais no site da Biblioteca Nacional).

ABI BAHIANA Notícias

Florisvaldo Mattos anuncia segunda edição de livro sobre a Revolta dos Búzios

O professor, poeta e jornalista Florisvaldo Mattos participou da reunião da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), nesta quarta-feira (8), para homenagear o transcurso dos 220 anos de um movimento emancipacionista que agitou a então capitania da Bahia, na última década do século XVIII: a Revolta dos Búzios, também chamada de Conjuração Baiana, Revolta dos Alfaiates ou Revolta das Argolinhas. Durante a palestra, Mattos anunciou a segunda edição de seu livro intitulado “A comunicação social na Revolução dos Alfaiates”, de 1998. A obra será lançada pela Assembleia Legislativa da Bahia, às 18 horas do dia 24 de agosto, no Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB).

A obra registra o pioneirismo baiano na utilização da comunicação pública como instrumento de mobilização política, no que o autor chamou de “terremoto sociopolítico que há justos 220 anos abalou o cenário colonial e urbano da então Cidade da Bahia”. Mattos explicou que o livro é fruto de uma dissertação de Mestrado em Ciências Sociais na Universidade Federal da Bahia. “Foi meu orientador um dos altos luminares dos estudos históricos baianos, o saudoso professor e folclorista José Calasans”, destaca.

Jornalista Florisvaldo Mattos palestra na reunião de Diretoria da ABI – Foto: Joseanne Guedes/ABI

“Deixando a parte essencialmente histórica à reconhecida competência dos historiadores, entre eles o professor Luís Henrique Dias Tavares, a meu ver, seu mais destacado estudioso, preferi abordar, talvez pioneiramente, um ponto crucial que consistia em definir o papel da comunicação social na dita insurreição”, ressalta o autor, que revelou ter optado pela designação mais repetida entre os estudiosos do movimento hoje popularmente chamado de Revolta dos Búzios.

O convite para reeditar o livro surgiu durante a sessão que comemorou os 219 anos da Revolta, na Assembleia Legislativa. “A maior da parte das pessoas que estavam na mesa e na plateia [da Assembleia Legislativa] era composta por negros e os que falaram mais eram do movimento negro. Por aí eu deduzi que o empenho político para fazer aquela reunião e comemoração vinha do movimento negro, que tinha abraçado o movimento como sendo parte da sua história”. O autor explicou que, hoje, o movimento é lembrado principalmente pelos movimentos negros organizados que marcam presença nas comemorações da data, pela identificação com a luta contra a escravidão e a associação com as origens africanas. A designação Revolta dos Búzios, inclusive, se deve ao fato de alguns revoltosos usarem um búzio preso a uma pulseira para facilitar a identificação entre si.

O movimento – Segundo Florisvaldo Mattos, o levante reuniu principalmente pessoas das classes sociais mais baixas, como negros escravizados, alforriados, alfaiates e soldados investidos dos ideais libertários e de igualdade da Revolução Francesa, no intuito de “libertar o Brasil-colônia do jugo colonizador de Portugal”. Eles espalharam, a partir de 12 de agosto de 1798, os seus chamados “boletins sediciosos” por locais de grande afluência pública na Cidade da Bahia colonial, como portas de igrejas e quartéis, cais do porto, mercados de peixe e açougues, tendas de alfaiates, oficinas de artesãos, feiras, e outros locais.

Dentre as bandeiras defendidas pelo movimento composto, em sua maioria, por pobres e analfabetos estavam “independência da capitania, implantação da república, abolição da escravatura, igualdade para todos, livre comércio com as nações do mundo, interrupção do vínculo da igreja com o Vaticano, instituição do trabalho remunerado, melhoria do soldo militar, garantias para os plantadores de cana, fumo e mandioca, assim como para os comerciantes”, afirmou Mattos.

A propagação das ideias do movimento conduziu à morte quatro dos envolvidos denunciados ao governador. A sentença incluiu enforcamento e esquartejamento, com a subsequente exposição dos corpos espalhados por vários pontos da cidade. Entre os sentenciados estavam dois soldados, Luiz Gonzaga das Virgens e Lucas Dantas do Amorim Torres, os artesãos João de Deus do Nascimento, mestre alfaiate, e Manoel Faustino dos Santos Lira, então oficial alfaiate, um ex-escravo. Luiz Pires é o quinto personagem que escapou da morte fugindo sem deixar rastro.

*Texto de Fernando Franco e Joseanne Guedes

ABI BAHIANA Notícias

“O jornalista é um contador de histórias”, diz Domingos Meirelles

Um contador de histórias. É assim que Domingos Meirelles se define. O premiado jornalista e escritor esteve na sede da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), no dia 7 de abril, para uma palestra em homenagem ao Dia do Jornalista. Meirelles, que é o atual presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), falou, para um auditório lotado, sobre as relações entre mídia e poder, a censura sobre a imprensa e a atuação do Poder Judiciário, além de transitar por questões como a obrigatoriedade do diploma e os desafios da profissão. O evento, que reuniu profissionais da comunicação, estudantes, representações políticas e autoridades, homenageou 50 cronistas esportivos que se destacam na profissão.

Domingos Meirelles acumula mais de 50 anos de atuação no jornalismo – desde que ingressou como estagiário no jornal Última Hora. A prática diária da reportagem foi exercida nos mais importantes impressos do país. Mas, foi através da televisão que ele alcançou projeção nacional. Em sua apresentação, o jornalista passeou pela história dos meios de comunicação, com destaque para o início da década de 70, quando as cores deram mais vida à “telinha” que ainda é o meio mais utilizado no Brasil.

aspasAutor de livros como “As noites das grandes fogueiras: uma história da Coluna Prestes” (Prêmio Jabuti de Melhor Reportagem de 1966) e “Os Órfãos da Revolução” (Prêmio Jabuti de Ciências Humanas de 2006), Meirelles lamenta o baixo índice de leitura do brasileiro. “Talvez, a maior tragédia deste país seja a perda do hábito da leitura. Não há quem escreva bem sem antes ter sido um leitor voraz”. No entanto, diz receber com cautela os prognósticos que apontam o fim da mídia impressa.

“Ela soube com muita competência enfrentar as transformações provocadas pelas novas tecnologias”. Para ele, o leitor, alvo principal, não se deixou levar pelo afã midiático e tecnológico, e citou como prova o estancamento das vendas de e-books. “Um exemplo disso é a biografia oficial de Steve Jobs. O lançamento do livro digital foi um desastre”.

Crise

dia do jornlaista (2)Domingos fez duras críticas às gestões das empresas de mídia. “O insucesso dos jornais está ligado à sucessão equivocada de seus fundadores. Quem assume, entende muito de negócios, mas nada de jornalismo”. E não poupou os profissionais da área. “Essa profissão é paixão. Não é para qualquer pessoa. Exige que o profissional se coloque no lugar do outro. E isso acabou. Nós temos redações frias”, desabafou. Segundo ele, o jovem já entra na redação com o vírus da autocensura. “Sai da faculdade domesticado. Isso é péssimo porque a marca dessa profissão é justamente a audácia”.

Durante a passagem pela capital baiana, o jornalista visitou algumas instalações e disse ter a sensação de estar “em um velório”, devido à falta de envolvimento entre os colegas. “Cada jornalista isolado em sua mesa, com o seu computador. O texto de hoje é frio, seco, sem vida. Dá para ver se foi feito por telefone, e-mail ou ao vivo”. Ele acredita que, independentemente do problema da censura, o jornalismo sofre hoje com a falta de qualidade. “Eu presenciei a precarização da profissão”.

Justiça

O vice-presidente da ABI, Ernesto Marques, falou dos pontos de conflito na relação entre o Judiciário e a imprensa, e abordou a judicialização da mídia como um dos principais desafios enfrentados pela classe, porque, de acordo ele, reforça as ameaças ao livre exercício da profissão. O dirigente relembrou processos recentes e seus impactos na atividade jornalística, como as ações contra o jornalista baiano Aguirre Talento, as disputas que colocam em xeque garantias constitucionais como o sigilo da fonte, ou ainda o caso dos repórteres do jornal paranaense Gazeta do Povo, que foram alvo de mais de quarenta ações movidas por juízes e promotores daquele estado.

Domingos Meirelles demonstrou preocupação com o fato de juízes de primeira instância estarem acolhendo processos que contrariam o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), de que o trabalho da imprensa não pode ser inviabilizado. “O Judiciário não tem se colocado a serviço do interesse público. E a imprensa está muito vulnerável”, constata o jornalista, que é defensor declarado da imprescindibilidade do diploma para o exercício da atividade. “Eu acho fundamental o diploma. Foi um absurdo o que aconteceu [a retirada da exigência]. Eu sou de uma época em que profissionais com anos de atuação recebiam registro. Mas, isso há 50 anos. Hoje, as condições são diferentes”.

Valorização

Quem faz coro é a presidente do Sinjorba, Marjorie Moura, que também enfrenta processo judicial por reportagens assinadas para o jornal A Tarde. A jornalista mantém um tom esperançoso, mesmo relatando os diversos casos de agressões, ameaças e intimidações que passam por sua mesa todos os dias. “Essa é a melhor profissão do mundo. É preciso ter coragem. Somente valorizando o passado é que podemos enfrentar o futuro com dignidade”.

Domingos Meirelles também ressalta a importância da profissão e diz que, enquanto houver vida em uma redação, há motivo para comemorar a data maior dos jornalistas. “Essa, talvez, seja uma das profissões mais fascinantes que existem. É o elo de comunicação entre a informação e o cidadão. O jornalista é um contador de histórias”, afirmou ele que segue no núcleo de reportagens especiais da Rede Record.

walter pinheiro
Walter Pinheiro, presidente da Associação Bahiana de Imprensa

O presidente da Associação Bahiana de Imprensa, Walter Pinheiro, destacou o orgulho e a satisfação com as homenagens ao Dia do Jornalista. Para ele, as comemorações são uma amostra do carinho e reconhecimento aos profissionais.

O evento foi realizado através de uma parceria entre o jornalista e conselheiro da Associação Brasileira de Imprensa, Fábio Costa Pinto, e o diretor da Central de Comunicação, Nelson Rocha, com a chancela da ABI Nacional. Além da Associação Bahiana de Imprensa, apoiaram o Sinjorba (Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado da Bahia), Arfoc (Associação dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos do Estado da Bahia), Sinterp (Sindicato dos Trabalhadores Radialistas e Publicitários), Associação de Cronistas Desportivos da Bahia (ABCD) e W4 Propaganda.

  • Em breve, a ABI publicará as respostas de Domingos Meirelles para as questões feitas pelo público

Confira os nomes dos cronistas homenageados:

dia do jornlaista (3)Antônio Matos, Ari Pacheco, Ary Moura (Jequié), Antônio Tillemont, Antônio Pastori, Carlos Santana, Cláudio Roberto (Itabuna), Cleuza Duarte, Cristóvão Rodrigues, Chico Queiroz, Darino Sena, Djalma Costa Lino, Dito Lopes, Expedito Magrini, Edmilson Ferreira, Edson Almeida, Eliseu Godoi, Gabriel Saraiva, Heloisa Braga, Isaura Maria, Ivanildo Fontes, Itajaí Pedra Branca (Feira de Santana), Ivan Pedro, José Oswaldo, José Eduardo, José Ataíde, Jorge Samartin, Juliana Guimarães, Jorge Vital de Lima, Jorge Allan, José Maria (Ilhéus), João Borges Bougê, José de Oliveira ”Zé Gandula” (Conquista), Jair Cezarinho (Feira), Mário Freitas, Manuel Messias, Marco Aurélio, Martinho Lélis, Nilton Nogueira, Oldemar Seixas, Patrícia Abreu, Paulo Cerqueira, Paulo José (Feira de Santana), Raimundo Ruy, Renato Lavigne, Silva Rocha, Silvio Mendes, Salomão Batista, Thiago Mastroiane e Wademir Vidal.

ABI BAHIANA Notícias

Palestra de Pedro Simon analisa a conjuntura política brasileira

Desde que reuniu fatos marcantes da política recente do país nas suas memórias ao deixar o Senado, em dezembro passado, o político e advogado gaúcho Pedro Simon viaja o Brasil com palestras polêmicas, já tendo participado de quase 20 eventos em cidades do Sul, Sudeste e Nordeste. Nesta quinta-feira (14) foi a vez de a capital baiana receber um dos principais ícones do cenário político nacional, para uma conversa sobre o atual momento de crise político-econômica do Brasil e sua repercussão internacional. Aos 85 anos, Simon foi recebido no suntuoso palácio da Associação Comercial da Bahia (ACB), pelo presidente Marcos Fonseca, de quem recebeu uma medalha comemorativa aos 200 anos da instituição. O evento realizado em parceria com a Associação Bahiana de Imprensa (ABI) foi conduzido por um dos diretores das duas entidades, Pedro Daltro, e reuniu empresariado e imprensa locais. Conhecido ao longo da carreira pelos discursos firmes e indignados, Simon levantou temas polêmicos, entre eles os escândalos recentes que envolveram a Petrobrás.

Em seu discurso, o presidente da ABI, Walter Pinheiro, propôs um minuto de silêncio pelo falecimento, na manhã desta quinta (14) da professora Consuelo Pondé de Sena, diretora da ABI, Conselheira de Cultura da ACB  e presidente do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB). Ao término da homenagem, Walter Pinheiro destacou a trajetória de Pedro Simon, cuja participação, segundo ele, foi imprescindível nos mais relevantes fatos políticos das últimas décadas. “A riqueza de sua vida pública está marcada pela defesa da Anistia. A partir daí, era identificado facilmente nas tribunas deste país, com um gestual forte, inconfundível, denunciando mazelas, defendendo os direitos humanos e a liberdade de expressão, buscando a implantação de uma sociedade mais igualitária e externando seus protestos, convicções e propostas para a construção de um Brasil melhor”, ressaltou. O dirigente convidou sua esposa, Gel Pinheiro, para entregar um buquê de flores a Ivete Fülber Simon, esposa do senador Pedro Simon e responsável por sua agenda de viagens.

20150514_181715
Foto: ABI

Simon analisou a crise econômica do país, abordando temas como corrupção, alternância de poder, infidelidade partidária e defendeu uma cruzada cívica para promover uma reforma política no Brasil. Ele recordou momentos decisivos da política nacional, como o suicídio de Getúlio Vargas, a renúncia de Jânio Quadros, a queda de João Goulart, os 20 anos da ditadura militar e a luta pela redemocratização do Brasil. Falou da CPI para cassar Collor e defendeu que agora seria o momento propício para mudar o país. Mas alertou para o “perigo” de as manifestações estarem difusas e não terem uma “liderança com credibilidade”, além de recomendar aos empresários que saiam às ruas para manifestar sua insatisfação sobre os problemas do país e apresentar soluções.

O ex-senador que atuou por 32 anos disse temer pela falta de rumos e pela ausência da busca de saídas da política brasileira se as lideranças não fizerem nada, pode ficar pior. Ele afirmou ter ficado especialmente impactado com o “ataque” à Petrobrás. “Esta empresa é a grande demonstração da garra, da competência do povo brasileiro. Se tivessem atacado minha casa, eu não sentiria tanto”, confessou. Os políticos, segundo ele, devem deixar para a Justiça o julgamento dos envolvidos no caso e se unir para recuperar os padrões éticos e morais da política brasileira. “Eu e minha mulher estamos viajando pelo Brasil, falando ao nosso povo. Meu objetivo não é pessoal. Eu não tenho mais um futuro na política partidária. Decidi sair por todos os cantos deste país porque minha consciência pede. Chegamos no fundo do poço, mas não há momento mais propício para firmar um pacto por todos os partidos porque o Brasil tem todas as condições de ser feliz”.Para ele, a política virou “um troca-troca”. “Esse é o grande escândalo do Brasil. O país não aguenta mais essa política. O momento que nós estamos vivendo é de rebeldia. Na verdade, a gente tem raiva das coisas que estão acontecendo. O Brasil nasceu para ser uma grande nação e vai ser”, destacou, em um misto de frustração e esperança.

Foto: ABI
Foto: ABI

Pedro Simon foi aplaudido pelos participantes do evento, que contou com os ex-governadores da Bahia, Roberto Santos e Waldir Pires, vereador de Salvador pelo PT-BA. Participaram também jornalistas, empresários, os diretores da ABI Pedro Daltro,Valter Lessa, Raimundo Marinho, Romário Gomes; o presidente da Assembléia Geral da ABI, Samuel Celestino, Ernesto Marques, Luís Guilherme e a presidente do Sindicato de Jornalistas da Bahia, Marjorie Moura.

Trajetória – Filho de libaneses católicos radicados no Rio Grande do Sul nos anos 1920, Simon vive a política desde o fim do Estado Novo de Getúlio Vargas. Quando o governo, por meio do Ato Institucional número 2, em 1965, extinguiu o pluripartidarismo e adotou o bipartidarismo, ele era membro do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição à Aliança Renovadora Nacional (Arena), que dava sustentação ao regime militar. No final dos anos 1960 e início dos 1970, Simon usava sua experiência de advogado para ajudar presos políticos. Visitava delegacias de cidades gaúchas em busca de notícias de colegas capturados. Bancava festas de Natal para os filhos dos amigos presos pelo regime militar.Seu último momento de relevância como articulador político transcorreu após o impeachment de Fernando Collor. No final de 1992, Itamar Franco, que assumira a Presidência, convidou Simon a assumir a Liderança do governo no Senado.