Notícias

Globo de Ouro 2018: A mulher que bancou o furo do Watergate

Todo estudante de jornalismo tem na cabeça um marco que materializa um exemplo profissional a se seguir: Watergate. E a maioria já quis ser como a dupla de incansáveis repórteres Bob Woodward e Carl Bernsteins – responsáveis por desvendar o caso de espionagem política que levou o presidente americano Richard Nixon a renunciar. Ou o editor que aguentava as pressões, Ben Bradlee. O que muita gente não sabe é que por trás desse grupo de jornalistas homens havia uma grande mulher que a história, assim como aquele roteiro, ignorou.

Quando o diretor Alan Pakula rodou em o clássico Todos os Homens do Presidente (1976), Robert Redford comunicou a Katharine Graham, proprietária do The Washington Post, que sua personagem não sairia no filme. “Ninguém entendia bem a função da proprietária e era complicado demais explicar (…). Para minha surpresa, me senti um pouco ferida porque prescindiram de mim totalmente”, conta Graham em sua autobiografia. Seu pai era o dono do Washington Post, mas quem herdou o posto, a princípio, foi seu marido. No entanto, depois de uma complicada história pessoal, foi Katharine, que assumiu as rédeas da empresa e transformou o jornal em uma referência no setor.

Agora, outra grande mulher, Meryl Streep, interpreta Graham em The Post, – A Guerra Secreta o filme sobre os papéis do Pentágono, outro marco do jornalismo. O filme recebeu seis indicações ao Globo de Ouro 2018, primeira festa de gala desde a sucessão de escândalos sexuais que abalaram a indústria cinematográfica e motivaram um protesto em que até o tapete vermelho da cerimônia se tingiu de preto contra o assédio.

A partir do dia 1º de fevereiro, quando a obra estreia por aqui, os brasileiros poderão conferir se Spielberg soube explicar, enfim, qual era a função de Katharine Graham e que ela mesma descreveu assim: “Minha função principal foi respaldar os chefes e repórteres, acreditar neles”. Provavelmente, o melhor, o mais jornalístico e o mais difícil dos papéis que se podia desempenhar naquele momento.

Confira o trailer de “The Post”:

*Informações de Mari Luz Peinado para o El País.

Notícias

FBI anuncia que policiais poderão se passar por jornalistas em investigações

DEU na Associação Brasileira de Imprensa (ABI) – James Comey, diretor da polícia federal norte-americana(FBI), declarou nesta terça-feira, dia 9, em encontro com profissionais de imprensa, que qualquer agente do órgão pode apresentar-se como um jornalista para concluir uma investigação. Comey assegurou que “esta tática, utilizada raramente, é desenvolvida com cuidado e sob  rigorosa supervisão”. A agência de notícias Associated Press (AP) exigiu garantias do Departamento de Justiça dos EUA e do FBI de que a medida não seja usada.

James Comey revelou que em 2007 um agente do FBI fingiu ser repórter da AP durante uma investigação criminal. De acordo com a agência, Comey enviou uma carta ao The New York Times informando que o policial “ portou-se como um empregado da Associated Press a fim de capturar um adolescente de 15 anos acusado de fazer ameaças de bomba contra uma escola em Washington”.

Em documento oficial enviado a James Comey e ao procurador-geral dos EUA, Eric Holder, a AP questionou os métodos usados pela polícia. “Esta tática policial enquadra-se no crime de falsidade ideológica, que corrompe os princípios fundamentais da imprensa livre e a imparcialidade da notícia” Diz o texto assinado pelo presidente e diretor-geral da AP, Gary Pruitt. Segundo James Comey, a técnica era apropriada com as diretrizes da época. No entanto, Kathleen Carroll, diretora-executiva da AP, disse que as ações do FBI são “inaceitáveis”.

Paul Colford, diretor de relações de mídia da AP, também manifestou repúdio em relação às técnicas de investigação da FBI. “Estamos extremamente preocupados, já que é inaceitável que o FBI use o nome da Associated Press e publique uma história falsa”, lamentou Paul Colford.

Ética

The-Seattle-Times-página-falsapNo último mês de outubro, o FBI forjou uma página do site do jornal Seattle Times para agilizar uma investigação.  O link da página do veículo, que publicara uma reportagem falsa sobre as ameaças de bomba, foi enviado para a conta do MySpace do suspeito do crime. Com isso, os agentes conseguiram rastrear o computador do criminoso e revelar a identidade. Na ocasião, o Seattle Times e a AP denunciaram que a medida ultrapassava os limites da ética jornalística e comprometia a credibilidade do veículo. Desde então, os agentes do FBI precisam de autorizações da chefia de Redação local e de um oficial sênior.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, os documentos obtidos pela Fundação Fronteira Eletrônica (EFF, na sigla em inglês), apontam que um escritório do FBI em Seattle fabricou uma notícia e uma página falsa do Seattle Times para ter acesso ao computador de um suspeito que anunciou uma série de ameaças à bomba em 2007.

A publicação informou que apenas soube do incidente depois que o diretor técnico da União Americana pelas Liberdades Civis, Christopher Sogohian, escreveu em seu Twitter sobre a ação do órgão. “Estamos indignados com o FBI, que, com a ajuda de advogados nos EUA, apropriou-se indevidamente do nome do Seattle Times para instalar-se secretamente no computador de um suspeito do crime”, disse Sogohian. O FBI ainda não respondeu às solicitações sobre os casos em que foram adotadas essas técnicas.

Notícias

MPF denuncia cinco militares pelo assassinato de Rubens Paiva

Mais uma vez, a Justiça Federal é desafiada a se posicionar sobre um crime do regime militar brasileiro e cinco militares do Exército apontados como responsáveis pelo homicídio e ocultação do cadáver do ex-deputado Rubens Paiva devem ir para o banco dos réus. Na denúncia, que chegou nesta segunda-feira à 4ª Vara Federal Criminal, o Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro sustenta que a morte de Paiva, assassinado sob tortura entre os dias 21 e 22 de janeiro de 1971, por ser um crime de lesa-humanidade, não prescreveu nem foi perdoada pela Lei de Anistia de 1979. O MPF-RJ também denunciou os cinco por associação criminosa armada e três deles por fraude processual.

Suspeito de intermediar a troca de correspondência entre exilados no Chile e seus contatos no Brasil, o ex-deputado foi preso em casa, no Leblon, no início da tarde do dia 20, por agentes do Centro de Informações de Segurança da Aeronáutica (Cisa). No mesmo dia, após interrogado, foi transferido para o Destacamento de Operações de Informações do 1º Exército (DOI-I), na Rua Barão de Mesquita, onde não resistiu a “selvagens torturas”, como concluiu o MPF após três anos de investigação. O corpo da vítima nunca foi localizado.

Segundo depoimentos, o ex-deputado federal Rubens Paiva foi torturado ao som de "Apesar de Você", de Chico Buarque/ Foto: Arquivo Pessoal
Segundo depoimentos, o ex-deputado federal Rubens Paiva foi torturado ao som de “Apesar de Você”, de Chico Buarque/ Foto: Arquivo Pessoal

O desaparecimento e assassinato de Paiva estiveram por mais de 40 anos cobertos por um manto de silêncio, mas a documentação encontrada na residência do tenente-coronel reformado e assassino confesso, Paulo Malhães, serviu para que o MPF desse o passo para apresentar uma denúncia contra os militares. Malhães morreu em sua casa no dia 24 de abril, em circunstâncias ainda investigadas. Um mês antes de sua repentina morte, o ex-militar havia dado depoimento à Comissão Nacional da Verdade (CNV) instaurada no Brasil para investigar crimes cometidos durante os anos de chumbo (1964-1985).

No interrogatório, Malhães reconheceu com extrema frieza sua participação em uma longa lista de assassinatos, torturas e desaparecimentos de dissidentes do regime militar. Mas, negou sua intervenção no assassinato de Paiva, embora tenha admitido conhecer detalhes do mesmo. De acordo com Malhães, ele foi torturado, Ele foi torturado, morto, os restos mortais foram enterrados numa praia e, mais tarde, desenterrados e jogados ao mar. Ele falou também de outras pessoas torturadas no local que ficou conhecido como “Casa da Morte”, em Petrópolis, na Região Serrana.

Foto: Álbum de família/O Globo
Rubens Paiva com a mulher, a sogra e os filhos/ Foto: Álbum de família-O Globo

Ao cruzar depoimentos de militares da repressão e ex-presos com documentos do Exército e da comunidade de informações, os procuradores da República responsáveis pelo caso decidiram denunciar o general reformado José Antonio Nogueira Belham, comandante do DOI em 1971, e o coronel reformado Rubens Paim Sampaio, ex-agente do Centro de Informações do Exército (CIE), por homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e associação criminosa armada. Já o coronel Raymundo Ronaldo Campos, oficial de plantão no DOI-I no dia 22 de janeiro, e os sargentos Jurandir e Jacy Ochsendorf e Souza foram acusados de fraude processual e associação criminosa armada.

Somadas as penas, Belham e Paim podem pegar até 37 anos e seis meses de prisão, enquanto Raymundo e os irmãos Ochsendorf teriam até dez anos a cumprir. Os procuradores alegam que os crimes cometidos pelos cinco militares se deram em um contexto de ataque sistemático e generalizado contra a população civil por um sistema semiclandestino de repressão, baseado em invasões de domicílio, sequestro, tortura e desaparecimento de “inimigos do regime”.

Leia também:

Durante a apresentação do relatório das investigações e da ação penal, Sérgio Suiama, um dos procuradores responsáveis pela denúncia, acusou o Exército de sonegar informações solicitadas pelo Ministério Público. Em resposta a um ofício dos procuradores, que pedira as folhas de alterações (espécie de histórico da carreira) do general Belham, o órgão respondeu apenas que, entre 1977 e 1981, o acusado serviu como oficial de gabinete do Comando do Exército. No entanto, um dos documentos apreendidos na casa de Paulo Malhães comprovou que Belham, no mesmo período, era chefe da Seção de Operações do CIE.

O Ministério Público Federal, que durante três anos investigou o caso, analisando minuciosamente 13 pastas de documentos e ouvindo o depoimento de 27 pessoas, também solicitou à Justiça que congele as aposentadorias dos cinco militares, e ao Exército brasileiro que retire as medalhas e condecorações obtidas durante suas carreiras. O advogado Rodrigo Roca, que representa três denunciados (Belham, Raymundo e Paim), disse que vai aguardar a decisão da Justiça antes de agir. Ele pretende pedir o trancamento da ação.

Tortura ao som de música

Depoimentos que fazem parte da denúncia apresentada ontem (19) pelo MPF-RJ relatam como foram os últimos momentos de vida do ex-deputado federal Rubens Paiva. Marilene Corona Franco e Cecília Viveiros de Castro ouviram os gritos de Paiva nas dependências do DOI-Codi. As duas mulheres foram presas quando voltavam do Chile, onde tinham visitado parentes exilados, e traziam cartas de outros brasileiros que haviam fugido para aquele país. O contato para a distribuição das cartas no Brasil era Rubens Paiva.

Aos procuradores, Marilene contou que era possível ouvir os gritos de Paiva, apesar de seus torturadores tentaram abafar o ruído com um aparelho de rádio em alto volume. Ela relatou não ter esquecido as músicas que ouviu naquele momento: “Jesus Cristo”, de Roberto Carlos, e “Apesar de Você”, de Chico Buarque.

Em outro ponto do DOI-Codi, o médico Edson Medeiros, que estava em cela gradeada no térreo do DOI-Codi, ouviu os mesmos gritos e a mesma música –”Jesus Cristo”, em alto volume. Aos procuradores, contou que algum tempo depois viu de sua cela passarem dois recrutas puxando pelos pés um homem forte e gordo, com mais de 100 quilos. O homem foi colocado em uma cela ao lado da sua e gemia muito. Algumas horas depois viu agentes retirarem da cela um corpo inerte e totalmente coberto. O médico disse aos procuradores que não conhecia Rubens Paiva, mas depois, vendo as fotos que saíram nos jornais, não teve a menor dúvida de que era o deputado o homem arrastado pelos agentes.

*Com informações de O Globo, Folha de S. Paulo, El País (Edição Brasil) e O Dia.

Notícias

TalCual de Caracas denuncia perseguição ao jornal e pede investigação

O diretor do diário TalCual de Caracas, Teodoro Petkoff, foi nesta segunda-feira (17) à sede da Procuradoria-Geral da República para solicitar a abertura de um inquérito contra Diosdado Cabello, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela e número dois do chavismo dirigente, por uma suposta perseguição à sua pessoa e a seu meio de informação. Na última terça-feira, este site publicou uma matéria em que se destaca o uso de dispositivos legais para silenciar os meios de comunicação privados e independentes que são desconfortáveis para o governo venezuelano.

Chefe do diário venezuelano TalCual, Teodoro Petkoff/ Foto: Arquivo Pessoal

Em um relatório apresentado ante o ministério público, Petkoff e seus representantes legais presumem que Cabello – também ex-vice-presidente da República e várias vezes ministro de Hugo Chávez – poderia ter incorrido nos delitos de falsificação de documentos públicos, prevaricação e peculato. Certamente é pouco provável que a promotoria, liderada por Luisa Ortega Díaz – uma renomada simpatizante do chavismo – chegue sequer a atender ao pedido de que se investigue um dos integrantes da dupla que, junto com Nicolás Maduro, lidera a revolução bolivariana depois da morte do comandante Chávez.

Um tribunal de Caracas aceitou há quase duas semanas um processo no qual Cabello acusa o diário de ter cometido “difamação agravada” contra sua pessoa. Além de compensações pecuniárias, o dirigente oficialista pede penas de prisão para Petkoff, os integrantes do conselho do diário, e para o autor da nota na qual supostamente Cabello teria sido exposto ao descrédito, Carlos Genatios, um ex-ministro de Chávez e agora dissidente do bolivarianismo. O juiz do caso também emitiu medidas cautelares contra os acusados, que incluem a proibição de que saiam do país e uma ordem para que se apresentem semanalmente ante o tribunal, independentemente das diligências próprias do processo.

Longe de recuar, Petkoff – ex-ministro e editor, líder guerrilheiro há meio século, precursor na Venezuela do chamado eurocomunismo no início dos anos 70 – contra-atacou. No processo apresentado ante a promotoria, o veterano homem público faz notar que Diosdado Cabello outorgou poderes a seu representante legal, a advogada Ítala Hernández Torres, 23 dias antes que o jornal publicasse o artigo que afetaria a reputação do presidente do Parlamento.

A irregularidade parece respaldar a suspeita difundida nesses dias noTalCual, no sentido de que a demanda seria parte de uma emboscada preparada de antemão pelo governo, que aproveitaria qualquer desculpa para isso, por menor que fosse. Além disso, um dos poderes outorgados à advogada teria sido solicitado por Cabello não como pessoa física, senão com o nome do Departamento Executivo da Legislatura, o que daria a entender que a ação legal não era empreendida por um indivíduo senão por um poder do Estado, e justamente o que Cabello controla com mão de ferro.

“Este processo é uma coisa sem pé nem cabeça”, assegura Petkoff em uma declaração gravada em vídeo que foi distribuída a diversos meios de comunicação. “Corresponde ao contexto geral de abuso de poder que enfrentamos há 15 anos na Venezuela. O regime manipula a Justiça, a coloca a seu serviço e a tem justamente assim para conseguir os objetivos de interesse particular de alguns de seus servidores públicos”.

Essa investida chega em um momento especialmente frio na já longa confrontação entre a revolução venezuelana e a imprensa independente. De acordo dados do Sindicato Nacional da Imprensa (SNTP), até a sexta-feira passada 107 jornalistas haviam sido agredidos ou detidos durante a abrangência dos protestos de rua que abalam a Venezuela desde 12 de fevereiro.

Consultada sobre o caso do TalCual, a Relatora Especial para a Liberdade de Expressão da Organização dos Estados Americanos (OEA), a colombiana Catalina Botero, destacou em Washington o pedido irregular de pena de prisão para os diretores e o colaborador do diário. “Resulta em uma violação do direito internacional o uso do direito penal para encarcerar uma pessoa por ter feito declarações sobre altas autoridades públicas”, diz a especialista ao responder a um questionário que este jornal enviou por e-mail. “A criminalização da dissidência é uma conduta incompatível com uma sociedade democrática”.

Segundo Botero, em instâncias internacionais se observa com atenção as circunstâncias na Venezuela do exercício do jornalismo. “A Relatoria Especial pronunciou-se com a Comissão Interamericana dos Direitos Humanos, manifestando sua profunda preocupação pela situação na Venezuela. Recebemos informação sobre ataques e agressões físicas aos jornalistas, práticas sistemáticas de furto e destruição do material jornalístico, ameaças e intimidações aos meios de comunicação nacionais e estrangeiros, fechamento de canais de televisão como o NTN 24, dificuldades para se ter acesso ao papel, enfim, uma situação extremamente preocupante”.

“A isso se somam”, continua a relatora da OEA, “as denúncias penais e as restrições a jornalistas destacados, como Teodoro Petkoff, para sair do país. Neste sentido, fizemos um chamado às autoridades venezuelanas, pois em uma sociedade democrática é indispensável que os jornalistas possam informar com liberdade e que a população tenha acesso a uma informação plural, especialmente em relação a temas de interesse público”.

As informações são de Carla Jiménez para o El País (Edição Brasil)